# #

Iniciação sexual no sitio 2

2955 palavras | 5 |4.94
Por

Chegando la foi exatamente como estava na minha cabeça todos pelados aparentandos ter mais que 14 anos, corpos lisos com bastante pentelhos bem pretos só em volta do pau um verdadeiro paraiso, em menos para mim. Quando me viram, ficaram todos animados, o Joao todo eufórico logo gritou:
– entra logo. Eu tirei a roupa de costa, preferia eles secando a minha bunda do que tirando sarro da minha piroquinha, e foi oque aconteceu logo escultei os comentarios:
– bem que voce falou João é muito gostosa parece bunda de menina. Nossa que delicia. Ó a piroquinha dele parece uma minhoquinha kkk. Me joguei na agua, ja estava me arrependendo de ter ido la, dentro da agua comecei a sentir as passadas de mãos, com o João eram 6 moleques, fiquei indescisso se deixava rolar ou se ia embora ao mesmo tempo que estava assustado estava gostando pois varias vezes ja fantasiei sendo abusado por vários caras até que eles me penetravam eu reclamava da dor e depois pedia mais, em menos sempre foi assim na minha mente, decidi que aquele dia as fantasias iam se tornarem reais.Eu sai da agua, disfarcando só para amostrar a bunda para eles, nisso o João ja da uma agarrada firme, falando
– hoje voce não escapa, como eu tambem queria abri as pernas e empinei a bunda facilitando ele colocar a ponta do pau no meu cusinho entrando a cabeca foi uma dor terrivel dei um berro me soltando dele e arriando no chao chorando com a mao na bunda e a molecada se acabando de rir ele ficou em pé na minha frente balancando a rola durona e falando:
– larga de frescura seu boiloinha, vem que hoje eu vou enfiar tudinho na sua bundinha, só dói quando entra depois fica gostoso. Eu chorando falei que queria ir embora, nao aguentava doia muito, nisso ele fala para os moleques me colocar debruçado em uma pedra e ficar me segurando, ele deu um tapão na minha bunda mandando eu abri as pernas e falou para a molecada guspi no meu cu ficando bem melecado encostou denovo a cabeça da rola e empurrou todinho pra dentro senti uma dor terrivel dei um berro a vista escureceu e desmaiei, acordei com o Joao me balancando e me chamando, e os moleques envolta bem assustados, o João me pedindo desculpa, eu com o cu ardendo muito e me assusto mais ainda quando vejo o pau dele todo sujo de fezes com sangue, passo a mao no meu cu e estava do mesmo jeito todo sujo, o Joao me ajudou a levantar e ir ate a beira do rio para eu me lavar,as minhas pernas estavam tremendo e o cu ardendo me lavei, com a agua geladinha deu uma aliviada mas foi pouca coisa, vesti a minha roupa com os moleques so implorando para eu nao contar nada para ninguem, falei que nao ia contar nada deixando eles mais aliviados, mas fiquei pensando como esconder aquilo sendo que eu mau conseguia andar fomos para casa com eu andando de pernas abertas, pois desse jeito aliviava o ardimento nas pregas,
Dei de cara com o meu tio falei que tinha escorregado nas pedras ele aparentando saber puchou o João para dentro conversaram um pouco e começou a bater nele com uma cinta, fiquei com pena do João que estava chorando muito e pedi para o tio parar, falando que foi eu que quiz, ele parou e ficou tipo sem saber oque fazer e fala para o João:
– estou muito decepcionado contigo nao é porque ele é um boiolinha que voces tem o direito de bagunçar com ele, e só nao vai apanhar mais porque ele pediu, e mesmo estando muito bravo passou a mao no meu rosto com carinho, falou para eu ir deitar que ia pegar uma pomada que ele tinha passado no machucado das cabras achei estranho passar remedio de animal em mim, mas depois eu vi que ele sabia oque fazia, voltou com a pomada falando para eu abaixar a bermuda para passar, fiquei parado com vergonha a idéia de ficar pelado na frente de um homem adulto não me agradava, ele passaou a mao no meu rosto explicando:
-olha voce pega um pouco e passa no seu buraquinho enfia dentro massageando que vai aliviar a dor, ela é anestésica e logo voce vai estar pronto para brincar com a molecada, naquele momento falei firme
– isso eu nunca mais faço, e ele disse:
– a tá, eu sei, todos falam isso e saiu dando risada. Naquele momento fiquei com raiva dele, ele era todo carinhoso comigo se mostrava saber tantas coisa e derrepente estava zombando de mim. Mas depois eu vi que ele nao estava zombando e sim realmente sabia das coisas como eram.
No dia seguinte quando acordei o cu ainda ardia, mas oque foi pior, foi os pensamentos que passavam na minha cabeça, tem pessoas que acham que em um abuso sexual é só destruir o agressor e esta tudo resolvido, mas cada caso é um caso, eu no meu caso a ultima coisa que queria era ver algo de mau acontecer com o João ou com os meninos, fiquei em estado depressivo não tinha vontade de sair do quarto a vergonha me consumia mais doque a dor do meu corpo, me sentia a pior pessoa do mundo imaginava o João com raiva de mim, o meu tio olhando com dó, e os muleques zombando de mim por eu não ter aguentado a brincadeira e pior se alguem da cidade soubesse daquilo que aconteceu.
O meu tio quis conversar mas eu nao tive nem coragem de olhar para ele, o João varias vezes me pediu desculpa e isso que foi mudando tudo, eu achei que ele realmente estava sentido.
Fiquei o dia todo deitado na cama nao tinha vontade de fazer nada, só sentia sono, mas em um determinado momento eu acordei e me deparei com o João só de cueca na frente do espelho fazendo posses de musculação, continuei fingindo que estava dormindo e fiquei observando o corpo dele, mesmo com a rola mole tinha um volumao enorme, um neguinho lindo no entanto magrelão não tinha musculo nenhum, mas ele estava se achando na frente do espelho estava vendo algo que só ele via e foi isso que me tirou da depre eu não me aguentei e cai na risada, ele se assustou envergonhado e depois veio falando:
– oque foi seu bobo, aqui é só musculo, vem pega, sente como eu sou bem forte, eu não me aguentei só dava risada, ele se vendo como musculoso e eu não via nada e na minha inocencia de garoto acabei dando a mancada de falar oque eu pensava:
– ahn, para, onde voce ve musculo aí, é muito magrelo, é um muleque lindo mas é só pele e osso kkk. Ele ficou em pé na minha frente com a mão apertando aquele volumão e falou sorrindo:
– é serio voce me acha lindo, voce tambem é um menino gostosinho, mas ve bem se voce contar que eu falei isso para alguem eu arrebento voce de porrada. Por um momento fiquei aprensivo pela mancada e depois fiquei confuso com uma mistura de paixão pois eu nunca tinha ouvido isso de nenhum menino.
No mesmo momento, aproveitando que eu tinha voltado a conversar, ele sentou na beira da cama e de cabeça baixa começou a se desculpar,
– me desculpa Juninho, eu não sabia que ia te machucar, eu só queria curtir, ficou falando isso aparentando bem triste e eu só escultando com uma enorme vontade de abraça-lo e acariciar aquele volumão que arrebentou com o meu cuzinho, é estranho mas o desejo pelo orgão genital masculino não mudou nem diminuiu, aquele volumão ali do meu lado me deixou doido de vontade de acaricia-lo no entanto faltou coragem ficando como sempre só na vontade. Por um breve momento foi assim eu só admirando a rola dele, até que ele percebeu se levantou rapidamente tipo querendo fugir da situação, vestiu a bermuda falando:
– vem vamos la fora andar um pouco.
Sem muita vontade eu sai do quarto eu não tinha nem coragem de olhar para o meu tio, no entanto isso logo passou pois ele veio todo alegre como se nada tivesse acontecido e me deu o mesmo abraço gostoso que ele sempre dava, me apertando firme contra o seu corpo seguido por um beijo no rosto, aquilo foi bom, me senti amado mesmo tendo feito aquelas coisas que sao consideradas como algo muito vergonhoso. Me soltou dos seus braços, dando um tapinha na minha bunda e falando
– vai la aproveita as suas férias, deu uma piscada para mim falando:
– aproveita que aqui você pode fazer oque quizer, que o chatão do seu pai não vai saber de nada. Aquilo foi um grande alivio, o medo de alguem da cidade saber daquele episódio estava me torturando e mais a aprovação do meu tio que eu poderia fazer as coisas que eu queria e que não saia da minha cabeça. Sai para fora todo feliz atras do João, na grande esperança de ele fazer algo comigo ou em menos de conversar sobre o ocorrido, mas não rolou nada ele ficou me evitando, até para urinar ele ficou de costa e eu doido para ver a fonte daquele jato grosso de urina, os meus desejos eram tantos que até isso me exitava, em saber se a rola dele estava dura ou mole enquanto mijava, fiquei o dia todo praticamente me oferecendo indiretamente para ele, mas não adiatou ele não percebeu, não rolou nada.
De noite, quando fomos dormir deu para ouvir os movimentos da cama, que ele estava se masturbando, aquilo me deixou enquieto, tudo oque eu queria é que ele me agarrace de novo, mas como nao acontecia nada. Tive a idéia de enfiar a cueca de um lado na bunda, deixando uma banda toda amostra, liguei a baju e fui para o banheiro enpinando a bunda, aquilo realmente o atiçou, pois quando eu voltei ele fez aquele movimento rapido parando e disfarçando deitei na cama esperando alguma investida dele, e nada, vendo que ele voltou a se masturbar com movimentos bem mais rápido tomei coragem e perguntei
– João, você esta pensando nas cabras ou em mim? mas ele não respondeu nada, só deu risada. Sendo que eu nao tinha alternativa, juntando com o desejo tomando conta da minha cabeça, falei:
– João, deixa eu bater punheta para voce? a reposta foi imediata.
– Sério, você quer mesmo, então vem. Ligou a baju, tirou o lençol que estava o cobrindo e tirou para fora da cueca aquele nervão tão desejado, fazendo no mesmo instante eu pular da minha cama, sem conseguir esconder a minha empolgação com aquela gostosa safadeza que estava começando entre agente.
Sentei na sua cama e coloquei timidamente a mão no seu pau, ao mesmo tempo que eu queria muito tudo aquilo, tambem estava nervoso, as mãos tremiam, o coração parece que ia sair pela boca, a minha mao era até pequena para aquele membro enorme, deixando-me fascinado, fiquei apalpando esplorando toda a sua dimenção, nisso o João me deu um grande susto deu um pulo da cama, foi em direção a porta passando a chave, tirou a camiseta e a cueca deitando peladão na cama e falando:
– pronto agora é todo seu, eu prometi para o pai que não ia te obrigar a nada, mas sendo você que quer não tem problema. Naquele momento eu entendi o porque de ele não tentar nada.
Dei um sorriso todo alegre e comecei a apalpar com as duas mãos, me encantando logo de cara, o tamanho, a espessura, o saco cabeludo pois o meu não tinha nada a ver com aquilo. Com a minha cara bem ali próximo sentindo o cheiro forte da sua rola, tudo oque eu queria é que ele forçasse a minha cabeça para baixo fazendo eu chupar, mas diante da falta de atitude dele eu tive que tomar a iniciativa, abaxei toda a pele da sua rola, fechei os ohos e abocanhei aquela chapeletona sugando bem forte, fazendo o caipira do João falar admirado:
-você é doido, você gosta de chupar rola! aaahhh que gostoso, isso é bom demais
Gostoso mesmo estava aquele rolão, a minha primeira chupada real, pois até em tão eu só tinha chupado rolas em pensamento, fui me empolgando com a maravilhosa sensação e com a expressão dele; gemendo, se contorcendo, olhando para mim bem sorridente e falando:
– nossa, como é gostoso isso, você é demais pelo jeito você sabe muitas coisas gostosas.
Eu estava me sentindo o máximo, pois com os moleques maiores da cidade eu era ignorado era apenas um pivete que não sabia nada sobre prazer sexual, mas com o João mesmo ele sendo praticamente um adulto eu podia dar aula, ele era inocentão, para ele sexo era apenas enfiar o pinto em um buraco e eu no caso, mesmo não tendo feito nada com ninguem ja tinha aprendido muitas coisas com os videos e com a historias que eu ouvia. Aquele momento agradavel foi aumentando a minha empolgação, fui ficando confiante, me soltando, estava praticando tudo oque tinha aprendido, comecei a deslizar a minha boca em todas as direçoes, queria lamber o corpo dele, desci a lingua pelo pau até o saco, lambi, chupei as bolas olhando para ele do jeito que eu vi em um video e o bobão mesmo adorando toda a sensação só dava risada achando graça em tudo, mas mesmo assim eu continuei, nao queria perder aquela oportunidade tão sonhada, enfiei a lingua por baixo do seu saco com a intenção de lamber o seu cu, mas no mesmo instante ele fechou as pernas falando bravo:
– sai seu doido ai não, é só a minha rola
Mesmo vendo ele como um bobão, aceitei de boa a sua imposição me senti que estava com um garoto bem macho, voltei para a rola e passei a lamber suas cochas, deci a lingua pelas pernas até os pés, beijei, lambi e fiquei chupando o dedão olhando para ele, da mesma forma que eu tinha visto em um video no qual os dois caras deliravam de prazer, mas ali, era mais eu que estava curtindo pois o João gemia de prazer e ficava dando risada. Tentando ignorar a atitude dele e aproveitar ao máximo, voltei a chupar a rola dele, subindo a lingua na reta do umbigo com a intenção de lamber todo o seu corpo, mas, mais uma vez fui impedido ele empurrou minha cabeça para baixo falando bravo:
-assim não seu viado é só a minha rola
Fiquei com raiva o muleque não era machão ele era um verdadeiro bobão, comecei a chupar com força o seu pau, fazendo o safado gemer alto de prazer, aquilo foi demais para mim, mesmo ele sendo um bobão descobri o quanto é gostoso satisfazer um macho, lambia todinho aquele rolão, batia no meu rosto e comecei a fude com a minha boca com movimentos bem rapidos fazendo o João delirar de prazer e logo ele começou a empurrar a minha cabeça, falando:
– Sai, tira a boca eu vou gozar, é sério eu nao estou aguentando mais, tira voçe vai se melecar todo
Fiquei sem entender, os moleques que eu conhecia sempre tinha aquelas conversas de oferecer leitinho, nos contos e videos é colocado como algo muito gostoso e ele com aquela atitude, segurei firme mantendo dentro da minha boca queria espermentar, afinal aquela era uma fantasia motivos de muitas punhetas, beber a porra de um garoto e não demorando muito ele se acabou na minha boca, foram varios jatos, foi ele gozando e eu engolindo, um liquido diferente do meu, a bem da verdade bem diferente mesmo pois da minha pikinha só saia umas gotinhas e o dele foi uma quantidade bem grande, cremoso e quentinho, gostei muito, pois eu ja tinha lido a respeito que é um liquido limpo e fica guardado no saco dos homens, fazendo eu encarar como algo exitante e maravilhoso engulir esperma, mas quando eu tirei a boca, o João mesmo estando com cara de satisfeito ao mesmo tempo estava reprovando a minha atitude, falando com desprezo:
– voce é estranho, você gosta de comer porra, vou dormir tenho que acordar cedo.
Vestiu a cueca, se jogou na cama todo a vontade e em questão de segundos estava roncando e eu ali com a minha pica dura comecei a bater punheta vendo aquele garotão lindo e muito gostoso principalmente aquele volumão que se formava na sua cueca mas com aquele sentimento que faltava algo, pois tudo oque eu queria era sentir ele me acariciando enquanto eu me masturbava e o meu pensamento foi direto para o meu tio. Derrepente eu estava pensando em sexo, com o meu tio, com um homem adulto, algo que ainda era um tabu na minha cabeça. Me senti envergonhado, parei de bater punheta desliguei a baju e dormir sem gozar. Cont..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,94 de 17 votos)

Por # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder bacellar

    Que delícia!

  • Responder Saulo Batista

    Tô adorando, muito gatinho
    Espero a continuação em breve

  • Responder Romero

    Conto muito bom, quero continuação

  • Responder Ash

    Quero continuação disso aí tesão quero ele com o tio agora

  • Responder Tales

    Gostei dos seus contos muito bons agora falta a primeira trepada com o João