#

dando no caminhao do pai do amiguinho

648 palavras | 2 |4.93
Por

foleando revista e dando a bundinha, brincando e dando a bundinha.

Meu apelido é boneco, já escrevi outros contos da minha infância sempre fazendo troca-troca com meus primos, claro que quase sempre levando piroca na bundinha, e comendo muito pouco. Na época com uns 9 anos meu amiguinho me convidou para brincar na caminhão do pai dele que tinha chagado de viagem. Estávamos brincando de dirigir quando encontramos umas revistas de mulher pelada, como falávamos naquele tempo, começo dos anos 70. Na verdade eram fotonovelas preto/branco muito escuras. Meu amigo me convidou para ver na parte de trás da cabine onde tinha uma cama. Fomos , ele fechou a cortina e ascendeu uma luzinha num canto. Deitamos os dois de bruços e começamos a folear a revista. Ele discretamente começou a passar a mão na minha bunda, eu te pronto reagi:

-tira, tira a mão daí. Ele tirou mas logo em seguida colocou de novo, eu falei:

-tira.. ele fez que não ouviu e continuou passando a mão. Eu disse, já baixinho:

-para… Ele percebeu que eu gostando e como parei de reagir ele falou:

-deixa eu brincar na tua bundinha, só enquanto tu olha a revista, afinal o caminhão e do meu pai e a revista também. Falei dengoso:

-tá , mas só enquanto eu estiver olhando . Ele baixou meu calção passou cuspe no meu cuzinho e sentou em cima da minha bunda já engatando seu pau no meu cu. Fui folheando a revista devagar enquanto ele me comia. Quando terminei a revista, pedi ele tinha outra.

-não, acho que não , mas pode olhar essa de novo…. Comecei a folear a revista lentamente, já quase nem olhava, só quando aparecia um pau , prestava mais atenção. Percebi cada vez mais que o que me chamava atenção eram os paus e não as bucetas deixei ele comer por um bom tempo. Estava bem escuro e disse que tinha que ir para casa. Fui embora pensando nos paus e ao dormir bati uma punheta me imaginando vestindo uma calçinha da minha irmã e o menino me fudendo feito uma putinha.
No outro domingo ele me convidou para brincar no caminhão novamente. Claro que fomos correndo. Chegamos lá e fomos direto procurar por revistas, mas para nossa desilusão não encontramos nada. Perguntei de que vamos brincar então sem as revistas. Ele um pouco mais velho que eu e muito safado disse:

-não precisa de revista , vamos ali atras na cama.

_brincar de que?

-vamos fazer de conta que eu sou o motorista do caminhão e parei no posto para dormir..
Não entendi direito, mas só queria que ele brincasse com minha bundinha. Entrei na frente e já me deitei de bruços esperando por ele. Ele falou:

-primeiro vou abastecer o caminhão. Perguntei :

-como? Ele respondeu passando a mão na minha bundinha :

-vou colocar minha mangueirinha aqui e encher o tanque. Adorei, ele baixou me calção ate as coxas e foi se preparando meu cuzinho. Me virei um pouco e falei :

– deixa eu tirar tudo. E tirei todo o meu calção(queria fazer como nas revistas), abri bem as pernas e pedi:

-bota devagar para não vazar combustível. E foi isso que ele fez. Lambuzou meu buraquinho e foi metendo até que senti todo o peso do seu corpo contra o meu. Acho que ele gostou por que sempre que o pai dele chegava com o caminhão ele me chamava brincar.

essa estoria e todas as outras que escrevo realmente aconteceram comigo, não sei como consegui me casar, ter filho depois de tudo o que passei. Claro que continuei dando a bundinha , as vezes mais ,as vezes longos tempos sem dar, ma até hoje gosta de vestir calçinha , dar a bunda e fazer sacanagens.
[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,93 de 14 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Caio

    Comecei mais ou menos assim, dando a bundinha para um amiguinho quando tínhamos 12 anos, no banco do meio de uma Kombi do pai dele. Chegava do trabalho, a Kombi ficava estacionada no pátio ao lado da casa e à noite, brincando de pique-esconde e no final, nós íamos para dentro da Kombi e ele metia todo seu pauzinho dentro do meu cu. No começo doía, depois fui acostumando que sentia era cócegas e prazer a cada metida dele. Que saudades!

  • Responder Novin

    Gostei mt do conto e me faz imaginar muitas coisas e desejos kkkkk.