# #

Novinha e cheia de leite

1162 palavras | 5 |4.31
Por

Me chamo Michelle, eu era bem novinha e vinha sentindo algo de diferente acontecendo já a algum tempo, mas não sabia o que era.

Costumava dormir na casa dos meus avós aos finais de semana, eram os dias em que meus pais tinham a liberdade deles de volta e eu a minha infância/juventude sendo lapidada.

Vovó tinha 52 anos, uma mulher caucasiana, 1,60 de altura, peitos médio para pequenos, porém bem de pezinho, cabelos castanhos escuros e uma bundinha pequena, mas que era elogiada pelo vovô. Ele costumava dizer que aquela bundinha virava um rabão encima da cama e de quatro, por isso ele ainda era casado com ela, pois era uma falsa magra, que tinha um rabo lindo de adolescente em um corpo maduro.

Nem preciso dizer que ele fodia ela todas as noites, principalmente o cu e de quatro. Vovô era o segundo marido dela e de longe o homem mais apaixonado que já vi. Todas as noites, assim que chegava em casa sempre a beijava, passava a mão em seu corpo e lhe dava um presente, nem que fosse uma rosa roubada do vizinho.

Ele era um negro magro, 13 anos mais novo que ela, peito alto e pica grande, era grande mesmo. Ele tinha um cavanhaque que mantinha sempre bem fino e aparado, olhos castanhos e um sorriso muito branco, que conquistava a todos a sua volta.

Sempre achei vovô muito bonito, ele andava bem vestido cheiroso, várias vizinhas falavam bem dele.e.que não sabiam o que via na vovó, mas mal.sabiam que ela prendia ele pela buceta, dava três vezes por dia, de manhã ao acordarem, a tarde no almoço e de noite quando ela chorava e era mais fodida. Não era raro seus colegas de trabalho reclamarem que ele não almoçava com eles, mas vovô sempre dizia;

– Moro perto, sou casado e tenho alguém me esperando, então porquê devo gastar meu tempo com um momte de machos, se tenho minha esposa em casa?

Eles riam e tiravam sarro dele, mas nem isso mudava sua rotina. Até que um dia vovó ficou doente e me chamou para conversar.

– Mi, você já é um moça, te xx anos e já está muito bonita, então tenho um pedido a te fazer.

– Que foi vovó? Disse eu.

– Estou doente e preciso.de alguém para cuidar do vovô. Será que posso contar com.você?

– Mas eu não sei o que fazer.

– Basta obedecer e fazer tudo o que for pedido, sem nunca contar para seus pais o que acontecer. Posso confiar em você minha querida?

– Sim vovó, prometo cuidar bem do vovô até a senhora ficar bem.

Depois de nossa conversa ela piorou e teve de ser levada ao hospital e lá ficou por três meses, onde apenas pudemos vê-la em visitas agendadas. Nesse meio tempo passei a ficar mais na casa dela que em minha casa, nesse período tive de aprender muito sobre como manter uma casa a começar por como lavar roupas, cuidar do almoço do vovô e arrumar suas roupas para o trabalho e as de ficar em casa.

Mamãe não reclamava pois sabia onde eu estava e o que fazia a pedido de sua mãe, e assim se tornou rotina minha vida, onde dividia entre estudos e a doméstica. Vovô me tratava muito bem, me tinha como.uma princesa e não reclamava de nada, mesmo quando fazia algo errado, como queimar o arroz ou algo assim.

Passados os primeiros dias ele começou a ficar inquieto, vinha almoçar afoito, ficava me olhando de forma estranha, me abraçava com carinho excessivo e beijava o canto da minha boca com carinho. Isso virou rotina, ele me apertava, passava as mãos pelo meu corpo me deixando arrepiada e vendo estrelas todas as vezes.

– Mi, disse ele comigo em seus braços. Você está moça, assim como sua avó disse. Está grande e muito bonita, cheia de curvas também, será que ela que ela me disse é verdade também?

-Ela quem, a vovó?

– Sim, ela disse que você me ajudaria em tudo enquanto ela estivesse internada.

– É verdade, prometo te ajudar em tudo que ela fazia até que ela volte.

– Ótimo, vejo que é uma menina que tem palavra, então quero que vista a roupa que está na sua cama na hora em que eu voltar a noite. Esteja deitada no lugar da sua avó quando eu voltar.

– Mas para que vovô?

– Preciso que você me ajude, assim como ela me ajudava todas as noites.

– Tá bom.

– Então peça a sua mãe para dormir aqui, mas não diga o que eu te pedi, tá bom?

– Hum hum…

Assim que ele saiu para trabalhar comecei a arrumar a casa como vovó fazia, fiz a janta e quando vi já estava perto da hora, então fui ao quarto e achei uma roupa preta encima da cama, ao abrir a roupa vi que se tratava de um baby Doll transparente e um conjunto de langerie bem pequenos, fiquei sem graça mas tomei um banho e vesti a roupa que ele deixou.

Eu tinha quase o tamanho da vovó, então a roupa serviu certinho, me olhei no espelho e pude ver que estava linda, faltava apenas o volume dos seios que ela tinha, mas de resto era quase igual, a cor da pele, a cintura estava ficando quase igual, as cochas já estavam mais grossas, sabia que estava linda, mesmo tão nova eu estava deslumbrante.

Deitei na cama me admirando no espelho e acabei dormindo, acordei com algo molhado passando pela minha florzinha e me causando uma sensação indescritível. Gemi gostoso e tremi por inteiro até que acordei e vi que vovô estava com a cabeça no meio das minhas pernas lambendo minha florzinha.

Não consegui falar nada, o gozo havia me deixado mole e com isso ele se aproveitou, tirou as roupas e subiu sobre mim, quando percebi já estava com algo grosso e quente passando pelo meu corpo, então acomodou no meu buraquinho e forçou a entrada. Mesmo molhada senti a dor horrível e quando fui gritar dia boca cobriu a minha e o membro entrou todinho em mim.

Foi horrível, doeu muito até que aos poucos foi melhorando e comecei a curtir cada investida e sem esperar tremi toda e gritei forte. Quando estava ficando mole vi ele tremer e a coisa grande dele começou a pulsar dentro de mim e uma coisa quente começou a esguichar dentro de mim. Assim dormi cansada com aquilo dentro de mim.

Se aquilo era o que a vovó fazia todas as noites, ah
..eu decididamente queria para mim
..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,31 de 36 votos)

Por # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Angelo

    Entediante

  • Responder marcelo

    CHATO

  • Responder Suzi

    Ahh! Eu também quero! Quente, esguicha, pulsa, treme, arrepia….oh coisa boa!

  • Responder Rebelk

    Conta mais , tá ficando bom , aguardo o prpximo

  • Responder nexus

    quem quiser trocar conteudo [email protected]