# #

bulinando a enteada

580 palavras | 0 |4.05
Por

Ola pessoal, nunca achei que contaria esta ocasião, mas depois de ler outros contos eu resolvi contar. Fui casado por 5 anos, minha ex na época que a conheci tinha uma filha de 9 anos, namoramos um ano e logo casamos, minha enteada me amava como pai, e não tinha nenhum tipo de vergonha de mim, se trocava na minha frente, tomava banha enquanto eu fazia a barba, aos poucos comecei a pensar que ela estaria me provocando. As vezes víamos filmes no sofá até tarde, eu sentava sempre no meio, minha esposa logo dormia pois trabalhava muito durante o dia, eu esperava as duas dormirem e fingia que também tinha adormecido, aos poucos eu ia levando a mão na coxa da minha enteada e subindo até chegar ao “caposinho” fingindo que estava dormindo e meu braço involuntariamente ia até aquela região, ela nem se mexia, eu acariciava com as pontas dos dedos o “caposinho” nunca passando disso pois tinha medo de ela acordar.
Com 11 aninhos nós estávamos ficando cada vez mais próximos e quando a minha esposa saia pra trabalhar de manha minha enteada corria para minha cama, dormir um pouco comigo ja que eu começava mais tarde no trabalho e ela estudava a tarde, aqueles momentos eram mágicos pra mim, eu colocava meu joelho no meio das pernas dela e ela se esfregava nele, meu pau ficava muito duro e dava pra sentir quase rasgando a cueca, certeza que ela tbem sentia. Um dia ela estava com um shortinho bem fino, e quando eu passei a mão senti algo diferente, ela estava sem calcinha, senti os beicinhos bem avantajados, ela logo veio se esfregar no meu joelho, eu deixei um pouco, e aos poucos fui colocando a mão também entre as pernas dela, senti o caposinho e procurei a beirada do shortinho entre a coxa dela, ai tive certeza que ela estava sem sem calcinha, senti os beicinhos macios, e coloquei o dedo entre eles massageando aquela bucetinha com alguns pelinhos na parte de cima, ela se contorcia um pouco mas deixou de boa, eu tremia de nervoso, tirei a mão e ela se virou, achei que ela iria me dedurar, mas não.
poucos dias depois foi de novo, mas logo que comecei a passar a mão nela ela ja se virou de barriga pra cima e abriu as perinhas, me dando acesso livre, fui direto na bucetinha, cabia inteira na minha mão, dai uma leves apertadas nela, e ja fui colocando a mão dentro do pijama e por fim dentro da calcinha, brincando um pouco com os pelinhos, e colocando o dedinho no meio dos beicinhos e indo mais fundo, até que senti que estava toda molhadinha, meladinha mesmo, fiquei espantado nem sabia que ela podia ficar molhadinha dessa forma sendo tão novinha, continuei colocando o dedo e ele entrava até a metade, eu não queria forçar com medo de machuca-la, fiquei varios minutos com os dedos lá, ela apenas dava uma gemidas baixinhas mas fingia sempre estar dormindo, tirei os dedos e chupei pra sentir aquele melzinho, delícia. Me arrependi de não ter ido mais fundo e tentado algo mais, pouco tempo depois me separei por motivos de familia, ela foi embora com a mae dela, ainda temos contato, mas nunca falamos sobre oque acontecia, eu acredito que ela gostava tanto quanto eu.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,05 de 22 votos)

Por # #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos