# # #

Meu irmão mais velho e tarado quando vinha do quartel, era só desejo

2495 palavras | 5 |4.86
Por

Ele chegava do quartel estressado e eu é quem o acalmava.

Sou o segundo numa escala de cima pra baixo de oito irmãos, criados normalmente como qualquer família comum. Meu irmão entrou na fase de quartel. Naquele tempo ficava quase quinze dias ou mais lá,sem poder vir pra casa. Nossas diferenças de idade é de 3 anos. Quando vinha pra casa chegava estressado, dando fora em todos e até minha mãe tomava uns coices de vez em quando e ela ralhava com ele. Então ele pedia desculpas. Ela entendia que era por ficar preso dentro do quartel ,porque o normal dele não era esse. Perto de nossa casa tinha um grande campo aberto cheio de capim alto,tipo capim navalha (pra quem conhece). Antes do quartel era ali que passávamos o tempo, andando por dentro da mata, procurando novidades que a natureza sempre oferecia. Toda a tarde era assim. Um dia o meu irmão foi mijar,ficou meio de lado e olhei pro seu pau num momento de distração dele. Fiquei maravilhado com o que vi. Uma bela rola que mesmo mole já mostrava o seu poder. Não tinhamos o costume de ficar nus na frente um do outro. Quando ele vinha do quartel era quase sempre numa sexta feira a tarde e ficava até domingo a tarde. Ele ficava puto quando chegava a hora de ir. Num final de semana ele chegou e estava muito alterado, dando coices em todos e minha mãe nos disse para deixa lo só por um pouco até ele se acalmar. No sábado a tarde ele me chamou pra ir na mata pois fazia tempo que não ia lá. Então fomos. Percebi que meu irmão pegou o costume de ficar apertando o pau,coisa que não fazia, e toda vez o seu pau ficava meia bomba. Eu ficava curioso do porque ele fazer aquilo. Então, dentro da mata,ele deu uma apertada no seu pau e eu perguntei se tinha formigas na sunga dele. Ele sorriu e disse que estava cheio de leite no saco e que precisava gozar. Falei pra ele pra bater uma punheta e ele disse que era pouco,que ele precisava comer uma buceta ou um cu,que tinha um cara no quartel que ficava se oferendo pra ele e que ele não pegava porque não era viado. E também que o cara poderia sair espalhando pros outros. Falei que entendia ele e perguntei se já tinha alguém em vista pra comer. Ele me olhou sério e me perguntou se eu poderia ajudar ele. Perguntei como e ele me disse pra me dar o cu pra ele,que sabia que eu não iria sair por aí falando. Finjo pensar um pouco e ele apertando a tora que já estava visivelmente dura. Eu falei que se doesse muito se ele pararia de meter e ele jurou que sim. Ledo engano. Fiquei de quatro dentro do mato e ele veio pra minha frente e falou pra que eu mamasse um pouco e obedeci. Mamava a trolha olhando pra cara dele e ele de olhos fechados, gemendo de prazer até que falou pra eu virar de costas logo se não ele iria gozar na minha boca. Virei depressa e ele começou a mirar meu cu,passava um pouco de cuspe e vinha de novo e nunca entrava. Eu era virgem do cu e tava difícil. Então ele deu um ” cuspão” no olho do meu cu,ficou parado olhando e falou que agora entrava. Me posicionei e ele mirou e me puxou pelos ombros e a caralha entrou toda de uma vez. Quase morri. Que dor dos infernos e pra piorar, tentei sair mais ele me agarrou e só meteu até gozar. Cai no chão e ele por cima de mim,não me largou e o pau não ficava mole e ele começou a socar de novo. Tentei começar a gritar e ele botou a mão na minha boca, apertando com força que quase eu não estava conseguindo respirar,só pelo nariz. Ficamos deitados de lado, engatados igual cachorro e ele gemendo atrás de mim. Mais um pouco e ele gozou de novo. Soltou a minha boca e tirou o caralhão do meu cu. Estava sangrando e cheio de porra. Meu cu começou a por toda aquela porra pra fora e eu e ele olhando. Eu estava em choque com o que ele fez comigo. Lhe disse que nunca mais confiaria nele e que eu contaria pra minha mãe o que ele me fez. Ele forçou um abraço depois que me levantei e me pediu desculpas porque ele não conseguiu se controlar,que foi mais forte que ele mais eu não queria saber. A dor foi absurda. Ele então,mais calmo,me abraçou e dessa vez eu deixei. Ele estava com um cheiro de macho,de homem feito e eu estava sentindo tesão pelo cheiro dele. Ficou abraçado comigo me pedindo perdão e que nunca mais isso iria acontecer de novo. Fomos pra casa depois de dar mais umas voltas no mato pra minhas lágrimas secar e minha mãe não perceber. Meu cu ardia muito. Estava doido pra ir embora pra casa. Quando chegamos minha mãe disse que meu pai já tinha chegado do serviço e que saiu mais logo voltaria e queria ver o meu irmão. Ele tinha muito orgulho do meu irmão estar no quartel. Minha mãe não desconfiou de nada. Então fui tomar banho e meu cu pegava fogo. Quando passei o sabonete não aguentei e comecei a chorar alto por que estava ardendo muito. Minha mãe sem entender,pediu que meu irmão fosse ver o que estava acontecendo. Ele entrou no banheiro e pediu silêncio porque se não minha mãe iria desconfiar e ele estaria fodido. Expliquei o que aconteceu e ele veio por trás de mim e ficou jogando água no meu cu até que ele falou pra minha mãe que ia aproveitar que estava alí e iria tomar o banho dele comigo. Minha mãe sem entender nada, disse que tudo bem. Meu irmão tirou a roupa dele e entrou na água e fiquei de cantinho no boxe. Seu pau começou a ficar duro e ele perguntou baixinho se eu podia mama lo alí. Fiquei meio sem jeito mais a geba dele era linda e caí de boca. Ele gemia bem baixinho e rapidamente ele gozou na minha boca,na verdade na minha garganta pois ele apertou minha cabeça contra ela me fazendo engolir o monstro.me engasguei um pouco e me levantei,fui escovar os dentes ele terminou o banho dele. Quando saímos do banheiro,meu pai estava em pé, próximo a porta do banheiro, nos olhou de cara feia e chamou a gente lá pro quintal. Perguntou porque eu chorei no banho, porque o meu irmão foi tomar banho comigo e o que foi que eu estava fazendo pra engasgar,porque ele ouviu lá de fora,perto da porta. Ficamos sem saber o que responder e então eu falei que havia batido uma punheta pela primeira vez e que no final eu não sabia se era prazer ou dor o que eu estava sentindo, então meu irmão foi ver o que era e eu estava de pau duro no banheiro e ele foi me ensinar como fazia e na hora de gozar pediu pra não fazer barulho,pra minha mãe não ouvir e eu tentei mais me engasguei com o prazer que senti. Foi isso. Meu pai ficou me olhando e depois me deu um abraço dizendo que agora ele tinha dois garanhões na família. Elogiou o meu irmão pela atitude dele e pediu que guardassemos segredo pois isso era coisa de homem. Ele voltou pra dentro de casa e nós ficamos aliviados. Ufa! Passou alguma semanas e meu irmão estava de folga de novo. Confesso que depois que meu cu sarou fiquei louco de vontade de dar pra ele de novo. Então perguntei se ele não queria dar umas voltas na mata. Prontamente ele aceitou. Ele começou a apertar o pau de novo e lhe perguntei se estava com o saco cheio de leite e ele confirmou. Sem ele esperar,tirei meu short e fiquei de quatro,ele veio por trás e cuspiu no meu cu e me enterrou a vara,só que dessa vez mais carinhoso. Entrou tudo,com um pouco de incômodo, mais entrou e deixei ele ir socando devagar até aguentar as estocadas mais fortes. Ele gozava três vezes no meu cu,sem tirar de dentro. Eu estava adorando tomar no cu, ainda por cima do meu irmão. Seu cheiro me deixava doido. Até que um dia o meu pai chegou do serviço e perguntou por nós e minha mãe disse que estávamos andando pela mata. Meu pai não disse nada a ela,apenas saiu e se embrenhou de mata a dentro,atrás de nós. Estávamos deitados no chão,meu irmão me comendo de ladinho,atochava a vara no meu cu sem pena e eu urrando de prazer, chamando ele de pirocudo, de gostoso e etc… Meu pai,ouvindo os gemidos,veio de ponta de pé e nos pegou no flagra. Ficou horrorizado com o que viu. Eu vi meu pai e meu irmão não viu. Meu pai fez sinal de silêncio pra mim e ficou olhando o meu irmão me estourar na piroca. Fiquei todo sem graça e meu irmão toda hora perguntava o que foi que derrepente eu fiquei em silêncio. Eu só dizia que queria ir embora. Então ele disse que estava quase terminando. Depois da terceira gozada nos levantamos e fomos pra casa. Procurei o meu pai com os olhos dentro da mata mais não o vi mais. Chegando em casa perguntei a minha mãe aonde estava o meu pai e ela disse que ele tinha saído. Meu irmão me perguntou como eu sabia que ele havia chegado e então disse que era por causa do horário,que quase sempre essas horas ele já estava em casa. Deu a hora de dormir e nada do meu pai chegar. Minha mãe preocupada,ficava zanzando dentro de casa. Até que ele chegou. Conversaram um pouco e ele foi tomar banho. Mandou ela ir pra cama que ele iria se banhar e jantar. Ela obedeceu. Fiquei deitado acompanhando tudo, morrendo de medo. Como eu iria olhar a cara do meu pai amanhã? Antes de entrar no banho ele veio até a minha cama,me cutucou e me mandou vir com ele até a cozinha. Pensei que ele iria me matar. Fui com ele, sentamos nas cadeiras da mesa que jantamos e ele está só de sunga,me perguntando o que foi aquilo que ele viu lá na mata. Sua cara era de ódio. Eu falei que talvez ele não acreditasse no que eu ia lhe contar mais que também não iria mentir,mesmo que ele me matasse. Disse lhe que tudo começou com o meu irmão estressado por não conseguir ninguém pra descarregar o seu excesso de goza e eu me prontifiquei a ajuda lo, achando que seria bom pra ele. Só que ele se viciou e toda vez que estava em casa me chamava pra mata e lá começava a reclamar que o saco até doía de tanto leite e não tinha ninguém pra ajuda lo. E eu,como irmão, não via nada de mais, contanto que ficasse entre a gente. E é isso o que acontece. Ele anda mais calmo. Meu pai botou a mão na cabeça e ficou pensando em tudo o que lhe falei. Percebi que seu pau estava duro, quando ele tirou o braço de cima. Ele perguntou se tudo começou no banheiro porque naquele dia ele tinha certeza que eu estava engasgado não era de tesão e sim com alguma coisa real. Eu disse que foi tudo na mata,que naquele dia ele só havia gozado duas vezes e que ele sempre goza três vezes. Por isso que rolou um boquete dentro do banheiro e que o pau dele é muito grande e grosso. Por isso me engasguei por ele ter empurrado até a minha garganta. Meu pai se levantou e me puxou por um braço pra dentro do banheiro. Fiquei desesperado porque achei que ele fosse me matar lá dentro. Tentei chorar e ele me mandou fazer silêncio. Entramos no banheiro e ele trancou a porta. Arrancou a sua sunga e perguntou se o pau do meu irmão era maior que o dele e eu disse que sim. Ele mandou eu olhar mais de perto e me aproximei da tora dura. O cheiro era delicioso de pau suado. As veias estavam alteradas e ele ficava dando pinotes pra cima. Pedi pra segurar pra ver se era da mesma grossura e ele deixou. Quando encostei meu pai gemeu baixinho. Persebendo a safadeza do meu pai falei que o do meu irmão era maior e mais grosso porém o do meu pai era mais cheiroso e bonito. Ele perguntou se eu poderia ajudar ele também porque minha mãe estava de Chico e ele também sentia muito tesão, que o saco dele também doía de tanto leite. Falei que sim. Ele me mandou cair de boca e obedeci. Que pau poderoso. Mamei como uma putinha no cio e ele mordia a toalha pra não urrar alto. Depois de muito mamar naquela vara suada ele me virou de costas e mandou me apoiar no vaso sanitário aberto pra ele e assim o fiz. Cuspiu no pau e no meu cu e foi enterrando a vara em mim. Aguentei como um guerreiro que só quer ajudar a minha família e ele se acabou dentro de mim. Meteu muito e se tremia todo de tanto tesão e me encheu de leite com a toalha enfiada na boca. Depois perguntou se eu queria tomar banho com ele e eu disse que sim. Ainda lavei o pau dele e ele o meu cu, enfiando o dedo dentro. Saímos do banho e me mandou ir dormir que amanhã ele iria pra mata comigo na parte da tarde, quando ele chegasse do serviço. Fui me deitar pensando no que ele me disse. Tem continuação. Aguardem. Bjs

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,86 de 43 votos)

Por # # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Pedro

    Muito bom esse conto cara. Continua depois.

  • Responder GAmarques

    ficol show

  • Responder GAmarques

    aiai como queria ,c esse garoto aiaia

  • Responder Jucão

    Delicia….

    .muito bom mesmo.

  • Responder Anônimo

    Gostei, criativo…