# #

A Família cresceu veio a adoção de três filhas.3

3765 palavras | 2 |4.43
Por

Vamos a mais uma parte. Assim que puder solto mais contos mas ainda quero finalizar o lembranças de uma infância.

Nisto eu na PM e me preparando pro concurso do corpo de bombeiros a Júlhinha estava doida pra passar junto comigo.
E nós preparamos juntos em vários sentidos.
Mas Quem pirou mesmo foi Vanessinha ela saiu da casa da Mãe veio morar com agente.
Ela já estava com 19 anos a Acolhemos ela.
E lá vai eu já estava montado um harem.
A casa era muito boa e grande.
Casa guardava muitos segredos escondidos e viriam muitos mais.

E os meses se passaram veio a melhor notícia.
Eram gêmeos não conseguiram definir o sexo.
Mas eram gêmeos minha Mãe foi a loucura com meu pai.
De tanta alegria.

E a rotina continuou muito sexo e tudo mais.
Nisto a Jô com oito meses de gravidez vem a notícia Vanessinha também engravidou já estava com seus três meses.
Aí o tempo fechou o pai e a mãe dela alopraram.
Deu trabalho mas acertamos tudo.
E agente hoje se bica muito mas se atura mesmo , Vanessinha tendo se casado com outro quatro anos depois.

Nisto nasceram os gêmeos uma menina e um menino.

Quem me surpreendeu foi Daiana ela já com nove anos .
Ela evoluiu muito até então mas , após o nascimento dos Gêmeos ela cuidava deles de uma forma muito dedicada.

Ela virou uma Mãe postiça deles.
Mesmo daquele tamanho.
Nós impressionava ver ela desta forma com o bebês.

As irmãs ajudavam mas não dá mesma forma.
Beleza e vamos tocando.

Nisto veio uma notícia muito séria e que mudaria e muito nossas vidas a Maria estava com um câncer no pulmão do mesmo que matou o Leonardo.

Meu Deus abalou a todos.
As meninas piraram eu e Jô junto com Maria em conversas descobrimos muita coisa a Maria não tinha parentes .
O único vivo era o pai estava preso e não tinha direito nenhum as meninas.

Resultado decidimos que iríamos adotar as três,aí entra minha Sogra Dona Ângela ela decidiu adotar as três.

E em conversa decidimos que ela adotaria mas os pais seriam eu e a Jô.
E assim fechamos e fomos a justiça entramos com todos os laudos fotos.
Processo muito bem feito e embasado.

E em meses a Maria definhou com sete meses de tratamento ela morreu , uma boa notícia nasceu mais um guri meu com a Vanessinha tudo indo muito bem as meninas
ja estavam protegidas a adoção levou
mais alguns anos pra ser efetivada mesmo com os pistolões e influência que tínhamos.
Mas saiu depois de uns dois anos.
Minha Sogra como Mãe .

Nisto eu e Júlia passamos pro Corpo de Bombeiros.
Fizemos o curso juntos nos formamos juntos.
Nisto a Júlia era muito apegada a min tanto que hoje estamos em outra corporação juntos.
Nós damos bem demais até da conta.

Nisto a Daiana com quase dez anos.
Deu uma encorpada estáva linda.
Aquela neguinha de cabelos loiros e olhos azuis.
Era meu xodó.
Porém eu não tinha tesão por ela.
Não via com desejos ou coisa parecida.
Mas ela sempre via eu comendo as mulheres da casa.
E algumas senhoras da igreja e suas filhas.
As caçadas continuavam.

A Daiana começou a mudar ela estudava a tarde e quando eu estava em casa ela acordava e corria pra nossa cama.
Eu estava sozinho muitas vezes nú e ela deitava também nua ou de calcinha.
Algumas chegava as vezes eu estáva comendo minha Sogra ou alguma das meninas .

Só que um dia eu estáva sozinho com ela.
Ela se deitou por cima de mim num 69.
E começou a me tocar instintivamente meu pau endureceu eu pensei que fosse alguma das meninas.

Quando abri os olhos e vi aquela bucetinha vermelhinha emcima de min.
Me assustei pois não tinha tido estes pensamentos por Daia.
Ela brincando com meu pau passava a língua.
As mãozinhas dela quase não fechavam ela tinha quase dez mas o corpinho dela era de sete anos.
Eu fiquei quieto deixei ela a vontade e ela se mecheu e posicionou e ficou esfregando a bucetinha em meu peito.
Eu sentindo ela ficar molhadinha.

Meu pau ja pulsava e eu querendo chupar ela.
Eu dei uma linguada ela se assustou.
E pulou eu a segurei e a puchei e passei minha língua em seu cuzinho.
Ela deu um grunido.
Eu parei e falei que não que não iria fazer aquilo com ela.
Ela escutava e entendia tudo e já se comunicava em libras.
Todos na casa já sabiam libras.
Por causa dela.
Ela implorou fez cara de choro e queria mesmo.

E eu pedi pra ela buscar Danone ela saiu de cima de min e correu voltando com dois potinhos eu peguei fiquei em pé na beira da cama e falei que primeiro vai tomar Danoninho com mel do papai coloquei a cabeça do pau no potinho segurei e ela começou a lamber chupar mal cabia a cabeça de meu pau em sua boquinha eu deixei ela a vontade.

Até ela terminar um potinho a deitei de frente pra min falei agora e a vez do papai tomar Danoninho e meti o dedo a passei na bucetinha dela e comecei a chupar ela até terminar o Danoninho e continuei chupando já estava muito molhada eu metia a língua dentro Dela o mais fundo possível.
Ela fechava os olhos e suspirava.
E eu senti a hora que ela gozou com minha língua tocando seu ponto g.
Minha língua chegava no fundo da bucetinha dela.
Ela se tremeu e se molhou mordeu minha língua com a sua bucetinha. .

Nisto eu deitei ela por cima de mim .
E comecei a ensinar ela a beijar ela entendia tudo ela apenas não falava.
Neste dia eu a coloquei pra aprender a chupar com Danoninho.
Ela babava lambia esfregava na cara.
Eu gozei em seu rostinho todo.
E eu gozei fartamente.

E fui tomar banho com ela.
A chupei o cuzinho bucetinha a encochei.
Esfreguei fiz de tudo um pouco mas não a penetrei.
Foi a manhã inteira ela brincando com meu pau.
Brincamos assim por uns bons meses,sem a penetrar.
Era só brincar e melar ela toda.

E com uns seis sete meses depois eu comecei a falar com ela.
E se ela queria brincar igual a Mamãe a Vovó e as meninas , ela balançou a cabeça dizendo que sim.
Mas eu ainda não viria a penetrar ela com meu pau.

Daí pra frente tudo mudou.
Ela tomava banho comigo na piscina.
Ela sempre estava comigo quando eu não estava de serviço.
Quando eu estava estudando ela vinha e fazia igual a Mãe fazia vinha por baixo da mesa e me chupava até eu gozar e ela tomar mel de pica.
Passou se uns bons meses deste jeito.

Um domingo estávamos todos em casa e fizemos um churrasquinho .

E estávamos na piscina e eu na parte raza da piscina comendo a minha Sogra ela de quatro e eu fudendo o cuzinho dela eu já quase gozando a Daia veio e tirou a calcinha do biquíni eu só pra testar me sentei.

A Daia pegou sentou de costa pra min em cima e mirou na bucetinha.
E começou a forçar e forcar até que eu senti meu pau entrar em sua bucetinha entrou apertado mas entrou gostoso.
E começou a montar como ela via as mulheres fazer lá em casa.

Minha sogra e minha esposa adoraram principalmente sabendo a história dela.
E por ela estar quebrando o trauma.
Nisto eu segurei ela me levantei.
E ela entalada com meu pau em sua buceta que bucetinha estava linda estufada meu pau socado , eu fiquei em pé com ela virada pra frente em um frango assado espetado em meu pau e eu comecei a fuder forte e fundo , ela não tinha útero.
Eu metia sem dó fundo sentia meu pau indo fundo dentro dela,meu ovos batendo na buceta dela pra uns seis minutos.
Eu finalmente dei uma estocada bem no fundo dela e enchi sua bucetinha de porra.
E continuei enfiando até meu pau amolecer quando tirei escorria porra da bucetinha dela.
A Jô chamou ela e chupou sua bucetinha arrancando cada gota de pohha de dentro dela as meninas ficaram impressionadas.
Pois não esperavam isto por parte dela e eu gozei muito era muito tesão que comecei a ter por ela.

Aí ficou bom demais.
Fodia a geral em casa.

Geralmente quem levava Daia e as meninas pra escola era eu , Julhinha ou a minha sogra .
Quando eu levava no carro , Daia já subia em meu colo já sem a calcinha e a bermuda da escola.
E ficava em meu cólo se esfregando em meu pau e colocava ele dentro ela ficava subindo e descendo até ela gozar e eu encher ela de pohha.
Eu a limpava e seguia pra escola.
Antes de chegar na escola eu tinha de gozar dentro dela ou ela tomar leitinho de pau todo vez que a levava pra escola virou rotina Pra ir pra aula.

Em casa a fodia várias vezes por dia tinha de colocar ela emcima na mesa Da cozinha ou do escritório e chupar ela eu a colocava sentada na mesa de frente pra min deitava ela abria suas perninhas num franguinho assado e chupava ela por um bom tempo.
Um dia minha sogra chegou eu estava chupando ela na mesa da cozinha.
Minha sogra chegou e viu e falou vou querer que você coma pastel de cabelo.
Eu ri pois era gíria de peão eu perguntei está dando pra pião de obra.
Ela ria.
Eu tirei a Daia da mesa coloquei minha sogra no lugar levantei o vestido dela e cai de boca na buceta dela.
A bicha cinquentona e muito gostosa e fogosa a Daia me chupava na cadeira e eu chupava minha sogra.
Os no quarto gêmeos dormindo.

Eu me afastei peguei me levantei virei minha sogra por cima da mesa ela empinada aquele cuzinho piscando e dei aquela pinceleda e meti de uma vez em cuzinho puchei ela pelo cabelo ela gemia alto e dizia me come meu peão.
Meti neste cu velho.
Fode anda me come.
A Daia olha e vendo eu metendo no cu de minha sogra.
Ela começou a meter o dedo no cuzinho.
E eu olhando ela fazendo isto.
Falei não minha filha papai não vai comer seu cuzinho.
Ela respondeu em libras que queria lá também.
Eu depois tirei meu pau de dentro de minha sogra peguei a Daia.
Abri suas perninhas na mesa em um frango assado como eu gostava de chupar ela.

E meti meu pau em sua bucetinha.
Cara meu pau entrava grosso e fundo na bucetinha dela.
Caraca era gostoso demais.
Ela só suspirava e grunia..
Meu pau dentro dela era difícil não encher ela de porra rápido tinha vez que eu dava até duas a três sem tirar meu pau de dentro dela tamanho era o tesão que eu tinha nela.
Coisa que só acontecia entre eu e Jô.

Mas aquela pequena era especial demais.

E a vida continua.
Na escola existiam outras crianças da mesma média de idade e especiais Pne.
Eu sempre que podia ia fardado levava minha princesinha negra.
As mães adoravam me ver de farda.
Eu estava bem encorpado em forma não musculoso demais em forma.
Via mães sempre de olho em min.

E tinha uma Mãe que tinha uma filha especial.
Estudava na mesma sala da Daia.
E ela começou a conversar comigo.
E pegar amizade comigo e com a Jô ou a Ju.

O marido era casa trabalho viagem era mais fora que dentro de casa.
A Jô já viu uma nova caça.

A filha tinha Síndrome de down .
E um dia foi pra nossa casa ela viu nossa atenção que tínhamos com as meninas.
A ligação da gente era muito forte na família.

Ela perguntou se eu podia entrar na piscina com a filha dela.
Eu falei que poderia com a Daia andando a cavalo.
Eu coloquei a Daia emcima de meu pescoço.
Ela ficava esfregando sua bucetinha em meu pescoço sentido ela se mexer.

Eu peguei a filha dela em meu colo.
A Jô viu que meu pau ficou duro antes mesmo de eu entrar na água.
A Jô viu uma oportunidade e já chamou a Paula era o nome da Mãe ela chamou pra dentro da casa pro escritório.

E eu fiquei com Daia e Victória.
E nisto eu não aguentei ela tinha uma bundinha grande pra idade dela.
Eu coloquei o maiô dela de lado ela achou estranho e tentou se afastar eu deixei ela afundar na água ela se assustou e se prendeu a min de novo.
Eu encaixei meu pau entre sua bucetinha e cuzinho e com seu maiô ja de lado eu fiquei encochando ela na piscina.
Eu mudei ela de posição coloquei ela de costa e soquei meu pau em sua bundinha , fiquei assim até dar uma farta gozada em sua bundinha e arrumei ela.
E a deixei de costa pra min e fiquei masturbando ela.
Bucetinha lisinha sentia mais lisa bem molhadinha.

Aí voltou Jô e a Paula.
E saímos da piscina eu com meu pau duro fui arrumar a Daia e Paula vem junto e eu de pau duro.
Tentando esconder.
Entrei no quarto e tirei a roupa da Daia e ela vendo , disse você que faz isto.
Com sua filha trocar ela desta forma.
Eu olhei fiquei frente a frente com ela.

Eu virei ela estava de sainha curta.
Eu fiquei na frente dela.
E dei um beijo nela.
E Daia saiu do quarto.

E eu virei ela de costa joguei ela na cama.
Subi emcima dela de bruços.
Levantei sua saia botei sua calcinha de renda o calcinha linda botei de lado.
Me alinhei e meti em seu cu de uma vez .
Acertei de primeira.
Ela enfiou a cara no colchão pedindo pra min parar.
E eu dentro dela parei dei um tempo.
E eu comecei o entra e sai.
Eu ainda estava pilhado do sarro e da gozada que tinha dado na filha dela.
Não demorou muito gozei dentro do cuzinho dela.
Ela disse que tinha anos que não dava o cu.

E que estava com saudades disto.
E eu saí de cima dela e fomos pra fora de novo as meninas brincando.
Passei a tarde com a família.
Chegando a noite a Paula iria embora e foi se despedir.
A Jô já falou dorme aqui está noite a casa é grande temos quartos pra todas.
Ela terminou aceitando.

Quando foi a noite.
Deixamos as meninas no mesmo quarto Daia e Victória.
E eu deixei a Jô e a Paula no nosso quarto iríamos fuder a Paula a noite toda.

Mas antes fui no quarto onde estavam a Daia e Victória.
Victória tomava remédio pra dormir.

A Daia já estava me esperando pra dar o Danoninho no pau ou comer ela.
Ela tomando Danoninho.
Ela limpou bem babou gostoso.

Eu vendo a Victória de bruços não resisti aquela bundinha e levantei sua camisola.
E baixei sua calcinha e coloquei meu pau entre sua bundinha e comecei a brincar com ela.
Eu esfregava meu pau encoxava ela.
A melava todinha subia aquele cheiro de sexo de bunda toda melada aí claro eu comecei a tenta comer o cuzinho dela já estava pilhado e fui brincando até que consegui depois de uns dez minutos colocar a cabeça de meu pau dentro do cuzinho dela.

E fiquei brincando só com a cabeça no cuzinho dela por uns vinte minutos .
Na hora de gozar tirei do cuzinho dela e dei leitinho pra Daia.
Ela bebeu tudinho estava gulosa peguei meti na bucetinha dela mais uns três minutos nem gozei.
Arrumei a Daia.
E arrumei a Victória e as deixei pra dormir.

Chegando no quarto a Jô estava metendo a pica de borracha na buceta da Paula.
Eu já cheguei por trás dela e meti no cuzinho dela.
Daí pra frente a madrugada foi pura sacanagem.

Pelo resto da noite.
Nos dia seguinte todos felizes.
Tudo certinho.

A vida segue.
Na semana seguinte eu estava se folga fui levar a Daia no Zoológico.
Até que bateu uma daquelas ereções top.
Meu pau chega doía.
Eu falei Daia ainda quer dar o cuzinho pro papai.
Ela ficou toda toda,seus olhinhos brilharam.
Eu segui com ela pro carro , era dia de semana.
Entramos no carro película escura.
Ar condicionado ligado achei um lugar a esmo.
Eu me sentei no banco atrás com Daia dei logo uma boa chupada na bucetinha dela e uma bela fodida na bucetinha dela cara a bucetinha dela ficava linda bem estufada com meu pau dentro.

E a virei de costa pra min ela ficou na posição de ranca toco apoiada em minhas coxas.
E eu mirei em seu cuzinho e falei vai doer.
Ela foi sentando eu sentindo meu pau em suas preguinhas.
E ela foi forçando e deixando o peso fazer o serviço mas ela estava decidida mas não entrava eu peguei a levantei dei aquela chupada no cuzinho dela de novo , passei saliva no meu pau e a coloquei na posição de novo foi quando senti as preguinhas dela cederem e estourarem até meu pau doeu.

Senti o estalo na cabeça de meu pau ela começou a chorar e tentou sair eu a segurei.
E deixei a cabeça de meu pau no cuzinho dela.
Ela começou a lacrimejar e começou a grunir e eu comecei a acalmar ela.
E comecei a masturbar ela comecei a meter meus dedos em sua bucetinha ela
Já começou a pingar de tão molhada.
Senti descer líquido lubrificante dela em meu pau e meti mais um pouco .
E ela foi começando a relaxar e deixar seu corpinho descer.

Quando estava na metade não resisti senti que iria gozar eu dei um jeito e segurei , ela sentou de uma vez meu pau entrou todo.
Ela perdeu o sentido e desmaiou.
Eu enchi seu cuzinho de pohha.
E deixei meu pau amolecer bem lentamente demorou uns quatro minutos eu sentindo o sangue descendo em meu pau o cuzinho dela frouxando meu pau amolecendo.

Ela foi recobrando o sentido.
Aos pouco assim como meu pau foi amolecendo.
Quando foi pra tirar usei uma toalha e tirei meu pau saiu um pouco de merda ,pohha sangue.
Eu peguei limpei meu pau com a toalha eu sempre tinha dentro do carro a toalha e saco de lixo coloquei a toalha num saco de lixo.
Limpei ela passei a xilocaína.
A arrumei ela passou quase uma semana pra se recuperar não a levamos pra escola nesta semana inteira.

E nisto foi ela se acostumar que virou meu xodó.

Passou de alguns dias nisto a Paula em uma sexta-feira pediu pra cuidarmos da Victória.
Deixou ela logo cedo.
E quando fui dar café da manhã eu me sentei na cozinha a Daia pelada vai na geladeira pega Danoninho.

Eu com um pouco de receio por causa da Victoria tirei meu pau pra fora e a Daia começou a tomar Danoninho a Victória vendo pediu Tio Leo também quero eu falei que era só da Daia.
Ela pediu eu falei pra ela que ela teria de guardar segredo de nossa brincadeira.

Ela aceitou e falei tira a roupa.
Ela tirou apesar dela ter 10 anos eu reparei que estava começando a nascer cabelo na bucetinha dela.
E a Daia pegou mais Danone e colocou em meu pau.
Eu deixei ela lamber a vontade eu peguei e a ensinei a chupar bater punheta ela gostou mesmo foi do líquido lubrificante que saia da cabecinha de minha pica.

Ela foi pegando gosto.
Eu senti que iria gozar e pedi pra Victória se deitar de bruços no chão.
Ela deitou eu e posicionei.
Comecei a encochar a Victória e a cutucar seu cuzinho e melar sua bundinha e rego aí eu não resisti comecei a forçar meu pau pra entrar e quando senti seu cuzinho de novo dilatar e aceitar meu pau , e entrou de novo , eu comecei a sentir a Daia massagear meus ovos , não meti mais deixei kieto ela gemendo pediu pra parar que tava doendo eu senti o
Cuzinho dela mordendo a cabeça de meu pau eu fui a acalmando ela e não demorou dei aquela gozada farta dentro de seu cuzinho .
Tirei ainda escorreu porra do cuzinho dela.
Sai de cima .
Fiquei com elas na piscina.
Comi a bucetinha da Daia e revezava com o cuzinho da Victória quando vi que Victória já estava acostumando.
Eu comecei a enfiar mais fundo meu pau.

Quando finalmente enchi seu cu com Meu pau entalado ela disse que queria cagar e meu pau atolado em seu cuzinho eu sentindo ela contraindo seu cuzinho.
Sai da piscina fui pra dentro do banheiro me arrumei com ela e comecei a socar mais e mais forte ela começou a chorar aí eu já estava descontrolado metia e sentia ela querendo cagar e o pau já melado de merda , e aí que eu enfiava mais e mais forte até sentir eu encher seu cuzinho de porra .
Quando tirei espirrou merda e pohha dentro do vaso.
Sai dali e dei um banho na Victória

Ficamos o resto do dia brincando de todos os jeitos.
Os três peladinhos na casa minha sogra , Dona Angela chegou aí foi mais putaria ainda.
Brincamos de lobo mau e muito mais coisas com minha sogra incluída
Até o entardecer.

Tem muito mais.
Vou contar aos poucos.
Desculpem pelo tamanho e detalhes mas só sei explicar assim.
Obrigado a todos pela atenção.

Meus outros contos.
https://contoseroticoscnn.com/autor/meesix/

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 7 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Grafit 21

    Nem vou perder o tempo lendo essa porcaria muito mal seus cintos,,

  • Responder Anônimo

    posta mais