#

Fodendo a grávida com seu barrigão, a esposinha do patrão

2312 palavras | 3 |4.43
Por

Peão é chantageado pela esposa do patrão e é obrigado a come-la com sua enorme barriga de grávida

——– Identidade Bourne é meu codinome —————–
Essa é história de Túlio, que acabou sendo explorado pelas meninas da fazenda

Meu nome é Túlio, tenho 29 anos, peludo natural, moreno do sol, devo ter mais ou 1,80m de altura, e quase 90 quilos, meio parrudo. Consegui trabalho numa das fazendas de um senhor rico, foi muita sorte porque eu estava precisando de ser pago melhor. Minha mulher, Silvana, cuidava de nossa filhinha, e nessa fazendo nos foi dado um cômodo para morar de graça, e onde minha esposa também podia trabalhar sem deixar de cuidar de nossa filha.

Seu Rômulo era um viuvo com com duas filhas, Natália de 13 anos e Talita de 11 anos, e ele tinha uma nova mulher muito mais nova chamada Sandra que também morava na fazenda estava grávida.
Morávamos num dos cômodos atrás da casario, muito confortável. A minha esposa trabalhava na casa e cuidava da nossa filha que recém tinha começado andar, e também das filhas do patrão, quando elas vinham passar o fim de semana na fazenda.
Eu tinha muitas tarefas durante o dia e ia pra casa de noite para dormir.

Silvana só eu tinha 19 anos, conhecia a família dela e casamos cedo, logo ela nos deu a nossa filha, Mariana.
Seu Rômulo ficava muito tempo fora, entre negociações e a cidade, as vezes passava noites sem dar notícias. Minha esposa e dona Sandra ficaram como amigas e até confidentes. Minha esposa me disse que Sandra reclamava que mal tinha atenção de seu Romulo. Ela devia ter 25 anos, e se o Rômulo tinha quase 60 anos, eu sabia que ele tinha outras mulheres, mas lógico que nunca abri a boca. As filhas do patrão pareciam gostar mais da madrasta do que do próprio pai que mal passava o tempo com elas.

As filhas dele passava todo fim de semana na fazenda, ficava na piscina andava de cavalo, se divertiam muito as vezes traziam algumas amiguinhas da mesma idade para passar o dia na piscina e pareciam muito desinibidas pra idade delas. As duas, por serem irmã eram bem parecidas, já estava com corpo desenvolvendo, e gostavam de chamar atenção. Elas tinham uma pele clara com marcas de sol que tomavam na fazenda, cabelos escuros e lisos, Natália tinha uma franja e Talita parecia não ter. Elas eram magras mas a Talita era um pouco mais carnuda. Elas tinham curvatura na coluna que empinava as bundinhas, não sei se era de propósito, mas era difícil não olhar e não imaginar coisas. Não era sempre que eu podia fazer sexo com a minha esposa, por causa da nossa filha.

Eu tentava não me aproximar muito delas, porque elas pareciam um pouco atirados pro meu lado, então eu evitava situações. Mas sempre as via cochichando entre elas e rindo falando alguma coisa de mim. Eu ficava com paranoia sem saber o que era, mas até que um dia Talita me deixou sem graça ao dizer que eu tinha um sorriso bonito. Eu apenas agradeci mas eu não posso dizer a ela que eu achava a bunda dela bonita.
A fazenda tinha outros empregados e eu comandava o que eles deveriam fazer e também cuidava dos gados e dos cavalos. Estava menos de seis meses morando e trabalhando pra eles e fiquei numa situação muito complicada quando Sandra passou a me assediar sexualmente.
Isso se dava sem a minha esposa perceber, Eu não tinha nenhuma intenção de fazer algo mas as coisas tomaram um rumo que eu não pude muito controlar.
A primeira vez foi na cozinha do casarão, ninguém estava por perto, eu entrei para abastecer as garrafas da água, eu estava suado com a minha camisa molhada. Sandra me viu e se aproximou comentando que eu deveria trocar de camisa, eu disse que não precisava que eu ia sujar da mesma forma. Então ela começou a a passar a mão no meu bíceps e no meu peitoral de uma forma muito estranha, eu me afastei pedindo licença escapei daquela situação.

No outro dia foi a mesma coisa mas ela acabou desabotoando e arrancando minha camisa, eu pedir por favor para que não fizesse isso, que não seria apropriado. Sandra era bonita estava com os peitos enormes e com a barriga enorme grávida, cabelos longos encaracolados e boca carnuda, ela chegou perto encostando sou barrigão no meu abdômen e passou a mão entre nos pelos do meu peito. Ela me pediu pra deixar de ser bobo, eu resisti e não beijei ela. Então ela passou a mão na minha virilha por cima do jeans fininho e surrado que eu vestia e senti meu pau sendo sovado, cresceu em volume, então senti os dedos delas suavemente contornar a cabeça do meu cacete por cima do jeans, eu tentando resistir. Ela sentiu que meu pau estava querendo pular pra mão dela e minha expiração acelerou, eu nunca comi a minha esposa quando ela estava com a barriga deste tamanho e ela não tinha os peitos tão fartos assim. Eu tinha medo de machucar. Mas Sandra me deixou excitado ao sentir o cheiro da sua pele e seus peitos volumosos encostando em mim.

Eu me afastei e pedir minha camisa de volta, ela disse que tinha que por pra lavar. Eu falei que isso não era certo. Mas o meu pau estava quase estourando meu jeans apertado. Ela simplesmente me ameaçou, Disse que podia mandar a gente embora e ainda acabar com meu casamento. Eu fiquei sem saber o que fazer, e ela disse que estava grávida e com muito tesão, e que eu podia ajudar nisso. Ela levou a minha mão ao seu peito e puxou o mamilo pra fora, era lindo inchado grande, minha boca salivou, ela me puxou para baixo e me fez beijar o peito dela, que delicia, que cheiro gostoso, e depois me beijou na boca. Ela me explicou onde eu deveria encontrá-la no fim do dia.

Eu passei o dia inteiro preocupado excitado, nervoso. Sandra e Silvana passavam o dia cuidando das coisas como se fossem amigas conversavam muito e pareciam estar se dando muito bem. E eu sabendo que Dona Sandra estava se aproveitando da situação e estava enganando minha inocente esposa.

A tarde o céu escureceu e começou a chover muito. Peguei uma caminhonete da fazenda e segui a explicação que Sandra havia me falado. Era um celeiro meio afastado. Parecia que estava inativo, ao estacionar eu vi que um dos carros da fazenda já estava lá. O vento quase arrancou meu chapéu, eu abri a porta do celeiro rapidamente entrei. Lá estava Sandra me esperando, havia uma carroceria abandonada, alguns móveis velhos de casa incluindo dois sofás.
-Oi Dona Sandra.– eu disse tirando meu chapéu.
-Adorei por você ter vindo, assim não haverá problemas pra ninguém. E eu sei que você vai gostar, não se preocupe com a sua esposa, ela está cuidando de casa, e não passei nenhum batom ou perfume.
Sandra estava com vestido de decote enorme com os peito dela balançando de acordo como ela se mexia preparando o sofá com lençóis.
Ela me puxou pela fivela do cinto pra perto do sofá e disse pra eu ir tirando minha roupa. Eu tirei a camisa tirei minhas botas, soltei o meu cinto e abri o zíper, e ela foi me ajudando a descer a minha calça.
-Nossa bem que a sua esposa falou, Você deve ser um garanhão na cama. – ela massageou o meu cacete por cima da cueca, e fui tirando sua roupa fica completamente nua.

Ela tinha um bundão, uns peitão, e estava cheirando sexo. Ela subiu e sentou-se na beira da carroceria, ficando com o seus peitos na minha altura da cara. Eu cai de boca e chupei muito, ela só me pediu pra não deixar marcas, mas dei umas mordidas na pontinha dos mamilos de lever segurando um peito com minhas duas mãos! Depois ela se ajoelhou, baixou minha cueca e foi muito estranho ver uma mulher grávida como ela, esposa do meu patrão envolvendo meu pau com as mãos caindo de boca. A mulher estava feroz! Boca quente e molhada se misturava com a baba do meu cacete. Eu até me escorei num cavalete que estava atrás, porque ela mamava com muita fome e esfregar a lingua na cabeçona do cacete que deixava minhas pernas bambas. Eu prendi seus cabelos longos encaracolados com minha mão e pude ver como ela se realizava me olhando com cara de menina boba. Eu forcei um pouco meu cacete pro fundo da garganta dela. Vi meu pau roliço, escuro e peludo invadindo o rosto de pele clara e pura dessa grávida gulosa.

Ela deitou-se de costas no sofá e abriu as pernas, mostrando a sua buceta e falando pra eu matar o desejo dela.
-Dona Sandra, eu tenho medo de machucar você! A barriga da senhora já está muito grande.- eu disse com meu pau na mão sentindo minhas bolas balançar, e o cacete latejando pra entrar naquela xavasca de pelos cortadinhos.
-A sua esposa me falou que você tinha medo de comer ela durante a gravidez por causa do tamanho do seu dote. Mas não precisa ter medo eu vou te ensinar vem. – ela estendeu sua mão me chamando pra ela.
Eu me aproximei babando, eu não consegui comer a minha esposa nessa época, porque me senti estranha em saber que ela estava grávida e nossa filha estava lá dentro. E vi que a buceta de Dona Sandra estava expandida e suculenta. Comecei a meter meu cacete com muito cuidado mas foi uma delícia a sensação de encostar a cabeça da minha rola naquela boceta estufada pela barriga.

Dona Sandra me olhava nos olhos e acariciava seu barrigão , me olhava com cara de safada de boca aberta com aqueles lábios carnudos eu estava engatando meu pau na xana dela eu estava com medo de machucar e ela percebeu.
-Não tenha medo, Emmanuelle está aqui louca pra sentir você também.
Uma mistura de prazer e safadeza me deixou ainda mais com tesão. Sandra começou a falar que ela estava grávida de uma menina, Emmanuelle. E que eu estava sendo fonte de prazer para as duas porque a mulher grávida também precisa muito de sexo, ela falava de e ela viu que estava perdendo a cabeça. Lá fora chovia e ventava com trovões, Sandra gemia e delirava parecia que não dava aquela boceta fazia tempo. Eu metia mas eu senti alcançar uma barreira então não forcei muito, mas ela fazia com que eu entrasse mais.
-Eu quero que você goza pra gente, seu saco tá cheio e pesado de tanto leite, deixa seu leite pra mim, porque não há chances de engravidar logicamente,- disse acariciando sua barriga e explicou para o bebê que eu iria deixar o leite pra elas.
Eu catei um peito dela com a minha mão e comecei a espremer, eu já estava a ponto de jorrar todo a minha porra dentro dessa mulher safada, imaginando alimentar Emmanuelle. A buceta dela fazendo barulho de gases eu tirei o meu pau inteiro e observei de olhos arregalados como meu cacete entrou quase todo naquela mulher grávida e sedento por leite de macho.
Dona Sandra começou a gritar de prazer já estava gozando e eu também meti mais forte, ela gemia gritava com as pernas pra cima enquanto eu enchia ela de porra grossa, imaginando estar inseminando aquela fêmea e mamando em seu mamilo largo.

Eu tirei meu pau ainda babando da buceta dela e vi o quanto estava toda aberta. Eu tratei logo de me vestir, porque me bateu a realidade da situação, ela baixou suas pernas e sentou-se muito satisfeita me olhando com olhar de sedução.
-Nossa! Túlio que delícia, além de bonito e grande você sabe fazer gostoso!- ela disse começando a se vestir.
Eu sou muito tímido. De poucas palavras. Vi que ela estava de olhos no meu pau de veias dilatadas, rapidamente pus a cueca e me vesti rapidamente.

-Obrigada Túlio, mas acho que vou precisar disso mais vezes. Eu sei que você gosta de entrar pela porta de traz!-dona Sandra deu uma risada maliciosa.

Eu teria que achar um modo de dizer a minha esposa para não ficar expondo nossas intimidades para ela. Agora eu vi que Silvana confiava nela, E que talvez as meninas até soubesse algumas coisas pela Dona Sandra que parecia não ser nada respeitosa.
-Então Túlio, você pode indo na Frente. A chuva já acalmou e logo depois chegarei atrás. Acho que seria bom ficar mais próximo de mim e das meninas também elas iriam adorar! Vou planejar isso.

Eu sai em o silêncio do celeiro, com meu pau ainda duro dentro do jeans. Eu não queria mostrar que eu estava tendo prazer da situação, não queria trair a minha inocente esposa com quem já tenho uma filhinha. Mas podia arriscar tudo.
Depois desse dia vi o que Dona Sandra era capaz de fazer e as coisas que me estavam por mim.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 21 votos)

Por #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Anônimo

    Muito bom! Continua

  • Responder Anônima

    Muito bom continua

  • Responder Pau duro

    E as meninas tb???? Conta mais !!!