# #

Iniciação sexual no sitio 4

2218 palavras | 2 |4.84
Por

Quando o João voltou para casa estava na mesma, me tratando com frieza, sem entender nada, puchei conversa com ele vária vezes mas o máximo que ele respondia era; sim, não, é, acabei desistindo e fiquei na minha, partir para o meu tio, pois mesmo ele ja sendo um homem maduro de 40 anos estava sendo um grande amigo me dava toda a atenção do mundo, tudo oque eu perguntava ele respondia com detalhes alongando as conversas e sempre rolando um carinho na minha cabeça e um beijo no meu rosto é certo que eu ja estava querendo muito mais do que isso, mas ele se limitava somente a isso.
Comecei a sentir uma enorme adimiração por ele e junto com a adimiração o desejo sexual pelo seu corpo, pois até entao eu não sentia nada por homens adultos e bem da verdade sentia nojo, achava tudo nojento corpo cabeludão, barrigão, cheiro forte do corpo e principalmente o suor juntando com os pelos do corpo, a reprovação era total, homens adultos tinham que ficar alguns centimetros de distancia de mim senão o desconforto era automatico a minha fascinaçao era pelo garotos, adorava sentir o meu corpo junto ao deles, as brincadeiras de lutinha era a minha preferida eu aproveitava para me satisfazer ficando agarradinho esfregando o meu corpo com os deles e até o suor dos meninos grudando no meu corpo era algo agradavel e e é claro não esquecendo das minhas grandes adimiraçoes, os garotos mais velhos magrelos e altos, corpos lisinhos e um monte de pentelhos só envolta da rola, quando eu dava a sorte de presenciar uma cena dessa era só alegria enfim era assim para mim, os garotos me deixavam doidinho eu queria todos grudadinhos comigo mas os homens mais velhos eu queria distancia até o dia que eu me aproximei do meu tio os meus conceitos foram mudando em relação aos homens e tambem aos meninos. Ao mesmo tempo que o João, fez eu acreditar que os meninos eram todos bobões incensveis, o meu tio criou a imagem que todos os adultos eram maravilhosos, é claro que foi algo só daqueles momentos pois depois com o tempo eu vi que existia garotos e homens que eram muito legais e outros que não passavam de uns aproveitadores incensiveis.
Com a minha mudança de atitude em relaçoes a homens adultos, comecei a sentir a curiosidade de explorar o corpo do meu tio, quando ele se deitou na rede da area para descansar um pouco, apos uns serviços que ele estava execultado eu aproveitei e me joguei junto com ele e no mesmo instante ele me empurrou falando
– nao Juninho, não vem aqui não, eu estou suado e fedendo. Realmente ele estava bem suado, mas não estava fedendo, sem ligar para os seus apelos e aproveitando que nós dois estavamos sem camisa abracei ele com força colando o meu corpo ao dele, oque antes era tudo nojento passou a ser gostoso, com aquele jeitinho de garoto manhoso que dobra qualquer adulto eu repousei a minha cabeça no seu peito colando o meu rosto ao seu peito cabeludo e bem suado me sentindo bem confortavel e pedi praticamente implorando
– ahh tio, deixa eu ficar aqui contigo, por favor, deixa, vai. E a resposta dele foi sem dizer nenhuma palavra, apenas com um sorrizo, jogou o braço por cima de mim e ficou acariciando o meu corpo. É claro que da parte dele não havia nada sexual, mas da minha parte eu não conseguia evitar, com a mao dele fazendo carinho no meu corpo, mesmo não sendo nas minhas partes intimas o meu pinto endureceu na hora, vindo tambem a vontade de acariciar o seu corpo, comecei a passar a mão na sua barriga e no seu braço, dando atenção especial aos monte de pelos que estava presente na maior parte do seu corpo e que no caso antes eu via como algo nojento, mas naquele momento foi maravilhoso. Ainda com a minha cabeça ali repousada no seu peito, olhando para baixo e adimirando todo seu corpo, veio a enorme vontade de pegar no seu pau, acaricia aquele volume que estava bem diante dos meus olhos enfiar a mão por dentro da sua bermuda e sentir o calor gostoso do seus orgãos, mas é claro que eu não tive coragem, ficou apenas nos pensamentos, o medo de ele brigar comigo me impedia de realizar os meus desejos, preferi me contentar em ficar ali agarradinho com o meu tiozão do que tentar algo maior e perder tudo, afinal foi um momento muito gostoso e relaxante que acabei até dormindo, quando acordei eu estava sósinho na rede e como sempre ja acordei com o pinto duro como não tinha ninguem por perto me enrolei na rede e fiquei me curtindo sózinho pensando no meu tio. Sem entender direito estava ficando apaixonado pois só pensava nele e como eu ja tinha descorberto as delicias dos atos sexuais eu queria fazer aquela coisas gostosas com ele ou melhor eu queria que ele me pegasse de jeito e fizesse tudo comigo.
O João mesmo com a sua frieza continuava taradão por mim, eu para ele era apenas uma diversão e começou a ficar doidinho para me levar para divertir a molecada tambem, logo que ele veio com essa proposta eu falei firme que não queria, ele já tinha criado uma imagem péssima dos garotos, para mim eram todos iguais, eu só estava tendo decepção, criava fantasias maravilhosas nos meus momentos me curtindo sozinho e depois eu via que não era nada daquilo fiquei logo me vendo com a molecada, eles bagunçando comigo e depois de satisfeitos me desprezando. É claro que eu fiquei um pouco tentado em ter um monte de picas só para mim, desejos sexuais é estranho as vezes agente se arrisca, se humilha enfim faz um monte de bobeiras e quando se é moleque é mais bobeiras ainda, mas naquele momento me mantive firme.
Por um momento ele me deixou em paz e foi sózinho para o rio mas de noite antes de dormir nao tive como escapar.
Quando eu escutei ele vindo para o quarto fingi que estava dormindo, ele entrou e passou a chave e falou
– nâo adianta fingir, agora voce não escapa vamos logo eu quero dar uma aliviada, se jogou na cama dele e falou bravo
– Vem logo seu viado, vem mamar, o pai falou que é para nós aproveitar e fazer todos os dias. Quando ele falou do tio, eu não consegui negar. O meu tio criava a idéia que nós dois se divertia muito juntos e eu fazia qualquer coisa para não o decepcionar.
Abri os olhos, a luz estava acessa e ele estava peladão com a rola totalmente em pé, mesmo sentido raiva dele eu não consegua evitar, o corpo de um homem nu me atraia e ele no caso tinha um rolão muito gostoso, por um momento esqueci de tudo cai de boca, suguei com força, esfreguei no meu rosto, lambi o saco, aproveitei ao maximo. È óbvio que eu estava o satisfazendo mas totalmente limitado ao seu orgão genital, pois eu não sentia o menor tesão para lamber ou beijar qualquer outra parte do seu corpo, ainda bem que o João era um tapado que não sabia oque é um real prazer sexual para ele basicamente sexo era só soca a rola até gosar e com isso ele não me obrigava a mais nada.
Com ele era basicamente isso, mandou eu chupar e depois ficar de quatro na beira da cama, encaixou aquele nervao gostoso no meu cusinho e empurrou para dentro, socando, socando, socando fazendo eu gemer de dor e prazer, pois eu não posso negar que aquela tora dentro de mim mesmo causando dor ao mesmo era um prazer alucinante era como uma masagem dentro de mim, mexia com todo o meu corpo, me deixava tremolu, com as pernas bambas, a respiração descontroladas uma verdadeira loucura maravilhosa mas por outro lado era muito para o meu corpinho, o pinto dele era muito comprido, quando ele forçava mais doque o meu corpo aguentava eu sofria e o choro desesperado era enivitavel.
O bom ou ruim é que ele era muito bobão, mesmo estando poucos minutos fudendo, quando sentiu que ia gosar, aumentou o ritimo e em questão de pouco tempo se acabou dentro de mim. Claramente falando é o que muitos machos falam; virei o seu depósito de porra.
As fodas com ele era sempre assim, uma sensação deliciosa com um pouco de dor e super rápido. Esvaziou o saco dele, reclamou porque o seu pau estava sujo e foi para o banheiro se limpar saindo peladão do quarto, encontrando com o meu tio no corredor, só escutei a risalhada dos dois, falaram alguma coisa mas eu não entendi.
Quando ele voltou, entrou rindo, levei um grande susto pensei que o meu tio ia entrar com ele e me ver ali jogado na cama pelado com o cu todo arrombado e melado de porra, do mesmo jeito que eu queria me entregar para o meu tio eu tambem sentia vergonha.
O João jogou uns pedaços de papel em cima de mim, falando para eu colocar na bunda até chegar no banheiro, vestiu a cueca, deu uma pegada no seu pacotão olhando fixamente para mim e falando
– amanha tem mais oque voce tanto gosta, putinha. E se jogou na cama, eu me levantei e rapidamente coloquei o papel como se fosse um modess pois era só ficar em pé que a porra escorria pelas minhas pernas, essa era uma das coisa que eu não podia negar, era lindo as esporradas que ele dava deichava o meu cuzinho transbordando, algo muito exitante.
Sai do quarto bem devagar no maior medo de encontrar com o meu tio no corredor e de ele me ver pelado com aquele monte de papel enfiado na bunda, só foi eu tirar o papel e sentar na privada que aquela meleca saiu toda, foi exitante, legal e mais ainda porque não saiu nem uma gotinha de sangue, fiquei todo bobo, eu tinha levado um pintão na bunda, não tava doendo, e não tinha saido sangue, me senti o máximo, mesmo sendo um toquinho de gente me senti grande, preparando para o sexo, voltei rápidamente para o quarto estava todo empolgado queria contar tudo para o João, mas como sempre quando eu cheguei no quarto ele estava todo arreganhado na cama de barriga para cima roncando exibindo aquele corpo lindo, o muleque estava sendo um verdadeiro FDP comigo, mas eu não conseguia deixar de admirar o seu corpo, ele era muito gostoso.
Não restando nada para mim, como sempre soquei a minha punhetinha solitaria com os meus pensamentos voltados direto para o meu tio, até então o unico homem que era legal comigo mesmo sabendo das minhas viadagens.
No dia seguinte quando acordei achei estranho eles estarem em casa, o meu tio estava conversando com um homem na sala, e o João logo que me viu no corredor deu um apertão na minha bunda e falou proximo ao meu ouvido
– gossstooosa. Isso me deixou puto da vida, ja fiquei invocado de mau humor, e quando cheguei na sala o homem bem animado quando me viu com a cara emburrada, falou.
– quem é esse machinho tão bravo? e o João logo que escultou não perdeu tempo
– machinho. kkkk… fiquei puto da vida, vontade de partir para cima dele, mas como eu não podia devido ao meu tamanho e talvez pelo meu jeito sensivel me dominando veio a vontade de chorar, mas tudo passou rapidamente pois o meu tio como sempre brigou com o João, me acolheu bem carinhosamente me dando um abraço bem gostoso e me apresentando ao homem, o nome de era Carlos, era 5 anos mais velho que o meu tio, vinha uma 2 vezes por mes e ficava 2 dias trazia raçoes e levava animais criados.
O meu tio falou para o João acompanhar o homem, que no caso os dois pareciam se conhecer muito bem, mas antes de irem o João aproveitou a distração deles mostrou o dedo e falou baixinho para mim que eu estava fodido, me deixando super preocupado pois ja deu a entender que ele ia contar das minhas viadagens para aquele homem.
Totalmente sismado quando o Joâo e o Carlos voltaram eu ja estava esperando pelo pior, mas o contrário de sarrinhos, piadinhas e desprezo que é normal dos homens héteros quando se deparam com um putinho, o Carlos ficou todo atencioso comigo e eu na minha inocencia fiquei todo bobo com aquela atenção toda, mal sabendo que a intenção dele era apenas me conquistar e depois claramente falando me devorar sem dó.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,84 de 19 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gui

    Que delicia, conta mais desse putinho.

  • Responder Ash

    Continua