# #

Angelina, puta desde namorada, o primo novinho do meu namorado

605 palavras | 2 |3.21
Por

Meu nome é Paulo, quando tinha 15 anos meus pais faleceram vítimas de um acidente de automóvel, neta época fui morar com meus tios.

Bom meu pai tinha um irmão, Senhor Mário, casado com dona Marli, está era uma coroa lindíssima, 48 anos na época, embora mãe de três filhos, (Marta, Maryne e Marco.) Suas filhas já eram casadas e Marco morava com meus tios.
Deixamos os secundário e vamos aos protagonistas princípais, Marco namorava Angelina, só qual todos chamavam de Angélica, ela era um tesão, um ano mais nova que meu primo, na época ela tinha 18 aninhos, uma jovem belíssima, falsa magra, cabelos cor de meu até o meio das costas, uma pele clara, seios em formato de pêra, com os biquinhos furando a blusa, ou vestido, ela parecia não usar sutiã, e aquela bundinha, hum um tesão.
Eu sempre pratiquei esportes, natação, karatê e musculação, embora bem mais novo que Marco, perto dele eu era um gigante.
Meu primo era um cara trabalhador, fazia técnico a noite e trabalhava em tempo integral, via Angélica no sábado na igreja ou no almoço de domingo, uma agenda complicada para um casal jovem.
Eu tinha herdado um bom pratrimonio de meus pais, tio Mário mantinha os imóveis alugados e o dinheiro sempre aplicado, eu tinha uma situação confortável para um jovem que havia terminado o médio e fazia cursinho-pré e podia praticar seus esportes, com uma agenda flexível.
Notei que quando estava por perto do casal, o Marco ficava meio agitado e a Angélica parecia sensualizar pra mim, um dia vi os dois brigarem num almoço na casa dos pais dele, eles não me viram, mas eu ouvi ele perguntar a ela se ela estava tentando me mostrar os peitos ou se era um incidente desapercebido, ela ficou agitadíssima, gritou com ele, questionou se ele tava sugerido que ela era puta, o fato que eu vi muito mais que o peitinho dela, ela abriu as pernas uma hora que Marco foi no banheiro, estávamos só nos no terraço, meus tios deveram pra buscar a comida e Marco foi no banheiro, neste mesmo dia momentos antes ela se abriu pra mim, olhou na minha cara, olhou pra sua bucetinha semi exposta, coberta pela calcinha de renda que transparecia sua bucetinha, a calcinha era um bege claro, tinha uma manja úmida no centro, na altura da entrada, ela olhou pra sua bucetinha, mordeu os lábios e parecia me oferecer, eu meti a mão sem dó, acho que até deve ter machucado, pois tentei meter o dedo com calcinha e tudo, nesta hora Angélica falou me mordendo a orelha, para Paulo, o Marco vai volta já já, nisso eu voltei a si e ela baixou a alça do vestido me mostrando os seios mais lindos que já vi, meti a mão e foi nessa hora que Marco quase, nos pegou, mas Angélica dava sinais de algo errado, cabelos meio desarrumado, respiração ofegante e o peitinho quase a mostra, de volta a discussão, ele esbravejou com ela que tinha algo errado quando retornou do banheiro, ela gritou com ele, seu primo é uma criança, seu grosso, vou embora, amanhã tem prova, e saiu rebolando aquela bundinha tesuda.
Eu corri pro banheiro e sem que ninguém percebece, bati uma punheta deliciosa sentindo o cheiro do melado da bucetinha da Angélica em meus dedos, que gozada, aquela safada ia ganhar um presente depois da prova, indo bem ou não.
Bom vou parar por aqui, se quiserem saber do desfecho dessa história, deixem comentários.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,21 de 14 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Dalilo

    Termina

  • Responder Skywalker

    continuação?