# #

7 aninhos, viadinho, o pai come ou não?

3731 palavras | 37 |4.66
Por

Pai sabe que filhinho gosta dos homens amigos dele , dando trabalho desde pequeno. Agora o pai passa viver um dilema de amor e ódio.

Cheguei em casa meio que escondido, corri para meu quarto e banheiro. Eu precisava me limpar e esconder meu shirt sujo antes de falar com meu pai e tio Odair. Todos me viram, minha tia estava e meus primos, eu falei um oi rápido e depois voltei pra falar com eles. Minha mãe e minha tia na cozinha com as as crianças, meu tio e meu pai na sala, falei rapidamente com elas e fui pra sala de tv. Tio Odair estava de bermuda jeans e camisa de botões, eu gostava ficar olhando no volume entre suas pernas, estavam tomando cerveja e me chamou pra de dar um abraço. Ele me paparicava, enquanto meu pai sentado na poltrona da frente vestia uma short esportivo largo folgado, que dava pra ver o branco da cueca embutida do short tentando contar suas bolas, ele estava sem camisa, seu peitoral não era tão peludo como o resto do corpo, sua barba estava por fazer, era um pouco esparsa, meu pai é do tipo de homem que vai ficando maduro mas ainda mantém o rosto de menino com barba, não tinha cabelo grisalhos ainda, não que eu tenha percebido com seu corte nas laterais quase zero. Braços do tio Odair eram mais grossos, mas meu pai tinha as pernas e panturrilhas mais forte e pés maiores. Ele via meu tio me pegando, dava uns goles da sua cerveja e virava os olhos pra tv.
– Vamos com o tio jogar bola de novo?
– Ele vai comigo nesse domingo, Tânia (minha mãe) vai passar dia todo na igreja e vai voltar tarde por causa do bingo beneficente. – disse meu pai antes de eu responder.
Eu senti um friozinho na barriga, fiquei pensando em muitas coisas e como de mania sem perceber eu estava esfregando minha bunda na mala do meu tio, uma mania que sempre tive relação aos homens desde meus quatro ou cinco anos, quando entrei na fase infantil do descobrindo dos corpos.
– Que ótimo! É como eu te falei Laércio (meu pai)! Tem que participar da infância desse garotão ! – disse meu tio me empurrando de seu colo disfarçadamente. Ele me segurava pra não sair e tentava cochichar algo no meu ouvido. “Corre vai trocar esse short sem ninguém perceber”. Foi então que notei que uma gosma escapava do meu cu, manchou meu short e uma leve marca na bermuda do meu tio. Eu disfarçadamente corri pro meu quarto e eles continuaram a conversa. 

Eu joguei meu short no chão, coloquei uma cuequinha do Batman, e eu procurava uma bermuda pensando o que meu tio podia ter falado pro meu pai, quando ouço baterem a minha porta. Era meu tio Odair, olhando pra ver se ninguém o via ali. Ele entrou rapidamente e fechou a porta.
– Menino, essa sua bunda gozada, toma cuidado pro seu pai não desconfiar, vc não contou nada daquela noite né? – eu disse não com a cabeça e perguntei. – O que vc falou pro meu pai?
– No caminho de volta você ficou por uns minutos meio bobo sonolento, parei o carro e vc me pegou de novo mas pensava que eu fosse seu pai, dizia que queria muito ter eu, seu pai, que quer o pinto do seu pai e sentar no colo com ele dentro. – ele falava muito baixo pra ninguém ouvir. – Então você sente vontade pelo seu pai né? Eu perguntava e você me falava tudo que você queria ser namoradinho do seu pai, sem sua mãe saber, dizia pra mim como se eu fosse o seu pai!
Eu fiz cara de choro de vergonha, mas meu tio me fez parar. – Eu não contei nada a ele, é o nosso segredo se você for bonzinho! Mas disse pra ele ser um pai de verdade, que você até jogou bola, senão ele vai perder o filho pra outros homens . Tenho que voltar, eu disse que vinha ao banheiro! – meu tio saiu rapidamente me deixando com muitas dúvidas, será que meu pai me quer agora? Será que ele vai deixar? 

Voltei pra sala e me sentei com meus primos no carpete de modo que eu pudesse ver entre as pernas peludas do meu pai. Meu cuzinho piscava enquanto meu pai batia papo, ele me via olhando mas quanto a isso ele sempre percebeu, não falava nada. Falavam de notas nossas, eu sempre tive melhores notas, ao ouvir meu pai dizendo que eu ia muito bem e fiquei feliz e fui pra perto dele, ele ria dizendo que eu ia ser cientista, e eu fui como mania, indo de ré até me encaixar na virilha dele com minha bunda. Eu brigava quando eu fazia isso nos amigos dele, mas pelas poucas vezes que sentei no colo dele, eu estava nervoso então me comportava, desta vez me distrai com a conversa, fui indo até que senti a mala dele, eu me assustei e me afastei, mas ele me manteve com a bunda na coxa dele. Eu, menino naquela idade ja comecei a fantasiar muitas coisas. Tio Odair então contou que um amigo ia inaugurar um pesqueiro e que queria levar as crianças, como toda criança eu não parava quieto e sem perceber eu estava mãozinha cheia segurando macio quando sinto a mão de meu pau tirando minha mão dali com toda calma. Daí vi que eu estava apertando a mala dele, fiquei vermelho na hora e sumi pro meu quarto. 

Quando eu tomei banho infelizmente o cesto de roupa estava vazio, eu geralmente vejo e cheiro as cuecas que meu pai usou no dia. Alguns tinham os pentelhos e marca amarelada, eu gostava sem entender o porque. Eu já estava na cama pra dormir. Ar condicionado ligado muito calor, eu estava com a cuequinha do Batman, na luz baixa do abajur. Ficava pensando no que ocorreu. Meu pai entrou me dando um susto. Ele estava com um desses shorts de dormir e vi seu pinto balanço e ele vindo em direção a minha cama.
– Filho, cadê aquela revista de mulher pelada? – perguntou com um olhar maroto. Eu peguei da última gaveta e entreguei pra ele. Então ele me disse pra ver a revista enquanto ele ia passar uma pomada no meu pipi, que a farmácia havia recomendado.
Eu deitei imobilizado e nervoso segurando a revista de modo que eu não visse o que ele iria fazer enquanto ele se sentava baixando minha cueca.
– Relaxa as pernas Danilo. Pode incomodar um pouco mas um dia você vai me agradecer e só vai ter prazer. Olha que mulherão essa na revista! Bonita né? Qual você prefere? – ele conversava pra me distrair. Eu senti a mão dele pegando meu pipi, ele massageava e ficou duro, tentou baixar a pele, doeu um pouco e senti o dedo dele esfregando a cabecinha me dando uma sensação inexplicável. Será que ele vai querer que eu faça o mesmo nele? Ele me olhou é riu, eu ri e senti muito prazer. – Meu filho ficou de pipi duro vendo a revista né? Todo homem fica!
Eu fiquei curioso e me estiquei pra ver se ele tava duro também. Ele percebeu.
– O pipi do papai fica duro com a mamãe!
Eu quis me mostrar inteligente pra impressionar ele então falei: O nome é pênis, e entra no anus! Ele ficou surpreso.
– Eu não lembro de ter isso nessa revista! Não conte nada pra sua mãe.
Eu continuei me achando esperto, eu estava excitado. – A mulher chupa o penis do homem até ficar enorme e ele enfia no anus dela até ela gritar, e não pode parar até ela se mijar e ele gozar!
– Danilo, onde você viu isso??? Foi tio Odair?
Eu me dei conta da besteira de eu disse. – Não, pai eu ….
– Você é muito esperto filho! Tio Odair ficaria impressionado!
Eu estava excitado por ele estar esfregando pomada no meu pinto. Eu quis falar mais, fui falando o que eu sabia, mas só relação aos pintos de homens, eu nem olhava pra revista, eu sentia algo subir minha espinha, eu prestava atenção na boca do meu pai, olhava nos olhos castanhos dele com suas sobrancelhas grossas, eu empurrava meu pintinho pra mão dele pra ver se ele descia a mão pro meu cu. -… mas o gozo tem gosto ruim, cheira Cândida! – eu deixei escapar. Meu pai ficou paralisado com olhos arregalados, soltou o meu pinto, subiu minha cueca. Rapidamente tentou agir naturalmente . – Então lembra de ver a revista e fazer como te ensinei, lembra né?
– Pai! O seu penis também era assim como o meu? – não sei da onde tirei coragem pra perguntar, deve ter sido tesão. Falei num tom de dengo. Meu pai se irritou um pouco.
– Fala com voz de homem Danilo, que vozinha essa pareceu menininha!
– Não sou menina! Tenho penis! Meninas têm vagina!
Ele se ajeitou deitando do meu lado segurando a revista, pude sentir seu bafo de cerveja.
– Que mais sua amiguinha falou, conta pro pai?
– Quem?
– A que te contou que gozo cheira Cândida! Conta pro pai. Sua mãe já foi se deitar, não vamos contar pra ela essas coisas de homem! – eu me aliviei mas ao mesmo tempo me decepcionei. Meu pai queria ouvir acreditando que uma amiguinha me havia contado, mas eu já sabia como era ser fodido por homens, era fácil eu continuar.  Eu tentava organizar minhas ideias.
– Não precisa falar quem é, filho, isso não pode ser contado a ninguém, mas conta pro pai só!
Então eu contei uma história minha, com medo de ele desconfiar, eu estava com medo e ao mesmo tempo excitado de ter meu pai quase pelado deitado ao meu lado esperando eu falar. Esse fato aconteceu quando minha mãe me levou ao sítio do meu avô, meu pai estava na capital nesse fim de semana.
– Foi no sítio do vovô, levaram ela pra andar de cavalo, era o tio que cuidava dos cavalos, pai! – meu pai ficava perguntando detalhes com um olhar meu louco então eu tive que contar mais. – Sim pai, ele colocou ela no cavalo com ele, na frente dele e foram andar de cavalo na frente da casa e depois foram mais longe até entrarem num mato. Tinha algo grande nele que cutucava, o tio ia apertando se empurrando pra frente, ele respirava forte atrás. Era de tardezinha pai, não tinha ninguém só mato!
– Que mais? Quando foi que ela sentiu cheiro de Cândida? – vi meu pai descer uma mão pro short dele. Eu estava ja nervoso e com medo , mas curioso.
– Eles pararam porque ele disse que queria fazer pipi – eu prestava atenção pra não errar mantendo sempre essa menininha no meu lugar na história. Ele se mostrava interessado esperando eu falar.
– Eles desceram do cavalo. Aí o tio baixou as calça e o mostrou o penis pra minha amiguinha… e começou a fazer pipi, muito pipi, e o penis dele….
– Filho, agora diga pau, ao invés de penis.
– Tá, pode ser rôla? – ele ficou surpreso mas disse que sim.
– A rôla do tio ficou muito grande, assim ó…. o tio era muito magro mas era bonito tinha a rôla muito grande. Perguntou se ela gostava, daí ela pediu pra brincar com ele. Aí ela foi brincar com a rôla dele…. ela pediu pra chupar…
– Sim, meninas gostam de chupar rôla!
– é…. daí ela mostrou o bumbum pra ele, ele falou que era bonita, ela pediu pra ele por a rôla no bumbum dela!
– Ela aguentou? Doeu ???
– O tio ficou louco igual cachorro na rua, pai, ele subiu por cima dela e tentou com força mas doeu pq ele não fazia devagar. Aí ela pediu pra parar. O tio ficou brabo mandou chupar sem parar, esfregou o rosto dela na rôla do cavalo!
– Sério???
– O tio parecia com raiva, daí ele mandou ela ajoelhar e brincar com a rôla dele, porque ele ia dar um gozo na boca dela e ela tinha que engolir!
Eu senti minha cama vibrando, eu levantei minha cabeça e fiquei pasmo ao ver meu pai se masturbando por dentro dos shorts. Eu estava conseguindo o que queria.
– Pai, é assim como você faz? O tio fez isso até sair gozo! Não sai xixi? – meu pai parecia em transe, finalmente via ele com tesão pela minha história. Eu me sentei na cama curioso. – Pai porque vc esconde sua rôla de mim?
– A sua amiguinha quer ver? – ele tinha um olhar que me deu medo. – A sua amiguinha quer ver a rolona do pai é?
Eu fiquei confuso. Não sabia o que dizer. Minha cama vibrava e meu cuzinho piscava meu pai estava estranho e fungando – Ela ….gosta ….da rôla …do pai dela! – eu disse deixando o medo de lado.
– O pai dela tem um pauzao né? Será que ela gostaria de uma rôla assim? – ele finalmente baixou o short e eu não pude acreditar que consegui ver. Sua mão agarrava com força aquele mastro brilhante, e soltou aquela tora que balançou e ficou em pé. era muito parecido com um dos homens do vídeo, era grosso, roliço, cabeçona de cogumelo, saco pendurado entre os pentelhos da virilha. Ele pegou a revista pra ele ver e esqueceu do resto.
Eu estava hipnotizado por pinto dele e ele na revista ou fechando os olhos , comecei a ficar inquieto. Meu pai abriu as coxas tomando espaço na cama, como se eu não estivesse ali, ele preferia assim, fingir que eu não via, assim seria mais fácil talvez, ou ele estava se expondo pra eu fazer algo. E fui me aproximando das coxas dele. Meu cu piscava e doía. Eu fiz meu jeito pervertido, de fiquei de quatro na cama no canto da parede empinando a bunda em direção ao meu pai imaginando que estou brincando sozinho , como eu faço pros machos. Fui baixando minha cuequinha de batman, fui vindo de ré até sentir a coxa do meu pai. Meu cu piscava e dóia. Eu ouvindo meu pai respirando louco esperando que ele me tocasse.
– Filho vira pra cá, olha como papai faz pra vc aprender!  – me puxou pro seu lado me fazendo ver ele bater punheta, me disse pra eu fazer o mesmo. O braço dele estava em volta do meu pescoço, eu fui me ajeitar e empurrando a mão dele pro meu cuzinho, ele recusava mas eu fui indo aos poucos. Ele ficava se olhando admirando seu próprio membro. A revista já estava caída. Sentei na mão dele sentindo seu dedo no meu buraquinho, ele deixou o dedo quietinho, mexia pouquinho, acho que estava incerto.
– Olha o pai, filho, olha a que rôla grossa né filho! Sua amiguinha quer né? – eu balancei a cabeça que sim, virei de ladinho olhando pra pinto do meu pai. – Sua amiguinha quer pegar né? – ele levantou o quadril aproximando do meu rosto, foi empurrando meu braço até minha mão cair na virilha dele. – Ta tudo bem filho, sou seu pai, sei que você é curioso, é normal, isso que é Masturbação, o pai vai cuidar da sua rôla e vai ficar assim. Sua amiguinha gosta da rôla do pai, pode pegar, mostra como ela faz? – ele projetou sua virilha se oferecendo pra mim. Eu olhava pra sua barriga, virilha, coxas e pinto como se fossem algo separado, de vida própria. Fui pegando aos poucos e agarrei com toda paixão aquele membro, apertei comecei a bater pra ele, meu pai fechava os olhos parecia não querer encarar o que fazia mas gemia de prazer. Ele apagou o abajur.
– Como sua amiguinha chupa? Mostra pro pai? – ele disse empurrando minha cabeça pro pau dele é bem sutilmente ele cariciava meu cuzinho com dedo.
Eu meti a boca e chupei e chupei meu pai, meu homem gemia baixinho. Ele passou cuspe e enfiou a ponta do dedo no meu cuzinho, e sentia ele piscando. Seus pentelhos na minha cara, meu sonho. Eu era o filho mais feliz. Eu me ergui e me sentei no pau dele sentindo ele na minha bundinha fazendo cavalinho. De repente meu pai parou tudo,
– Danilo, não assim não, não sei, não pode ainda, nem deveria estar assim. – de novo eu sendo rejeitado e passei a implorar:
– Não pai, por favor, só me mostra como vc goza, sempre quis ver você !!! Não conto nada! Por favor!
No meio escuro eu podia ver o corpo do meu pai escorado na cabeceira pensando.
– Seu tio Odair já fez alguma coisa com vc?
– Não!
– Quem fez?
– Uns meninos mais velhos – ele começou a massagear de novo seu membro, eu não entendia se ele queria que eu fingisse ser a menina ou não, as vezes parecia confuso, manso ou irritado. – Usaram camisinha?
– Não sei, não percebi.
– E vc gosta ou eles te forçaram, conta pro pai? – ele mexia no seu membro.
– Não, eu que pedi, eu gosto. Eu sei que você não gosta de mim. – eu disse choramingando.
Ele me puxou pondo minha cabeça sobre sua coxa de frente ao membro dele. – Chora aqui no colo do Pai , filho , chora!
Eu comecei a chorar mesmo, eu estava muito emocionado, então ele começou a bater uma , enquanto eu olhava com meu rosto na coxa peluda dele. Ele batia punheta e dizia:
– Sempre soube que você ia ser viadinho. Já com quatro anos só queria o pai, pedia meu pinto pra mamar eu não deixava, mas com cinco anos acordei com vc mamando na minha rôla todo gozado. Eu tinha que manter distância porque você tinha compulsão.
Eu tinha vaga lembranças mas eu estava com medo que meu pai fosse se zangar comigo ao me contar essas coisas.
– Vc gostava de apalpar os penis dos meus amigos que vinham em casa, alguns me contaram e não vieram mais, outros vinham mas eu tinha que ficar te cuidando, sua mãe só batia perna nas vizinhas. Um amigo meu, não sei se você lembra do Renato, musculoso de academia. Ele vinha sempre quando sua mãe não estava pra gente organizar futebol. Um dia deixei ele na sala e vi você indo pro colo dele, você queria pegar o pinto dele, ele dizia que não podia. Eu me deparei com a sena e fingi que não vi nada e fui deixando até que um dia pedi pra ele olhar porque eu precisava ir tomar banho pra tirar tinta do corpo e iria demorar um pouco, me escondi pra ver, você foi na perna dele, pondo sua mão na rola dele, pedindo pra ver. Ele cedeu, tirou a pica pra fora e fez vc mamar dizendo pra não me contar senão não ganhava mais, é assim foi por muitos dias. Eu gostei de ver você com ele mas depois me arrependia.
– Você ficou com raiva de mim pai?
– Fiquei. E na Praia você gostava de ficar peladinho de bundinha pra cima, sua mãe achava engraçado mas eu via os olhares dos homens, até perceberem que você era menino com uma bunda de menina. Por isso eu te batia nessa bunda que você gostava de empinar. Nessas mesmas férias você ficou grudado no filho do amigo nosso, de 16 anos. E no churrasco à noite eu percebi ele te levando pra traz dos banheiros da piscina onde era escuro. Segui voces e acabei vendo ele tentando penetrar você, o moleque tinha um pau grande e você ficava quietinho. Eu me escondi e fiquei olhando, meu pau ficou duro, eu não sabia se impedia, mas também queria ver. Eu bati punheta igual agora e gozei no muro. Depois fiquei me sentindo culpado e fiz barulho fingindo que não vi nada. O rapaz se assustou, viu que eu tava ainda duro por debaixo da sunga e ele o mesmo. Ele subiu sua sunguinha e ficou desesperado. Eu só disse que a carne estava pronta.
Eu ainda lembro aquele dia, eu brinquei com esse rapaz na piscina também, ele me segurava pra não afundar, mas ele metia o dedo no meu cuzinho, ele já tinha feito eu chupar ele no banheiro enquanto todos bebiam. Mas não contei nada pro meu pai nesse momento.
– Você vai ganhar o gozo do pai tá! Quem é seu dono ?
– É você pai!
– Quem é seu herói , fala?
– É você pai!
– Quem você adora?
– Você pai!
– O pai vai dar o gozo pra vc engolir e crescer, só se você dizer que ama o pai!
– Eu te amo pai. – eu mantive minha boca aberta, meu pai acelerou e meteu a rôla na minha boquinha, segurando firme meu rosto,  tudo que escorria ele empurrava pra minha boca com o seu dedo. Era amargo e também cheirava Cândida.
Ele rapidamente pois seu shorts no escuro mesmo. Mandou eu por roupa, voltando ao seu tom seco. Me mandou dormir e se eu abrisse a boca iria me bater. Disse que eu merecia apanhar na bunda. Assim saiu e fechou a porta.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 79 votos)

Por # #

37 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Vitor

    Show de horrores…Ter desejo por uma criança de 07 anos. Terapia urgente

  • Responder Breno

    Bacana e excitante o conto mas a gente percebe que é pura fantasia de uma mente bem sem-vergonha e que acolhe esse tipo de fantasia, de transar com o pai, de ser seduzido e comido por homens mais velhos, etc
    Não digo que quem é gay hoje não possa ter sofrido abuso um dia mas isso não influencia na vida sexual adulta a ponto de um menino hetero desde sempre virar “putinha” porquê transou ou foi abusado pelo pai ou qualquer outro homem mais velho.
    O que pode acontecer é de a experiência precoce num menino já potencialmente gay despertar isso nele antes do hora certa e levá-lo à perversão e compulsão. É o que eu entendo.

  • Responder Fermando

    Que delícia o pai gosano na boca nossa queria um pai também

  • Responder Bombado 32/Df

    Que safadinho! Sempre mando meus sobrinhos pequenos encherem a minha casa de amiguinhos da vizinhança pra ficarem na piscina. Gosto de malhar na frente deles e depois entro na piscina com eles. Viraram meus fãs, adoram ficar me pegando, brinco de esconde esconde, de lutinha só de sunga.

    • Anônimo- Bela vista SP

      E ai já pegou eles?

    • Macho fudedor

      Me chama pra essas festinha da piscina

  • Responder Pedro -SP

    Sempre bom, tomar leitinho do papai… Pauzão grande e cheio de gozo!

  • Responder bacellar

    Maravilhoso! Estou aguardando a confirmação!

  • Responder safadao

    conto longo e chato

    • Anônimo

      Já fiz sexo com meu tio umas 4 vezes foi muito bom as vezes que fiz. Mais queria muito era fazer com meu pai desde criança tenho um tesão louco nele mais ele e homofóbico quase não me aceitou o fato de eu ser gay. Mais sonho ainda um dia ter uma transa com ele sou de Fortaleza ceará.

    • Luiz

      Um dos melhores… Pena que sumiu…

  • Responder Dkkek

    Af que delícia, quero

  • Responder Prazer infantil

    Q delícia

  • Responder Wellington Souza

    Cara, aconteceu parecido comigo ano passado, eu meti no cuzinho do filhinho de oito anos meu amigo, pq ele ficava fazendo isso! Menino viadinho, pai e a mãe viraram crente!

    • Delícia

      Bom

    • 123

      conta mais man, cê tem telegram?

    • Wellington Souza

      123. Cara,
      Fui fazer um concurso então fiquei na casa desse meu amigo, O coitado tava crente, mulher ficou gorda crente, e o menino gordinho. Disseram que tinham uma tal de vigília na igreja se eu não me importasse em ficar sozinho, e o moleque sismou em nao querer ir pra igreja, daí ficou comigo, eu disse sem problemas.
      Fiquei no sofá, de moleton, e ele pede meu iPad emprestado pra ver uma coisa pq o dele estava estragado. Emprestei ele sumiu pro quarto dele e depois voltou só pediu pra não dizer ao pai dele, achei estranho mas ele tinha limpado histórico ou entrou incógnito.
      Falei que ia tomar banho e ele pediu de novo o iPad eu disse pra ele tomar cuidado com via na internet. No banho notei uma sombra pôr debaixo da porta, ele estava tentando me ver pela fechadura acho.
      Eu tava com vontade ver pornô e bater uma punheta mas tinha q olhar o garoto. Eu saí de regata e o mesmo moletom sem cueca. Ouvi ele baixando o volume do ipad, certamente era pornô. Eu disse q ia dedurar ele, o menino se explicou que só queria ver.
      Sentei no sofá e ele no carpete no chão, sem graça, falei pra ele que podia ver um pouco, afinal isso é normal pra descoberta dele….

    • 123

      continua, Wellington. quando foi que aconteceu?

    • 123

      delícia, Wellington. sortudo.

    • James

      Porque você não conta sua história eu ia adorar ler

    • putinhagay15anos

      perdi com 4 anos kkkk

  • Responder Br

    Que delicia! Relata você batendo na bunda dele, dando umas boas palmadas ou cintadas. Os amantes de spanking agradecem!

  • Responder Armando Lima

    Sou casado cm filhos mas tenho um sobrinho que me deixa louco. Varias vezes eu meti e depois me arrependi. É foda esse conflito, já fui a psicólogo.

    • man

      qual ida.de?

    • Olhos Azuis

      Se arrependeu por que ? Se ambos sentiram desejo e se para ambos foi prazeroso porque sentir remorsos ? Seria pior se fosse algo forçado, ai sim é ruim.

    • Armando Lima

      Pq ele é criança e a gente é visto como monstro. Se depois ele contar pra alguém to fudido.

    • 123

      conta como tudo começou e se desenvolver, armando. desabafa aí

    • Julii

      ” sou casado e com filho ” como se isso assegurasse a heterossexualidade. Piada

  • Responder Éverton Oliveira

    Continua!!! Não vejo a hora do papai dele traçar , é o que o pobre do menino mais quer!!!

  • Responder Pau Pulsante

    Esse conto foi um suprassumo de perfeição, preciso do mais dessa história. Não aguento, tô acompanhando desde o primeiro e esse aí me fez gozar tanto que vou guardar pro resto da vida. Ansioso pro próximo!

  • Responder Leon

    Muito bom, poderia contar mais sobre as experiências que ele presenciou o filho.

    • Miltão

      Também acho!!!

  • Responder Bb__17

    Cara eu mal consegui entender esse conto prfv melhore

    • Miltão

      vc tá zoando ne????

  • Responder bacellar

    Cara, que delícia! Conte mais!

  • Responder Boy

    Muito bom, seu pai no fim das contas reprimindo a vontade, mais no fim vai gozar com o filhinho.

  • Responder Mauro

    Caraca, que safadinho!