# # #

O Anel de controle Parte 04

4367 palavras | 2 |4.67
Por

Um conto de hipnose e controle mental… Homem fode duas mulheres com poder do anel (um cuzinho e uma bucetinha virgem)… A saga continua…

Após toda após toda aquela fudeção com a Rô, tive que terminar os meus processos do dia, motivo pelo qual fiquei super atarefado o resto da tarde.
Logicamente, usei o meu poder do anel para fazer a Dra. Rô terminar alguns e assim me Poupar algum tempo.
Enfim, por volta das 19 horas tinha terminado o serviço e, estava sozinho no escritório, uma vez que todos já tinham ido embora. chegou a hora de colocar o meu plano em ação!
Liguei para a Dra. Rô, que me confirmou estar com a secretária na suite presidencial do motel, na exata forma em que determinei. Disse ainda que já deixou o meu nome com a atendente para liberar a entrada e direcionar-me aos seus aposentos.
Então guardei as minhas coisas, desliguei tudo e saí para o meu carro. Neste momento, meu telefone tocou e vi que era a minha esposa Larissa.
Que droga! Esqueci desta parte, mas teria que resolver. Pensando bem, mesmo que não resolva agora, conseguirei resolver depois já que tenho o poder do Anel.
Atendi o telefone, e ela já me disse:

– Porque você ainda não chegou em casa?

-Porque hoje tenho um encontro com amigos para tratar de questões importantíssimas que negócio – disse para ela.

-não acredito em você! Se não chegar aqui dentro de poucos minutos, a coisa vai ficar feia – disse ela num tom bastante revoltado.

-não tenho tempo para isso agora! Depois a gente conversa, tchau! -disse para ela e desliguei o telefone.

O telefone chegou a tocar mais algumas vezes e, então, o desliguei definitivamente para não ser mais incomodado .
Já estava meio nervoso com aquela situação, onde já se viu ser tratado assim! Mas isso iria mudar, porém trataria disso em uma outra hora .
Fui então, até o motel pensando nas loucuras que poderia fazer aquela noite. Ao chegar me identifiquei e a atendente me entregou a chave da suite presidencial e me desejou boa noite.
Entrei, coloquei o carro na garagem, e subi as escadas. Ao entrar, encontrei as duas conversando sobre a viagem de negócios, estava a dra. Rô explicando dentro de sua arrogância costumeira como deveria a secretária se comportar em eventos como este, e que não sabe porque ela estava indo pois preferia seguir sozinha.
Ao entrar, me cumprimentaram, e perguntaram a minha opinião sobre o assunto. Mas apenas disse que tanto fazia e fui em direção ao banheiro tomar um banho.
Quando sai do banheiro, percebi que as duas continuavam batendo boca, foi aí que disse para elas:
– tirem suas roupas e vão tomar um banho agora!

Houve uma pequena hesitação por parte das duas, seguida por uma discussão sobre quem tomaria banho primeiro. Percebi então que havia uma resistência em ficarem nuas perto uma da outra. Então perguntei:

– Rô, porque não quer tirar sua roupa perto da Gab?

-Porque ela é uma simples secretária, não tiro a minha roupa perto de outras pessoas e muito menos o farei perto de uma coisinha insignificante dessa! -disse ela com tom de desprezo mas sendo a verdade, em razão do comando de não mentir que ele havia dado.

Fiquei puto com a arrogância e prepotência essa mulher, me contive um pouco e perguntei a Gab porque ela também se conteve em tirar roupa.

-nunca fiquei nua perto de pessoas estranhas, somente minha mãe e você que acho normal. Disse ela.

Sabia que as duas tinham trabalhado o dia inteiro e precisavam tomar um banho para começarmos nossas aventuras. Aliás, depois das sessões que tivemos durante o dia, tenho certeza que deveriam estar suadas e com odor forte.
Mas não gostei do quê a Dra. Rô disse, e precisava castigá-la! Então lhe falei:

– Rô e Gab, a partir de hoje vocês não mais sentiram vergonha, nem deixaram qualquer outro sentimento impedir vocês descer despirem na frente uma da outra. E mais, ainda que não tenho desejos de relação lésbica, aceitará todas as ordens que eu der neste respeito e farão tudo sem hesitar!

-Rô, quando a Gab terminar de se despir, quero que você lamba ela primeiro no pescoço até o umbigo, não se esquecendo de lamber bastante o suvaco e, depois, do dedão do pé até à virilha. Então quero que você lamba bastante a buceta dela e o cuzinho, neste eu quero que você chupe e enfie sua língua, use um pouco do dedo indicador para te ajudar.

Neste momento, enquanto iam tirando a roupa, percebi que estava com corpo um pouco colante, na exata forma que eu imaginava em razão de todos os atos sexuais que fizemos.
Rô, então, começou a lamber Gab do pescoço até o umbigo, e do dedão do pé até à virilha. Achei engraçado, e dei uma gargalhada, quando ela lambeu o suvaco e o pé, pois a Gab sentia cócegas e teve muita dificuldades te deixar a Rô fazer o que ordenei, somente tendo conseguido depois que dei ordem para não atrapalhar não importasse a Cócegas que sentisse, em contrapartida, Rô tinha ânsia de vômito e repetia constantemente que o gosto era horrível, e quê não aguentava mais.
Naquele momento eu já estava de pau duro, doido para começar a brincadeira! Mas esperei mais 10 minutos enquanto Rô lambia a buceta raspadinha da secretária e depois chupava e lambia o seu cuzinho enfiando o dedo para chupar melhor.
Então interrompi e disse:

– vão as duas para o chuveiro agora e tomem um banho rápido, ajudem uma a outra para acabarem logo! Depois venham para o quarto.

Menos de 5 minutos depois, chegavam as duas terminando de secar. Quando então ordenei:

-Rô, vem me dar um boquete e Gab vem aqui e coloca essa bunda e buceta na minha cara, enquanto vc ajuda a Rô me chupar!

Queria a Rô no comando do boquete, enquanto eu brincava com este cuzinho virgem e buceta com cabacinho. Enquanto Rô caia de boa no meu pau, a magrelinha passou as pernas entre os meus ombros e deixou sua buceta exposta para mim. Já naquele tesão naquele boquete gostoso que ela estava fazendo, fiquei muito mais louco na hora que Rô foi para o meu saco e Gab começou a me chupar.
Vocês não tem noção do que é um boquete duplo!!!
Não sabia nem se iria aguentar muito tempo, pois estava maravilhoso atenção que o meu pau e o meu saco estava tendo. Parece que eu estava sendo ordenhado por duas bezerras ávidas por leite!
Enquanto estava no céu, e tentando segurar um orgasmo prematuro, me concentrei naquela buceta que estava na minha frente. Com as mãos abri ela o máximo que pude e consegui ver nítito aquele cabacinho rosinha, meti a língua e chupei muito o grelinho dela. Estava quase rompendo aquele cabaço com minha língua de tanto que enfiava na buceta e forçava. Então comecei a lamber também o cuzinho dela, que apesar de virgem estava um pouco aberto em razão do tratamento especial que deu a Dra Rô.
Fui então alternando entre massagenzinha no grelinho com uma mão e dedo no cuzinho com a outra, enquanto lambia a sua buceta. Nisso já sentia o meu pau pulsando de vontade de gozar enquanto elas alternavam ora uma ia para o saco chupar e a outra para o meu pau, ora invertiam e ora ficavam as duas no pau, uma chupando e fazendo sucções na cabeça enquanto a outra lambia e abocanhava ele pela lateral.
Ordenei que Rô fizesse igual da outra vez, ou seja, não acelerasse muito para que eu não gozasse. É isso me ajudou a ficar mais alguns minutos lambendo aquela buceta enquanto elas faziam aquele boquete molhado e gostoso, como se estivessem com fome de leite.
Então, com o pau estourando, e já tendo a Gab gozado umas três vezes na minha boca, pedi para que elas parassem e se levantassem. A secretária mal conseguia ficar em pé, tendo que se escorar na Rô, em razão dos orgasmos que teve. Então ordenei que a Gab ficasse de quatro em cima da cama e que a Rô fizesse uma posição de 69 com ela, deixando as pernas bem abertas para quê a Gab pudesse lhe dar uma atenção na sua buceta.
Depois que elas se arrumaram, vi a cena mais instigante que um homem pode ver! A buceta e o cuzinho virgem daquela magrinha na minha frente e embaixo a cabeça da Rô. Peguei o meu pau e ordenei que a Rô abrisse sua boca para eu enfiar. Mas, para minha surpresa, ela não deixava eu enfiar o pau direito. Ficava puxando a cabeça para o lado e com as mãos segurando a minha virilha. Então perguntei:

-Por que não deixa eu enfiar o pau na sua boca direito?

-não consigo fazer garganta profunda, me dá muita ânsia de vômito. Por isso eu treinei bastante para dar um boquete gostoso para meu namorado e satisfazê-lo sem que seja preciso matar qualquer vontade dele de enfiar o pau na minha garganta – disse ela.

Então estava explicado, quer dizer que ela não fazia garganta profunda e por isso ficou tão boa em boquete. Mas eu tinha o poder, e fiquei com mais tesão ainda por saber que ela não tinha feito garganta profunda com seu namorado e nem com ninguém. Será que existem virgem de garganta profunda? Se existe este nome, então era hora de ela perder o cabaço de sua garganta!

– para mim não importa se você tem anjo de vômito ou não! Você irá abrir essa boca eu vou socar o meu pau na sua garganta, você vai ter que se acostumar com isso De hoje em diante! E mais, todo boquete que for dar, você irá fazer garganta profunda, e sempre que possível, fará no momento que seu parceiro gozar para que ele goze no fundo de sua garganta.

Ela então abriu a sua boca e eu enfiei o meu pau, deixando que ela desse algumas sucções e chupadinhas, quando então comecei a fazer um vai e vem na sua boca, e comecei a enfiar na sua garganta. Ela começou a ter crise de vômito, mas não me impediu de continuar socando o pau para dentro de sua boca. Enfiei o pau todinho na sua garganta, sentindo seu nariz encostar no meu saco e o seu queixo na minha virilha. Segurava o pau um pouco e tirava para ela respirar e dar suas crises de Ânsia de vômito. Em seguida enfiava o pau de novo e socava com força na sua garganta, ignorando suas ânsia de vômito e seus olhos que lagrimejavam… Mas como tinha ordenado que Gab chupasse e lambesse sua buceta como se estivesse com muita fome de gozo de buceta, rapidamente Rô começou a gozar, mesmo com o pau na garganta.
Era hora de tirar o cabacinho daquela buceta magrelinha. Como disse para vocês, Gab Era muito magrelinha, e eu não sabia se ela aguentaria o meu pau. Coloquei a cabeça na entrada de sua buceta e fui socando devagarinho, com muita dificuldade meu pau foi entrando e se acomodando. Mas não tinha chegado nem um dedo depois da minha cabeça e já estava na resistência de seu cabacinho. Sentir ela ofegar um pouco, Talvez fosse pela resistência de sua buceta frente ao tamanho do meu pau.
Não é que o meu pau seja tão grande assim, tenho aproximadamente 19 cm de comprimento mas ele é bem grossão.
Perguntei para ela se estava tudo bem e ela respondeu que sim, só que estava com medo e que estava doendo um pouco. Com tesão aumentando, ainda tinha dúvidas se poderia machucá-la ou não, e as consequências daquele ato. De repente, Rô sobe à cabeça e começa a chupar e lamber meu saco com muita vontade enquanto gozava outra vez na boca da Gab. Nesta hora todas as minhas dúvidas foram embora e não quis nem saber bombeei mais um pouquinho na buceta dela me sentindo uma resistência sua segurei aquela magrinha com as duas mãos na cintura e comecei a forçar meu pau na sua buceta. Ela se contorceu um pouco começou a resmungar que estava doendo, mas mantive firme minha mão na sua cintura e consegui estourar aquele cabaço, entrando mais três dedos do meu pau naquela buceta virgem e nunca antes penetrada. Ela tentou se levantar, mas ordenei que continuasse naquela posição e lambendo e chupando a buceta e o cu da Rô.
Fiquei impressionado como estava apertada aquela bucetinha magrinha! Apesar de ser inchada e carnuda, seu canal vaginal é muito apertado e parecia que estava comendo um cuzinho.
Mas o que mais me impressionou foi que eu socava o pau naquela buceta e não conseguia socar tudo pois ficava uns três dedos para fora. Depois de mais algumas socadas, sendo que Rô tinha conseguido arrumar um jeito de chupar o grelinho dela, O que tornou tudo ainda mais gostoso, pois quando eu socava, sentia meu saco bater um seu nariz. Enfim, Gab se contorceu de uma maneira gostosa, apertando ainda mais o meu pau e gozou… Foi um orgasmo intenso que fez com que a Rô a segurasse para não cair.
Foi aí, então, que comecei a empurrar meu pau mais fundo daquela buceta. Parecia que tinha um osso o que impedia o meu pau de entrar mais. Então segurei novamente sua cintura e devagar fui forçando meu pau para dentro de sua buceta. Ela novamente reclamou, resmungando que doía, mas consegui ir enfiando e de repente sentir meu pau acabar de entrar naquela buceta quando encostei minha virilha totalmente em sua bunda magra.
Não sei se havia colocado o pau em algum músculo no final de sua buceta ou se já estava no seu útero, só sei que depois de alguns segundos para aquela costumasse e parasse de reclamar, voltei a socar o pau e dessa vez, mesmo com uma pequena resistência no final, conseguir ir enfiando até o fim da minha pica.
Depois de mais umas três ou quatro estocadas, não aguentei aquela cena toda e aquela bucetinha apertada, muito menos a Rô que hora lambia o grelinho e aproveitava quando eu parava para chupar meu saco. Enfiei o meu pau na boca de Rô, dei umas estocadas forte em sua garganta até lhe dar ânsia de vômito, tirei e imediatamente voltei para a buceta da Gab, que com mais umas 5 ou 6 estocados senti meu saco apertar, entrei em convulsão afundando o meu pau por mais fundo que eu podia enchendo aquele útero e aquela buceta de porra. Que gozada que eu dei! Senti o meu pau abrir igual uma cachoeira e parecia que estava espirrando jatos de porra! Eu contei uns cinco jatos forte e depois mais uns 5 devagar. Nunca tinha gozado 10 jatos de porra numa buceta, ou se tinha nunca havia contado! Só sei que gozei muito.
Esperei o pau amolecer um pouco dentro daquela buceta quentinha então, fui tirando devagar. Já coloquei direto na boca de Rô e mandei ela limpar, o que ela fez com maestria, pois em uma chupada abocanhou todo meu pau e rodopiando a língua fez com que ele saísse limpinho ainda deu uma última chupada no meu saco para limpá-lo também. Neste momento, a buceta da Gab começou a pingar porra, tendo Rô puxando ela de encontro a sua boca, no momento que eu ordenei que ela bebesse o máximo de porra possível, deixando a buceta de Gab o mais limpinho que conseguisse.
Ela então chupava fazendo barulho e dava para ver a sua boca se mexendo para enfiar a língua o mais dentro que podia para retirar porra, igual um bezerro morrendo de fome quando vê leite de graça! Neste momento vi, então, as duas gozando ao mesmo tempo, pois Gab continuava a sugar sua buceta ferozmente.
Ordenei então que podiam parar de ser chupar se assim quisessem, foi então que pararam e caíram para o lado, sendo que Rô ainda ficou mais uns minutos segurando a perna de Gab levantada enquanto sugava sua buceta em busca de porra, quando cansou e virou para o outro lado deitando também exausta. Sendo que eu me atirei no meio delas, também cansado.
Mandei as duas se levantarem e ir tomar outro banho bem tomado, fiquei admirando aquelas duas mulheres nuas se levantando para irem ao banheiro, tendo Rô seu rosto ainda sujo da mistura de gozo feminino, cabacinho e porra, sendo que ela ainda tentava limpar com a mão e ir lambendo. Gab também brilhava dos sucos da buceta que acabara de chupar feito uma louca.
Sem perceber, adormeci, acordando alguns minutos depois com Gab chupando o meu pau. Ainda com a vista meio cansada, olhei para o lado e vi Rô dormindo. Perguntei:

– Gab, o que está fazendo?
– Você disse que queria comer meu cuzinho, estou te preparando meu senhor. – disse ela.

Olhei no relógio e vi que só tinha se passado 2 horas, mas acordar com aquela mulher me chupando e oferecendo seu cuzinho Virgem, me deu um puta de tesão e meu pau já começou a ficar duro como uma pedra de novo.
Coloquei ela de quatro e fui enfiar o pau na sua buceta, que estava muito inchada. Ela então reclamou:
– tá muito dolorida Hugo, não vou aguentar seu pau na minha buceta.
Tentei enfiar mais um pouco e vi que realmente ela estava sentindo muita dor. Então parei.
– tem razão, fizemos muito esforço hoje, é melhor você ter um tempinho para se recuperar.
Mas estava notando uma expressão de preocupação em seu rosto ele perguntei o porquê. Tento ela respondido:
-estou preocupada de engravidar, não tomo nenhum método anticontraceptivo, pois não faço sexo e não tenho namorado.
-a partir de hoje você não mais ficará preocupada em engravidar, e passará a tomar pílula anticoncepcional. – disse para ela.
Então vi que sua feição se tornou mais calma. Dei uns tapinhas no rosto de Rô e lhe disse para ficar de quatro que ia meter naquela buceta.
Caramba! Nunca vou me cansar dessa visão! Que rabão gostoso tem essa mulher, e como fica linda ela de quatro com essa buceta inchada e carnuda.
Como já estava com pau duro, já dei aquela cuspida na mão molhei o meu pau e enfiei na buceta que, estava quentinha e uma delícia. Se a buceta da Gab foi tão apertada, seu cu também seria então era necessário alargá-lo primeiro.
Comecei então a fazer uma massagem no seu grelinho com uma mão enquanto a outra eu forçava o seu cuzinho. Com muita dificuldade e uma certa resistência consegui enfiar meu dedo indicador até a metade e ficar no movimento de entra e sai. Enquanto isso, metia gostoso na buceta da Rô e sentir ela gozar na minha pica. Vendo que estava difícil fazer as duas coisas ao mesmo tempo, ordenei que Gab ficasse de frente para Rô e ela fosse lambendo e abrindo aquele cuzinho para prepará-lo para receber o meu pau.
Enquanto isso já tinha enviado dois dedos naquela raba da Rô, então tirei o meu pau duro como pedra e fui encaixando o seu cu, que talvez por já ter sido arrombado mas cedo entrou fácil a cabeça do meu pau.
Fui bombando devagarinho, e mesmo sobre algum protesto de dor, talvez por não ter se recuperado na foda de hoje mais cedo, mas entrou o pau todo.
Fui bombando naquele cu, tiveram muito mais apertadinho do que sua buceta, e de vez em quando tirava e socava na buceta para lubrificar o pau.
Ouvia as duas resmungando, mas depois de uns 5 minutos olhei e vi que Rô já estava enfiando três dedos no cu da Gab. Foi aí que mandei RO deitar na cama com a bunda para cima e Gabi deitar por cima dela não tendo a bunda na mesma direção.
Puta que pariu! Que visão maravilhosa! Quatro buracos enfileirados esperando o meu pau entrar!
Meti mais alguns segundos na buceta da Rô e então, comecei a enfiar meu pau no cuzinho da Gab. Como já estava entrando três dedos da Rô, meu pau passou meio facil a cabeça, mas não entrava o resto. Dei umas socadinhas, ia para buceta da Rô para lubrificar o meu pau e voltava para o cuzinho da Gab. Às vezes até dava umas socadas no cu da Rô, mas não conseguia entrar o meu pau no cuzinho da Gab.
Então, dei uma lubrificada legal, e comecei a forçar suas preguinhas… Mas ela sentia dor e não deixava. Tive que intervir!

–Gab, você ama sexo anal! Anseia por pau grande e grosso no seu cuzinho, e sua vontade é tanta que dor nenhuma de impede de ter este sonho e vontade realizada. Ao contrário, você senti muito tesão.

Nesta hora, senti ela forçar seu quadril para trás e, mesmo resmungando de dor, procurava o meu pau. Segurei sua cintura e fui enfiando devagarinho, fazendo bastante força em cada estocada para que entrasse mais e mais.
Por mais que tenha lubrificado, aquela jovenzinha de 20 aninhos tinha o corpo muito magrinho e pequenininho, o que dificultava para minha pica entrar no seu cuzinho. Mesmo molhadinho, o pau entrava com dificuldade e vi que estava um pouco vermelho de sangue. Significava que estava rompendo as preguinhas do seu cu. Agora sim ela iria passar aguentar um bom pau.
Depois que entrou meu pau quase todo, comecei a bombar com vontade e tirava apenas para meter na buceta e no cuzinho da Rô, de vez em quando.
Como seu cuzinho era muito apertado, na hora que eu tirava via todas as preguinhas do seu ânus, que estava sofrendo.
Não aguentei muito tempo mais com aquele cuzinho apertado e mais algumas estocados e gozei. O primeiro e o segundo jato de porra joguei dentro do cuzinho da Gab, mas aí tirei e, rapidamente, enfiei na buceta da Rô, descarregando o resto da porra.
Foi então que mandei as duas ficarem na posição de 69 e se limparem, lambendo seus gozos e a porra que escorresse.
Enquanto lambia e chupava o cuzinho arregaçado da Gab, Rô resmungava que eu não poderia ter gozado dentro de sua buceta, o seu namorado e ela decidiram ter um filho e ela não estava tomando remédio anticonceptivo.
Disse que podia ficar tranquila, pois caso engravidasse o filho seria de seu namorado, não havendo nenhuma possibilidade de ser Filho meu. Acrescentei ainda que como as duas não poderiam contar para ninguém o que estava acontecendo, era como se tudo fosse um sonho e sonhos são diferentes de realidade, portanto não há possibilidade de engravidarem.
Ela então ficou mais calma e continuou a tarefa que a tinha determinado.
Dormimos o resto da noite, tendo sido acordado somente as 7 horas da manhã, com um boquete da Rô, como despertador, o que tinha lhe determinado antes de dormir.
Deixei ela acabar de chupar até eu gozar em sua boca e então saímos para nos arrumarmos e ir embora.
Nesta hora eu pensei: não preciso pagar esta conta, posso chamar aquela atendente moreninha e ordenar que ela me libere sem pagar. E ainda poderia ver ela nua e quem sabe, me dando um boquete ou nas meninas, já que tinha acabado de gozar.
Então pedi para que ela trouxesse a conta até o quarto, com a desculpa que pagaria no cartão eu não queria parar na recepção do motel.
Quando ela chegou, olhei nos seus olhos e disse “eu te possuo”.
Ela me olhou com rosto esquisito e me perguntou se eu estava bem.
Curioso, pensei que era necessário contato para que funcionasse, uma vez que tanto com Gab quanto com Rô, houve contato físico.
Então segurei ela pelos dois braços e olhando dentro dos seus olhos negros repeti: “eu te possuo”!
Neste momento ela me repreendeu e disse que ia gritar e chamar a polícia se eu não a soltasse! Frustrado, desconversei e disse que era apenas uma brincadeira. Pedir para a Rô trazer o dinheiro e paguei a mulher que se virou e saiu muito nervosa.
Que diabos foi isso?! O que aconteceu?! Por que não funcionou?!
Olhei para o anel, e não notei nada de diferente. Um medo me subiu a espinha, e se por acaso o seu poder tivesse alguns limites? E se Rô e Gab estivesse por tempo limitado sobre meu controle? E se elas voltassem a si e se lembrasse perfeitamente de tudo que aconteceu, inclusive que fizeram tudo que eu mandei por que estavam sob o meu controle? O que seria o tal de “efeitos colaterais”?
Eu não posso ser preso!
Só tem uma solução: preciso achar aquele velho, para ele me explicar tudo sobre este anel! Ou estarei em maus Lençóis…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 6 votos)

Por # # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Safadinha69

    Muito bom!

    • marco

      passa seu contato