#

O amigo do meu marido me comeu

1428 palavras | 8 |4.60
Por

Desde que o amigo do meu marido veio passar uns dias aqui, perdi um pouco da minha privacidade. Mas eu tentava ser paciente, afinal seria só uns dias até o apartamento dele terminar a reforma. Cheguei do serviço exausta e fui direto pro banho. Tomei um banho bem relaxado e só então me dei conta de que havia esquecido a toalha no quarto. Como a casa estava em total silêncio, imaginei que ninguém mais havia chegado, por isso desliguei o chuveiro e sai pelada mesmo para ir rapidinho por meu quarto. Mas levei um susto quando cheguei no corredor. Denis estava destrancando a porta do seu quarto e seus olhos foram diretamente pro meu corpo molhado. Estava tudo de fora e ele não disfarçou praticamente me comeu com o olhar até que dei um grito – Eu não sabia que você tava aqui, droga! – Entrei rápido pro meu quarto. E depois desse dia minha vida começou a mudar. Denis me espiava, me seguida dentro de casa, se esfregava em mim e tentava me beijar a todo custo. Até o dia que ameacei contar tudo para meu marido – Por favor me ajuda, é muito ruim ficar sem sexo. E com você dentro de casa…. – Me segurou contra a parede – Eu sou casa Denis e com o seu melhor amigo – Apontei brava – Mas olha pra você, toda gostosa. Dá pra mim também, eu preciso de sexo – Insistiu – Você pode pagar qualquer uma por aí, por que eu Denis? Para – Tentei empurra-lo, mas ele beijava meu ombro, meu pescoço e passava as mãos em mim – É você que eu quero, você também quer – Falou sério- Eu quero paz! Não aguento mais você me cercando eu sou mulher do seu amigo você está de favor aqui, respeita cara – O encarei – Gostosa, você linda brava – Segurou meu rosto e beijou minha boca com desejo. Não consegui afastar, deixei ele me beijar e retribuiu por algum tempo – Chega… – Limpei os lábios- Viu você está louca pra experimentar outro pau… você fala que não mas vive me provocando – Enfiou a mão dentro da minha calcinha e assim não dava pra negar, eu estava toda melada. Mesmo sabendo que é totalmente errado, é excitante demais saber o quanto um homem te deseja. A culpa de trair meu marido que estava no trabalho era muito menor do que o fogo que eu tava sentindo na buceta agora. Denis abaixou minha blusa e começou a mamar nos meus peitos. Aquele homem tinha me encurralado na parede. Seu pau já estava de fora. Ele levou minha mão naquela vara dura cheia de veia e quando apertei pude sentir pulsar. A cabeça estava babando e minha vagina chegou a contrair quando peguei naquela carne. Levantei um pouco a perna facilitando pra ele me tocar e comecei a gemer com as dedas fortes que levei. Ele metia o dedo depois esfregava meu grelo ao mesmo tempo que devorava meus peitos que ja estavam tudo de fora. Denis segurou a rola e a esfregou na minha barriga mostrando o quanto era comprida. Minha boca salivou e ele não precisou nem pedir, abaixei e cai de boca no pau do melhor amigo do meu marido. Ele segurou meu cabelo – Isso me chupa sua gostosa – Encheu minha boca com aquele pau grosso. Apoiei as mãos em suas coxas e mamei cada vez mais intensamente, chupei suas bolas e enquanto punhetava também lambia aquele cabeção – Eu vou gozar!!! – Puxou meu cabelo e me dei conta da loucura – Não – O empurrei – Vai embora Denis, você já estragou meu casamento – Levantei e ele me segurou pela cintura – Eu vou só depois que te comer – Me virou de costas e me segurou pelos braços – Para – Reclamei mas ele me jogou na cama. Mesmo tentando fugir, era nítido o meu prazer, até minhas coxas tavam meladas. Denis segurou meu quadril e me imobilizou, fechei os olhos com força e ele passou a me masturbar com seu pau, esfregava meu grelinho, ameaçava me penetrar depois voltava a sarrar minha bucetinha. Eu tentava não gemer, mordia o travesseiro e escondia meu rosto pra ele não perceber o quanto eu estava gostando mas os gemidos saiam involuntariamente e até meu quadril eu já rebolava pra ajudar a esfregar. Ao perceber isso o safado deu uns tapas na minha bunda – Isso seja boazinha, ninguém vai descobrir – Puxou meu cabelo – Você é muito gostosa pra dar só pra um – Mordeu minha orelha – Não resisti. Segurei seu pau e o encaixei em mim e gritei quando ele enfiou aquele cacete tem dó. O safado bombou muito dentro de mim. Ele mexia no meu grelo e socava sem me dar trégua. Que delícia, eu nunca tinha dado pra outro homem e mesmo me sentindo culpada, não podia negar que aquilo era bom demais. O amigo do meu marido me puxou pra trás e acabei sentando de costas, revirei os olhos de prazer, senti aquela vara encostar lá no fundo. Tava todinho dentro de mim. Era muito maior que o do meu marido. Apoiei as mãos no joelho dele e esfolei minha buceta ali em cima. Rebolava e quicava forte. Ele apertava meus peitos com uma mão e guiava minha cintura com a outra. Eu já estava de perna bamba, já tinha gozado mais de uma vez. O safado viu que eu já estava mole e me empurrou deitada de barriga pra cima. Em seguida chupou mais meus seios e arreganhou minhas pernas. E voltou pra dentro de mim. Dessa vez o agarrei com os braços, beijei seu pescoço, mordi seus ombros – Isso mete forte, assim que eu gosto, por favor, mete – Pedi choramingando e arranhei as costas dele – Então fala que vai me dar essa buceta todo dia, fala – Apertou meu rosto – Eu dou, toda vez que meu marido sair você pode me comer – Respondi e gemi alto com a pirocada que levei. Ele estocava fundo, intensamente, fazendo uma pressão que me enlouquecia – Eu vou gozar – Falou ofegante – Dentro não por favor – Apertei a bunda dele – Deixa eu te encher de porra – Segurou meus braços pra cima e continuou socando paulada – Tá gostoso ahhhhh – Eu gritava – Mas não goza dentro – Choraminguei e foi em vão logo senti aquela porra jorrar dentro de mim. Fechei os olhos. Eu estava toda suada ele jogado em cima de mim, na cama que eu dormia com meu próprio marido – Desculpa mas se você soubesse como é gostoso te foder, não deu tempo de tirar – Falou baixinho em meu ouvido – Denis não conta pra ninguém tá? Por favor – Pedi – É nosso segredo… vamos fazer de novo? – Pediu e concordei. Viramos de ladinho na cama e já levantei a perna pra levar rola de novo, Denis já tava com o pau na mão esfregando na minha bunda mas o barulho de um carro nos assustou – Ele chegou! – Denis falou apavorado e levantou as pressas. Meu coração acelerou. Ele saiu correndo para seu quarto e eu puxei o lençol da cama imediatamente. Peguei uma coberta qualquer e joguei sobre o colchão e quando meu marido entrou no quarto, eu havia acabado de abrir o chuveiro – Cadê você??? – Gritou – Tô aqui -Respondi e ele foi seguindo o barulho. Enquanto isso lavei minha bucetinha o máximo que pude. Ela estava tão melada de porra – Está aí? – Ele me olhou sorrindo – Oi amor… já estou saindo – Não, vou aproveitar e tomar banho com você – Tirou a roupa e logo veio pra cima de mim. Fiquei com medo de negar e ele desconfiar de alguma coisa. O corno se esfregou um pouco em mim, depois me virou de costas e fui pro segundo round, dei em pé até meu marido se satisfazer também. E pedi pra ele gozar dentro. Fiquei exausta com a boceta toda ardida. Na hora do jantar os dois conversaram e tomaram cerveja juntos. E desde desse dia eu satisfaço dois machos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 40 votos)

Por #

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Pachecao

    Adorei seu conto gostaria que a minha esposa fosse putinha assim. Vou tocar uma gostosa punheta pensando em você. Continue

  • Responder Indio77

    Delícia de conto espero mais relatos sua putinha

  • Responder Rogério

    Vc tá dizendo seu corno

  • Responder Quero casadas

    Q delicia de conto ..como eu queria ser esse amigo do seu marido ..
    Fazer ele de corninho assim q tezao ..
    Ele não chupou sua buceta e nem seu cuzinho neh ..
    Coisa q eu ia amar fazer ..
    @iron500 me chama no telegram

  • Responder Carlos

    Cidade??

  • Responder $Modular

    Quer mais um?

  • Responder Rogério

    Vagabunda safada ordinária

    • Anon

      E vc não come ninguém, Rogerinho o virjão.