# # #

Meus Meninos 4

6941 palavras | 47 |4.70
Por

Eu acordei com um susto! Meu corpo estava suando frio, eu me senti desorientado enquanto olhava ao redor. Eu estava na minha cama no meu próprio quarto. Isso tudo foi apenas um sonho? Meu filho ser fodido por todos aqueles homens negros?
Olhei em volta do meu quarto e tudo parecia normal. Não havia sinais do que eu tinha testemunhado no DVD que pensei ter visto antes. O quarto parecia tranquilo. Comecei a duvidar seriamente da minha sanidade. Eu estava ficando louco? Eu não poderia estar, minha bunda ainda doía por Jamal ter me fodido.
Pulei da cama e apertei o botão de ejeção no DVD player. Vazio! Talvez tenha sido um sonho. Mas meu pau ficou duro enquanto minha mente tocava as imagens do que eu pensei que tinha visto. Eu me senti culpado por meu pau me trair. Como eu pude ficar tão excitado vendo meu filho ser deflorado por tantos paus grandes? Ele era meu garoto, minha carne e sangue.
Que horas eram? Eu tinha perdido toda a noção do tempo, com as cortinas fechadas, eu não sabia se era dia ou noite. Eu olhei para a mesa de cabeceira, o rádio-relógio dizia 14:30.
Saí do meu quarto e caminhei lentamente pelo corredor – – Oh porra- – eu pensei ao sentir dor, Jamal tinha conseguido me fazer andar um pouco engraçado. Era tudo um borrão, eu não conseguia lembrar. Eu parei no quarto do Felipe que agora estava de porta aberta. Eu olhei e tudo parecia normal. Na cama estavam todos os brinquedos arrumados, os lençóis da cama estavam limpos. Não havia sinais da porra que vi Felipe receber mais cedo esta manhã. Olhei no corredor, em frente ao quarto de Felipe, procurando sinais do meu esperma no tapete. Nada. Que diabos? Minha bunda não poderia estar mentindo para mim?!
Desci as escadas para o meu escritório, passando pela sala de jantar e passado a cozinha. As imagens de Jamal e Felipe transando na mesa e no balcão da cozinha encheu minha mente. Também não havia sinais visível de que qualquer tipo de devassidão aconteceu lá. Mas lembrando toda ação fizeram meu pau pulsar. Eu tinha que ter certeza de que o que eu vi esta manhã realmente aconteceu.
Finalmente, chegando ao meu escritório, eu queria verificar meu computador e ter certeza que eu não tinha alucinado tudo isso. Entrei no meu computador e verifiquei meu email procurando os vídeos que Jamal me enviou. Mas não consegui encontrá-los! Minha mente parecia estar em um nevoeiro e em um estado de confusão.

Voltando para a cozinha, me servi de um copo de suco de laranja e tentei me recompor. Então eu ouvi os sons de risos e salpicos vindos da piscina no quintal. Eu andei até as portas de correr de vidro e olhei para fora. Eu pude ver Jamal, sem camisa em um par de shorts e óculos de sol, sentado em uma das espreguiçadeiras relaxantes com o iPad no colo. Felipe e seu amigo Gabriel, que estavam espirrando água enquanto brincavam na piscina. Totalmente contrastante com o que eu pensei ter visto Felipe fazendo algumas horas atrás. Por um momento havia fugido da minha mente como ele ainda era uma criança que gostava de brincar.
Saí da casa numa brilhante tarde ensolarada do Rio. Jamal olhou para cima e sorriu para mim quando Felipe me viu e imediatamente pulou para fora da piscina vestindo uma bermuda e com um grande sorriso no rosto.
– PAI! VOCÊ ESTÁ EM CASA! – gritou Felipe. O garoto molhado pulou nos meus braços e me deu um grande abraço. Comecei a relaxar um pouco quando senti sua pele molhada esfregando em mim. Imagens dele sendo fodido surgiram na minha mente. Felipe se afastou sorrindo para mim com um grande sorriso. Só agora me dei conta que apesar de eu tê-lo visto mais cedo, ele não fazia ideia que eu já havia voltado.
– Que bom que você está em casa, papai. – Felipe disse com um sorriso, então ele se inclinou e me beijou nos lábios, sua língua de menino disparou na minha boca. Eu não podia incentivá-lo, enquanto eu comecei a chupar um pouco sua língua, mas eu me afastei depois de um momento com um olhar um pouco chocado no meu rosto. Meu pau ficou duro como uma rocha após o beijo de Felipe. Felipe apenas sorriu inocentemente para mim enquanto se pendurava mim.
– O Biel pode ficar para Pizza mais tarde? – Felipe perguntou entusiasmado. – Claro, é só o Biel pedir para a mãe dele primeiro. – Eu respondi enquanto eu caminhava até onde Jamal estava sentado, Felipe agarrado ao meu corpo.
– Ele já pediu, só queria ver se você deixava! – Felipe riu. Eu era um otário para o meu filho, eu faria qualquer coisa por ele. Eu também percebi que eu adorava vê-lo no meio de seu prazer sexual. Eu me senti tão culpado, olhando para Jamal, que continuava com um sorriso largo no rosto. Seus óculos de sol disfarçavam seus verdadeiros pensamentos. Mas eu sabia que eles não eram nada puros.
– Ei Biel! Papai disse que tudo bem! – Felipe gritou para Gabriel enquanto eu liberava Felipe do meu abraço e meu filho ficou do lado da cadeira de Jamal.
– Eba! – gritou Gabriel, a criança de nove anos pulou para fora da piscina. Ele tinha a mesma altura de Felipe, mas tinha cabelos loiros e ondulados e compridos, corpo esbelto e lindos olhos castanhos, uma miniatura de surfista. Ele também tinha um bronzeado incrível de passar tanto tempo ao sol. Ele ficou ao lado de Felipe enquanto eu olhava sobre o corpo molhado do garoto. Eu estava atrás de um dos encostos altos das cadeiras para esconder meu pau endurecido.
– Como Felipe estava enquanto eu estive fora? – Eu perguntei a Jamal, meu pau estava agora completamente duro na minha boxer pensando no duplo significado do que eu acabei de perguntar a ele. Olhei para baixo e vi o pau marcado de Jamal deitado contra o seu estômago dentro de sua bermuda, a cabeça roxa do pênis espreitando pra cima.
– Ele se comportou? – Eu perguntei, meu coração acelerou um pouco ao ver isto.
– O garoto está bem. – Jamal afirmou, quando ele estendeu a mão e pegou o meu filho mão e guiou-o de volta para seu colo. – Ele se comportou e fez tudo o que eu pedi. – Minha boca ficou seca, eu vendo meu garoto sentado no colo de Jamal, bem em cima do pau de Jamal. Felipe sorriu, um sorriso infantil, mas não com tanta ingenuidade. Ele nem sequer demonstrou estar sentindo o tubo de carne dura de Jamal em que agora ele estava sentado.
– Seu garoto é muito especial. – Continuou Jamal com meu filho fez leve movimentos no colo de Jamal. Eu jurei que ouvi os dois gemerem um pouco. Mas talvez fosse apenas a minha imaginação me pregando peças, afinal, tudo isso ainda estava rondando minha mente.
– Você não é Lipe? – Perguntou Jamal, enquanto Felipe se recostava contra a estrutura muscular de Jamal.
– Sim … – Felipe disse com um olhar risonho. Mesmo aquela bermuda de tamanho grande não podia esconder o tesão crescente que Felipe estava sentindo enquanto Jamal afagava a mão para cima e para baixo no peito de Felipe. Jamal sorriu para mim enquanto ele acariciava meu garoto bem na minha frente.
Biel observou os dois com um sorriso distante no rosto. Então eu noto que ele começa a esfregar inconscientemente seu pequeno pênis endurecido enquanto observava Jamal acariciando Felipe. Biel se aproximou de nós, até que ele estivesse encostado em Jamal, seu pintinho perceptivelmente duro pressionado contra o braço de Jamal.
– Eu quero jogar de novo. – Biel disse quase implorando, enquanto seus quadris lentamente esbarravam no braço de Jamal. O homem haitiano sorriu para mim enquanto eu observava os dois meninos sucumbir a ele bem na minha frente. Meu pau estava tão duro naquele momento. Graças a Deus eu estava de pé atrás da cadeira de praia.
– Você quer que eu te pegue, garoto? – Jamal disse com um sorriso malicioso para Biel. O garoto sorriu de volta com um olhar arteiro no rosto, o quadril empurrando um pouco mais firme contra o musculoso braço de Jamal
– Aposto que você não pode me pegar dessa vez. – O garoto provocou.
– Isso é o que vamos ver. – Jamal jogou seus óculos de sol em cima da mesa, agarrou Felipe e começou a correr atrás do risonho Biel carregando Felipe em seus braços enquanto os dois garotos gritavam de alegria. Eu peguei um breve vislumbre da bermuda de surf de Biel antes que eles desaparecessem com um mergulho a piscina. Jamal lançou Felipe na piscina, com sua bermuda mostrando uma boa tenda também. Jamal sintonizou-se em minha direção com um sorriso lascivo, seu rosto, seu pau comprido aparecendo proeminentemente em seus shorts.
– Seu garoto está em boas mãos, Paulo, mal posso esperar para conhecer o Luiz. – Jamal disse com aquele sorriso de merda no rosto. Ele pulou após os garotos gritando. Eu assisti os meninos atacarem Jamal na piscina enquanto eles subiam e tateavam sobre a carne negra e brilhante de Jamal.
Eu estava tão duro, não tendo saído da minha posição por trás do encosto da cadeira. Quando me afastei da área da piscina para voltar para a casa, notei o mesmo prato de brownies que vi no vídeo, na mesa do pátio. Parecia que mais alguns brownies haviam desaparecido do que me lembrava do vídeo. Então isso me atingiu. Não era um sonho e o vídeo era real e os meninos na piscina estavam chapados. Meu pau doía por todas as imagens que eu tinha visto nos últimos dias. Eu precisava me masturbar naquele momento. Voltei ao meu escritório para me recompor ao deixar Jamal e os meninos brincando na piscina.
No momento em que entrei na casa e fechei a porta do pátio, ouvi Felipe gritar – Eu peguei seu short! – Mas eu não fiquei por perto para descobrir com quem ele estava falando. Eu estava com muito tesão para me importar. Comigo sentado no meu escritório, pensei no que ia fazer. Eu devia tentar recuperar o controle da minha família e da minha casa? Ou eu deveria continuar sendo governado pela minha luxúria e meu pau. Viciado em assistir o quão longe meu garoto poderia ser levado por esse buraco de coelho sexual.
Abri meu arquivo pornô de garotos e comecei a folhear as imagens que eu tinha coletados ao longo dos anos. Mas nenhum deles me deu nenhuma satisfação. Eu tinha visto meu filho ser fodido por várias picas grandes e pretas, e me acostumando como meu menino podia se comportar como a vagabunda que ele era. Eu admiti culposamente para mim mesmo que queria ver mais do meu garoto.
Recostei-me na cadeira de couro do escritório e acariciei-me lentamente, pensando em todas as coisas que havia experimentado nos últimos dias. Lembrando os clipes e vídeos com meu garoto neles, o garoto do aeroporto e no avião e os sons dele sendo fodido, e vendo o tal Tio Ravi foder meu menino enquanto Jamal me fodia, logo me empurrou para o limite. Eu comecei a esguichar porra por todo o corpo enquanto as imagens sobrecarregavam meu cérebro.
Depois de uma ejaculação incrível, acabei cochilando, mal havia descansado, até ouvir uma nova notificação do e-mail disparar no meu computador. Quanto tempo fiquei fora do ar? O sol parecia ter acabado de se pôr quando olhei pela janela. Então eu notei que eu estava toda melado por causa da porra seca. Limpei minhas mãos e abriu meu email; foi marcado como urgente por um dos meus parceiros de negócios. Houve um problema com uma de nossas contas e eu teria que voar para Fortaleza para cuidar disso o mais rápido possível.
– Merda! Acabei de chegar em casa e ainda não lidei com Jamal. – Eu pensei comigo mesmo. Mas eu também precisava cuidar desse cliente, ele era um dos clientes mais importantes de nossa empresa. Mas o cliente não seria capaz de me encontrar até o fim de semana. Então eu tive uma ideia. Eu vou levar o Felipe comigo e poderíamos passar o fim de semana juntos, afastá-lo de Jamal. Talvez eu pudesse ter uma conversa de pai pra filho com ele e levá-lo a ver o que Jamal e ele estavam fazendo estava errado.
Eu tive que admitir que estava excitado com o que eu tinha visto nos últimos dias, mas isso tinha que parar. Que tipo de pai eu seria se eu deixe isso continuar? Eu rapidamente tomei todas as providências para o hotel e o voo para Felipe e eu. Enquanto eu estava checando a confirmação dos números para a viagem, ouvi a campainha tocar.
Eu rapidamente fechei minha calça e fui até a porta da frente parecendo um pouco desgrenhado. Abri a porta da frente e fui recebido por outra visão do de um garoto da vizinhança. Parado na minha frente em nada mais do que uma sunga azul bebê, uma camiseta e um par de chinelos, estava Fernando, o irmão de 14 anos de Gabriel. Ele era o melhor amigo de Luiz e material de fantasia para muitas das minhas sessões de punheta. Ele era uma versão mais velha do Biel. Pernas longas e bronzeadas, corpo firme e bonito por ser um nadador competitivo e também por jogar no mesmo time de futebol com Luiz. Ele tinha a cabelo com um loiro menos dourado e ondulado, uma bela protuberância em sua sunga e um sorriso lindo.
– Ei, Sr. Bianchi, vim para buscar o Biel. – Disse ele com um sorriso.
– Eu acho que eles estão lá fora na piscina. – Eu disse para Fernando enquanto gesticulava para ele entrar. Era um início de noite quente normal de verão no Rio, então ver esse garoto em nada mais do que uma sunga reveladora não foi surpreendente, já que a família do Fernando e do Gabriel eram nudistas conhecidos na vizinhança, frequentadores da praia naturalista de Abricó.
– Obrigado, Sr. Bianchi. Quando Luiz chega em casa do acampamento, amanhã? – Fernando perguntou enquanto caminhávamos pela casa até a piscina.
– O que você quer dizer? – Eu respondi com um olhar confuso no meu rosto. – Ele disse que voltaria na quinta-feira, amanhã é quinta-feira. – Ele disse com uma risada.
– Oh merda! Eu esqueci completamente disso. Eu devo ter me confundido e misturado as datas. – Eu estava tão envolvido com a situação com Jamal e Felipe que eu entendi errado as datas da viagem do Luiz.
– Está tudo bem, Sr. Bianchi, Luiz disse que você está sempre ocupado com o trabalho. – Fernando disse com um sorriso. De repente me senti culpado quando Fernando disse “sempre”, culpado por não estar por perto do Luiz e do Lipe, e por não dar a devida atenção a eles. Fernando não notou meu repentino olhar de culpa enquanto ele abria a porta de vidro deslizante e foi para a piscina. Jamal e os meninos estavam brincando quando Fernando apareceu.
– Vamos Biel! Mamãe diz que é hora de ir para casa! – Fernando disse com um sorriso. Felipe, Biel e Jamal pararam a brincadeira de cavalinho e olharam para Fernando.
– Por que você não vem e me faz sair?! – Biel disse mostrando sua língua para o irmão mais velho. Todos os três começaram a rir histericamente.
– Tudo bem, você pediu! – Fernando disse com um sorriso entrando na brincadeira. Sempre pronto para o desafio, Fernando chutou seus chinelos e tirou sua blusa e mergulhou na piscina. E então havia dois garotos gostosos, um adolescente e Jamal, todos lutando um com o outro. As luzes da piscina não estavam acesas, então eu realmente não conseguia ver o que estava acontecendo debaixo d’água.
Então vi algo voando bem no meu rosto e me bateu na cabeça. Estava molhado! Ouvi risos quando percebi que era a sunga azul bebê de Fernando.
– Você pode colocá-lo ao lado do meu short, Sr. Bianchi! – Riu Biel. – Eu peguei meu irmão agora. – Enquanto a luta continuava. Eu olhei por cima e notei os três outros pares de shorts na beira do deck da piscina, um adulto e dois infantis. Merda! São todos nus lá dentro!
Sentei-me em uma das espreguiçadeiras e continuei observando-os brincar de cavalinho com um grito ou outro ocasional vindo dos meninos quando Jamal estava lutando com eles. Fernando até deu alguns gritos e gemidos quando Jamal começou a lutar com ele. Meu pau pulsou com o pensamento de todo o comovente e mais que estava acontecendo sob a superfície da piscina.
O que ouvi Felipe gritar – Afundar! – e todas as cabeças desapareceram sob a superfície com apenas bolhas e o ocasional par de pés chutando fora da superfície. Então uma cabeça aparecia, respirava e depois mergulhava de volta para baixo. Isso durou cerca de cinco minutos e todos apareceram novamente.
– Beleza Biel, é realmente hora de ir para casa. Mamãe vai me matar se a gente não voltar logo. – Fernando finalmente disse depois de recuperar o fôlego.
– Tá bom. – Biel disse em um tom derrotado.
Eu assisti os meninos e Jamal nadarem até a beira da piscina e pular pra fora. Suas leves ereções molhadas, todas subiam e desciam enquanto pegavam suas roupas. Minha boca ficou seca e meu pau ficou duro na minha cueca enquanto eu os observava todos se vestirem. Mas adorei ver Fernando tentando deslizar sua sunga pelo corpo molhado. Notei também que os dois meninos tinham linhas visíveis de bronzeado, contrastando o corpo dourado com uma bunda branquinha.
– Eita! bem dotado hein. – Fernando gargalhando disse a Jamal enquanto tentava para ajustar seu próprio pau meia bomba em sua sunga.
– Obrigado, não tenho do que reclamar. – Jamal sorriu enquanto Fernando o observava acariciar aquele pedaço enorme de carne antes de enfiá-lo dentro do calção de banho. Eu poderia jurar que vi o pau de Fernando pulsar dentro da sunga enquanto o observava Jamal manusear seu pau.
– Meu nome é Jamal, prazer. Eu cuido do Lipe e do Luiz agora. – Jamal disse com uma piscadela e um sorriso enquanto ele apertava a mão do Fernando. Fernando parecia que estava corando, mas estava escuro, então eu não podia ter certeza. Ele estava querendo aprontar algo também com o menino das minhas fantasias?
– Jamal, tenho que sair para uma viagem de negócios de emergência e vou levar Felipe comigo. – Eu falei quebrando o momento entre eles. Felipe olhou para mim de um jeito engraçado, provavelmente porque nunca o levei em nenhuma das minhas viagens de negócios antes.
– Sério?! – Felipe disse animado. – Onde estamos indo?!
– Eu tenho que voar na sexta-feira para Fortaleza, vamos ficar em um bom hotel resort e tudo mais. – Eu adicionei – E Jamal, eu misturei as datas, Luiz está voltando para casa amanhã, então você ainda terá alguma companhia enquanto eu estiver fora.
– Será um prazer conhecê-lo, tenho certeza. – Jamal disse com um sorriso enquanto continuava ajustando seu pênis em seus shorts.
– Foi legal te conhecer, Jamal. – O jovem Gabriel respondeu com um sorriso.
– Sim, prazer em conhecê-lo também. – Sorriu Fernando. – Vamos moleque, a mãe vai nos matar se não voltarmos, tipo agora. – Eu segui os meninos de volta para dentro de casa e os acompanhei até a porta assistindo a bunda adolescente apertada de Fernando conforme ele flexionava em sua sunga molhada agarrada a pele. Oh, como eu queria que os meninos pudessem ficar. Eu disse boa noite para os meninos e fechei a porta da frente. Ao entrar me deparei com Felipe cansado e com Jamal bem atrás dele subindo as escadas.
– Já vai dormir Lipe? – Eu perguntei ao meu filho.
– O que você acha? – Ele riu
– Engraçado, chegarei em um minuto para colocar você na cama. – Eu respondi.
– Tá bom, aqui vou eu! – Felipe disse enquanto usava o último pedaço de energia para correr até o topo da escada em sua pose voadora do Super-Homem desaparecendo pelo corredor, seguido pelo som da porta do quarto fechando.
– Meninos… – Jamal riu quando parou no topo da escada olhando para mim no pé da escada. Ele deu um sorriso diabólico, depois se virou e foi para o seu quarto do outro lado do corredor do quarto de Felipe.
Eu sabia que deveria ter dito algo a Jamal naquele momento, mas estava em reverência a Jamal, e como ele foi capaz de manipular os meninos tão facilmente. Meu pau endurecido com os pensamentos de todas as imagens e situações sexuais que eu tenho testemunhado nos últimos dias. Eu decidi ir para a cama também, desligando todas as luzes do andar de baixo, subi para o quarto de Felipe para dizer boa noite.
Quando entrei no quarto de Felipe, ele já estava na cama dormindo levemente. Eu fui até sua cama e me ajoelhei para lhe dar um beijo de boa noite, olhei para o meu lindo menino de oito anos e acariciei seu lindo rostinho. Ele era tão bonito e sexy, seus lábios pareciam tão convidativos. Inclinei-me e encostei levemente meus lábios nos dele, apreciando a suavidade do sabor adocicado de lábios de menino.
– Eu te amo Lipe. – Eu sussurrei para ele.
– Eu amo você, Jamal. – O braço de Felipe avançou em volta do meu pescoço e ele me atraiu para um beijo. Sua língua procurou a minha. O que ele disse?! Mas a sensação quente do meu menino me beijando em uma névoa induzida pelo sono empurrou esse pensamento da minha mente, então retribui o beijo. Nossa língua duelou conforme eu compartilhava um beijo apaixonado e quente com um menino de oito anos, meu menino. Mas acabou tão rápido quanto começou quando Felipe se afastou do beijo e virou para o lado para longe de mim.
– Noite papai Jamal. – Felipe murmurou enquanto dormia profundamente. Eu estava em choque e meu coração afundou quando percebi que Jamal estava segurando meu garoto muito mais profundo do que eu pensava. Talvez a viagem neste fim de semana me ajude a construir o vínculo com meu filho novamente.
Eu lentamente fui para o meu quarto e desabei na cama. Eu senti como se tivesse corrido uma maratona, mas depois de deitar e me revirar por quase uma hora eu percebi que não conseguia dormir. Levantei-me e fui para o meu escritório e comecei a navegar na internet para ocupar minha mente, e talvez me ajudasse a cair adormecido.
Eu estava navegando na internet por um tempo, quando ouvi passos descendo as escadas. Parecia que Jamal ainda estava de pé e descendo para a cozinha. Eu estava no escritório com as luzes apagadas, então tenho certeza que ele pensou que eu estava no meu quarto dormindo. Então ouvi a porta deslizante de vidro se abrir e fechar. Jamal estava saindo lá fora? Talvez ele precisasse de ar ou algo assim.
Continuei navegando na rede quando ouvi o som distinto de pés pequenos descendo as escadas. Felipe estava acordado? Olhei para o relógio e era 1 da manhã. Talvez ele estivesse com sede e estivesse indo para a cozinha para beber água? Okay, certo.
Depois que os sons dele descendo as escadas pararam, ouvi os passos leves de seus pés de menino enquanto atravessavam o azulejo para cada vez mais longe. Então eu ouvi o mesmo som da porta de vidro deslizante abrir lentamente e fechar.
Agora minha curiosidade realmente aumentou. O que esses dois estavam fazendo? Eu silenciosamente sai do meu escritório e atravessei a casa escura até a sala de estar. Lá eu tinha uma visão clara do spa e da piscina. Escondido de vista, eu podia assistir e ouvir através das persianas da janela abertas. -Obrigado Deus, deixei as janelas abertas para deixar entrar o ar fresco da noite.
Pude ver Jamal sentado no fundo da banheira de hidromassagem. As luzes da banheira de hidromassagem iluminavam o corpo musculoso e molhado de Jamal, sentado na espuma borbulhando. Felipe ainda parecia bonito como sempre, mesmo com os cabelos desgrenhados, enquanto estava no gramado olhando para Jamal. Tudo o que Felipe usava era o mesmo calção folgado que usava mais cedo, com um leve sorriso lascivo no rosto.
Felipe passeava pelo gramado enquanto lentamente começava a desamarrar o calção. Eu estava prevendo ver meu garoto nu quando ele soltou o short lentamente escorregando de seus quadris. Mas Felipe não estava nu, pois revelou que estava vestindo uma sunga branca apertada. Era a mesma sunga que eu o tinha visto vestindo um dos vídeos anteriores que Jamal me enviou. Felipe deixou seu calção escorregar todo o caminho, em seguida, chutou-os para o lado, se aproximando da beira do spa. A peça se encaixava em seu corpo bem torneado como uma luva com seu pau de menino fazendo volume nela.
– Mostre ao papai, meu menino de corpo quente. – Ouvi Jamal dizer sobre o barulho das bolhas. Felipe sorriu e começou a balançar lentamente os quadris de criança sedutoramente para frente e para trás quando o pau de Felipe visivelmente endurecia na sunga.
– Venha sentar na banheira com o papai. – Disse Jamal.
Eu assisti meu garoto se ajoelhar e deslizar na água borbulhante quente. Felipe soltou um gemido audível quando a água quente envolveu seu corpo, relaxando-o. Jamal estendeu a mão e abriu uma caixa que eu não tinha notado antes e puxou algo. Acendendo, ele deu uma longa tragada e soprou a fumaça.
– Venha sentar no colo do papai. – Jamal disse enquanto Felipe se movia pela água e sentou no colo de Jamal. O homem musculoso levou outro trago longo no cigarro. Felipe se inclinou e abriu a boca como um passarinho querendo comer. Jamal e Felipe aproximaram a boca aberta um contra o outro quando Jamal disparou a fumaça na boca do garoto. A fumaça escapou lentamente quando a troca da fumaça se transformou em um beijo apaixonado entre o homem e o menino. A mão livre de Jamal subindo e descendo as costas lisas de Felipe.
– Isso meu garoto, adoro seu corpinho pequeno. – Jamal disse antes de tomar outra longa tragada e começou a despejar a fumaça novamente em Felipe, seguido por outro duelo de línguas com meu garoto. Eu estava tão excitado assistindo a pele bronzeada e molhada de Felipe esfregando contra a forma muscular de Jamal, à medida que se intensificava. Eu não pude deixar de empurrar meu short e acariciar meu pau diante da cena quente.
Eu os assisti terminar o jogo, com Jamal e Felipe compartilhando cada fumaça que foi dada. Ambos estavam altos agora, enquanto continuavam a sentir um ao outro enquanto os lábios travavam um beijo apaixonado.
– Levante-se e mostre ao papai seu corpinho gostoso. – Jamal pediu ao meu menino. Felipe levantou-se, a sunga branca e molhada fez o garoto parecer quase nu quando começou balançando os quadris bem na frente do rosto de Jamal.
– Você tem algo bem interessante ai, filho. – Jamal disse enquanto se inclinava avançando com um sorriso diabólico. Ele então cobriu o pau do garoto com a boca e começou a chupá-lo através do tecido molhado. Felipe soltou um estridente gemido, com sua voz de criança, ele agarrou a parte de trás da cabeça de Jamal e começou a mover seus quadris contra a boca e a língua de Jamal. Felipe estava totalmente perdido em luxúria.
Jamal agarrou as laterais da sunga e as puxou para baixo até o pênis de Felipe aparecer e ficar em foco na frente do rosto sorridente de Jamal. Ele rapidamente envolveu o pau do meu filho e começou a chupar ele com uma vontade selvagem. Jamal continuou puxando a sunga para baixo e para fora das pernas do garoto enquanto ele continuava seu boquete em Felipe.
Jamal abriu a boca um pouco mais, agora também chupando as bolas de Felipe, fazendo meu filho soltar um gemido ainda mais alto. Parecia que a boca de Jamal estava agora fisicamente presa à virilha do menino, com Felipe inclinando-se sobre a cabeça de Jamal, apertando seus quadris contra ela. Jamal continuou chupando meu garoto quando ele o pegou, virou e colocou Felipe ao lado da banheira. Felipe estava agora deitado no convés com Jamal ainda na hidromassagem enquanto ele continuava a chupar a virilha de Felipe. Meu garoto estava com os olhos fechados e tinha uma expressão de puro prazer no rosto.
Jamal se afastou, o pau e as bolas de Felipe saindo levemente de sua boca. Logo ele ergue as pernas finas para cima e para trás, expondo seu cuzinho apertado. Jamal se inclinou e começou a enfiar a língua no garoto, fazendo Felipe ofegar de alegria enquanto seu corpo se mexia e se contorcia enquanto a língua especializada de Jamal trabalhava em seu buraco, lambuzando, beijando, deixando-o lubrificado.
Enquanto Jamal continuava sua investida ao buraco de Felipe, ele alcançou sua caixa de Pandora e puxou uma pepita branca semelhante a que eu lembrava de ter visto no vídeo. Ele tirou o rosto da bunda do Felipe, trazendo a pedra branca até o buraco de Felipe e começou a empurrá-la. Depois de aplicar pressão por alguns segundos, o buraco de Felipe cedeu e a pedra se instalou dentro, seguida por metade do dedo de Jamal.
O corpo de Felipe se encolheu quando Jamal continuou a deslizar lentamente o dedo mais fundo no menino até que seu comprimento foi completamente enterrado no buraco, era emocionante. Felipe soltou um gemido baixo quando Jamal começou a trabalhar seu dedo dentro do garoto.
– Ah, Jamal… agora… está começando a queimar de novo. – Felipe gemeu.
– Como você deve me chama agora Lipe? – Jamal empurrou profundamente seu dedo.
– Mmmugh… papai. – Respondeu Felipe fracamente.
– Isso mesmo, eu sou seu pai agora. E como você chama seu velho papai? – Jamal disse com um sorriso.
– Ele é mmmeu… o Paaulo, issoo aaahn. – Felipe gritou. – Oh papai, estou começando a ficar um pouco tonto… – Jamal escorregou o segundo dedo. Felipe abriu mais as pernas enquanto ele abria a bunda e o corpo para Jamal, então ele começou a sentir os efeitos da criptonita.
Fiquei arrasado quando Jamal me tirou meu papel de pai para Felipe. Mas eu queria ver meu garoto ser dominado e pegar o pau de Jamal. Eu me sentia chicoteado. Meu pau estava anulando meu julgamento enquanto eu continuava a acariciar e assistir Jamal levar meu garoto a novas alturas de depravação.
Felipe arqueou as costas quando sua bunda reagiu aos movimentos de Jamal e girando os dedos misturados com a criptonita dissolvida.
– Oh, porra, papai! Eu preciso de você! – Felipe ofegou.
– Você quer o pau do papai, filhinho? – Jamal respondeu. Seus dedos estavam agora movendo-se mais rápido para dentro e fora do garoto.
– Sssiiim… paaaai! – Felipe gemeu, agora babando.
Jamal levantou-se da água borbulhante, revelando seus 20 centímetros em riste. Ele manteve os dedos enterrados em Felipe enquanto apontava a ponta da cabeça de pau para cuzinho do menino recheado com seus dedos.
– O que você quer que eu faça filho? – Perguntou Jamal enquanto brincava com o buraco de Felipe com os dedos. – Coloque em mim, papai! – Felipe gritou.
– Com isso? – Jamal o relaxou com um terceiro dedo. Felipe gemeu quando seu buraco se esticava mais. – Mmm… sim. – Felipe ofegava.
– Você ainda não me disse o que quer, garoto! – Jamal disse com um sorriso drogado. – Eu… eu quero que você me foda, papai. – Felipe finalmente disse em um pedido com a voz ofegante, enquanto ele rebolava seu rabinho nos dedos de Jamal.
– Qual é a palavra mágica, filho? – Jamal disse enquanto continuava torcendo três dedos. O corpo de Felipe torceu e flexionou enquanto seu corpo implorava pelo pau de Jamal.
– Por favor… – Felipe disse.
– Não, não é essa a palavra que estou procurando filho. – Jamal atolou seus dedos o mais fundo que pôde, provocando um gemido em seu novo filho.
– Me fode! – Felipe ofegou. – Sim, é essa a palavra. Diga pro papai novamente. – Jamal empurrou e puxou os dedos em movimentos profundos e longos.
– Me foode papai! Eu quero você, foda-se! – Enquanto Felipe abria as pernas na medida do possível, apresentando a virilha ao novo pai.
Jamal rapidamente puxou os dedos para fora do garoto e moveu seu pau até o buraco aberto da criança. Jamal cutucou seu pênis na abertura de Lipe e lentamente começou a empurrar a cabeça arroxeada de seu pênis para dentro do buraco do garoto.
Felipe deu um leve grunhido ao sentir a cabeça romper a abertura do músculo. Então eu assisti, novamente com espanto, Jamal lentamente empurrando seu comprimento em cima do corpo disposto e franzino de Felipe. Jamal segurou as pernas do garoto abertas pelos tornozelos enquanto centímetro por centímetro da vara negra de Jamal desaparecia no rabo branco do garoto.
Felipe fez uma série de grunhidos e gemidos quando Jamal continuou a fazer pequenas investidas com seu grande pênis, enquanto ele trabalhava cada vez mais no garoto. Eu ainda estava espantado com a forma como Felipe poderia aguentar um pau desse tamanho. Antes que eu percebesse Jamal tinha todo o seu pau alojado dentro do meu garoto. Os pentelhos negros afagando a pele lisa e macia da bunda do Lipe.
– Você gosta do pau do papai? – Jamal disse enquanto mantinha seu pau totalmente inserido no garoto.
– Uh huh. – Foi tudo o que Felipe conseguiu grunhir.
Jamal lentamente puxou seu pau até a metade e depois empurrou de volta. Felipe gemeu enquanto tentava empurrar o tubo enorme. Acariciei meu pau quando Jamal começou a foder lentamente meu garoto com seu membro dominante. As pernas de Felipe estavam agora nos ombros de Jamal, enquanto Jamal se inclinava para frente e realmente começou a foder o garoto.
Os grunhidos e gemidos do homem e do menino foram aumentando. A boca de Felipe estava escancarada quando ele ofegava com as sensações da pica que ele estava recebendo. De repente, Jamal avançou e parou.
Ele se inclinou em sua pequena caixa e puxou algo que parecia uma pulseira branca feita de conchas Puka. Ele então se inclinou sobre Felipe e sussurrou algo que eu não conseguia ouvir. Ele então recuou e segurou o tornozelo direito de Felipe e colocou o pé do menino no peito dele. Jamal colocou a pulseira no tornozelo do garoto. Era claramente um ornamento típico das ilhas do caribe.
– Você é meu garoto agora Lipe. – Jamal disse com um sorriso enquanto suas mãos grandes desciam as pernas de Felipe, ele sorriu de volta com um sorriso largo e lascivo.
– Você me faz sentir bem, papai. Fode! – Felipe respondeu.
Jamal se inclinou novamente, com seu pau ainda totalmente alojado dentro Felipe e beijou seu novo filho apaixonadamente. E então começou a empurrar com mais força, fazendo Felipe grunhir na boca de Jamal enquanto o menino chupava sua língua. Pude ver a pulseira Puka branca em destaque no tornozelo direito de Felipe, enquanto suas pernas levantadas se agitavam a cada impulso de Jamal. Homem e menino se uniram nas duas extremidades enquanto se empolgavam com pura luxúria no convés do spa.
Jamal começou a martelar seu pau no meu, espero que não, ex-filho. O que fez Felipe romper com o beijo e soltar um gemido tão alto, eu pensei com certeza acordaria os vizinhos. Felipe agarrou-se ao corpo forte de Jamal, com os braços e as pernas em volta de Jamal, o homem forte continuou batendo sua virilha contra a carne macia da bunda do menino.
– Me fode… me fode… me fode… Aaah quero a porra do PAPAI! – Felipe disse com cada estocada de Jamal.
Enquanto eu observava da sala de estar, acariciei meu pau no mesmo ritmo das investidas de Jamal. Eu não sei o que era mais excitante, vendo meu garoto ser fodido por uma pica monstruosa para seu tamanho? Ou ouvir o novo vocabulário vulgar e obsceno que a criança de oito anos esbravejava enquanto estava recebendo um adulto dentro de si. Eu estava tão perto de gozar enquanto assistia eles foderem.
Jamal empurrou para frente e parou, então ele segurou e levantou com o garoto, estava agora de pé no spa com Felipe montado em seu pau. As pernas de Felipe estavam enroladas firmemente na cintura de Jamal e ele abraçava o pescoço. Eu podia ouvir gemidos abafados emanarem de Felipe enquanto ele mantinha sua cabeça enterrada no peito de Jamal, enquanto ele segurava Felipe pelas nadegas e saltou o menino para cima e para baixo em seu membro latejante.
– Toma a pica do papai! Isso, você gosta do pau do papai?! – Jamal resmungou com cada impulso.
– Mmmph me fode papai. – Felipe respondeu sem fôlego.
Meu menino estava sendo usado como uma fleshlight de carne humana, Felipe e Jamal conversaram com palavras pervertidas um para o outro.
– Eu te amo filho! Que bom que eu te conheci e pude fazer de você meu garoto agora!
– Me fode… papai … me fode… papai… me fode … papai! – Felipe repetiu conforme os movimentos ficaram mais frenéticos.
– Oh, caralho menino! Toma minha porra! – Jamal ofegou quando ele começou a socar seu pau cada vez forte. Ele deu um grunhido final, quando se lançou para cima puxando Felipe para baixo em seu pau. Jamal enfiou a língua na boca de Felipe, ainda ofegante quando ambos compartilharam um beijo apaixonado, com grunhidos abafados e gemidos escapando enquanto eu observava as bolas de Jamal bombearem sua carga em seu novo garoto. Jamal ejaculou tanto em Lipe que eu pude ver seu esperma começar a vazar da bunda de Felipe.
Continuei a golpear meu pau cada vez mais rápido até descarregar por todo o chão da sala. Mesmo depois de despejar toda minha porra, continuei acariciando meu pau.
Como Jamal continuou a foder lentamente meu garoto, ele tropeçou para trás e eles ambos afundaram de volta na hidromassagem. Eu assisti suas cabeças subindo e descendo enquanto o dois suaram muito bem enquanto continuavam a foder com o vapor levantando-se ao redor deles. Felipe e Jamal pareciam que não iriam parar tão cedo. E depois de mais algumas investidas, eu os perdi de vista, afundaram ainda mais na banheira de hidromassagem. Eu ouvi a ocasionalmente a voz do garoto grunhindo ou gemendo enquanto a água espirrava. Com certeza Jamal estava novamente transando com seu “filho” muito bem agora debaixo d’água.
– O filho dele. – Meu coração afundou quando percebi que chamei Felipe de garoto na minha cabeça. Eu tinha que ganhar meu filho de volta durante a viagem a Fortaleza. Ou eu nunca poderia me considerar um bom pai. Bom pai? Eu não era um bom pai. Meu passado com meus meninos não era estelar, com meu trabalho e negócios sempre dominando minha vida. Agora, um homem chamado Jamal estava dominando meu filho.
Não. Felipe agora era seu filho. Mas com Luiz voltando para casa amanhã, eu tinha que descobrir o que fazer.
– Oh merda. – Pensei.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,70 de 43 votos)

Por # # #

47 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Master

    Oi, eu estou adorando a história!
    Quando sai o próximo capítulo?

  • Responder Noah

    Tenho um grupo no telegram, me chamem lá que eu explico melhor
    Telegram: @Onoah

  • Responder Torinho

    Eu achei…. Intrigante?…
    Okay, um dos pais é meio lesado e relapso pra falar a verdade, mas é os outros? Vizinhos talzes? É complicado imaginar que ninguém viu ou ouviu nada, quem não sairia com a voz de uma criança gritando é muito sem coração, e se saísse, deveria no mínimo ouvir uma parte dos dizeres e talz. Meio estranho, Mas vou considerar que no mundo normal as 1 da manhã é super tarde e não tem ninguém mesmo acordado pra estranhar. É tipo imaginar que as pessoas da estação do Harry Potter são cegas e não vêem filas e mais filas de alunos entrando numa pilastra e desaparecendo.
    Myah, trancar com drogas deve ser bem top, ou talvez ajude a aguentar um negão tão grande sem doer né? Hahahaha, tá, essa parte foi engraçada, vou anotar pra não usar, sabe como é, gosto de sentir todas as sensações envolvidas. Oh, outra coisa que pensei, mesmo que esteja acostumado, levar algo tão grande assim na bunda deixa um incômodo daqueles, eu nem consegui andar depois do titio ( o resto vou deixar em off, pq 22 cm é difícil de “engolir”, badum tiss )

    Ah, eu tô mais chato hoje pq não dormi upando meu char no PW, 315 lvls não é izi não kkkm

    • Torinho

      Trancar, hahahahahahahahaha

      Trancar não, transar espero que tenha entendido hahahahahaha

    • Dhamis

      Oi Torinho! Realmente esse é o tipo de situação que se a gente se apegar muito a história não flui kkkk e aqui nem cabe explicar com magia kkkk podemos considerar que os vizinhos são relativamente distantes, afinal são casarões de gente rica né
      Sim, o efeito da droga é anestésico e de aumento da libido, então quem usa fica com um tesão enorme e menos propenso a sentir dor.
      PW? Perfect World? Jogava muito na adolescência

  • Responder bacellar

    Tenho acompanhado a saga e está uma delícia! Nada a reclamar! Gozo igual a um cavalo! Parabéns meu amigo! Por favor, não se demore! Contos bons são raros!

    • Dhamis

      Oi Bacellar! Muito obrigado pelo carinho, isso me anima muito a continuar escrevendo. Dessa vez não vou demorar tanto kkk

  • Responder Apenas mais um.

    É tão ruim a sensação de decepção enquanto você lê quando você encontra um conto bom pocha não diria nada se fossem só o pai os filhos e o Jamal não tenho anda contra a submissão do pai e espero muito que ele interaja com os filhos mas precisa droga a criança e fazer 4 caras comer ela? Vou continuar ledo com a sensação de decepção provavelmente pularei as parte que ele drogar as crianças e dividir elas com alguém além do pai como fiz no conto anterior.

    • Dhamis

      Olá, tudo bem? Em relação ao drogar as crianças não é por um motivo recriacional ou somente perverso, aqui o intuito seria analgésico e de aumento da libido. É exatamente por não querer machuca-los que ele usa.
      Ja quanto a ele dividir ele com outras pessoas, infelizmente é uma questão de gosto, mas fico contente que mesmo com ressalvas você continua acompanhando. Obrigado

    • Apenas mais um.

      Mas pra isso existe pomadas anestésica e tem vários itens e meios eróticos para aumentar o líbido tinha que ser com drogas?

    • Apenas mais um.

      Eles são crianças usando a imaginação você aumenta legal o líbido deles não precisa de entorpecentes.

    • Fael

      Mano o cara ta escrevendo um conto sobre um adulto fodendo uma criança e esta tudo ok, agora o cara fala de drogas e, ai mds que pecado isso, a criança ppde ter uma pica no cu mas uma droga não
      Totalmente sem lógica esse senso moral que vocês desenvolvem, sexo com crianças blz, drogas é abominação… sem noção

    • Apenas mais um.

      Sou contra sim já não basta criança leva pica no cu pra que se drogada? Querem tanto que aceitem a pedófila como algo natural aí vem uns que usam e drogam as crianças não estou falando só do conto mais sim isso pode ser usado como incentivo mas claro que cada um tem seu próprio senso de certo errado.

  • Responder [email protected]

    Espero que o próximo não demore, força aí Dhamis

    • Dhamis

      Oi Valti! Muito obrigado pelo carinho e por acompanhar

  • Responder Poeira

    Seus contos são fodas!!!! Ontem quando lançou eu bati uma assim que chegou na parte do Fernando, kkkkkk Você credita que depois de uma meia hora eu bati mais duas pra terminar o conto? Sério, fazia tempo que eu não ficava tão excitado com um conto!!!
    Obs: Não tem nada mais da hora que ler seus contos e colocar pra rodar em outra aba um vídeo de sexo com gemidos, kkkkkkkkkkkkk.

  • Responder Poeira

    Seus contos são fodas!!!! Ontem quando lançou eu bati uma assim que chegou na parte do Fernando, kkkkkk Você credita que depois de uma meia hora eu bati mais duas pra terminar o conto? Sério, fazia tempo que eu não ficava tão excitado com um conto!!!

    Obs: Não tem nada mais da hora que ler seus contos e colocar pra rodar em outra aba um vídeo de sexo com gemidos, kkkkkkkkkkkkk.

    • Dhamis

      Oi Poeira! Que bom que minha história tem te excitado assim
      Nunca tentei ler ao som de gemidos kkk talvez tente enquanto escrevo. Muito obrigado

  • Responder Anonni

    Faz contos assim, mas de pai e filhinha. Conto foda

    • Dhamis

      Oi Anonni! Eu não tenho muita experiência com contos heteros, quem sabe qiando eu acabar esse projeto eu não me arrisque em tentar.
      Muito obrigado por acompanhar

  • Responder Ando

    Telegram @ando

  • Responder John Deere...

    Né veado,em vez de honrar teu gênero que é o masculino,e ir atrás de mulher,você parte pra veadagem com um bando de mariconinhas subvertidas pra suas veadagens não é,que lindo em,mas cuidado viu,sou o John Deere,Caçador de Veados e estou pelas ruas e comigo tua veadagem acaba rapidinho!

    • Dhamis

      Sempre achei cômica e patética essa sua narrativa, por que claramente você projeta nos outros o ódio que sente por si. Terapia faz bem a todos viu, super recomendo.
      Não adianta fazer essa mesma papagaiada em todo conto com algum alcance, se é óbvio que você gosta do qie lê, ao contrário não voltaria.
      Só bate uma punheta e aproveita, ou você chora depois que goza?
      Última e única vez que me prestarei ao papel de te responder, não porque me incomoda, mas por quê até para fazer crítica é preciso ter coerência, o que você não teve nem ao nascer.

    • Torinho

      EEEEEITA depois dessa eu nem dormia e lia de novo pra deixar de ser otário

    • [email protected]

      O caçador as vezes vira caça, cuidado com suas ameaças

  • Responder Pedruca

    Dhamis, parabéns pelos contos, cara! São muito bons e tu é um ótimo escritor. Vinha todos os dias verificar se tinha a parte 4 e tá ótima. Ansioso pra ver o envolvimento do Luiz nisso tudo. Espero que não demore muito.

    • Pedruca

      Aliás, te segui no Twitter! Sou o @pedruca010

    • Dhamis

      Oi Pedruca! Muito obrigado pelo carinho, pode deixar que com o Luiz chegando a coisa vai dar uma mexida kkk

  • Responder [email protected]

    TOP

  • Responder ToyBoy

    Parabéns pela série, comecei a ler hoje e já quero muito mais ! Não se preocupe com as críticas, pessoas mal amadas são muitas nesse mundo… nao se deixe abalar, e siga com o conto pois esta incrivel !!! o melhor atualmente ! (uma dica: nao se importe com o tamanho, coisas diretas demais fazem perder muito mais a vontade de ler) e aaahh, acho que todos nos imaginamos quando o papai irá entrar nessa relação rsrs abraços !

    • Dhamis

      Oi ToyBoy! Muito obrigado pelo apoio, fico contente que consegui mais um leitor kkk Critocas sempre são bem vindas qnd o objetivo é ajudar, mas comentários como o seu sempre me enchem de ânimo. Valeu pelo apoio

  • Responder GabCapx

    Incrível como sempre … Espero que não nos abandone por mais tempo rsrs aproveite que as provas acabaram hein rs continue !!!

    • Dhamis

      Oi Gab! Muito obrigado, dessa vez cou me dedicar bastante pra trazer sempre o melhor que conseguir pra vcs, valeu pelo apoio, é muito importante pra mim

  • Responder Pietro

    Caralho Dhamis, esses teus contos são uma obra prima. Puta merda! Nos últimos dias eu tava entrando o tempo todo no site pra ver se tu tinha postado a parte 4. Sério, tô só pelo próximo capítulo. Excelente, maravilhoso, perfeito

    • Dhamis

      Muito obrigado Pietro! Prometo não demorar tanto pra postar o próximo kkk

  • Responder ORFHEU

    adorei seus contos ” meus meninos” e esses ultimos 2 vimos que suas experiencias como voyeur do seu filho putinha com Jamal e seus amigos te deram mtas sencacoes que nunca tinha experiemntado, vi que foi incluido o Biel e seu irmao mais velho Fernando quw espero saber como sera com eles tbm e ainda tem seu filho Luiz que esta pra voltar na sua viagem com seu caçula e aposto que ele vai virar a mais nova cadelinha e deposito de porra de Jamal e de seus amigos, nao demore a escrever, nota 10

    • Dhamis

      Oi Orfheu! Muito obrigado pelo apoio. Pode esperar que eles ainda vão ser muito usados e porra é o que não vai faltar

  • Responder Gui

    Mano esse conto é maravilhoso. Pra mim tá entre os melhores do site. Não sei o que esses arrombados tão reclamando. O pai tem uma pegava voyeur, sente prazer assistindo. O fato de ele tá de mãos amarradas por ter o rabo preso deixa tudo muito mais interessante. Por favor, por favor, não para de escrever.

    • Dhamis

      Muito obrigado Gui! De fato nem todos se abrem para novas experiências e preferem histórias mais diretas, mas fico feliz com os poucos que conseguem me estimular a continuar escrevendo.

    • Baiano safado

      Muito bom mesmo deixa seu telegram pra trocarmos ideia.

    • Dhamis

      Oi Baiano, pode me chamar no twitter @BabyNoLimits, ai a gente ve como faz, muito obrigado

  • Responder Rick

    Eu ainda tentando entender como pode um homem idiota desses deixar um simples funcionário mandar na sua casa, no seu filho e praticamente pegar o seu lugar de pai. Conclusão: o conto q tinha tudo pra ser um dos melhores desse site, perdeu o sentido, o senso de realidade e está cada dia vez mais chato de ler.
    Sdds do Daniel Coimbra…

    • Dhamis

      É um direito seu não gostar e não acompanhar mais, os contos do Daniel permanecem no site, você pode revisita-los ou ainda melhor escrever o seu próprio.
      Aceito críticas numa boa, desde que tenham fundamento e visem a melhora da construção desse universo. O contexto ja expliquei várias vezes, então se permanece lendo é o escolha sua.
      Enfim, espero que possa repensar e apreciar o conto ou não, é um direito seu.
      Obrigado.

    • ANÔNIMO-ES

      o que acontece com esse pai Rick que vc nao sabe é que ele tem medo de ser entregue por ter desejos sexuais com menores e sabe que Jamal save disso e que o prazer de ver um garotinho servindo de putinha para homens com pintos enormes faz ele assistir de camarote e realizar todas as suas fantasias sexuais escondidas, e vc nunca ouviu falar de BDSM quer dizer mesmo que seja seu proprio filho se torar o deposito de porra de um macho ele sabe que Jamal é mto mais macho que ele nunca seria e ele ainda teve seu lado femea ser aflorado quando Jamal lhe fudeu e isso o faz ser submissa ao negro

    • Apenas mais um.

      Verdade os contos do Daniel são os melhores.

  • Responder Anônimo

    Mano, eu fiz uma crítica no último conto e melhorou muito na minha opinião. Espero q no próximo vc continue tentando recuperar seu garoto e que se envolva nas fodas. Parabéns cara!

    • Dhamis

      Muito obrigado! Quero trabalhar esses aspectos aos poucos, mas as críticas tem me ajudado muito na hora de escrever. Obrigado por continuar acompanhando e me dar a chance de melhorar.