# # #

Gosto de me exibir desde novinha (2)

3704 palavras | 7 |4.51
Por

Esse negócio com o boy da minha mãe despertou meu lado de me mostrar. Era só ela chegar c namorado q eu dava um jeito de desfilar com um shortinho ou saia bem curtos, q sugerissem safadeza.
Aquele lá passou em casa poucas vezes dps daquele dia. Uma ou duas, no máximo. E ela nunca deixava ele só cmg.
Daí um dia ela chegou com outro (q já tinha vindo antes). Os dois tavam bêbados. Mas ela tava caindo de bêbada e ele tava um pouco menos. Eles foram pra sala e ficaram juntos no sofá vendo TV e fumando narguile.
Era meio tarde, umas 11 da noite. Eu tava de camisa grande, sem nada embaixo e com meias e um crocs. Fiquei deitada no chão da sala assistindo filme na TV com eles, de bundinha pra cima, de costa pra eles, com a cabeça apoiada nas mãos.
Um tempo dps minha mãe caiu no sono. Ela dormiu de roncar msm, despencou com a cabeça no encosto do sofá, meio de lado, do lado dele.
Pouco dps ele levantou pra ir ao banheiro e eu pensei q queria ver se chamava a atenção dele. Então puxei a camisa pra cima, deixando aparecer qse a popa da minha bunda. Tava de perninha junta, uma por cima da outra. às vezes balançava no ar, mas não abria.
Ele voltou e sentou do lado dela.
Eu fiquei quieta, tentando ver se ia dar efeito, mas aparentemente não pq tava tudo quieto.
Daí eu ouvi ele chamar ela. Uma, duas, três vezes e ela roncava.
Então ele disse assim:
– Ei, guria.
Quando me virei pra ver o q ele queria, abri as pernas, sem me notar mt. Então nessa hora ele viu minha bucetinha. Deu uma mirada e congelou olhando.
Eu esperei um pouco e falei:
– q?
– é… pode pegar uma água pra mim?
Eu já era acostumada c esses pedidos, então levantei e fui. Voltei e entreguei o copo, ele ficou olhando meu corpo parado do lado dele.
– Teu irmão taí?
– Não, saiu. O Lucca tá com a vovó.
– Hmm…
Ele me entregou o copo e eu fui deixar na cozinha. Dps voltei ao lugar q tava. Deitei de um jeito q a camisa subisse, pq eu gostava msm da atenção. Ficou praticamente no msm lugar de antes, aparecendo quase o começo da bunda.
De onde ele tava, ele alcançava meu corpo c os pés.
Então comecei a sentir ele brincar com meus joelhos, tentando afastar.
Olhei pra trás e sorri, dando sinal verde p brincadeira. Ele ficava brincando sempre na intenção de me fazer abrir as pernas e eu fingindo q n sabia, ia brincando e ora abria, ora fechava.
Daí uma hora ele tirou o sapato e ficou descaço. Então pôs os dois pés entre as minhas pernas, de um jeito q não dava mais pra eu fechar. E eu forçando contra os pés dele, como se fosse conseguir fechar à força. Qt mais eu forçava pra fechar, mais ele forçava p abrir, até q chegou um ponto q eu já tava (de novo) toda arreganhada na frente de um boy da minha mãe.
Passou pouco tempo assim e parei de fazer força pra fechar. Senti ele tirar um pé, mas msm assim não tentei, como se tivesse esquecido da brincadeira. Eu tava correndo risco pq se minha mãe acordasse eu morria de apanhar.
Mas o ronco do motor ali dava sinal de q não ia acordar tão cedo.
Dps ele tirou o outro pé, continuei toda aberta e ele colocou os dois pés em cima do meu bumbum como se tivesse fazendo massagem. Eu ri e ele continuou. Sentia ele abrir minha bunda. Ele encaixava ali os pés na popinha e abria expondo meu cuzinho e minha xaninha. Aí fingia massagear com os pés, mas isso fazia só me abrir e exibir. Eu tava adorando.
Então senti um dedão dele vir no meu rego e ir descendo. Ele foi descendo com o dedão por cima do meu cuzinho, era gostoso. E chegou na minha xaninha. Subiu e desceu várias vezes e voltou pro meu cuzinho, forçando tentando entrar. Mas claro q não ia.
– Ei, pequena, vem cá.
– Q?
– Vem aqui, guria.
Levantei e parei de frente pra ele.
– Pega outra água pro tio.
Obedeci. Quando fui entregar o copo ele segurou minha mão e me puxou pra perto dele. Eu tava do lado do braço do sofá. Ele passou um braço por trás de mim.
– Vc é uma guria linda demais.
E ficou alisando minhas costas até descer pra minha bunda. Ficou bebendo devagar a água com a outra mão.
Senti alisar minha bunda e descer pelo meu cuzinho, q ele alisou e desceu mais, indo pra minha xaninha.
– Que delícia de buceta. Ta meladinha, sua safada. Ele sussurrou.
Aí voltou com os dedos pra trás e foi enfiando no meu cuzinho.
Senti o dedo dele entrar, não doía, era estranho, mas não doía.
– Vc sabe o q é uma rola?
Fiz que sim com a cabeça.
– Alguém já meteu em vc?
Fiz que não.
– Deixa eu meter?
Eu não respondi.
– Vem cá, senta aqui.
Eu pus o copo em cima da estante e fui. Antes de sentar, ele tirou o pau pra fora. Era mais fino e menor que o outro. E era vermelho.
– Já viu uma dessas?
Fiz que sim.
– É? onde?
Apontei pra minha mãe.
– Hmmm, já viu ela levando rola?
Fiz que sim.
Ele me puxou pro colo dele e encaixou bem em cima do pau dele. Senti aquilo esfregar na minha xaninha. Era mt gostoso, pq era macio, quentinho.
– Tá bom?
Fiz que sim com a cabeça.
Ele me esfregou mais e encaixou na minha bucetinha e ficou tentando meter, mas doía e eu tentava sair.
– Calma, gatinha, calma, deixa eu te furar gostoso.
Não tava gostoso e fui ficando nervosa. Ele tentava meter e eu sentia pressionar mas parecia q ia me rasgar e eu tentava fugir. Eu consegui me soltar e corri pro meu quarto e tranquei a porta.
Ele ainda tentou entrar, mas não conseguiu.
Eu tava morrendo de medo.
Ele chamou de novo e disse:
– Desculpa, princesa. O tio vai só brincar e não vai machucar, prometo. Abre a porta, vc tava gostando antes.
Eu tava com mt medo e não abri.
Deitei na cama, torcendo pro meu irmão chegar.
De repente ouvi barulho na sala e olhei pelo buraco da fechadura. Dava pra ver o sofá, ele tava metendo violento na minha mãe. Ouvia só ela gemer meio dormindo e o barulho do corpo dele batendo com força no dela.
Deu um tempo, ouvi ele sair de casa e o barulho do carro. Tomei coragem e fui pra fora, tranquei a porta e fui ver minha mãe. Ela tava de costas com os travesseiros embaixo da cintura. Bem empinada e toda arreganhada, totalmente desmaiada, com as calças no pé. Olhei e vi o cu e a buceta dela totalmente vermelhos. Nem mexi com ela. Voltei pra me trancar no quarto.
Qdo meu irmão chegou já era tarde da noite e eu tinha pego no sono. Ouvi ele brigar com minha mãe mandando ela ir pro quarto e chamando ela de puta nojenta.
No outro dia, ele me chamou pra conversar e pediu quem tava c ela. Eu disse o nome do boy da época. Ele pediu se ele mexeu comigo (eu neguei) e se eu vi ele fazendo alguma coisa c a mamãe. Eu neguei tb. Disse q qdo eles chegaram eu fui dormir.
Eu não tava mt ciente do risco q eu passei, então eu continuei me exibindo pros caras q minha mãe levava lá pra casa. Todos ficavam interessados e eu me sentia melhor naqueles momentos.
Mas às vezes demorava aparecer algum, pq ela saía com alguns e não levava lá pra casa.
Então eu comecei a me exibir pro Jonny, pq eu fingia q ele tinha interesse. Eu dormia sempre de camisão ou saia, nunca de short. E sempre q ele tava lá e eu fingia dormir, eu dava um jeito de me abrir. Ele parecia nem ligar, mas eu fingia q ligava e isso me deixava babadinha.
Um dia, eu tava deitada na cama, de bunda pra cima, fingindo q algum boy da mamãe me olhava.
Puxei o shortinho ao máximo. Era tão velho e fino que ficou parecendo uma calcinha fio dental e na frente deixou escapar um lado da minha rachinha.
Estava desenhando e pensando q um namorado da mamãe mexia comigo, qdo o Jonny entrou. Eu não podia me ajeitar de repente, senão ele ia saber q eu tinha feito de proposito. Então fingi total inocência.
Ele rodou no quarto por um tempo dps sentou do meu lado.
– Mana, fala aqui cmg.
– Q foi, mano?
– Quem puxou seu shortinho assim?
– Ngm. Ficou sozinho.
– Mentira, não ia ficar assim sozinho.
Sem saída, eu inventei outra história. Disse q tava fingindo q tava na praia. ‘Brincando de fingir’ q eu dizia.
– Tá. Mas não fica assim na frente de homem de fora, tá?
– Hm, pq?
– Não interessa, não fica.
-Tá.
Continuamos ali. Estávamos só eu, ele e o Lucca tava (qse sempre) na casa da minha vó.
Então ele resolveu jogar video-game no quarto. Era um video-game emprestado q ele colocava na TV q tinha ganho do pai dele.
Meu pai não tinha contato cmg, mas o dele pagava pensão a ele e era legal com ele.
– Vou ficar na sua cama q é melhor de ver a TV daqui, tá?
Concordei e continuei rabiscando e brincando de fingir (só q não fingia praia).
Ele encostou na ponta da cama q ficava por trás de mim. Ou seja, tinha uma visão da minha bundinha atolada.
Eu fingia q ele se interessava e vez por outra abria as perninhas, fazendo de conta q ele era um boy da mamãe.
Ele pareceu não ligar e eu acabei ficando de perna aberta. Do jeito q ele sentou, uma perna tava pendurada pro chão e outra esticada na cama, e eu passei uma das minhas pernas por essa.
Então uma hora ele falou:
– Vou colocar a outra perna na cama, mana q tá formigando. Põe a sua por cima tb.
Ele colocou e eu pus, mas tava meio distante, então tive q ficar bem arreganhada. Pra ter uma ideia, parecia q eu era uma tesoura pqna e ele uma tesoura grande, e as pernas da gente passavam uma por cima das do outro.
Assim ele via minha bundinha c/ aquele fio dental forçado e uma parte da minha xana escapando do short.
Ele veio perto de mim e passou a mão no short.
– Deixa eu ajeitar isso. Tá entrando na tua ppk, vai machucar. Tá mt pequeno.
– Machuca não, mano, Ele tá bem frouxinho.
Ele pegou a parte da frente do meu short encostando na minha xaninha e me fazendo vibrar. De um jeito carinhoso, passou a mão e foi puxando a parte q entrava, mas os dedos encostavam na minha xana.
– Eita, guria, tu fez xixi na calça? Tua ppk tá melada.
Ele e eu sabíamos q não era xixi.
– Não sei, mano. às vezes fica assim.
– Deixa eu ver.
Ele puxou o short pro lado e eu me abri mais como se tivesse abrindo pra ele examinar.
– Posso passar o dedo aqui pra ver se tá dodói?
– Pode.
Ele passou pra frente e pra trás. Nossa q delícia! Me abri parecendo uma putinha.
– Tá ficando mais melada, mana.
– É gostoso.
– Alguém já fez isso em vc?
Eu menti q não. Tive medo dele brigar.
Nessa hora vovó chegou em casa atrapalhando a vida. Ela trazia o Lucca e pedia pela minha mãe.
Eu fui ao banheiro pra disfarçar e fui tomar banho enqto ela tava lá. Ela deixou o Lucca com a gente e pouco dps mamãe chegou do trabalho, então não rolou mais nada.
Mas eu continuei me exibindo sempre q podia.
Meu irmão não mexeu comigo uns dias. Mas acho q uns 3 ou 4 dias dps, ele não resistiu.
Ele tava no quarto vendo filme e eu inventei de tomar banho. Sai usando só um vestidinho q era mt curto pra mim, sem calcinha pra variar.
Fui deitar na minha cama e subi meio de quatro, já me exibindo p ele.
– Ô mana, vc num tem calcinha?
– Tenho não. Tão rasgadas.
– Putz, veste uma aí, msm rasgada. Fica com essa buceta de fora.
Eu fingi q não notei ele falando assim. Fui no guarda-roupa, achei uma bem velha, bem frouxa e sem o elástico das pernas. Vesti. Foi msm q nada! Qqr movimento, minha ‘buceta’ tava dando as caras. E ele não resistia e dava uma olhada, por mais q tentasse.
Ele tava deitado na cama dele, vendo filme e eu sentada na minha, encostada na parede, toda arreganhada pra ele ver minha bucetinha.
Ele olhava pro filme e olhava pra mim. Vi o short armar uma barraca e ele colocou o travesseiro em cima do pau e uma mão por dentro. O travesseiro ficou meio q fazendo uma parede entre mim e ele, mas msm ele disfarçando eu via ele mexer o braço.
Isso me deixava melada, pq eu sabia q ele tava me olhando.
Nisso o travesseiro caiu um pouco sem ele perceber e eu vi a cabeça do pau dele. Qdo ele me viu olhando fissurada, ele se tocou e subiu o travesseiro de novo, e eu abaixei a vista assim, meio desapontada.
Mas ele olhava fixo minha xaninha e eu ficava mexendo na calcinha distraída, mas pra aparecer mais, pra ele ver tudinho.
Uma hora ele saiu correndo do quarto e dps voltou bem mais aliviado.
– Que foi isso, mano?
– Nada. deu vontade de fazer xixi de repente.
Nisso ele tirou o travesseiro e ficou de bermuda vendo o filme, mas eu continuava tentando fazer ele ficar me olhando. Não deu meia-hora, tinha conseguido atenção dele.
– Vou fechar o olho pra dormir um pouco, maninha.
– Tá.
Fiquei meio chateada mas logo vi ele com o braço por cima dos olhos vendo minha bucetinha escondido.
Um momento me distraí olhando pra ela e quando olhei pra ele, vi a cabeça do pau dele saindo pela perna do short, como se fosse ‘sem querer’. Fiquei olhando, levantei… Chamei ele…
– Mano?
Nada. Cheguei perto e a piroca dele começou a crescer.
Passei o dedo devagarinho e fui tomando coragem de pegar. Apertei a cabeça, alisei, senti o cheiro. Mexi tanto q já tava pra fora do short mais da metade. Passei a língua pra sentir o gosto, pus a cabeça na boca (sabia q os homens gostavam disso, pq via mamãe fazendo) e dei umas chupadinhas.
Tomei coragem (tava bem taradinha isso sim), tirei a calcinha e subi na cama dele. Tentei sentar em cima, mas pela posição ficava ruim. Então sentei na barriga de costas pra cara dele, me abaixei e comecei de novo a tentar mamar a cabeça do pau dele. Era pequeno e fino comparado os boys da mamãe, mas era gostoso e macio.
Nisso ele se mexeu e eu me assustei. Olhei pra trás de repente e ele tinha tirado o braço do rosto e tava me olhando.
– Mana, onde tu aprendeu isso?
Eu tremi e saltei da cama. Fui pra minha.
– Fala logo. Vem cá.
Levantei, fiquei em pé do lado dele.
Ele tinha guardado o pau mas fazia uma barraca.
– Alguém fez isso contigo?
Fiz que não.
– Jura?
Fiz que sim.
– Onde tu aprendeu?
– Vi a mamãe fazendo.
– Hmmm… Onde?
– No quarto, na sala.
– Ela faz na tua frente?
Fiz que não.
– Eu vi escondido.
– É? Gosta de ver?
Fiz que sim.
– E pq tava pegando na minha pica?
– Pq queria saber como era.
– Tu mamou no meu caralho.
– Sim. Eu queria saber o gosto.
Falei quase chorando.
– E é bom?
– É.
– Quer mamar mais?
Eu nem acreditei. Olhei pra ele. Ele tirou o pau pra fora da bermuda, desceu a bermuda até as coxas.
– Vem, chupa aqui. Tava bem gostoso.
Eu cheguei perto e fui pondo na boca de novo. Ele foi me dizendo o que fazer. Pra passar a língua até o talo, lamber as bolas. Ele não tinha pelo, acho q raspava tudo. Quando pus a boca na pica de novo ele segurou minha cabeça e empurrou, me fazendo subir e descer. Ele gemia e eu sabia q ele tava gostando. Engasgava mas tava feliz de agradar ele.
– Isso guria boqueteira, chupa, mama gostoso, aperta mais, vai.
Chupei até cansar e parei.
– Não quer mais?
– Agora não, cansei o queixo.
– Então senta aqui, vai.
Ele me pôs no colo e sentei na piroca dele como eu queria. Ele segurou minha cintura e ficou esfregando com força, indo pra frente e pra trás e gemendo.
– Nossa, guria, tu é mt putinha. Vive melada.
Ele levantava meu corpinho me fazendo ficar de cócoras no pau dele e ficava esfregando a piroca na minha buceta e cu e assistindo. às vezes ele encaixava e fazia q ia empurrar, mas não forçava.
– Vem cá, chupa mais um pouquinho do jeito q vc fez qdo eu tava dormindo.
Eu virei de costas pra ele e comecei a mamar. Ele veio de boca na minha xaninha e começou a me chupar tb. Era mt bom!! Eu me abria toda e ele ficava tentando empurrar a língua e com o dedo cutucava meu cuzinho. Nem notei mas quando vi ele tinha enfiado o dedo no meu cu e tava metendo e tirando. Eu tava adorando! Ele me chupava inteira, mordia devagar minha xaninha e forçava o dedo no meu cuzinho pros lados. E eu ficava atracada naquela piroca dura dele, fazendo ele feliz.
Uma hora ele me afastou, me fazendo sentar na rola dele de costas pra ele. E ficava me segurando na cintura. Eu tava com os pezinhos na cama e ele me fazia subir e descer batendo no pau dele. Então encaixou o dedo no meu cuzinho e eu fiquei fazendo isso enqto ele dedava meu cu com uma certa força, q doía mas era gostoso.
Uma hora ele tirou o dedo.
– Deixa eu tentar meter no teu cu.
E encaixou o pau na entrada do meu cuzinho, q já tava todo esfolado. A cabeça passou meio arreganhando, mas dps ele foi metendo o resto. Ele se empolgou e eu fiquei ali tomando no cu pela primeira vez, sentindo dor mas um certo prazer de ser mulher e ter alguém q me queria.
– Que cuzão gostoso, mana. Diz pra eu meter no teu cu.
– Mete no meu cu.
– No teu cuzão.
– Mete no meu cuzão, mano. (eu falava no meio de um monte de gemido).
– Isso, putinha. Pede pra eu arrombar teu cuzão.
– Arromba meu cuzão, mano.
– Tô arrombando, sua safada. Tá gostando. Tá sentindo meu caralho no fundo do teu cuzão?
– Tô.
– Tá gostoso?
– Tá gostoso.
– Vou gozar, vou gozar no teu cu. Pede pra eu encher teu cu de porra.
– Enche meu cuzão de porra, mano.
– Issoooo, isso, vou encher, vou te esporrar fundo.
Ele se empolgou e veio por cima de mim, sem desengatar, me fznd ficar de 4.
Ele segurou minha cintura e tava c um pé no chão e outro na cama.
– Isso, isso, vou encher teu cuzão de porra. Lá vai, lá vai.
E de repente senti o pau dele soltar jatos no meu cuzinho. Eu tava mt cansada e ardia, mas eu tava feliz pq sabia q ele tava gostando mais de mim.
Ele parou um pouco enqto saía, dps levantou, foi ao banheiro e voltou com o pau fora da bermuda, meia bomba.
Eu tava deitada na cama, bem suadinha.
– Nossa, mana, olha, vc deu o cu gostoso. Gostou?
– Gostei, mano.
– Quer fazer de novo dps?
– Quero.
Ele deitou e me colocou no peito dele.
– Não conta pra ngm, é segredo. Mas a gente faz sempre q vc quiser.
Dormimos abraçados ali, eu nuazinha. E dps desse dia, toda noite eu dava o cuzinho pra ele, mamava e era mamada, na minha cama, c meu irmãozinho dormindo ou acordado na cama dele.
Ele não comeu minha bucetinha tão cedo, foi meu padrasto na verdade. O pai do Lucca que de tanto ir e voltar e levar chifre, engravidou minha mãe de novo da Thayssa e acabou conseguindo ‘casar’ com ela de vez.
Mas eu adoro me mostrar e levar umas picas gostosas de homens mais velhos. Pra ter uma ideia, até o pai do Jonny já meteu gostoso em todos meus buracos e pra isso deu uma nota pra gente.
Mas dps eu conto!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,51 de 37 votos)

Por # # #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder 3l14m4

    Sou homem, Já me exibi em cinema porno, foi assim que consegui marido por quase 5 anos.

  • Responder Marcos999

    Olá Thayssa
    Gostaria de conversar com você
    Se puder entre em contato comigo pelo e-mail
    [email protected]

  • Responder James

    Ansioso pela parte 3

  • Responder Aleatório

    Eu também sou de Curitiba, gostei muito dos dois textos, continue, ficaram bons, mesmo sendo uma história um tanto quanto triste

  • Responder marcos

    Que deliiiiiiiiiiiicia de conto menina, safadinha, se quiser entrar em contato mande email
    [email protected]

  • Responder Velhinho

    Conta sim. Muito gostoso. Quero saber mais…

  • Responder Vanderlei

    Sou de Curitiba como queria poder sentir o chero de sua Bucetinha e encjeresse cu de pora.