# # #

Descobrindo a safadeza com a namoradinha adolescente [8]

1991 palavras | 4 |3.79
Por

Alguns dias haviam se passado e já estávamos todos em casa, quando comecei a receber mensagens (na época o famoso SMS) de Suelen, nunca havíamos conversado fora pessoalmente, nem sabia que aquela novinha tinha celular, ela puxava assuntos em tom de conversa normal, típicos de uma menina de sua idade, falando que estava com saudades, perguntando quando íamos nos ver de novo, etc. Acabei não comentando sobre o fato com minha namorada, não que fosse segredo, afinal já até tinha comido a putinha na frente dela, mas por algum motivo preferi não comentar.

Ainda era férias, então eu estava em casa em algum dia no meio da semana, começo de tarde, sol rachando lá fora, e eu planejava dar uma fugida pra casa de minha namorada (que tinha piscina) afinal ela tinha comentado que talvez seus pais iriam sair. Mas nesse momento recebo uma ligação de João Pedro, meu colega da escola que não via há quase dois meses, desde que as aulas haviam terminado no ano anterior. Ele perguntou se eu estava de bobeira e acabou indo até minha casa pra bater papo e jogar videogame.

João era um pouco mais alto que eu, mais ou menos o mesmo tipo de corpo, mas já havia feito 17 anos pois fazia aniversário já no começo de janeiro, então era sempre um dos mais velhos da turma. João era um grande amigo e conversava bastante com ele, inclusive sobre a safadeza de minha namorada, nós sempre falávamos das meninas dos anos anteriores, comparando qual era mais safada. Então ele sabia mais ou menos que Thays era bem safadinha, só que logicamente sem muitos detalhes. Concentrados no jogo eu praticamente havia esquecido o que tinha combinado com minha namorada e só e lembrei quando recebi uma mensagem dela perguntando se eu ia. Não soube o que fazer na hora porque também não queria dispensar minha visita logo depois de ela ter chegado, então perguntei pra ela se João podia ir junto pra tomar banho de piscina e ela disse que sem problemas.

Avisei ele onde iríamos, e rapidamente juntei um calção de meu guarda roupa pra emprestar pra ele, pegamos nossas bicicletas e partimos pra casa de Thays que não era longe.

Chegando lá ela me cumprimentou com um beijão como sempre fazia, e beijinhos no rosto de João que já conhecia, então me avisou ali no portão mesmo que apenas seu pai havia saído, e sua mãe estava em casa. Falei que tudo bem, então famoso pra varanda de trás da casa onde tinha piscina, deck, banheiro, para nos trocarmos, coloquei meu calção e Thays que já estava com a parte de cima do biquíni, apenas tirou sensualmente o shorts jeans, revelando o biquini branco pequeno, que eu havia comprado pra ela [Contos 1 e 2]. Ela ficava excepcionalmente gostosa com aquele biquini, ouso dizer que até mais do que com o biquini infantil de Suelen no conto anterior. Ele realçava o formato de sua bundinha redonda e empinada, e por ser de um tecido meio fino, na parte da frente ensaiava realçar o formato dos lábios de sua bucetinha.

Então João apareceu rindo na porta do banheiro do deck, dizendo que a bermuda não havia servido, quando prestei atenção na bermuda que estava em sua mão, percebi que realmente era uma que não usava há anos pois estava apertada. Thays já colocando suas asinhas pra fora, com seu jeito brincalhão e sempre ousado, falou:

– Ahh capaz João, entra de box mesmo, tamo em casa! Desde que não seja branca kkkk

– Tudo bem então, se voce diz pode ser kkk – Ele terminou de abrir a porta revelando uma cueca box azul escura, mas que não era de um tecido tão grosso, e desenhava muito bem o formato de sua piroca.

Discretamente lancei um olhar meio rígido pra Thays, fazendo cara feia, uma coisa era putaria entre os tios e primos dela, outra coisa era isso começar a se espalhar entre os meus colegas de escola, a situação, pelo menos na minha cabeça, era muito diferente. Ela apenas deu um sorriso sapeca pra mim, fingindo nem perceber, e pulou na água, seguida de João.

“Bom, não vou ser o mais diferente aqui, sendo que ta todo mundo seminu né” falei em tom de brincadeira tirando meu calção, estava de box preta, e pulei na água também. A piscina ficava na parte de trás da casa, em uma área mais baixa do terreno, do lado havia a parte do prédio onde era a garagem, e, meio escondido atrás de umas palmeiras, tinha a janela mais próxima que era da cozinha, então a piscina acabava ficando relativamente escondida, meio privativa, a casa não era chique nem luxuosa, mas era bem espaçosa.

Não aconteceu nada de mais por um bom tempo. Apenas nadamos na piscina e nos refrescamos, com algumas brincadeiras inocentes de jogar água etc. Teve um momento que Thays subiu nos meus ombros, dentro da piscina, e momentos depois foi pra cima de João também, fiquei atento aos movimentos dos dois e percebi o que parecia ser algum tipo de mão boba dele nas coxas dela em alguns momentos. Quando ela foi descer, deixou cair seu corpo meio de lado, na água, e tive a impressão que a mão dele tinha esfregado por toda a extensão da bundinha dela nessa queda, mas não tive certeza.

Acontece que piscina, pelo menos pra mim, é um negócio que cansa pra caralho, então já próximo do fim da tarde falei que ia dar uma descansada e saí da piscina, me deitando em uma das espreguiçadeiras que tinha próximo das palmeiras, a uns 8m dali, me deitei e joguei uma toalha por cima da cabeça por causa da claridade pois queria descansar, mas ainda conseguia enxergar por uma fresta por baixo da toalha caso abrisse os olhos.

Não soube quanto tempo fiquei naquele estado sonolento, meio dormindo, provavelmente uns 20 minutos, ouvindo ao longe as vozes dos dois conversando. Depois desse tempo senti que acordei, e já não havia mais muitos sons de conversa, apenas cochichos e falas bem baixas. Sem me mexer apenas abri os olhos e espiei os dois na piscina. Eles estavam dentro da água encostados na borda mais distante de mim, conversando aparentemente normalmente, porem com tom de voz baixo, estavam a menos de 1m de distância, Thays volta e meia olhava discretamente em direção da janela da cozinha.

Eles conversavam dando muitas risadas abafadas, como quem conversa sobre safadezas, eu conseguia ouvir apenas algumas palavras chave, pouca coisa da conversa, mas pude perceber que João safadamente comentava algo sobre seu biquini, e ela respondia animada e com cara de safada, possivelmente falando que já havia usado menores?

Em dado momento João de brincadeira puxou o lacinho da parte de cima do biquini, e ela o empurrou rindo e amarrou de novo, mas não parecia irritada pelo ato, pelo contrário, vi o chamando de bobo e falando pra ele mesmo amarrar. ele se posicionou atrás dela, bem próximo mas não colado, e se demorou amarrando o lacinho, logo vi os dois brincando novamente de jogar água, e vi que ela estava subindo na canguta dele de novo. Dessa vez pude ver que ele passava as mãos livremente nas coxas dela com o pretexto de segurá-la, com ela em cima de seus ombros ele caminhava pela água acariciando suas coxas, em dado momento ele leva as mãos um pouco mais pra cima na cintura dela, e fica brincando com o lacinho da parte de baixo do biquini, ela apenas ria toda safada.

Eles ficaram nessa brincadeira de flertar por mais uns 15 minutos, sempre com desculpas para se encostar, e claramente falando safadezas e indiretas, quando pareceu que também cansaram da água. João saiu primeiro pela escada, e ao virar de frente para Thays (e também para a direção que eu estava) pudemos perceber que a o tecido de sua cueca era realmente fino e quase havia ficado transparente, e a sua ereção era bem visível por baixo de sua cueca apertada. Logo ele estendeu a mão pra ajudar ela subir, e quando ela chegou no último degrau deu uma puxadinha de brincadeira nela, fazendo ela se desequilibrar um pouco pra frente e ter que segurar no seu corpo para se segurar, ele aproveitou as mãos dela já na sua cintura e puxou-a pra um abraço amigável, então vi que ele olhou pra baixo na direção da bundinha empinada dela, e fez algum comentário que a fez rir de novo, ela também soltou uma das mãos dele e deu uma olhada pra própria bunda, deixando ela bem empinada a ponto de tirar um dos calcanhares do chão.

Ambos faziam comentários sobre algo na bunda ou biquini dela, e Thays que não aguenta um elogio, sempre fica toda boba. Ela com certeza havia percebido a ereção dele e aos poucos os seus corpos ficavam mais colados, ele brincava novamente com a mão no lacinho do biquini de baixo, e ainda conversava sobre. Pensei ter ouvido ele falando algo sobre “ficar menor”, ela dava risada e respondia coisas que não ouvi. Então ele safadamente, com a mão que estava abraçando-a por trás, deu uma puxada na calcinha do biquini pra cima, enfiando mais na bundinha.

Ela soltou uma risada mais alta e fez que estava o empurrando, no que ele a segurou no lugar e pediu desculpas pela brincadeira, mas sem tirar a mão daquela região, e pareceu dizer que ia ajeitar, ela tirava um pouco o corpo mas acabava deixando, no fim vi ele ajeitando o biquini dela um pouco mais pra baixo, mas ainda bem mais enfiado do que estava originalmente, ele aproveitava, se demorando e ajeitando todo o biquini, então percebi que as mãos dele começavam a passear mais pela pele da bundinha dela do que da roupa. Eu sei que a bunda é um pouco fraco de Thays e ela não aguenta um carinho nessa região, ela fazia que estava empurrando ele e rindo falando pra parar, mas no fundo acabava deixando, logo ele já estava enchendo as duas mãos na bundinha dela, que se empinada toda, ela estava com a mão na região da barriga dele, então lentamente levou um pouco mais pra baixo e deu uma boa apertada no seu pau, o que pareceu incentivá-lo e ele apertava e acariciava cada vez mais sua bundinha, e puxando o biquini ainda mais pra cima.

Ela começou a acariciar e quase masturbar o pau dele, que já estava quase começando a sair da cueca, foi quando percebi que com uma das mãos ele também acariciava a bucetinha dela, de onde estava não pude ver se havia chegado a puxar a calcinha pro lado ou não, mas era provável que sim, devido ao tamanho da peça.

Thays pareceu acordar do transe, empurrando ele e falando pra se vestir, enquanto ela mesma procurava sua canga, eles olharam rapidamente em minha direção e começaram a se ajeitar disfarçadamente, mas algo dizia que aquela putaria não havia acabado.

Continua.

– – –

[Vou começar a fazer contos menores para postar com mais frequência]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,79 de 19 votos)

Por # # #

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Titaxxx

    Cara quanto tempo vos ficaram juntos? Mulher assim pra curtir é bom, mas nao pra nada sério…

  • Responder Sabrina

    Não curti, prefiro quando tem açgo mais concreto no conto, o seu jeitonde escrever antes ja tava bom, a gente não mexe em time que ta ganhando, quanto as notas, esse site é bom pela pouca censura, se é que isso não é uma forma da PF pegar os podolatras, mas outra coisa desse site muito ruim é quw da mais bicha e elas detonam os contos heteros.

  • Responder E eu tbm

    Este continua sendo o melhor conto do site no momento, as outras coisas, não foram escritas, foram depejadas da descarga por um bando de analfabetos funcionais, gays e alguns moleques punheteiros, lembro que uma epoca atrás, os acervos de contos dos sites eram bem melhores e a disputa pelo melhor era acirrada.

  • Responder Ale

    Continua por favor .meu amigo