#

Foi dificil mas conquistei Juliana, casada, mãe e o sonho de consumo do bairro

2642 palavras | 3 |4.17
Por

Eu sempre fui calmo devagar, nunca esquentei a cabeça com nada, só me preocupei em estudar e trabalhar em algo que gostasse, é claro sem correria,

Sou o terceiro de 5 irmãos, Gilberto e Gilmar, 2 anos mais velhos que eu, Geovana, 1 ano mais nova, e Guilherme 1 anos mais novo que Geovana, nosso pai era mestre de obras, e nossa mãe cozinheira numa multinacional, ao lado de nossa casa morava Juliana, alta, corpo escultural, cabelos ruivos e lisos, uma mulher linda, casada com Gabriel, homem nervoso, ela era mãe de Alisom e Aléx mais velhos que eu, tudo começou a acontecer em 2017, meu pai trabalhava numa construtora, onde meus irmãos também trabalhavam, no caso as meninas no escritório, e os outros nas obras mesmo, eu entrei na mesma empresa em que minha trabalhava, desde a adolescência e estou la até hoje, mas vamos ao que interessa, bom Juliana como ja dito era o sonho de consumo de todos no bairro, os moleques novinhos ficavam batendo punheta pensando nela, os adultos só falavam nela, era até chato, homens casados, pensando na mulher dos outros, até meu pai embora respeitasse mas sempre falava que ela era bonita, os filhos dela sempre sofreram muito buliyng nas escola por causa da mãe linda e gostosa, coisa que ja deu até tiro por causa dela, Gabriel ja agredil feio um cara por mexer com ela, e certa vez deu um tiro num cara que ficou manco, visto que ele era chapa dos policiais não pegava nada, ela não gostava da minha família, por que meu pai certa recusou fazer um serviço pra ele, e também porque sabia que meus irmãos ja haviam mexido com Juliana, mas comigo ele falava, pois eu também estava sempre sério, cara fechada, sei la, era meu jeito, naquele ano eu estava com 21 anos, sem nunca ter nem beijado, na faculdade mulheres davam em cima de mim, e eu saia fora, nunca levei jeito com mulher, mas ai eu conheci Angelica, na faculdade, exatamente na formatura, trocamos contato, e resolvemos nos encontrar, ela era mais calada que eu, e nunca tinha beijado também, nos encontramos conversamos em sua casa mesmo, conheci seus pais e começamso a namorar, naquele dia, só oficializamos o pedido, mas nem nos beijamos, eu estava saindo, quando passei com meu carro, num cruzamento, e Juliana estava la tentando passar, quando eu a vi, parei e perguntei, O que houve, aqui é deserto pra voce andar a pé, Ela falou. Eu fui assaltada, exatamente aqui a poucos instantes, socorro, Eu abri imediatamente a porta ela entrou, e eu a levei a um destacamento policial, onde ela registrou queixa, ainda bem que nem encostaram nela, mas ela estava assustada, eu a levei a um pronto atendimento, onde verificaram e a pressão dela estava a mil, ela foi medicada e eu ja havia ligado pra Gabriel, que veio rápido, ai me agradeceu, disse que ainda bem que eu apareci, falou do respeito que tinha por mim por eu ser diferente, eu fui embora, e no dia seguinte fui ver Angelica, e só abraços, sem beijo, eu travado ela também, ai estava chegando em casa, ainda estava claro o dia, ai vejo Juliana, em seu portão, Ola tudo bem, ta melhor? Ela. Graças a Deus e a voce estou mais tranquila, o seguro vai pagar tudo, pois encontraram o carro mas os caras capotaram e o carro deu pt, Eu falei. Bom pelo menos não te fizeram nada a mais. Ela, Sim, o resto agente recupera. Eu querendo ficar ali conversar mais, mas sem ter muito o que dizer, eembora pra chegar nela eu tive que ter coragem, além de serio, eu falo meio devagar. mas ai perguntei. Bom ontem, Gabriel disse que eu sou diferente, porque ele falou isso? tenho algo de errado? Ela falou espontânea. Não, você é diferente por ser melhor que todos, além de respeitador é educado, pensa pra falar, não é safado desculpa, igual a teus irmãos, desculpa, mas sabemos o que ja fizeram, mas você ta semrpe reservado, na sua, não fala da vida dos outros, quem dera que todos fosse assim. Eu com vergonha falei, obrigado, sabe todos falam de mim me colocam apelidos, é chato isso. Ela falou. Mas continue assim, eu vi você saindo da casa da Angelica, conheço a mãe dela, Eu falei. È mesmo, legal, eu to sabe, ah to namorando com ela. Falei e abeixei a cabeça, roxo de vergonha. Ela falou. Que bom. ela é minha afilhada, menina caseira, comportada, fico feliz, você serão felizes, pois você é um ótimo rapaz, e ela uma escelnete moça. que bom mesmo. quero comer bolo hein. Ela falou tudo aquilo e eu quase enterrei a cara no chão. Ai ela entrou em sua casa, eu terminei de lavar meu carro e entrei em casa. mas meus irmãso e alguns amigos deles estavam la, e começaram a me zuar, entrei em meu quarto e me tranquei, mas a noite todos saíram,eu fiquei em casa, sozinho, liguei pra Angelica, os pais dela não deixavam ela sair a noite, estava bem chato, ai eu fui até na garagem e fiquei no carro ouvindo música, quando Gabriel meio que desesperado bate la e fala, Filho me ajuda, meus filhos saíram e Juliana esta passando mal, leva ela ao medico por favor, meu carro esta sem gasolina, Eu tirei o carro, e fui ajuda-lo a pegar Juliana e por no carro, ai a levei ao pronto socorro, onde ela foi medicada, mas ai vomitou meu carro, enfim foi zuado, Gabriel prometeu levar ao lava rápido, a abastecer, eu os deixei com meu carro no hospital e voltei pra casa, pois não era longe, no dia seguinte, Gabriel foi trabalhar, ai eu resolvo dar uma caminhada, e fui andando bem longe, ja eram quase meio dia, ai vejo Juliana com meu carro, Oi tudo bem anjinho, seu carro ja esta limpo, e eu estou bem, ai eu entro no carro, ela vai pro banco do carona, ai eu falo ,que bom meu carro ta com uma cheiro bom, ela falou. Bom mas é o cheiro do perfume do carro ou o meu? Eu roxo de vergonha, falei. sem pensar, coisa que era difícil, O seu é claro. Ela riu. ai eu falei, Bom então vamos. você vai passar em algum lugar ou vai direto pra casa? Ela falou. Bom eu to com um pouco de fome, vamos comer algumas coisa, conheço um restaurante bom, só que fica fora da cidade. Eu falei. Vamso sem problema, e fomos ao restaurante, almoçamos, eu verde de vergonha, mas ela me fazia ficar mais solto, era diferente o jeito dela, ao pedimos um sorvete de sobremessa, ela de chocolate e eu de baunilha, ai começamos a tomar o sorvete, e ela com a colher prova do meu, ai depois pega do dela com a propria colher e poe na minha boca, ai fala, O meu é melhor, mas o seu também é bom, Eu falo, com certeza o seu é melhor, Mas ai ela fala, Bom se você tivesse escolhido o de chocolate nõa daria curiosidade de experimentar o seu, então foi bom assim né? Eu. Claro que sim. Ai pedimos mais sorvete, só que ela falou, você vai la e pede o seu que voce achar melhor, e depois eu vou e peço o meu, vamos fazer uma espécie de surpresa, Ai eu fui la e pedi, só que falei que era pra ela, ai depois ela foi e pediu, coincidentemente, ela disse que era pra mim, nem combinamos isso, mas ai quando chegou o que eu haviaescolhico, o cara entrou a ela, e o dela entrou a mim, a coincidência foi tanta que ficamos rindo só de pensar, mas ela adorou o sorvete que pedi, ainda mais que mandei por determinada cobertura, e o que ela escolheu pra mim eu também gostei muito, depois fomos a uma praça que ficava em frente e ficamos sentados conversando, ela estava com um vestido azul longo com um rasgo na saia que ia até pouco acima do joelho, eu fiquei olhando curioso, mas ela percebeu, e falou. Serã que esta demais o rasgo da minha saia? Eu falei. Não, claro que não. Ela falou. Sabe você é diferene mesmo, da uma curiosidade de saber o que se passa na sua cabeça, pois você é calado, mas desperta curiosidade, Eu falei. Ah é meu jeito, nunca fui de conversar muito, ja tentei convencer Angelica a sair, mas ela não sai de casa. Ela falou. Mas fala com ela, ficar só em casa é ruim, vocês podem vir aqui, imagino que beijar ela na casa dos pais dela deve ser deficil, né sempre tem gente la. Eu falei, Bom é sabe, ainda não nos beijamos. Eu nem sei e ela também não sabe. Ela falou. Não acredito, mas vocês não. não acredito, você deve ta de brincadeira. Eu. Sério mesmo. Ela. Mas é tao simples, é só colar os lábios, e deixar correr solto, grudar as línguas, é simples. Eu roxo de vergonha. Nunca fiz isso. nem ela rsrsrs. Ela. Você tem que chegar e beijar. eu te ensino. quando voce encontrar com ela, ja chega e vai fazendo assim. Ai ela me mostra um video no celular. eu vi, um casal se beijando de lingua, mas falei. Bom assim é fácil. na hora eu travo. parece mais difícil do que tudo. nem um toquinho saiu. Ela falou. Bom acho que voce quis dezer Celinho né? Eu meio sem jeito falei. Acho que é. Ai ela falou. É não tem jeito. Eu. É estamos devagar mesmo, mas será que é normal, enfim somos marinheiros de primeira viagem, rsrars. Ela falou. É não tem outro jeito. vem vamos ver como posso fazer. Eu inocente, besta, falei. Mas fazer. o que? Ela falou. Olha ta vendo aquele casal de jovens, ali na frente? Eu. Sim. Ela. Ve como se beijam freneticamente. a lingua deles estão como que entrelaçadas. e daquele jeito. Eu falei. Sim mas só não sei como iniciar. Ela. Bom você começa chegnaod perto, e cola a boca na dela, ai vai abrindo os lábios seus e os delas, você conduz. Eu como que ja desistindo sem nem tentar, ai ela fala. Bom vamos ver. é assim, Ai veio e me beijou, e foi fazendo com que a minha boca ficasse colada na dela, e eu relaxei, ela foi abrindo os lábios e nossas línguas se encontraram, muito bom nunca pensei que seria tão bom. ficamos alguns minutos nos beijando ela abraçou meu pescoço eu abracei ela e ficamos naquele beijo que me tirava o folego, foi muito bom. ai ela desgruda um pouco e fala. É assim gostou? Eu. Muito, muito bom demais. Ela falou. Agora faz com Angelica ela vai gostar também. mesm osem saber você beija bem. Ai nos beijamos mais, ai ela fala, vamos tomar algo? Ai entramos de novo e tomamos vinho, na mesa nos beijamos de novo, ela falou. Bom posso te ensinar mais coisas, acho que voce vai precisar, nunca pensei que faria isso, mas você merece. vamos a outro lugar. eu dirijo. Entramos no carro, ela dirijindo, eu pensei, ela vai me levar a um motel, e se não der certo, nem me masturbar eu fazia, eu t remia de medo, sei la, mas ela me levou a casa de sua mãe que ficava nessa cidade, embora perto de onde moramos, que estava viajando mas ela tinha a chave, pois ia la cuidar da casa, enquanto a mãe estava fora. chegamos entramos, eu tremendo, ela me beijava, entramos de mãos dadas, eu sem jeito, ai ela falou. Calma vai ser bom, Ela me beijava e eu tremia, ai sentamos no sofá e ficamos nos beijando, ai ela falou. vamos ali no meu antigo quarto, entramos e havia um cama de casal, ela encosta a porta, e vai tirando a roupa, ficando só de calcinha e sutiã, eu nunca tinha visto, era totalemtne cabaço, ai tira o sutiã, a calcinha, ficando completamente nua, eu besta parado, ai ela vem tira minha camisa, minha calça, minha cueca, eu roxo de vergonha, ela lisinha, eu todo peludo, ai ela começa a mexer em meu pau, eu roxo de vergonha, ai me beija, e me puxa pra cama, em cima dela, ficamos nos beijando, ai ela fala, levanta o quadril um pouco, eu levanto, ela pega meu pau que estava duro, e vai encaixando em sua buceta, era bom demais, meu pau envolto aquela delicia, embora antes eu tinha reparado na bunda dela, mas nunca pensei em ir tao longe, ai ela foi me puxando e me empurrando, não demorou e gozei foi tão bom que eu geme alto, ela ficou rindo, meu pau ficou sensível, e ela me fez levantar, os dois suados, ela falou. Gostou como foi sua primeira experiência? Eu. Ótimo, muito bom delicia. Ela. Hum que bom, vamos fazer mais, mas eu preciso te falar ,que você tem que ir mais devagar, calma, é normal sua primeira vez, você gozou rápido, e pode até demorar um pouco pra você aprender, mas eu vou te ensinar, agora você vai fazer outra coisa, Eu. O que.? Ela,. Bom faz tempo que nã ofaço com Gabriel. mas é assim. eu vou deitar e voce vai chupar minha vagina, eu falo como é. Ela deita. e me manda chupar eu vou rápido, e ela fala. devagar. passa a lingua mais em cima, e ela vai direcionando e eu vou fazendo conforme ela manda, não demora. ela rebola. geme. e fala pra eu não parar. e segura minha cabeça quase me sugando pra dentro dela, eu passo a lingua no grelo. ela hurrando, ai sinto um melado na boca, e ela me segura, ai me solta, eu levanto um pouco, pois o pescolo doeu. ela quase sem folego perguntou. Foi bom. Eu. Foi ótimo. quer mais. ela me puxa pra baixo e fala, passa a lingua de leve, nela toda. eu vou passando lambendo todo o melado, fico um tempo agora melhor pois estava numa posição mais confortável pra mim, fiquei ali lambendo um tempo, ai ela fala, ja mais descançada, agora vai com a lingua em cima, do meu jeito de antes, vai devagar e aumente aos pouco a força e a velocidade, eu comecei devagar, ela começou a me segurar pela cabeça, me empurrando pra dentro dela, eu fui aumentando, ela sem folego. AASSSimmmm vai não paaaarraaaaa ah ah ah. Ela goza muito ,e mija na minha cara eu lambo tudo, até o xixi, ai ela me solta, e me pede ajuda pra levantar, deixamos a cama mijada, ela vai ao banheiro eu ajudando é claro, mija, toma um banho, eu também, nos vestimos, ai ela fala. Ja são 15:30 vamos meu marido logo chega, ai entramos no carro, ela no volante dirijindo feito doida, chegamos rápido, mas pela rua de traz, ela desce, e fala, daqui eu vou a pé, tchal foi ótimo, precisamos repetir, mas é um segredo, eu voltou pelo outro lado da rua, ela chega em casa, e logo o marido chega, eu ainda no portão ficamos conversando, ela me agradeceu, perguntou se o carro ficou limpo, eu falei que ficou ótimo, ai ela falou. Olha se precisar conte comigo, você é legal. Eu entro em casa, sem nem acreditar em tudo que aconteceu, ela me deu muitas dicas, mas disse que depois me ensinaria mais, e eu conto no próximo. espero que gostem, desculpem por ser tão grande.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,17 de 24 votos)

Por #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Claudio Alberto

    Deixa o sorvete, otário! Que merda, rapaz….

  • Responder casal e filhas parana

    continua logo

    • ThOr_18cm

      Tbm sou do Paraná, vamos manter uma amizade?