#

Virando mulher aos 13

1556 palavras | 0 |4.24
Por

Virando mulher com 13 anos. Me chamo Flávia, sou noreninha, magrinha, tenho olhos cor de mel, cabelo na altura dos ombros e uma bunda pequena mas bem empinadinha.
Eu com 13 já tinha um namoradinho de escola, de 15 anos, mas nada sério, eu era muito inocente e quando ele tentava alguma coisa eu sempre saia, arrumava uma desculpa e dizia que não podia… Eu sempre fui religiosa e pra mim sexo só no casamento.
Eu fui pra cidade grande trabalhar numa casa de família, que era um casal de velhos amigos da minha família, trabalhando de doméstica, fazia de tudo lá, ganhava um dinheirinho pra mandar pra meus pais no interior, eu adorei tudo aquilo e a casa da família era bastante acolhedora, meus patrões ficavam o dia todo fora, assim como o seu filho mais velho,o gil de 25 anos, esse eu quase não via lá mas o mais novo, o Lucas, ficava em casa direto; e era bem safado.
Ele fazia questão de andar de cueca pela casa e sua mãe, dona Sandra todo dia dava bronca. Várias vezes já peguei ele se masturbando ou uma cueca suja de porra. Isso me deixava muito constrangida mas eu nunca reclamei com os pais dele.
Depois de um tempo nesse trabalho, o Lucas começou a ficar mais safado comigo. Enquanto seus pais estavam fora, eu tava fazendo minhas obrigações, lavando louça e ele chegou por trás de mim e começou a se esfregar, me chamando de gostosa o tempo todo.
Fiquei nervosa com seu pau duro
Ele notou e perguntou o que eu tinha, ficou tentando me animar, me abraçava e dizia pra eu não ficar triste, mas nesse abraço senti um volume crescer no seu short e fiquei nervosa, sem reação mesmo, não conseguia me mover e deixei rolar num misto de medo e tesão.
Ele disse que queria me mostrar uma coisa, me levou pra o quarto dele, eu era uma menina super inexperiente, nem pornô eu tinha visto nessa época, minha educação foi super religiosa. Ele me levou pra cima, me mandou sentar na cama e disse que tinha comprado um presentinho pra mim, afinal era fim de ano e ele deu a desculpa do natal.
Quando abri o pacote era uma lingerie vermelha toda rendada e minúscula. Nunca pensei em usar isso na minha vida, pra mim era coisa de prostituta, mas por alguma razão com o meu patrão eu tinha vontade de me soltar inteira, ele me fazia sentir muitas coisas que na época eu não entendia mas hoje sei que era muito tesão.
Ele perguntou porque eu não experimentava, eu fiquei relutante mas ele insistiu tanto que acabei cedendo. Ele ficou me olhando com cara de safado dizendo que fiquei uma delícia, então ele pegou minha mão, passou por cima do short dele e me fez sentir aquele pau duro. Eu lembro que tomei um susto porque achei grande e grosso, sabia que ele estava doido pra me comer mas achei que aquele pau jamais ia caber na minha bucetinha virgem. Ele começou a me abraçar fortemente por traz, tentei escapar de lá mas …
Ele então tirou o que eu tava vestindo, me virou de costas, abriu minha bunda parecendo que ia rasgar e começou a esfregar seu pau, roçando gostoso. Ele viu o quanto eu tava molhada e comentou que eu era muito safadinha e que ia me comer.
Falei que era virgem, ele parou, olhou meio espantado e disse que ia ser carinhoso comigo. Foi na gaveta, pegou uma camisinha e colocou no seu pau enorme. Ele todo autoritário me puxou pelo braço e disse pra eu deitar na cama. Assim que deitei ele começou a dizer:
– Abra as pernas gostosa, vou te fazer mulher hoje, você vai gostar tanto de dar que não vai mais querer parar – Eu fiquei nervosa, meu coração tava a mil, meu corpo tava pegando fogo e minha buceta tava encharcada de tesão. Ele veio subindo em cima de mim, colocou seu pau na direção da minha cara e mandou eu chupar seu saco.
Chupei, ele foi me dizendo como eu deveria fazer e ele soltava uns urros de tesão que me deixava mais excitada ainda. Ele então começou a bater levemente com seu pau na minha cara enquanto dizia que eu era linda, gostosa, que adorava minha buceta lisinha e queria chupar meus peitos e me ensinar como se goza gostoso.
Ele foi descendo, segurou meus tornozelos pra eu não fechar as pernas. Eu tava muito tímida, então ele segurando veio na direção da minha xaninha e começou a beijar, me deixando com cócegas, mas quando ele passou a língua eu fui ao delírio, fiquei louca, ele começou a passar a língua e os lábios no meu grelo, me deixou mais molhada quando começou a sugar e eu relaxei, gemi, quase gritei de tesão, eu nunca tinha experimentado sensação mais gostosa.
Depois de uns minutos me chupando comecei a sentir meu corpo elétrico, minha xana latejando, uma sensação estranha acompanhada de um prazer gigante. Ele me disse que eu tinha gozado. Nem acreditei que tinha perdido isso por tanto tempo. Sexo era uma delícia!
Ele começou a passar a mão na minha barriga de leve, foi subindo até abocanhar meus seios. Os bicos estavam bem durinhos, ele chupou gostoso, foi mais uma sensação que nunca provei e logo eu tava bem molhada de novo, então ele abriu minhas pernas, disse pra eu relaxar e foi encaixando seu pau na minha bucetinha.
No começo foi só dor, mas ele foi devagar, colocando até eu ficar preparada, aí ele começou a meter e o tesão foi ficando mais forte. Ele começou a bombar mais rápido, eu gemia de prazer enquanto ele urrava e me comia gostoso, dizendo que minha buceta era a mais apertadinha que ele já tinha comido. Saiu um pouco de sangue mas nada que atrapalhasse nossa transa.

Ele me comeu com vontade, deixou minha xaninha toda dolorida, eu no outro dia não aguentei, mas valeu a pena cada segundo que fui comida por aquele pauzão.A partir daquele dia virou festa, me comia direto; ele me botou pra sentar na sua pica, eu não aguentei mas ele ia metendo devagar enquanto chupava meus peitinhos e deixava marcas.
Depois disso ele me pega pela mão e me leva pra o banheiro enquanto fala que foi uma delícia e que aprendi a chupar seu caralho direitinho. Eu fiquei louca por ele, acabei me viciando, a gente deu mais uns amassos no banheiro, chupei o pau dele e nos dias seguintes a gente trepava direto., e ele começou com umas ousadias comigo…começou a enfiar um dedo na minha bunda!! Eu reclamava mas ele se aproveitava quando eu estava gozando, sem força e atochava seu dedo no meu cuzinho, dizia que ia comer meu cuzinho….eu falava: tá louco!! Ai não pode, num quero..e ele foi ficando ousado até que um dia, ele me pois de bruços e chupou tanto minha bunda que peidei de tesão, ai ele disse: vai ter que deixar eu comer esse cuzinho se não vou dizer que você é PEIDONA!!, morri de vergonha, ainda mais quando ele começoua passar um gel no meu rego… depois de me deixar completamente louca de tesão e meu cuzinho roxo de dedadas, ele me segurou por traz apontou sua pika no olho do meu cuzinho e cochichoi no meu ouvido: AGORA VOU COMER ESSE CUZINHO GOSTOSO!! E CREAW !!enfiou su pika lá , no inicio ele colocou até a metade pra eu me acostumar, até que ia aguentando de boa mas depos…ele enfiou tudo,foi até o talo, gritei,chorei, e até me mijei mas assim tomei no cú pela primeira vez com 13 anos, achava que não aguentaria uma rola daquele tamanho até tentei sair , não consegui e assim fui emnrabada a força, ele foi forçando, forçando, eu chorando, sentindo minhas pregas estralarem na ponta de sua enorme pica, ai AAIIINNNSSS!!! foi até o fundo no meu rabinho, chorei na rola dele por 10 minutos, ele arrombou meu cuzinho e gozou como um cavalo lá dentro… agora quase todos os dias ele me enraba,meu cuzinho já está laceado mesmo e acho que ele falou pro seu irmão mais velho pois este já está ficando assnahado comigo… certo dia vi os dois conversando e rindo ai perguntei o que eram eles riram e disse que tinha uma surpresa de aniversário pra mim. Eu estava prestes a fazer 14 anos na outra semana quando tive meu cuzinho praticamente rasgado
Eu estava prestes a fazer 14 anos na outra semana quando tive meu cuzinho praticamente rasgado na pika
Os dois me cataram no quarto e me comeram de todas as formas e até fizeram uma dupla penetração em mim, mas essa é outra estória.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,24 de 33 votos)

Por #

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos