#

Cabacinho estourado com sucesso

1999 palavras | 2 |4.55
Por

Depois de ir passar as férias na casa de alguns parentes reencontrei um primo que não me lembrava ser tão gostoso e que me fez provar seu leitinho

Olá eu sou a Camila, esse é meu primeiro relato aqui, e na época que aconteceu eu tinha 14 anos e ainda era virgem. Tinha e ainda tenho o mesmo físico, 1, 60 , cabelos castanho claro, olhos mel, bumbum e seios médios redondinhos e durinhos…

Cada vez que me lembro minha buceta pulsa de tesão, mas enfim a verdade é que tenho e sempre tive uma tara enorme por militares, aquelas fardas marcando a bunda, aquelas caras de durão, fico imaginando o quanto deve ser bom meter com um me pegando com força. Mas, vamos ao que interessa.

Em uma de minhas férias escolares, como sempre minha família gosta muito de viajar para o interior, sabem como é gente velha não é? Mesmo sem querer ir fui obrigado, era menor e não tinha muita escolha.
Chegando lá era aquela chatice e mesmice de cidadezinha do interior, pacata e silenciosa onde todos se conhecem e quando recebíamos visitas chegava a ser uma novidade.

Num dia de manhã ainda na casa do sítio, recebemos um telefonema da minha tia avisando que iria nos fazer uma visita e então fiquei na esperança de que ela me levasse para casa dela quando voltasse, e para minha sorte assim ela fez , pois já não aguentava mais aquele tédio.

Chegando em sua casa, que era em outra cidade, minha prima estava em casa, mas como não me dou bem com ela preferi ficar na casa de outra tia na mesma cidade, então liguei para ela avisando,peguei minhas coisas e fui.

Minha outra tia me esperava na esquina pois ela se mudara tantas vezes que nem sabia mais onde estava morando. No caminho ela não perdeu tempo e logo colocamos a conversa em dia e estava louca para me contar que meu primo Sérgio estava servindo o exército mas até então sem novidades, fazia tanto tempo desde a última vez que o vi que nem me lembrava de como ele era.

Quando chegamos e adentramos o quintal me deparei com um homem lindo sentado no chão, era lindo mas nem passou pela minha cabeça que poderia ser ele, e continuei caminhando e olhando aquele homem com o peitoral definidinho, cabelo bem cortado e loiro, estava com roupas simples mas ele por si só era um espetáculo com aqueles olhos esverdeados, um alemão com uma bunda que ao levantar para me cumprimentar não pude deixar de reparar e parecia durinha. Conversamos e assim percebi que era meu primo mas respeitei até porque não sabia se tinha namorada ou era casado.

O dia foi passando… E a noite passei em claro, nem consegui dormir pensando no estrago que ele poderia fazer comigo virgem. Será que dói muito? No dia seguinte, passei a manhã na casa de outros parentes para não ficar sozinha, minha tia que é mãe dele foi trabalhar cedo junto da minha prima e meu tio, ele foi o primeiro que acordou e saiu apressado pois morava perto do quartel mas tinha que estar lá às 7:00.

Passei o dia todo fora pois na casa dessa tia tenho outros primos mais novos que eu, e acabei contando que havia me interessado pelo Sérgio e que achei ele lindo, mas nada demais apenas conversa entre adolescentes, e ao final da tarde quando todos haviam chegado do trabalho, voltei para casa dele.

Ao chegar perguntei pela minha tia, e fui avisada pelo meu tio que estava sentado no portão que ela havia saído, mas mesmo assim entrei para tomar um banho pois minhas roupas estavam todas lá, e depois de ter passado o dia todo na casa de parentes não tem nada melhor para relaxar.

Perguntei para o meu tio se minha tia demoraria a voltar, mas ele não respondeu porque também já havia saído me deixando sozinha, aproveitei e fui tomar banho.

Desde o dia que cheguei naquela casa não parava de pensar no meu primo, e imaginava ele com aquela farda linda que ele chegava todos os dias, a qual fazia com que o verde de seus olhos se destacasse ainda mais, me imaginava rasgando suas roupas e lambendo aquele suor todo, e não aguentei tive que bater uma siririca pra ele no chuveiro, não ousava enfiar o dedo na bucetinha porque tinha medo de machucar então ficava apenas alisando o grelinho. Sentei no chão do banheiro com as pernas apoiadas nas paredes de frente para o chuveiro e deixava a água cair na periquita enquanto cheirava uma camiseta branca que fazia parte do uniforme dele e que estava no cesto pra lavar.

Aquele cheiro de macho me deixava arrepiada… Passava a camiseta na buceta, chupava aquele caldo salgadinho de suor que saía da camiseta, esfreguei no grelo até não aguentar mais e gozar sentindo o cheiro dele. Minhas pernas ficaram moles, e os dedos melados lambia imaginado que fosse a porra dele, gemia bem baixinho terminando a gozada e chamando o nome dele, e de repente fui interrompida por um barulho de moto.
Como assim?? Ahhhhhh é.. Ele têm uma moto! Pensei rápido em como o provocaria pra ver se ele topava algo.

Saí banheiro apressada enrolada na toalha enquanto ele guardava sua moto. Entrei no quarto da irmã dele e virei a bunda para porta e esperei que passasse pelo corredor, e assim ele fez e torci para que tivesse visto, pois era essa a intenção. Como Sérgio não voltou, sosseguei e comecei a me vestir quando vi uma sombra atrás de mim. Que maravilha, ele não perdeu tempo, avançou logo e passou a mão na minha bunda me puxando pela toalha

– Hoje passei na casa da tia e o Vinícius me falou que você está louca por mim.É verdade?

Fiquei sem reação mas pensei que se não confirmasse logo colocaria tudo à perder.

-Sim é verdade.

E na mesma hora me agarrou tirando minha toalha, acariciou meus seios que mal haviam se desenvolvido, eram pequenos e pontudos, segurou minha mão e me fez pegar no pau dele, e nossa como era grosso e grande, fiquei surpresa e assustada pois nunca havia pegado num pinto, ainda mais duro como que estava, e Sérgio fazia questão de pulsa lo na minha mão.

– Olha como você me deixa.

Eu estava com tanto tesão que não conseguia pensar direito, e ele se aproveitando da situação me arrastou para o quarto dele e me jogou na cama brutalmente, me mordia e encochava o pau duro no meu quadril segurando meus braços com tanta força que eu mal conseguia me mover. Como ele era tarado e gostoso, seu beijo era molhado e sua língua quente passeava dentro da minha boca e quase me sufocava. Em meio aquilo tudo Sérgio tentava enfiar o dedo na minha buceta, mas logo percebeu que havia algo “errado”.

-Quantos anos você tem??

-Quatorze.

-Ahhh.. Mas você é novinha ainda… Não posso vou te machucar!

– Novinha mas sei o que é bom e esperei a noite toda por isso, você não quer ?

-Têm certeza?

-Sim, eu quero

Me senti no céu e ao mesmo tempo com um certo medo, mas não queria demonstrar pois ele desistiria, eu queria muito saber como era sentir um ponto duro dentro de mim e então resolvi mostrar que realmente queria dar minha buceta pra ele foder . Sérgio ainda com a calça camuflada do uniforme tirou o pau duro pra fora e levou em direção a minha boca, e eu não sabia como fazia boquete, então apenas chupei como tinha visto num vídeo na escola uma vez, passava a língua no meladinho que estava saindo, era salgado e ás vezes mexia na minha boca.

-Isso chupa que você vai gostar.

-Assim?

E lambia a cabeça da rola enquanto empurrava a pele para frente e para trás.

-Isso, alisa meu saco também que é bom.

-É gostoso quando eu chupo primo?

-É… ahhh é muito bom.

Sérgio gemia e fodia minha boca pedindo mais.

-Quer leitinho?

-Leitinho?

Sabia mais ou menos do que ele estava falando, mas me fiz de boba.

-É, leitinho gostoso que vai sair da minha rola quando eu gozar. Quer?

-Não sei…

-Chupa mais, chupa mais…hummm você já sabe mamar um pau direitinho, aprendeu onde hein safadinha?

-Lugar nenhum, nunca chupei o pinto de ninguém.

-Como você é bonitinha com essa boquinha. Mas agora deixa eu passar só a cabecinha nela.

Consenti que fizesse mas fiquei olhando para ver o que ele estava fazendo e quando ele apertou a cabecinha segurando na minha cintura, senti uma leve ardência, pensei que seria cuidadoso mas não resistiu, não se contentou apenas em colocar a cabeça, colocou a mão tapando minha boca e enterrou a rola lentamente encouchando no final, quase não tinha folego para argumentar

– Ai Sérgio está doendo muito, tira…tira…

-Espera um poquinho, deixa assim. Daqui a pouco passa, está tudo bem.

-Não…para

Tentei tirar aquele pau duro de dentro da buceta, empurrava ele com os joelhos mas ele sem dúvidas era mais forte. Levei a mão na buceta na tentativa de saber o por que de tanta dor e vi que sangrou um pouco, era desconfortável, mas era uma dor que logo foi ficando gostosa, tão gostosa que logo eu queria sentir mais, me dava vontade de gemer, gritar não sabia bem, era tão delirante que então entendi o porque as mulheres gemiam tanto, e era o que também queria fazer, gemer.

Ele metia com força, às vezes dava vontade de chorar, mas passei tanta vontade de meter com ele e de saber como era que eu queria aproveitar até a dor.

Ele metia e parava.

-Porque você parou?

-Se não eu vou gozar.

Eu sabia o que era gozar apenas porque tinha visto os tais vídeos na escola com aqueles homens de pau duro e espirrando porra enquanto gemiam.

Me deu um tapa no rosto e meteu com força respirando fundo.

– Vou gozar…

– Isso… Goza na minha bucetinha.

– Não posso, é arriscado.

Bombou na minha buceta uma última vez e tirou a rola me fazendo sentir aquele líquido quente escorrer por cima da minha buceta, na minha bunda e cuzinho, foi a primeira vez que vi e senti uma rola gozando, era delicioso ouvir o Sérgio gemer, parecia descontrolado, era de certa forma estranho para mim mas sabia que era assim que acontecia. Então passei os dedos para tentar sentir como era, aquele líquido viscoso e grudendo. Sérgio passava o pau melado de porra no meu rosto e na minha boca.

-Experimenta meu leitinho.

Coloquei a língua para fora e ele passou o pau melado nela, o gosto era ruim e o cheiro também.
Sérgio estava suado e aparentemente cansado, olhava para mim parecendo desacreditado do que acabara de acontecer.

Sem demora me vesti, ele foi para o banho e os outros foram chegando conforme o tempo passava , tio, tia e os demais da família. Naquele dia fui dormir com a buceta vermelha, ardendo e com a barriga dolorida, em certos momentos durante à noite meu corpo ainda sentia as estocadas me dando a impressão de que estava metendo. Sérgio voltou para o quartel no outro dia bem cedo e em seguida minha tia me levou ao aeroporto pois minhas férias haviam terminado.

Depois que minhas férias acabaram e voltei para casa nunca mais o vi, pois me casei e ele também. Restou apenas a deliciosa lembrança de quando estourei meu cabacinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,55 de 11 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Comedor de novinha CASADO

    Chama no telegram

    • Viuva carente

      Quando ela ta na ciririca com a mão entre as pernas a outra pôr tras fazendo carinho na bunda dela fica fudeno o ku dela com muito carinho o dedão no cabaço dela essa safadezas ta me provocando muito tesão na minha buceta EU ja gozei varias vezes olhando ela pelo buraquinho da porta do quarto dela adora se tocar na cama da tapas na buceta dela puxa os bicos dos mamilos dela 2 tomates bem durinho EU acho o máximo quando ela fica só fudeno o ku dela é uma coisa sem explicação linda putinha safada quando ela vei no banho ela ficou me cheirando dano beijinho por cima da minha boca EU dano beijinho na boca dela com carinho passei o sabonete ela gostou cheirei o fundo da calcinha o ku dela é bem carinhoso bct cherosa EU viuva sem fuder gozo bastante olhando as ciririca dela cada dia que passa fica mas safada na cama EU adoro quando ela ta na cama de 4 com o dedão no k dela fudeno é uma coisa sem explicação fenomenal passei o sabonete com carinho na bct no k dela quando foi a noite ela vei novamente no banho EU credito q antes desse entrar a gente vai fuder ela pegou nos meus mamilos dano cheirinho e beijinho EU fiz carinho nos mamilos dela beijinho por cima putinha linda safada na cama