# # #

Meus Meninos 2

5103 palavras | 33 |4.59
Por

Eu tentei dormir um pouco, mas as imagens do meu filho chupando sua
primeira carga de esperma do enorme membro de Jamal, agora estavam para sempre marcadas em meu cérebro. Tive uma noite de sono inquieto e me perguntei o que mais teria acontecido entre Jamal e meu filho. Eu queria desesperadamente voltar para casa e lidar com Jamal, mas as reuniões que tive foram importantes demais para minha empresa e eu não podíamos atrasá-las ou ignorá-las.
Eu tive que assistir ao vídeo novamente logo de manhã, só para tenha certeza que eu não sonhei. Mas eu não sonhei e tudo o que eu lembrava estava em exibição novamente. O biscoito gigante com a cobertura especial, a boca do meu filho recheada com um pau, o rosto coberto de porra enquanto Jamal ejaculava por toda parte e ouvia os gemidos inconfundíveis do meu filho no final do vídeo. As pernas lisas do Felipe, a única parte dele visível, como o corpo de Jamal me bloqueando do que ele estava fazendo com meu filho.
Ouvir meu garoto experimentando seu primeiro orgasmo seco me empurrou para gozar como eu nunca fiz antes.
Fiquei novamente distraído em todas as minhas reuniões, mas consegui passar por elas. Finalmente voltei para o meu quarto de hotel e rapidamente inicializei meu laptop para ver se eu poderia falar pelo Skype com Jamal. Eu tinha que tentar convencê-lo a não fazer mais alguma coisa com o meu Lipe. Agora me sentindo culpado por deixar meu filho com um completo estranho, que agora tinha acesso completo ao meu filho e seu corpo sexy de garoto. Eu queria que ele parasse? Eu queria ver mais? Eu estava em conflito com a culpa.
Verifiquei meu e-mail vendo apenas o lixo eletrônico usual até perceber um e-mail enviado do computador de casa com um arquivo anexado. Era um arquivo mp4 rotulado “Cerejinha do Lipe (Olhadinha #1)”. Meu coração começou a bater mais rápido e meu pau começou a endurecer. O que estava acontecendo comigo? Eu realmente queria ver mais do meu garoto sendo abusado de novo? O que Jamal me enviou?
Cliquei no arquivo e meu player de vídeo foi ligado. Eu fui imediatamente bombardeado pela imagem de um par de grandes mãos negras acariciando um pequeno torso branco liso, a câmera seguiu as mãos para cima enquanto acariciava o peito até mostrar o rosto do meu filho. Mas seu rosto tinha um olhar que eu nunca havia visto antes, um olhar de puro prazer, diferente de qualquer outra expressão dele no passado. As pálpebras de Lipe estavam meio fechadas com baba saindo o lado da boca dele. Longos gemidos baixinhos de criança podiam ser ouvidos vindo do meu menino conforme as mãos subiam seu pescoço e acariciava seu rosto. Um dos polegares do Jamal entraram na boca do Felipe e meu garoto começou a chupá-lo com vontade.
Felipe, gemendo, incontrolavelmente o tempo todo. Então o vídeo abruptamente chegou ao fim. Meu pau estava tão duro depois de ver isso. O que
diabos eu acabei de ver? Trinta segundos do meu filho em pura felicidade. E eu não tinha ideia do que Jamal estava tramando ou o que ele havia feito com meu filho!

Eu tentei a conta do Skype da casa, mas estava off-line. Eu tinha que pegar um voo de volta ao Rio o mais rápido que pudesse, mas ainda tinha mais um dia de reuniões das quais não podia fugir. Liguei para minha companhia aérea e mudei de voo para o mais cedo possível no dia seguinte. Isso me levaria de volta ao Rio em dois dias. Foi o mais cedo que pude obter. Eu pedi serviço de quarto e assisti ao vídeo “Leite e Biscoito” e ao “Cerejinha” novamente. Eu não pude deixar de gozar várias vezes para eles naquela noite.
Depois de mais uma noite sem dormir, acordei cedo e arrumei minhas malas para minha fuga rápida para o aeroporto. Então eu tive minhas reuniões, voltei para o hotel e fiz o checkout. Eu cheguei ao aeroporto em segurança, agora começou a longa espera pelo meu avião para embarcar. Eu fui a um restaurante dentro do terminal e fiz uma refeição. Enquanto comia, decidi verificar meu e-mail em meu iPad. Outro e-mail foi enviado de Jamal com um arquivo de vídeo anexado a ele. Minha boca ficou seca e eu comecei a ter uma sensação de formigamento na virilha. Eu ousaria olhar para ele, ali mesmo, em um restaurante movimentado do aeroporto? Eu estava sentado nos fundos do restaurante, então eu poderia ver se alguém se aproximasse de mim, então cliquei no arquivo.
A tela se iluminou com um extremo close do rosto do meu filho enquanto ele estava deitado de costas. Seus olhos estavam fechados e sua boca estava bem aberta e seus cabelos estavam molhados de suor. Eu rapidamente abaixei o som, mesmo estando de fones, enquanto o meu menino ofegava rapidamente. Então eu notei seu corpo se movendo para frente e para trás acompanhado de seu gemido estridente. Foi quando ouvi a voz de Jamal.
– Você gosta do pau do papai Jamal? – Jamal resmunga – Você gosta do pau do seu novo papai? – Jamal diz fora da câmera.
Felipe gemeu – Siiiim! – um olhar de prazer e dor transpareceu em seu rosto jovem. Eu percebi que meu garoto estava sendo fodido e meu pau ficou imediatamente duro. Então o ritmo da bombada de Jamal ganhou velocidade como os gemidos do Felipe que ficaram mais altos e o rosto do meu filho ondulou mais rápido. Felipe se virou para a câmera com um olhar de êxtase atravessando seu rosto, em seguida, a tela ficou escura.
– Ele se parece comigo quando eu brinco com meu tio – Uma voz jovem disse próximo a mim. Tirando-me do meu transe, rapidamente olhei para a esquerda e estava cara a cara com um garoto que devia ter a mesma idade do meu filho caçula. Ele sorriu para mim quando eu o notei apertando sua virilha.
– Vamos Lucas! – ele correu em direção a uma mulher de meia idade, provavelmente a mãe dele. Eu assisti a bunda do garoto indo e imaginando como ele seria peladinho. Quando o menino e sua mãe saíram do restaurante, ele parou e se virou, sorrindo, ele então acenou para mim e ficou fora de vista.
– Controle-se! – Eu refleti para mim mesmo. – Você está começando a ter pensamentos pervertidos com garotos estranhos nos aeroportos! – Eu tive que ficar sentado no restaurante um pouco mais para deixar meu pau baixar. Então eu fui até o meu portão para esperar o meu horário de embarque.
Depois de uma longa espera no terminal, finalmente peguei o avião de volta para o Rio. Eu consegui me sentar na parte de trás do avião ao lado do banheiro. O voo não estava lotado, então eu fiquei sozinho. Logo após a decolagem, as luzes diminuíram enquanto a maioria dos passageiros tentou dormir um pouco.
Cerca de uma hora depois, eu estava dormindo e então acordei, notei duas pessoas indo pelo corredor. Parecia um menino seguido de perto por um homem, provavelmente pai e filho indo para o banheiro. Tomei nota e não pensei mais nisso, até que vi o garoto passar na minha fila. Era Lucas! O garoto do restaurante, seguido por um homem, talvez um parente, pensei. Eu fui instantaneamente acordado enquanto os observava passar pela minha fila e ir para os banheiros. Eu pensei que eu vi o homem por trás de Lucas com um volume substancial pela perna da calça jeans. Mas a cabine estava escura, então eu não consegui olhar bem claro.
Espiei em volta dos assentos e vi o garoto entrar em um dos muitos banheiros do tamanho de um armário imediatamente seguido pelo homem. A porta fechou e ouvi a trava da porta quando a placa ocupada se tornou visível.
Minha mente estava cambaleando, e meu pau ficou instantaneamente duro apenas com o que eu tinha testemunhado. O garoto inocente de uns nove anos que conheci mais cedo no restaurante estava possivelmente se juntando ao -clube de milhas- a poucos metros de onde eu estava sentado. Minha mente ficou inundada de imagens de meu filho e Jamal. – Eu estive cego para o que realmente está acontecendo ao meu redor esse tempo todo? – eu pensei. Comecei a suar frio, enquanto pensava no que estava acontecendo com Lucas a alguns metros de mim e o que estava acontecendo com meu filho no Rio.
Enquanto pensava nos eventos dos últimos dois dias, começo a ouvir gemidos fracos e agudos, mas era difícil ouvir sobre o som dos motores do avião. Logo após o gemido começar, ouviram-se batidas leves que estavam em sincronia com os gemidos. As imagens do garoto chamado Lucas sendo fodido por um pau monstro no banheiro do avião fez minha mente girar. Eu tinha que me masturbar.
Eu rapidamente olhei em volta da cabine. Vendo como todos estavam dormindo, pego meu pau babando e começo a acariciá-lo com os sons do homem e menino atrás de mim. As imagens do garoto sendo fodido dançavam na minha cabeça. Os últimos dias foram esmagadores e não demorou muito para disparar vários jatos da minha própria cobertura em cima de mim.
Eu ainda podia ouvir a putaria acontecendo atrás de mim, mas eu estava cansado demais para prestar mais atenção. Limpei-me o melhor que pude e coloquei meu pau mole de volta nas minhas calças. Eu cochilei ao som de um garoto em êxtase.
CLIQUE! O som da abertura da trava da porta do banheiro me acordou do meu sono leve. Olhei para o meu relógio, eu estive apagado por uma hora. Eu então reparei que Lucas passava devagar, com os cabelos desgrenhados, com um olhar de pura exaustão no rosto. O homem seguiu logo atrás do garoto com um sorriso largo no rosto. O homem e eu fizemos contato visual. Ele piscou para mim enquanto ele e o garoto voltaram lentamente para seus lugares. O tubo rígido as calças dele tinha sumido, substituídas por apenas uma protuberância leve. O homem e menino tinham fodido por mais de uma hora e eu me perguntava quantas esporradas o garoto tinha tomado pelo buraco dele. Então me perguntei quantas esporradas o meu filho tinha levado até agora. Eu fechei os olhos e tentei limpar minha mente de todos os pensamentos desagradáveis e sujos em que eu estava nadando dentro da minha cabeça. – Apenas me leve para casa. – Eu pensei.
Finalmente aterrissei no aeroporto do Galeão e, ao sair do avião, notei um Lucas parecendo cansado andando com a mãe até a área de retirada de bagagem. O estranho com quem eu vi o garoto não estava em lugar algum. Aquele garoto fodeu um completo estranho? Então esse não era o pai dele, afinal.
Peguei minhas malas e fiz o meu caminho até a parada dos carros no aeroporto, isso foi as 5 da manhã e não havia muitas pessoas naquele momento. Mas eu preferia a tranquilidade do aeroporto quase deserto conforme eu pensava no que eu ia dizer e fazer para tirar Jamal da minha casa. O transporte para viagem de volta a minha casa parecia mais longa do que o normal, enquanto meu nervosismo aumentava.
Quando voltei para casa, eram seis da manhã; a casa e o bairro pareciam pacíficos e silenciosos. O sol estava apenas começando subir quando entrei em casa. Eu decidi esperar que todos acordassem antes de eu subir as escadas. Jamal e Felipe não estavam esperando me ver de volta por pelo menos outro dia, então eu não queria fazer uma cena assim de manhã cedo. Entrei no meu escritório e sentei na minha mesa, pensando sobre o que eu ia fazer. Eu cochilei um pouco, mas fui despertado por barulhos vindos do andar de cima. Olhei para o relógio e notei que agora era 8 da manhã. Ouvi pequenos passos descendo as escadas seguidos por passos mais pesados logo depois.
– Meu homenzinho está faminto? – Eu ouvi Jamal dizer.
– Sim! – respondeu um Felipe alegre.
– O que você gostaria de comer no café da manhã, filho? – perguntou Jamal, comigo ouvindo-os entrando na cozinha.
– Eu quero cereal! – Eu ouvi Felipe rir. Eu andei silenciosamente para a
porta do meu escritório para ouvir a conversa deles. Eu não queria que eles soubessem que eu já estava por aqui, para poder ver por mim mesmo o que realmente estava acontecendo.
– Cereal? É tudo o que você quer? – respondeu Jamal, com um tom brincalhão na voz dele.
– Sim! – Felipe respondeu e acrescentou – Com sua cobertura especial do amor em cima! – Comecei a ficar excitado ouvindo a luxúria na voz de Felipe. – Você quer mais da minha cobertura, garoto? – Jamal disse desafiadoramente para meu filho.

– Uh huh – Felipe disse, quase resmungando. Eu poderia supor que pela manha na resposta do Lipe que ele estava olhando para o pau do Jamal, quase babando com a visão disso. Então a cozinha ficou quieta e depois de alguns momentos, o sutil som de sucção molhada começaram a emanar da cozinha.
Eu tinha que ver o que eles estavam fazendo por mim mesmo, então eu me apoiei nas mãos e joelhos e rastejei no chão em direção à cozinha. Eu tentei fazer o mínimo de ruído possível. Enquanto eu rastejava lentamente para um lugar com uma visão melhor, ouvi a conversa deles continuar.
– É tudo o que você quer? – Jamal continuou.
– Eu também quero um pouco de salsicha. – Felipe riu maliciosamente, seguido por mais sons de sucção. Eu não sabia dizer se eles estavam se beijando ou fazendo algo a mais. Mas eu estava prestes a descobrir enquanto espreitava lentamente na esquina na cozinha. O que vi me deixou duro instantaneamente.
Meu filho de oito anos estava sentado no balcão da cozinha com Jamal
em pé na frente dele. Ambos estavam completamente nus. Lipe tinha as suas pernas lisas de menino enroladas na cintura de Jamal, lábios de homem e menino presos em um abraço apaixonado.
A pele macia e branca de Felipe contrastava com a estrutura muscular escura de Jamal enquanto o garoto se agarrava a Jamal enquanto eles se beijavam.
Notei o enorme pênis de Jamal de 20 cm, imprensado entre ele e meu filho. Quando os dois corpos se chocavam, eu ocasionalmente perdia visão do pau latejante de Jamal, então ele apareceria de ambos os lados deles, vazando grandes quantidades de pré-sêmen. Meu filho e Jamal estavam fazendo sons de sucção e gemidos molhados enquanto se perderam nos braços um do outro.
Minha boca ficou seca com a visão diante de mim. A imagem do meu caçula tão desinibido em mostrar seu lado sexual, compartilhá-lo com Jamal tão livremente, fez meu pau começar a babar.
Jamal puxou levemente o lábio do meu filho com os dentes, seus rostos ainda se tocando quando ele respirou lascivamente. – Eu sei o que quero no café da manhã!
Jamal inclinou meu filho de volta no balcão e desembaraçou-se das pernas do menino. Os pés de menino do Felipe plantados no balcão, deixando as pernas bem abertas. Jamal foi ao armário e pegou leite condensado. Ele também pegou um pote de manteiga no balcão e voltou para sua posição na frente das pernas abertas do garoto reclinado. Jamal então agarrou as pernas de Felipe e as descansou em seus ombros, como meu menino estava agora reclinado em suas costas.
– Eu gosto de leite condensado com o meu café da manhã – sorriu Jamal, quando ele começou a derramar o doce em toda a virilha e no peito de criança do meu filho. Felipe riu com a sensação de estar coberto de leite condensado. Uma vez que o garoto foi coberto com uma bela camada de material pegajoso, Jamal sorriu com um sorriso perverso.
– Mmmm, que garoto delicioso para o meu café da manhã. – Jamal disse com a cabeça dele sob meu filho. Ele começou a lamber a gosma açucarada daquele corpinho com o Felipe se contorcendo e rindo incontrolavelmente com a língua de Jamal dançando por todo o corpo de Felipe. Jamal prendeu os braços agitados do Felipe enquanto descia pelo corpo do garoto. Os sons da chupada encheram a cozinha, acompanhada pelo suspiro infantil e riso do Lipe.
Logo, a cabeça de Jamal chegou até a virilha do meu filho. A cabeça do homem enterrado entre as coxas lisas do meu garoto, concentrando toda sua atenção lá.
– Ele deve estar realmente manipulando o piruzinho do Lipe – pensei, enquanto Jamal segurava o garoto contorcido e agitado, e continuava chupando ele. As risadas do Felipe se transformaram em gemidos quando um determinado olhar de luxúria apareceu no rosto do meu filho. Suas pernas dobraram para baixo, plantando os pés do garoto contra as costas de Jamal, forçando o máximo de sua virilha contra a boca sugadora de Jamal.
Felipe e Jamal logo desenvolveram um ritmo. Gemendo e grunhindo ao mesmo tempo com o empurrão dos quadris do meu filho. Então, com um gemido alto do meu menino, Lipe deu um grande impulso para cima quando seu corpo foi sacudido por um poderoso orgasmo seco.
Jamal continuou manipulando o pênis e as bolas do garoto, seu pequeno corpo continuou a ser abalado por ondas intermináveis de prazer orgasmico. Os gemidos altos e ofegantes do Felipe, ecoavam pela casa.
Jamal finalmente aliviou seu ataque e retirou a boca do pau do meu menino. O corpo de Felipe ficou mole no balcão, ofegando por ar, enquanto seu corpo se recuperava de sua provação.
Sem perder o ritmo, Jamal levantou as pernas de Felipe para cima de volta para os seus ombros e começou a lingua-lo como um homem faminto. Depois de orgasmos múltiplos que Felipe acabara de experimentar, o garoto gasto só podia responder com um gemido gutural baixo ao sentir a língua de Jamal começar a explorar o buraco dele. Jamal estava realmente fazendo a festa no cu do meu filho e Felipe estava dando a ele livremente. De repente Jamal parou e olhou para o meu garoto.
-Você ainda quer salsicha no café da manhã? – perguntou Jamal. Tudo o que Felipe conseguiu responder foi um fraco – Aham.
Jamal pegou o pote de manteiga e colocou um pouco na mão. Com os dedos começou a esfregar a manteiga para cima e para baixo em seu pau duro de 20 cm. Seu pênis brilhava ao refletir a luz do sol da manhã chegando pelas janelas da cozinha.
Jamal alinhou sua salsicha amanteigada e preta com o rabo do Felipe
trabalhando e lentamente começou a aplicar pressão no esfíncter. Eu pensei que não havia de jeito nenhum como o pequeno corpo de Felipe poder aguentar o pau monstruoso de Jamal, mas eu assisti com espanto quando o pau duro latejante desapareceu lentamente no meu garoto.
Felipe mal fez barulho quando o pau continuou a deslizar mais para dentro. Jamal se afundou lentamente no meu garoto, os olhos de Felipe se fecharam e sua boca abriu lentamente quando sentiu a virilha de Jamal entrar em contato com sua bunda. Lipe, meu orgulho e alegria de oito anos de idade, agora tinha 20 cm de pica dura e grossa nele.
Jamal se inclinou e os dois se abraçaram em um beijo apaixonado. O corpo de Jamal cobriu o menino. Braços e pernas lisos e brancos de Lipe contrastando com a pele musculosa do homem negro.
Então me bateu! Com a facilidade que Jamal tinha deslizado seu pau no meu garotinho, não era a primeira vez que Felipe levava o pau de Jamal. Chocado com isso pensei, eu assistindo em silêncio atordoado no corredor escuro enquanto Jamal começava a mover lentamente seu pau dentro e fora do meu menino. Felipe estava gemendo mais e mais alto quando Jamal aumentou suas estocadas. Os braços de Felipe e pernas foram enroladas em torno do corpo balançando de Jamal enquanto ele continuava a pegar o ritmo da foda. Então ele deu um forte empurrão no meu garoto e segurou lá.
– Você gosta do pau do papai? – Jamal disse lascivamente, enquanto puxava seu pau quase todo o caminho, depois empurrou-o de volta de uma vez, fazendo Lipe gemer em voz alta.
– Você gosta do meu caralho na sua buceta, filho? – Jamal continuou, com ele puxando para fora e empurrando novamente. Felipe gemeu algo que eu não conseguia decifrar.
– Fala, papai não pode te ouvir filho. – Jamal disse começando a lentamente entrar com seu pau longo.
Felipe gemeu alto – UUUH, EU AMO… AMO SEEU… CAARALHOO… PAIZINHO! – Felipe sentiu as sensações do pênis de Jamal quando ele estremeceu seu buraco infantil.
– Sim, você gosta do pau do seu novo pai, não é? – Jamal bateu no rosto do meu garoto, Felipe apenas gemeu incontrolavelmente enquanto a metida continuava. De repente, Jamal enterrou seu pau, até as bolas bem fundo e deixou lá. Ele acariciou o rosto do meu filho suado quando os dois fizeram contato visual.
– Eu gostaria de terminar meu café da manhã na mesa. – Jamal, então levantou o garoto em seus braços, com meu filho ainda empalado e agarrado a ele, e saiu da cozinha em direção à sala de jantar. Eu silenciosamente fiz o meu caminho para o outro lado do corredor para espreitar a sala de jantar e assisti Jamal deitado o garoto no final da longa mesa da sala de jantar. Jamal já deitado em cima de Felipe, fazendo um pequeno movimento de curvatura com os quadris.
– Você está pronto para a minha cobertura de café da manhã? – Jamal perguntou com ele olhando nos olhos de Felipe.
– SIM! – respondeu Felipe, em um tom alto e sensual.
– Então prepare-se, filho. Eu vou lhe dar um lote novo. – Jamal levantou-se, segurando as pernas de Felipe bem abertas. Felipe agarrou-se aos lados da mesa enquanto ele se preparava para o ataque que estava prestes a receber. Eu assisti Jamal começar a entrar e sair do meu filho que está agora disposto como o prato principal de uma refeição. Seus gemidos altos e o rangido da mesa da sala de jantar ecoam pela sala enquanto os impulsos de Jamal começam a ficar mais longos e mais rápidos.
Eu assisti o espetáculo diante de mim, hipnotizado pela imagem do meu caçula sendo fodido descontroladamente por esse negro musculoso, na minha mesa, minha sala de jantar, na minha própria casa! Comecei a admirar as investidas de Jamal com o tempo. Então notei Jamal olhando diretamente para mim com uma expressão selvagem. Um sorriso diabólico em seu rosto.
-Você gosta do pau do papai? – Jamal perguntou a Felipe, enquanto seus olhos ficavam focado nos meus e socava sua pica mais um pouco.
– Mmm … SIM … mmmmm … UUHHH! – Felipe tentou responder quando Jamal começou foder o garoto como um coelho. A mesa parecia que ia desmoronar a qualquer minuto, e Felipe também.
-Mmmmm … aaahh … paai … nngh … oooh … paaaaaii!
Jamal manteve seus olhos presos nos meus enquanto eu continuava a acariciar meu pau mais e mais rápido da minha posição no corredor externo.
Então Jamal fechou os olhos quando a cabeça inclinou para trás, ainda segurando as pernas da criança bem abertas. Sua boca em um gemido silencioso enquanto seus longos impulsos foram a um movimento de socada tornaram-se curtos e profundos contra a bunda do meu garoto.
Então Jamal deu um último empurrão para a frente enquanto soltava um rugido alto.
– AAAAaaaaaahh … POOOORRRAAA! – Jamal gritou quando seu corpo convulsionando. Bombeando jato após jato de porra no cuzinho. Felipe fez pequenos gemidos quando sentiu a semente de Jamal inundar seu interior.
As imagens e os sons do homem fodendo um menino, meu menino, eram demais para mim, eu começo a gozar incontrolavelmente em cima de mim. Então eu ouvi uma voz profunda falando do topo da escada.
– Droga, Jamal, ouvi você dar um trato aqui! Me acordou com isso. – Eu
olho para cima e vejo outro homem musculoso e negro, nu no topo da escada, acariciando seu pau grande.
-Parece que alguém está bem acordado agora também. – O misterioso novo hóspede olhou para seu impressionante pênis de 21 cm, endurecendo quando ele continuou a acariciá-lo.
– Nós íamos tomar um café da manhã, mas nos distraímos. – Jamal riu – Fique aí, nós já vamos, precisamos levar um pouco de café da manhã. – Quando Jamal levantou meu filho da mesa da sala de jantar, Felipe se agarrou ao corpo musculoso e pegajoso de Jamal enquanto os dois se dirigiam para as escadas. Felipe ainda empalado no pau de Jamal, que ainda estava duro como uma rocha depois aquela gozada incrível que ele acabou de experimentar.
– O que é isso, porra? – perguntou o estranho quando Jamal e Felipe chegaram ao topo da escada.
-Não, leite condensado. – Jamal riu novamente.
-Você é um cara excêntrico, Jamal. – disse o estranho.
-Você sabe o que é ainda mais excêntrico? – Jamal perguntou enquanto assentia na minha direção. O estranho me viu deitado no corredor, coberto por minha própria porra.
– Droga, esse é…? – respondeu o estranho.
-Sim, vamos limpar meu garoto e prepará-lo para o café da manhã. -Jamal entrou no banheiro com o estranho seguindo logo atrás.
Eu sentei lá e vi a porta do banheiro fechar e então ouvi a fechadura da porta. Minha cabeça estava girando quando enfiei meu pau amolecido de volta minhas calças sujas. Eu lentamente me levantei e tentei limpar minha mente, eu olhei na mesa da sala de jantar, a visão de onde Jamal e meu filho tinham consumado sua paixão lasciva. Notei uma poça de porra na mesa que sobrou da esporrada que meu filho levou, junto com o que parecia, um grande prato meio cheio de brownies não consumidos frouxamente coberto com embrulho plástico.
Fui até o final da mesa da sala de jantar e me levantei olhando as evidências que sobraram do evento que acabei de testemunhar. Eu estendi a mão e peguei um pouco do esperma de Jamal com meus dedos, parei olhando para isso. Eu contemplei essa nova piscina de porra que vazara do meu garoto. Coloquei meus dedos encharcados na boca e saboreei o sabor da cobertura do amor de Jamal misturado com sucos de bunda do meu filho. O gosto salgado invadiu meu paladar.
Subi lentamente as escadas e parei na entrada do corredor do segundo andar. Fui até a porta do banheiro à minha esquerda e coloquei meu ouvido na a porta. Eu podia ouvir o chuveiro correndo misturado com uma mistura de gemido de homem e menino, e o grunhido ocasional de um dos homens. Eu também ouvi os sons distintos de carne batendo contra carne, eu podia ouvir os dois homens conversando, provavelmente encorajando meu garoto. Mas eu não poderia entender o que eles estavam dizendo. Eu tentei forçar a maçaneta da porta, mas ainda estava trancada.
Olhei para o quarto de Felipe, que ficava do outro lado do corredor próximo ao banheiro. Sua cama estava desarrumada com manchas molhadas, por todo o quarto tinha o cheiro distinto de sexo vindo dele. Era um cheiro incomum para encontrar no quarto de um menino de oito anos.
Senti meus joelhos fraquejarem quando percebi que havia acontecido muito mais com meu filho do que me foi mostrado nos vídeos que Jamal me enviou. E quem era esse outro cara com ele? Eu precisava me deitar e reunir minhas forças de todos os eventos avassaladores dos últimos dias.
Enquanto eu seguia pelo corredor até o quarto principal, passei pela porta aberta do quarto do Luiz. Então me dei conta do que aconteceria quando meu filho de doze anos voltasse do acampamento de verão? Jamal faria alguma coisa com Luiz? Como Luiz levaria tudo isso? Felizmente, Luiz não estaria em casa por alguns dias e eu ainda podia me livrar de Jamal antes que ele chegasse em casa.
Fui para o meu quarto, abri a porta e vi que minha cama estava na mesma condição que a cama do meu filho. Vi a cueca de lycra do super-homem de Felipe no chão ao pé da cama. Os lençóis e edredons da cama kingsize tinham sido empurrados para fora da cama completamente e estavam para o lado. Notei também o que parecia uma caixa de DVD com um laço vermelho nele no meio da cama. Estava em cima da capa vermelha do Superman do Felipe, coberta com uma crosta de esperma seco. Eu fui para a cama e peguei. A capa do DVD tinha uma foto do meu filho sorrindo nela com o título “Cerejinha do Lipe” no topo. Ao lado caixa tinha um cartão escrito em giz de cera vermelho feito a mão por uma criança.
Para: Paulo
De: Felipe
– Oh merda – pensei.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,59 de 68 votos)

Por # # #

33 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Twink

    Os caras tão lendo um conto sobre um adulto fodendo uma criança e tão falando em psicopatia, gente pelo amor né
    Não é pq vcs estão acostumados com descrições rasas nos contos aqui que todos devem seguir a mesma linha
    Parabéns pelo conto cara

  • Responder Victor Hugo

    1 semana já.
    Cade a parte 3 e o outro filho na história???????????

  • Responder francisco

    gosei muinto espero continuaço

  • Responder Fagner Silva

    O primeiro conto estava ótimo
    , até um certo ponto esse estava bom até vc dá uma cagada no conto.
    conserta isso pô

  • Responder Dhamis

    Oi gente, muito obrigado pelo apoio, muitos de vcs me procuraram para conversar sobre a história e é bom saber que vcs tem visões diferentes sobre ela.
    Um ponto que é bastante recorrente é sobre o posicionamento do pai diante da situação, talvez tenha sido erro meu não deixar isso mais explicito, mas o pai tem rabo preso também, ele contem muito material ilegal no computador e o Jamal sabe, ele esta sob ameaça de se ferrar também caso tente algo.
    Mas o ponto principal é que ele não esta com raiva do Jamal por isso, ele se sente culpado por estar gostando da situação e o Jamal ser um macho alfa que dominou seu território tornando-o em um beta.
    Enfim, espero que vocês possam aproveitar as próximas partes e criticas e elogios são sempre bem vindos se feitos com educação.
    Obrigado!

    • Fagner Silva

      Esse conto erótico virou um Drama, não vi Incesto

    • Torinho

      Eu tinha imaginado algo assim, só vim ver se tinha me respondido, hahahahaha 🙂
      Well, Well, Well, realmente essa ´parte ficou meio “em off”, já que o jamal só comentou e bem, não fez muuito alarde sobre isso, como se fosse uma ameaça sabe? Talvez por isso não deu pra entender. POr acaso, que visão engraçada essa de alfa beta e omega que vc aplicou, pode ser mais facil entender agora que entendo isso do seu ponto de vista :>

  • Responder Torinho

    Olha, eu reli hoje sem sono e pensei que tipo, podia mesmo maneirar um pouquiiiinho nas coisas do jamal, deu um pouquinho de aflição hoje com o cérebro normal foi beeeeem complicado de ler, eu ainda adorei, mas daria pra chamar a policia durante a viagem e ele ser prezo e talz. Boom, eu ainda sou seu fã, mas okay, eu vou tentar maneirar

  • Responder Torinho

    Ohhh, a continuação foi ainda melhor, sou eu do ultimo comentario kkkkk
    Bom, eu adorei esse também, parece interessante, ainda mais pq o papai Paulo deu a entender que também está interessado no jamal, quem sabe no amigo também quando souber quem é ele?
    Gostaria de ver uma historia que o pai não é só um narrador e sim que participa bem da vida amorosa que é mostrada…. Ah, não entenda como um pedido ou algo asssim, só comentei :>
    BOOOOMMMMM mas o importsnte é que eu adorei, assim como o outro 😀

  • Responder francisco

    massa espero o restp da estoria

    • Fagner Silva

      Caramba gozei três vezes lendo esse conto

  • Responder lucas

    Agora uma crítica construtiva. No meu ponto de vista você criou um psicopata, nessa segunda parte senti mais agonia doque tesão, pois, você esta narrando a história na perspectiva do pai, logo o leitor se coloca no lugar dele e ao invés de se concentrar na história acabamos focando no problema/ameaça que o Jamal significa com todo aquele tamanho e atitudes doentias, bem sugiro que nas próximas histórias você elimine ele, de forma amigável de preferência, ja que é um conto erótico não uma história de ação, talvez ele se mude, pois, quer um novo menino ou algo assim. Enfim, minha crítica é sobre a atitude doentia e manipuladora do Jamal que deixa o leitor levemente desconfortável. Ah! Também sugiro moderar na hora do sexo, um garoto de 8 anos e uma pênis de 20 cm acaba sendo surreal.

    No mais adorei, espero que continue.
    forte abraço do seu novo fã.

  • Responder lucas

    Ola amigo, primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelo ótimo conto. É um dos melhores que já li, sua escrita formal e correta é muito agradável, além do mais sua narração detalhada nos introduz na história.

    Espero de coração que continue escrevendo. Existem enumeras continuações possíveis, sugiro que trabalhe com o luís, uma história dele com você, ou até mesmo do luís com Felipe, ou escreva sobre lucas, ele poderia ser seu vizinho hein? e que tal uma história hétero com uma namoradinha que o luís encontrou no acampamento? Enfim, algumas sujestoes

  • Responder Tarado28

    Que conto sensacional, tô explodindo de tesão, mas só dá tesão por saber que é fictício, pelo amor de tudo, escreva a continuação o quanto antes

  • Responder GT

    amei o conto! não ligue para as críticas, o conto está simplesmente perfeito, mal posso esperar pelos próximos. vc está fazendo a alegria de vários pedófilos como eu, obrigado!

    e pra quem acha irreal um penis grande entrar numa bundinha pequena, provavelmente nunca viu os vídeos do matthew estes kkkk se quiserem ver, meu telegram é @gxxxxi

    • Anônimo.

      Encontro seu perfil, mas não tem nada lá.

    • Urso34

      Queria ver

    • Anônimo

      Tem Twitter? Ou conhece alguns que tenham esses vídeos?

    • jhe

      me manda msg no email pfv espero [email protected]

    • Will

      Quero envie no email [email protected]

  • Responder bacellar

    Está muito bom! Gosto de detalhes! Aguardando ancioso a continuação! Parabéns!

  • Responder Dhamis

    Oi pessoal, se alguém quiser conversar cmg sobre minhas ideias para o conto é só me chamar no tele BabyNoLimits, minha noção é construir aos poucos e não jogar todas as situações possiveis de uma só vez.
    Agradeço pelas criticas e elogios.

    • ORFHEU

      cara adorei seus 2 contos e espero as outras partes, mas espero que conte como os dois machos negros usaram seu filho como putinha submissa em sua viagem, e quando o outro filho voltar como as coisas com ele tbm se desenvolverão para ele ser uma puta engolidora de porra como o irmao putinha, e pelo que vi nesse novo conto o pai provou a porra do Jamal e gostou entao ele ja teve uma experiencia gay no passado e por isso tem tesao em novinhos, desenvolva essa ideia, parabens

  • Responder Flavinha

    Na verdade o pai queria está no lugar do filho.

    • Dhamis

      Pode até ser em alguns momentos kk mas se recordar a primeira parte vai lembrar que o Paulo ja mantinha material erotico de garotos no computador, então isso não era novidade, ja o excitava, só que ele não esperava que o filho fosse participar de uma situação assim e isso “bugou” a mente dele.

    • Ranger

      Continua porfavor

  • Responder Luiz

    Não tem como sentir prazer em algo tão doentio. Jamal é um psicopata ele humilha o pai por sadismo não pelo tesão. A parte do avião onde existe uma cumplicidade é a única que causa tesão. Vc criou um psicopata em um conto erótico

  • Responder Bb__17

    Porra q tesão do Caralho quase n terminei o conto

    [email protected]

  • Responder Rick

    Está ficando chato e ireal, esse banana ver o filho dele servir outro macho e não fazer ND. Ou ele coloca esse Jamal pra correr ou ele participa da putaria mas naturalmente. E KD o outro filho dele que nunca chega do acampamento pra?

    • Vitor

      Continua logo está muito bom mesmo

    • Frank

      Uma boa merda e completamente sureal.
      Nem precisa continuar!

    • Dhamis

      Na verdade o Paulo ao meu ver não é nada ingênuo, pelo contrário ele não fez nada pois ja tinha videos de meninos no computador e ele até gosta de toda essa situação, mas a culpa não é algo que desaparece facilmente, ainda mais em uma situação repentina.

    • Fagner Silva

      Concordo plenamente