# #

Me forçaram pela primeira vez

1140 palavras | 3 |4.57
Por

Entre o natal e a virada desse ano aconteceu uma festa completamente insana, pelo menos a mais insana que eu participei e olha que sou de ir em raves desde mais nova. Do meio pro fim deu a porra toda, parecia que tinham liberado o uso de tudo dentro da boate, acho que por causa da data ou sei lá, só estavam empolgados demais. Meu namorado já tinha bebido muito antes de tudo isso começar a rolar e quando tá bêbado o cara é chato demais, pelo amor, reclama de tudo e quer puxar brigar por qualquer coisa, mas eu não tava nem ai pra os showzinhos dele, ainda estava com energia de sobra, 22 aninhos e acostumada aos treinos da academia, minha boa forma e desempenho sempre chamava a atenção nas festas, dessa vez não foi diferente. Enquanto o corno tava puxando briga, um outro carinho chegou em mim, dançou comigo e me levou pra o cantinho escuro, puta da vida nem resisti, apenas me deixei ir e começamos a ficar forte. Ficamos de dez a quinze minutos de pegação, além de beijar muito, ele sabia como provocar, levantava meu vestido pra apertar e bater na minha bunda, quem passava por perto também tirava uma casquinha, mas quando ele meteu a mão na minha calcinha eu desmontei. Podia até está fraquinha por causa da bebida, mas não me lembro de ter gozado assim no dedo de outra pessoa antes, nem das meninas com que já fiquei. A maneira que polegar dele pressionava meu clitóris enquanto dois dedos dele se moviam dentro da minha xaninha me deixou de pernas bambas, minha calcinha saiu toda ensopada e ele ficou com ela. Pensei que tinha arranjado meu macho para o resto da noite, mas então começou uma confusão na boate e tomou uma proporção tão grande que acabou o evento. No meio da bagunça me perdi do carinho e encontrei com meu namorado todo arrebentado do lado de fora. Pensei que ele tinha causado toda confusão, mas não, pouco depois chegaram uns quatro caras perto de onde a gente tava, perguntando se eu era a mina dele. Eu respondi que sim e eles disseram que pegaram meu namorado tentando roubar o carro deles, retruquei porque meu namorado nem sabia dirigir e então mostraram o carro com o vidro quebrado, era do mesmo modelo que o meu, puta merda. Tentei explicar isso a eles, mas tava muita confusão ainda na frente da boate, então eles me ajudaram a levar meu namorado até uma parte mais reservada daquela área. Conversei com o dono do carro e concordei que iria pagar pelo reparo no vidro da janela, até porque tenho seguro pra isso, então fui com ele até meu carro pra eu poder pegar meu celular e salvar o contato dele. Na hora que abri a porta e me curvei pra alcançar o celular por baixo do banco, me esqueci totalmente que estava sem calcinha na hora. Na visão dele deve ter percebido o vestido subir e expor minha buceta toda lisinha pra ele. Só senti a mão encaixando na parte ensopada dela, tomei um susto e tentei ir pra trás, mas ele veio empurrando o corpo pra frente, fazendo com que eu caísse de bruços no banco. Estava cansada naquela altura da noite, cheguei inclusive a relutar enquanto percebia ele abaixando as próprias calças, mas ele disse que ia ser rápido e cobriu minha boca com a mão. Admito que eu podia ter resistido mais, mas ele se aproveitou do tesão que o carinha da balada tinha acendido em mim, então o pau dele deslizou suave pra dentro da minha buceta. Deixei ele começar a bombar e permaneci calada por ele estar apertando minha boca, mas também porque ele parecia nem saber o que tava fazendo direito, não tinha ritmo e só sabia dizer que minha bucetinha tava molhadinha. Esperei até sentir o pau dele saindo pra gozar na minha bunda, pensei em usar aquilo como forma de pagar o prejuízo do carro, mas na hora que ele saiu, um dos amigos dele tomou o lugar e dessa vez eu tentei realmente interromper enquanto me virava, coloquei o pé no peito dele e tentei empurrar, mas ele afastou minha perna de lado e encaixou entre as duas, cobrindo minha boca também. Ele era muito agressivo, ameaçou me encher de porrada se eu gritasse, me deixou apavorada antes de tirar a mão da minha boca porque sabia que eu não gritaria. Puxou meu quadril pra perto, abriu mais minhas pernas e meteu com força de uma vez só. Acho que foi a primeira vez que senti a sensação de um estupro, mas mesmo com o medo, também senti tesão na hora. Estocadas brutas dele eram de alguém que só tava me usando, só que meu corpo ao mesmo tempo que não reagia pelo medo, recebia os estímulos do caralho entrando e saindo de mim. Foi uma das experiências mais confusas pra mim, com certeza. Depois de um tempo naquela posição, ele mandou que eu fosse pro banco de trás e veio junto também, me botando pra sentar na pica dele. Daquela forma ele teve total liberdade com meus peitos, mamou, mordeu, chupou, bateu na minha bunda, apertou e então me colocou de novo deitada no banco, dessa vez puxou meu quadril e levantou as duas pernas, deixando a bunda na altura do pau dele. Senti a cuspida dele no meu rabinho e a cabeça do pau forçando entrada, mas naquela altura meu cuzinho aceitou fácil. Fiquei olhando pra ele enquanto o via delirar a cada estocada, fazendo questão de enterrar o pau no meu cu bem devagar, como se tivesse aproveitando o máximo que podia. Foi assim a maior parte do tempo em que me enrabou até que o amigo dele reclamou que tava demorando demais, então acelerou o ritmo e passou a meter com força, só tirando na hora de gozar e apontando pra minha cara, deixando meu rosto todo esporrado, ainda batendo com o caralho no meu rosto antes de sair. Fiquei deitada no banco do carro por um tempo até voltar a si e perceber que tinha de buscar meu namorado todo machucado. Percebi que nenhum deles estava mais por perto, então sofri também pra levar ele até meu carro, o cheiro de sexo tava foda, mesmo assim consegui ir pra casa em segurança, mas com certeza aquela noite vai ficar na minha mente por muito tempo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,57 de 28 votos)

Por # #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Guilherme S.

    Certa vez uma menina com quem eu ficava me disse q tinha o fetiche de ser estuprada, e me pediu pra simular um estupro com ela. No motel, fudi ela como nunca tinha feito, com muita agressividade, muitas palmadas na bunda, pau na garganta, babou todo meu caralho q esfreguei na cara dela, comi o cu q ate então ela nunca tinha dado, ela gritava e esperneava, tentava se livrar de mim, mas ela era pequena e frágil, eu grande e forte, ela era impotente eu submeti ela aos meus desejos. Tudo mudou depois desse dia, pra melhor, muito melhor. Ela virou minha escrava, minha propriedade, e ela adorou.

  • Responder Flávio

    Vc é muito safada !!

  • Responder anonima

    que licia, queria ser estuprada assim