# #

Comi meu vizinho de 10 anos

3211 palavras | 24 |4.41
Por

Meu vizinho de 10 anos adora dançar funk. Eu não resisti e o atraí pra minha casa. Comi o cu dele sem pena.

Meu nome é Valdemir e tenho 33 anos. Sou moreno, bombado e tô em forma pela minha idade. Olhos pretos e barbudo.

Sou vizinho de Ana Paula. Uma mulher de 28 anos que tem um filho de 10. Ela sempre foi funkeira, bem puta mesmo. Inclusive já quis me dar mas eu não quis comer porque na época ela era mulher de bandido e eu não queria problema pra mim.

Ela é tão putinha que engravidou e não sabe até hoje qurm é o pai. Seu filho agora tem 10 anos, o Lucas. E ela sempre foi muito liberal e o criou sozinha, no meio do funk. No qual ela escuta todos os dias e isso me irrita. Porém, o garoto começou a gostar de funk também.

Aí você me pergunta. Ele tão novo já pensa em comer as novinhas? Não

Na verdade ele apenas ama rebolar a bunda dele.

Ele é gordinho, baixo, mas bem bonitinho. E sabe realmente dançar. Todos do bairro o conhecem por isso.

Mas rebolar a bunda tão novo é meio imprudente de uma mãe deixar. E não falo isso por preconceito. Veja, ele realmente tem trejeitos de que vai ser viado quando crescer. Mas não tenho preconceito enquanto a isso.

Mas a mãe dele deveria o proibir de dar um show no meio de um monte de adultos, porque ele é muito novo pra dançar desse jeito pornográfico na frente de todos.

Ele dança sempre quando escuta alguma música, rebolando a bunda gorda dele. E os homens adultos o olham como se fosse um pedaço de carne.

Inclusive eu.

No aniversário dele de 10 anos, foi a tarde e na casa de Ana. Lá tinha piscina e foi um churrasco na piscina.

Depois do parabéns, começou a tocar Anitta e o garoto começou a dançar enquanto a mae ria e incentivava. E gravava.

Ele tava só de sunga, tão pequena que a bunda dele ficava metade pra fora. Bem gorda. Os peitinhos gordinhos balançavam. E ele requebrava como uma putinha no cio, fazia até abertura com as pernas e quicava no chão.

Enquanto Ana e as amigas de favela aplaudiam e riam. Elas nem notavam os olhares dos homens ao redor. Muitos fingindo olhar de nojo por serem preconceituosos e sempre comentar por costas que Ana o incentivava a ser viado.

Mas ao mesmo tempo eles escondiam os paus duros vendo aquela criança gordinha rebolar como se tivesse quicando em um pau.

Inclusive eu, que sempre fiquei com a piroca babando por essa criança. Mesmo quando ele tava apenas brincando na rua sem dançar.

Uma vez eu estava sentado em meu portão bebendo cerveja enquanto ele brincava com a Bia, uma garotinha de sua idade.

Até que a mae dela a chamou pra almoçar.

Já Ana sempre demorou pra fazer o almoço, sempre foi uma puta desnaturada que não ligava muito pro filho. O almoço do Lucas deveria sair lá pras 16:00, e eram 12:00 quando a amiga dele entrou.

Nesse dia eu o chamei pra almoçar na minha casa. Ele gostava de mim, então entrou feliz.

Óbvio que eu não o chamei pra comer.

Na verdade eu que queria comer Ele. E foda-se se ele era uma criança. Pois ele requebra aquela bunda como uma puta. Ele iria adorar minha pica comendo ele mesmo que doesse no começo.

Embora ele ainda fosse virgem e não desse moral pra nenhum cara que fica com a piroca babando por ele.

Mas eu tinha certeza que ele era uma criança safada. Que o cu gordo dele tava piscando por um cacete.

Eu ia comer aquele viadinho nem que fosse a força.

Eu falei que ele poderia ver os clipes de funk que ele gosta na minha tv. Era de 70 polegadas e ele ficou encantado.

Ele colocou seus funks e eu disse que ia servir o almoço depois dele dançar. Eu disse que gostava dele dançando. E ele ficou todo bobinho.

Embora ele requebrasse como uma puta, ele era inocente. Muito fofo. Ser gordinho o ajudava a ser adorável.

Eu sentei no sofá com as pernas bem abertas, deixando minha pica bem marcada na bermuda, enquanto ele tava na minha frente olhando pra TV e começando a dançar.

O shortinho grudava na bunda gorda e ele começava a fazer os quadradinhos. Ficava tão empinado que o saquinho marcava e balançava.

Era uma delícia. Aproveitava que ele não tava vendo e mexia na minha piroca.

Ele fez aquele movimento delicioso, de abrir as pernas no chão e começar a quicar como se fosse um pau.

O cacetinho dele sarrando o chão e continuando a quicar. Deveria tá durinho. A bunda gorda balançando.

Eu não aguentei. Eu ia foder aquele garoto.

– Deve ser tão gostoso você quicando assim no meu pau.

Eu disse cheio de tesao. Ele parou de quicar mas continuou naquela posição. Olhou pra atrás e se assustou ao ver eu com a piroca pra fora, masturbando e babada.

Ele era uma criança, ou seja, o pau era pequeno. Ainda mais que era gordinho. Não tava acostumado a ver uma pica tão grande de 19cm e grossa.

– Vem cá, quica no meu pau, quica.

Eu fui extremamente desinibido. Nunca fui de dar voltas. Sempre quando queria comer alguém eu falava de uma vez. Nunca fui de conquistar primeiro.

E não seria diferente com Lucas. Embora muitos no meu lugar talvez fizessem de um jeito diferente. Por ele ter só 10 anos e não querer ou dar com as línguas nos dentes, muitos tentariam conquista-lo primeiro. Induzi-lo ao sexo de forma indireta. Seduzi-lo.

Mas eu não. Não tinha porque dar voltas.

Eu queria fode-lo e iria.

Ele se assustou, seus olhos ficaram arregalados. Ele era novo mas sabia o que aquilo significava. Sabia que se não corresse pra fora eu ia foder ele.

Ele saiu da posição que estava e se afastou.

– O que o senhor está fazendo? Esconde isso. Eu não vou fazer nada com você!

Lembro que ele disse algo assim, meio desesperado. Pronto pra ir embora.

Eu apenas ri. Porque ele não iria embora. Uma hora ou outra ele estaria gemendo na minha piroca mesmo que pra isso eu precise força-lo um pouco no início.

Eu apenas ri e em seguida e mordi os lábios, punhetando devagar minha pica morena, a cabeça grande e roxa.

Eu abaixei mais a bermuda pra liberar meu saco. Eu sempre tive bolas grandes. As mulheres normalmente se assustavam. Meu saco é pesado e cheio. Mulheres adultas já se assustam, imaginem a carinha do Lucas, um garotinho vendo aquilo.

Ele se escorou na parede como se fosse fugir a qualquer momento.

Lembro que o diálogo foi algo como:

– Para de drama, vai me dizer que quando abre essas pernas e quica a bunda no chão não imagina um pau no lugar?

Ele era um garoto inocente, sempre foi. Ainda tinha pensamentos infantis. Mas as músicas pornográficas que escuta faz seu lado sexual se despertar. Mesmo sendo uma criança. Era nítido como ele ficava durinho as vezes quando requebrava e escutava alguma música falando de sentar no pau.

Ele sempre gostou de fazer em toda dança a abertura com as pernas e ficar quicando. Fingindo que era por conta da música mas eu via que era porque era gostoso esfregar as bolinhas no chão como uma cadela no cio.

Ele me olhou assustado.

– Isso não é da conta do senhor! E mesmo que eu quisesse fazer algo seria com alguém da minha idade. Não com um homem velho!

Ele foi malcriado, mas eu ri porque ele apenas entregou que pensava em dar sim.

– Então você já pensou em dar essa bunda não é? Mas pra um garoto da sua idade.

Ele ficou vermelho.

– Eu já imaginada que seu cuzinho piscava querendo um pau. Mas nenhum pau de criança vai te satisfazer. São muitos pequenos, essa sua bunda gorda merece um cacete de verdade. Do que você tem medo? Eu sei que parece assustador um homem desse tamanho comendo você, um garotinho. Mas imagina o quão gostoso é isso também. Não tenha medo de se machucar, eu sei que minha piroca é grande mas é o que sua bunda merece. Seu cuzinho de viado vai adorar ser rasgado.

Vocês agora devem estar imaginando o quanto eu fui burro de falar assim com um garoto de 10 anos. Por mais que ele se comportasse como uma putinha ainda era criança e iria se assustar.

Mas como eu disse eu sempre vou direto ao ponto.

Óbvio que ele se assustou. Ainda mais quando balancei meu cacete pra ele. Seus olhinhos estavam espantados. E ele me olhou como se eu fosse um gigante prestes a atacar.

Então ele correu, mas eu levantei na hora, pelado da cintura pra baixo, e o agarrei por trás.

Realmente um gigante perto daquele gordinho.

Meus braços fortes o prenderam e o arrastei pro sofá.

Ele resmungou mas nao gritou.

O cu com certeza tava piscando porque senão ele teria gritado.

O taquei no sofá. Deixei ele encurralado. Fiquei na frente dele, o impedindo de sair. E toda vez que ele olhava pra minha pica se assustava.

– Não seja um garoto mal, você vai adorar.

– Me deixa ir embora.

Ele disse manhoso quase chorando.

– Só quando você for uma boa putinha e chupar minha pica.

Mesmo com a cara de choro talvez seja por isso que ele não tenha gritado. Achando que se chupasse iria embora.

Peguei nos cabelos dele e empurrei meu quadril pra frente, a cabeça do meu pau encostando nos lábios dele, melando.

Ele abaixou a cabeça mas eu forcei, agarrei o rostinho dele e esfreguei meu pau na bochecha dele, passei minhas bolas grandes em todo o rosto, fazendo ele cheirar.

– Hum Que delícia, é isso que você merece, um cacete de homem. Cheira bem gostoso, nenhuma criança vai te dar uma pica grossa assim.

Forcei a cabeça do meu pau na boca dele e o fiz chupar. Gemia grosso vendo aquele garoto gordo com minha pica na boca.

Ele babava muito porque não sabia chupar. Eu tava pouco me fodendo, eu só queria acabar com esse viadinho.

Forcei minha pica até a garganta dele. Ele engasgou várias vezes, lágrimas saiam de seus olhos. O que me fazia continuar é que se ele lá no fundo não quisesse estar ali ele morderia meu pau.

Mas deixava eu violar a boca dele mesmo engasgando.

Eu não aguentei de tesao. Coloquei um pé apoiado no sofá e forcei meu quadril pra frente ao mesmo tempo que forçava a cabeça dele na minha virilha. Fazendo ele engolir tudo, meti na boca dele não me importando se tava machucando. Ele me babava todo e se engasgava e eu só gemia.

– Isso bichinha, caralho que viadinho gostoso. Chupa minha piroca, vai!

Ele queria sair dali mas eu forçava. Ele chorava pela dor na garganta, mas pra mim tava tão gostoso.

Até que larguei ele porque não queria gozar.

Ele tava todo vermelho, cheio de lágrimas. A boca inchada e babada.

Alguns moralistas agora vão falar que eu forcei o moleque. Mas não. Ele nao gritou ou me mordeu, além disso, o pau dele tava duro.

– P-Posso ir agora?

Ele falou destruído e choramingando.

Eu me ajoelhei no chão e agarrei o cacetinho duro dele.

– Tem certeza que quer ir?

Ele tentou fechar as pernas mas continuei mexendo naquele pau. Ele escondeu o rosto sendo o gordinho adorável que era. E eu mamei naqueles peitos grandes.

Ele tava todo manhoso, mas com medo. O que me deixava com muito tesão.

– Tá com medinho de mim? Mas você tá tão dengoso. Chora de um jeito tão lindo, cheio de tesao.

Ele continuava a esconder o rostinho, mas abriu as pernas pra eu brincar com o pauzinho dele. Eu ri satisfeito.

– Isso nenem, deixa eu mexer no seu cacetinho. Nossa voce tem uns peitinhos tá gostosos. Parecem de menina.

Eu tirei o short e a cuequinha dele. E a blusa que eu tinha levantado.

Ele tentou se esconder com vergonha.

– Na hora de dançar feito puta não se esconde.

Falei pra ele.

Abri as pernas dele e ele me olhou de um jeito adorável, selei os lábios nele.

– Você quer ir embora?

Ele negou com vergonha.

Olhei pro pintinho do tamanho do meu dedão, o pequeno saco. O cuzinho não dava pra ver. Estava tampado pela bunda gorda.

Caí de boca no piruzinho. A criança ficou toda dengosa. Abriu as pernas e gemeu baixinho e gostoso.

Botei tudo na boca. Sugando com vontade.

O moleque chegou a deslizar mais o quadril pra frente. Pra eu chupa-lo mais.

– Assim…

Ele deixou escapar baixinho.

– Assim né safado? Quer fugir de mim mas tá gemendo feito putinha. Vem, quica na minha cara como faz quando dança. Abre bem essas pernas.

Ele ficou assustado mas eu deitei no sofá. Ele me olhou receoso. Olhou pra porta pensando em correr de novo, mas em seguida subiu em mim. Ficando com o pau na minha cara, fez a abertura com as pernas e esperou eu engolir.

Quando eu engoli ele se tremeu todinho. E começou a quicar. a TV ainda tocava funk o que ajudava ele.

Era um delícia ver ele se acabando na minha boca. Segurando no sofá e gemendo enquanto se esfregava na minha cara.

Ainda era safado de olhar pra trás, pra própria bunda pra ver como estava se saindo.

Eu agarrei a bunda gorda dele e balancei, as gorduras indo pra lá e pra cá. Até que comecei a chupar o cuzinho dele. Bem rosinha e fechado.

Gostinho de menininho. Uma delícia. Nunca tinha chupado um cu com um cheiro tão bom.

Lucas se tremeu todinho.

Caralho era muito gostoso engolir aquele cuzinho aberto com ele naquela posição.

Dava pra sentir tudo.

Levei minhas mãos até os peitinhos e brinquei com eles.

O moleque tava quase gozando.

Mas eu parei.

Tirei ele de cima de mim e ele me olhou receoso.

– Acho melhor eu ir embora agora.

Ele disse, sabendo que eu ia comer ele.

Eu apenas neguei. Disse que ele deve ficar.

– Mas vai doer… olha o seu tamanho.

– Isso que é gostoso. Minha piroca comer uma criancinha tão gostosa como você. Que tá doido pra dar. Só tá com medo de doer. E vai doer. Eu vou te rasgar todinho, mas você vai pedir mais.

Ele ficou com medo e tesão ao mesmo tempo.

Eu o taquei no sofá de novo, abri bem as pernas dele e cuspi, dando tapinhas no cu infantil.

– Que barulhinho gostoso, tava doido pra que mexessem aqui enquanto rebola essa bunda né?

Ele assentiu. Tava todo manhoso que eu tava massageando o cuzinho dele como se tivesse masturbando uma buceta.

Dando tapinhas molhados.

Não fui com calma. Enfiei minha pica de uma vez. Ele gritou, tive que tampar a boca dele.

O moleque era muito apertado. Apesar de ter o cuzinho gordo.

Eu senti ele rasgando na minha grossura. Ele chorou e o corpo tremia muito. Eu só esperei alguns minutos e então peguei nas pernas dele por de baixo do joelhos. Deixando ele bem arreganhado.

Comecei a tirar e meter devagar. O moleque chorava. Mas não era um choro desesperado.

– Para… tá doendo muito, eu vou falar pra minha mãe!

Eu continuei metendo.

– Não vai falar porque você vai gostar, seu viadinho delicioso. Tá doendo tá? Toma mais pica então, putinha.

Continuei metendo e ele se contorcia de dor.

Caralho que moleque gostoso.

– Para… para, para. Tá doendo muito, por favor.

– Por que você não grita então se não tá gostando?

Ele ficou em silêncio durante alguns segundos, apenas chorando baixinho. Parecia mais gemido do que choro.

– Gostoso…. você não sabe quantas vezes quis te comer vendo você dançar. Queria te encher de porra desde quando tu era menor. Seu cu é tão gostoso, Lucas. Tá engolindo minha piroca com fome.

Ele se agarrou a mim, o rostinho molhado mas ele tava gemendo baixinho, quase pedindo mais enquanto me olhava.

– Isso, bebê, só curte. Tá doendo mas tá gostoso não tá? Você tá adorando sentir minha piroca até sua barriguinha. Minha piroca é grande não é?

Ele só assentia. E começou a olhar pra baixo, vendo minha pica sumir no cu dele.

– Tá gostando de sentir um cacete? Era pra eu ter te fodido antes. Tu ia gemer como tá gemendo agora. Quando tu crescer mais um pouco, tenho certeza que vai deixar vários homens te comerem assim. Ao mesmo tempo. Vai pedir piroca todo dia.

Ele começou a gemer alto, aquilo me deu mais tesão. Eu parei de ser bonzinho e comecei a meter com força. Pra machucar.

– Não, não, nao… aaaaaaaaannnn paraaaan!

Ele pedia mas empurrada a bunda pro meu pau feito uma puta. O cu dele vermelho quase sangrando de tanto que eu tava surrando o cuzinho dele.

Qualquer um que passasse m frente a janela da minha sala escutariam que um homem adulto tava fazendo sexo com um garotinho

Os gemidos de criança preenchiam o ar. Meu saco batendo no pequeno corpo.

A vozinha infantil dele pedia por mais. Tava adorando minha pica.

– Caralho que nenem gostoso! PORRA, que cu é esse. Vou encher ele de leitinho. Sua puta! É isso que você quer né cadela? Gemendo e chorando na minha piroca. Gritando por mais. Quer quer os vizinhos escutem você sendo fodido? Pra eles te procurarem e te foderem depois sua cadela? Quer? Da pra escutar seus gritos da rua. Continua gemendo putinha.

Ele continuava gemendo. Pedindo por mais. Eu sabia que ele queria dar, por isso forcei ele a ficar no início. Ele gozou como uma cadela. Piscando o cuzinho me fazendo esporrar dentro dele.

Gritei que ele é uma criancinha gostosa.

Ele ficou todo dengoso com porra no cu.

E no final, apenas sorriu e disse que era gostoso.

Não contou pra mãe. Pelo contrário, até hoje vem na minha casa dar o cu pra mim.

Ele adora chorar enquanto quica e geme.

Por enquanto ele só dar pra mim. Mas é meu sonho ver ele chorando na piroca dos meus vizinhos que já sabem que eu o como.

Eles ficam ouvindo a gente foder, adoram escutar os gritinhos do Lucas pedindo por mais piru no cuzinho gordo dele.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,41 de 66 votos)

Por # #

24 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Yuta

    Quem estiver interessado em ver novinhos dançando funk, igual a putinha do conto, me chama no Telegram @yuuutaaa

  • Responder Victor Hugo

    Assim que tem que ser conto porra!! sem esse blablabla de seduzir, e pedir pra não contar, e ter medo dos outros saberem… O cu desse pseudo atores novos do site!
    Muito bom. Continua por favor.

  • Responder ORFHEU

    seu conto é delicioso, putinhas assim desejam ser usadas como cadelinhas, submissas de seus machos, espero mais contos seus com sua cadelinha particular

  • Responder @Oillop_sil - telegram

    Que delicia, vontade de fuder um assim, me chamem no telegram pra gente conversar sobre

  • Responder Carlão

    Que delícia de pivete! Eu ia devorar esse garotinho E seus peixinhos!

    • VAL69

      Ele iria adorar chorar no seu pau, certeza

  • Responder Julio

    Parabens, esse lance de ser romantico ja deu na telha, bom mesmo é conto assim onde o macho mostra que manda!

    • VAL69

      Meti nele sem dó! Meto até hoje. O moleque chora sempre, mas geme muito. Adora sentar na minha pica. É uma delícia quando ele pede pra eu ficar deitado e apoia os pés na minha cama. E começa a descer no meu pau com carinha de choro mas não parando. Muito safado meu garotinho. Eu não aguento e começo a meter forte demais. Ele pede pra parar e eu continuo sem dó. Ele mela a barriguinha gorda dele toda de goza.

  • Responder @Nick98765

    Mais um hétero sem preconceito, que come viado

  • Responder @Marcel2019

    Muito bom…gozei

  • Responder Mulekaodecuiaba

    Poha q dlc mano.. só faltou sermos vizinho

    • @Doni - telegram

      Dlc

    • VAL69

      Íamos comer o Lucas todos os dias. Ele adora meu pau, com certeza vai adorar de outro homem. Ele é um garotinho muito safado.

  • Responder Só Obcervo

    Pedofilia é crime galera

  • Responder Edno

    Quado eu tinha 12 meu pai me pegou dando pro meu tio. Achei que ia ganhar uma surra mas ganhei mesmo foi outro macho de pau grosso pra me foder

    • cesar

      oi edno hoje vc tem que idade

    • cesar

      vc tem skipe ou whays

    • VAL69

      Os dois tinham que meter juntos no teu cuzinho

  • Responder Carlos

    De que Cidade vc é? Se for da região de SP, podemos fuder ele juntos!!!

  • Responder Albazinho

    Me chama no telegram @albazinho

  • Responder @vinizoo

    Safado ?

  • Responder Jucão

    Deliciosa história. Gostei muito……tb comecei dar o cuzinho bem cedo ..telegram ..Juju1959….

    • @srnautillus

      Tbm fui novinho.. meu tio fez meu cuzinho eu tinha uns12 anos

    • VAL69

      Tem que dar mesmo