# #

Tio Edu, Dudu e Pedrinho – 6

1618 palavras | 10 |4.75
Por

Tudo pronto para o Baile de Debutantes da Filó, Dudu teve uma surpresa que ele amou……

Almoçamos e com tudo já preparado para irmos ao “Baile de Debutante” da Filó. O Sr Antônio era um grande produtor da região, tinha uma única filha e uma vida abastada. Ele tinha visto em Dudu, ou melhor, no Engenheiro Agrônomo Eduardo, a grande oportunidade de um bom casamento para sua filha e de quebra teria um profissional para auxiliar em toda a produção.

Antes de sairmos, Tio Edu falou para tirarmos o cochilo de depois do almoço, me levou para o quarto e já foi tirando toda sua roupa e falou para tirar a minha. Deitamos abraçadinhos na cama, ele me abraçando de conchinha, adormeci. Acordo com Tio Edu lambendo meu cuzinho, chegava a enfiar a ponta da língua. Aquilo era muito gostoso, fazia melhor que o Dudu.

Eu (gemendo) – “Ai Tio Edu….. que gostoso” ( meu pintinho estava duro)

Tio Edu (já me posicionado num 69) – “Vai Ric, mama gostoso ai, preciso gozar, e não quero judiar deste cuzinho maravilhoso agora, vamos meter bastante amanhã

Não demorou muito e ele encheu minha boca daquela porra que eu já estava acostumando a tomar, porém, achava o sabor da do Dudu melhor. Tomamos mais um banho e pegamos a estrada.

Quando estávamos chegando na fazenda do Sr Antonio, Pedrinho vem correndo até nós, me chama para ir conhecer o quarto que eles estavam dormindo, e que eu dormiria nesta noite também, passamos pela Tia Rita, ela me abraçou e me deu um beijinho

Tia Rita (sorridente) – “ E ai Ric, o Edu cuidou bem você?”

Eu – “cuidou sim tia”

Tia Rita (segurando ne meu bumbum) – “E você gostou?”

Tio Edu (interrompendo) – “Gostou sim Ritinha, ele é um menino muito bom, não reclama de nada”

Abraçou a Tia Rita, e mandou que fossemos já nos arrumando para o baile. Sr Antonio foi conversar com Tio Edu, e eu acompanhei o Pedrinho. Chegamos ao quarto, era lindo, tinha 2 beliches (coisa que eu nunca tinha visto), dizendo que ele dormia encima e o Dudu embaixo. Não vi o Dudu

Eu – “Pedrinho, cadê o Dudu?”

Pedrinho – “Ele vai ser o par da Filó no baile, e está se arrumando na casa da dona Lúcia, mas, deve estar quase voltando”

Dudu – “Quem está voltando?”

Pedrinho (rindo) – “O Ric tinha perguntado de você, deve estar com saudades”

Dudu (vindo me abraçar) – “Tava com saudades do Duduzinho é?” – enchendo a mão direita no pau dele

Eu – “Não é isso não, é que não tinha te visto”

O Dudu estava lindo, vestido que nem um noivo, e dizendo que hoje seria um dia muito bom,
Pedrinho me chamou para irmos tomar banho e nos arrumarmos também. Fomos para o banheiro que tinha uma banheira muito bonita, e ele já foi enchendo e tirando a roupa, falando para eu também tirar a minha.

Pedrinho (de pau duro e cochichando) – “Ric, deixa eu meter um pouquinho, estava com saudades”

Eu (já ficando inclinado e de costas para ele – também cochichando) – “só um pouquinho, pois estou um pouco dolorido”

Pedrinho (já me penetrando) – “Hummmmm, entrou facinho….., está uma delícia” ele gozou rápido.

Entramos na banheira, e tomamos nosso banho, saímos e fomos nos arrumar, Dudu estava no quarto e fez sinal para eu ir até ele, me virou de costas, abriu minha bundinha e viu meu cuzinho.

Dudu – “Hummmm, que delícia, está bem vermelhinho, dói muito?”

Eu (rebolando devagar no dedo do Dudu que me penetrava) – “Um pouco, não muito)

Ele deu um tapinha de leve na minha bundinha e mandou eu me arrumar. Ficamos prontos e fomos indo para a sala principal da casa, lá estavam conversando o Sr Antonio e o Tio Edu, e quando passávamos por eles, o Sr. Antonio chama o Dudu para conversar com eles. Pedrinho e eu nos dirigimos para o local que prepararam para a realização do baile.

Era um salão grande, montado em um galpão da fazenda, tinha um palco onde tinham instrumentos e os músicos estavam ajustando seus instrumentos, um tablado grande no centro e ao redor as mesas onde ficaríamos, a nossa, ou seja a que era para a família do Tio Edu, ficava bem próxima ao palco dos músicos.

O baile foi algo muito bonito, eu ainda não tinha ido a nenhum, aproveitei para comer tudo que eu não conhecia, rssssss. Uma delícia.

Durante a apresentação da “Debutante” todos ficaram em pé e foi tocada uma valsa, onde a Filó dançou com o Sr Antonio, todos aplaudiram, então Sr Antonio chama o Tio Edu, que levou o Dudu junto, e lá anunciaram que estavam começando um namoro, e que logo fariam o noivado e casamento. Foi muita alegria para a Tia Rita, que até chorou de felicidade. Dai a festa rolou noite à dentro. Como Pedrinho e eu estávamos com vontade de dormir, e sabíamos onde era nosso quarto, nos dirigimos para dormir.

Chegando ao quarto, fomos deitar nas camas superiores dos dois beliches, e praticamente apagamos. O baile já havia acabado e todos foram dormir, e no meio da madrugada o Dudu entra no quarto, acordo com um dedo grosso sendo enfiado no meu cuzinho.

Dudu (pondo a outra mão na minha boca) – “Psss, Ric, preciso comer teu cuzinho agora, estava com a Filó, ela mexeu comigo, preciso descarregar minhas bolas” já me pegando no colo e colocando na cama de baixo com ele.

Eu ainda sonolento nem estava entendendo muito o que estava acontecendo, mas, me entreguei. Ele deu uma cuspida na mão e passou no meu cuzinho e foi colocando aquele pauzão para dentro, me provocou um pouco de incômodo, não tive um preparo….

Eu (gemendo) – “Ai Dudu, devagar, tá doendo “

Mas o Dudu socava sem dó e ia ganhando o fundo do meu cuzinho, que aos poucos começava as relaxar e aceitar a foda firme que estava levando. Eu já estava curtindo quando ouço a porta ser aberta e passos vindo em nossa direção, Dudu não parava, só começou a estocar mais devagar, eu fiquei apavorado,…

Tio Edu – “E ai, não vão dormir não?”

Dudu – “Pai, eu preciso me aliviar, estava com a Filó, ela deu uma pegada por cima da calça, mas não dá para fazer mais nada. Então, tenho que gozar…”

Tio Edu (passando a mão nos meus cabelos) – “Ric, está bem assim, ou quer que pare?”

Eu (envergonhado mas gostando) – “Ta gostoso assim tio”

Nisso, o Dudu goza muiiiito dentro do meu cuzinho e tira aquele pau pulsando e sai da cama….

Tio Edu (se posicionando na cama, no lugar do Dudu) – “Ric, o tio vai colocar só um pouquinho tá?” já iniciando o processo doloroso que era receber aquela trolha enorme dentro do meu cuzinho,

Só balancei a cabeça concordando e aguentando. Como meu cuzinho já estava cheio da porra do Dudu, o pau do tio Edu foi deslizando para dentro…., mas o tio fez um vai e vem bem devagar, estava curtindo.

Dudu (com o pau duraço) – “Pai, deixa eu mais uma vez, meu pau não baixa, este cuzinho do Ric é muito gostoso”

Tio Edu (saindo de dentro de mim) – “Tá bom, vou lá dar um trato na Ritinha”, ele me da um beijo na testa, enquanto o Dudu começa a me fuder outra vez, e diz “Teu cuzinho é a coisa mais gostosa que tem, amanhã você vai ser só meu”, e saiu do quarto.

Dudu, enquanto me comia, me falava um monte de coisas que me deixavam apaixonado por ele, falava que eu era muito gostoso, bonito, que minha bundinha não tinha igual, que eu era muito melhor que o Pepo, e, quando o tio Edu tinha dito que queria me comer ele teve medo do pai dele estragar meu cuzinho, mas, sentindo agora, mesmo com o tio Edu ter me comido a noite anterior inteirinha, ele estava ótimo de meter. Gozou como um louco e pediu para eu continuar dormindo com ele, bem abraçadinho (com o pau dele dentro), desconfortável, mas apaguei.
Acordei sozinho na cama, o Dudu tinha saído. Pedrinho estava levantando e me viu deitado na cama onde o Dudu tinha dormido

Pedrinho (com olhar intrigado) –“Ué, o Dudu não veio dormir?”

Eu –“Veio sim, mas pediu para eu dormir com ele”

Pedrinho – “Que gostoso, e ele meteu em você?”

Eu – “Sim, a madrugada toda, até eu dormir”

Pedrinho – “To com muita vontade de meter em você”

Eu – “Tá um pouco ardido, não vou aguentar agora, o Dudu e teu pai me comeram”

Pedrinho – “Poxa, então chupa meu pau?” já trazendo aquele pau gostozinho na minha boca,

Mamei até ele gozar, e gozou rápido. Nos arrumamos e fomos tomar o café da manhã e logo iríamos embora, pois era domingo e tio Edu queria chegar a tempo de ajustar as coisas no sítio.
Durante o Café, o Sr Antonio pediu para que tio Edu deixasse o Dudu lá, para que na segunda desse uma andada pelos campos da fazenda dele, para já ir vendo o que precisava. Ele disse que o convite era para o Dudu, o Pedrinho e me convidou também, mas tio Edu disse que não poderia me deixar. O Pedrinho disse que queria ficar com o Dudu.

Juntamos as coisas e fomos para o Sitio do Tio Edu, fui com ele e tia Rita. Meu cuzinho estava verdadeiramente ardido, mas piscava um monte.

Continua……………

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 32 votos)

Por # #

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Matheus

    Continue a posta, este conto é muito gostoso

  • Responder Hydeck

    Continua vai … Que conto gostoso …. Queria ser o Ric e ter esses machos pra satisfazer toda hora…..

  • Responder Dodo

    Continua Ric todo dia volto pra ver a continuação

  • Responder Paulo

    Não sou de acompanhar contos com mais de duas partes, mas esses, tive que ler tudo! Porra, que tesão do caralho!!

  • Responder Torinho

    Achei interessante, você escreve bem, e é divertido de ler 😀

  • Responder Jotta

    Do momento que a esposa deixou o Ric e o marido retornarem sozinho eu já desconfiei que ela sabia, ansioso pela parte 7 pois ele vai ser todo do tio Edu

  • Responder Daniel

    Não tem como controlar a história porque ele disse no 1º que é uma história REAL. Então ele conta o que aconteceu, apesar que esse negocio da esposa é estranho, ainda mais por nao ficar perto sempre do marido, ia morrer de ciumes e acabar com tudo

  • Responder Augusto

    O conto é bom mais não deixa a esposa saber de tudo e vai tirando o tio Edu aos poucos deixa só o Pedrinho e o Dudu

    • José

      kkk o cara quer controlar o conto todo, deixa o cara.

  • Responder Adalton

    Gosto desse conto, estava ansioso pela parte 6, espero que a parte 7 não demore. Mas acho MUITA forçação de barra a esposa saber que o seu marido e filhos comem ele.