#

Com o Primo Pau de Jegue na Fazenda

3142 palavras | 2 |4.46
Por

Olá a todos, me chamo Eduarda, tenho 20 anos, branquinha 1.70cm, magrinha com 58 kg, a questão de ser magra, não tirava de mim meus atributos femininos, aos 12 aninhos eu era uma garotinha linda, com peitinhos pequenos, e uma bundinha bem arredondada, gostava de usar biquines pequenos ou maiôs bem cavados, com cortes que ficavam acima dos quadris, somos de uma familia numerosa, minha vó teve ao todo seis filhos, casou ainda jovem com 16 anos, meu avô vinha de uma familia rica com fazendas e influência politica na cidade, minha cidade fica no agreste Pernambucano as margens do Rio Capibaribe, onde tem a fazenda, É costume dos nossos pais se reunirem na fazenda de meus avós, praticamente todo final de semana, a casa grande da fazenda mais parecia um hotel, primos, primas, com isso nos acostumamos esta sempre juntos, daí as conversas eram abertas, cada um contava suas aventuras, o que vou contar aconteceu quando eu tinha 12 anos em 2013, ja me envolvia com os garotos da escola, ao sair da aula, ia na casa deles sempre com o pretesto de estudar, meus pais não me permitia ter um namorado com aquela idade, mais o tesão que aflorava ja aos 12 anos era muito grande, ao ficar na casa dos meus coleguinhas, normalmente seus pais estavam fora trabalhando, vinham almoçar e retornava para seus trabalhos, era a hora que a gente tambem chegava, quando estavam de saída falavam crianças, muito cuidado, não bagunça a casa coisas assim, meu coleguinha Sandro tinha 13 anos, um dia comesamos a nos agarrar, em seu quarto, beijos abraços, não era esperta neste assunto, ele pediu pra mim tirar minha blusa da farda escolar, fiquei um pouco com vergonha , mais tirei, ele vendo meus peitinhos caiu de boca, chupava um depois o outro, eu me contorcia de desejo, comessou a fazer caricias em minha bucetinha sobra a sáinha, segurei sua mão pra ele não avança, ele me fala, deixa so um pouquinho, consenti, foi subindo minha sáia ate tocar minha calçinha, colocou os dedos pela lateral da calçinha alisando meus pelinhos, me arrepiei toda com o toque dos seus dedos, estavamos de lado deitados em sua cama, ele me beijou, deixei sua lingua entrarem minha boca, suguei com força, ele gemeu aannnn, acho que o machuquei, nisso ele coloca seu dedo na entradinha da minha bucetinha que ja estava toda molhadinha, falei não , não, ele me fala não quer, pensei que queria, falei nunca fiz isso, tenho medo, ele me abraça e fala ao meu ouvido, deixa voce vai gostar, não, não, então pelo menos pega no meu pau, ele se levantou e tirou a calça, seu pau esta tão duro que parecia que ia furar sua cueca, me sentei na cama, ele em pé a minha frente, lhe falei, nunca peguei num pinto de ninguem, ele me fala, abaixaminha cueca, e todo seu, peguei na lateral de sua cueca e fui baixando, seu pau pulou como uma mola, de tão duro ficava apontado para cima, como eu nunca tinha visto um cacete de perto achei que era grande não muito grosso, tinha uns 12 cm, peguei alisando sua extenção, ele respirou forte, mandou eu baixar a mão e subir, feixei a mão e comessei a movimentar, ele estava de olhos fechados, tinha uma expressão de prazer em seu rosto ai falou chupa, chupa, botei minha boquinha eu seu pau, engolhi quase todo, fiquei sugando como se fosse um picolé, gostei tanto do sabor do seu cacete que lhe segurei pelas nádegas puxando ele que meus lábios encostaram em seus pentelhos, ai ele gozou, soltando golfadas de esperma que quase me engasga, fui tirando seu cacete da minha boca que continuava duro, agora parecia seu pau , parecia maior, ai lhe disse me chupa tambem, tirei a sáia a e calçinha com rapidez, me deitei de costas, abri as coxas, ele subiu na cama, indo direto para a minha bucetinha, passou a lingua em minha bucetinha, ergui o corpo, ele segurou em minha bunda me mantendo elevada da cama, sua lingua se movia como se quizese entrar em minha buceta, senti ele colocar o dedo na entradinha daminha bucetinha, tremi, foi forçando e seu dedo entrou, doeu um pouquinho, mais estava gostoso, gritei aaaiiiii, aaaiiiiiii, para, para, ele parou, ai deixou minha bucetinha e comessou a beijar minha virilha, foi subindo, eu estava adorando o contato da sua boca em meu corpo, beijou meu umbigo, foi subindo, subindo, ate meus peitinho, ergui as penas, minha bucetinha ficou totalmente aberta, ele percebendo encostou seu cacete na entrada da bucetinha, ficou indo e vindo entre os lábios da buceta, gemi, aannnn, aaannnnn, puxei sua cabeça para lhe, colamos nossos lãbios num beijo prolongado, seu cacete estava agora precionando a entrada da bucetinha, ergui o corpo ele deu uma empurrada, ai gritei, aaaaiiiiiiiiiiii, entrou, entrou, para, para, ta doendo, ta doendo, ele ficou imovel, sua respiração era forte, passei a mão em minha vagina, estava umida, era sangue que estava saindo, ele ao vê me fala, e normal, quebei seu cabaçinho, senti um certo orgulho em sua voz, lhe segurei por debaixo dos braços, movi meu corpo, a dor estava passando, ai pedi, bota mais um pouquinho, ele empurrou ai colou nossos pentelhos, aaaiiiiiii voce enfiou tudo era so um pouquinho, uuiiiiiii, hhooooo, enfia mais, mais, aaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, bota mais, mais, mais, ele socava tudo que me empurrava na cama, mordi seu ombro, com força ele gritou aaannnnnnnnnnnn, soca soca, quero gozar, bota tudo, tudo, comessei a gritar, to gozando , to gozando, senti algo escorrer da minha vagina que borbulhava, o gozo era intenso, ele deu uma socada tão forte, que bati com a cabeça no espelho da cama, tirou o cacete, e comessou a soltar golfadas em minha barriga que chega ate meus peitinhos, fiquei admirada que tenha tido varios orgasmos e uma gozada intensa, ele olha para o meio daminha pernas e fala, voce expeliu um monte de esperma com sangue, não sabia que mulher tambem soltava porra, lhe falei vou pra casaesta ficando tarde, tomei um banho pois meu corpo estava com xeiro forte do nosso gozo, minha bucetinha continuava ardendo, pois bem passado uns dois meses eu e o Sandro transava todo dia, estava viciada em fuder, então estava a turma reunida na fazendo, a conversa girava em torno de namorado e namoradas, me conta Eduarda estamos sabendo que voce esta namorando com o Sandro, como ele é pegador ou é voce que controla tudo, meu gato é um amor, mamãe ate ja deixa ele ficarem nossa casa, serio comentou Laura, e ficam onde, no quarto , na sala, fiquei meio sem graça com a pergunta, ora ficamos onde queremos, ja chegaram nos finalmentes, poxa Laura, isso a gente não comenta, claro que comenta responde ela, eu por exemplo quando namorei nosso primo Claudio, eu ja tinha namorado outros garotos, e a gente fazia de tudo, agora com o Claudio a coisa foi diferente, ele tem um pau de Jumento, precisei de coragem para encarar aquele monstro, ele me machucava tanto que terminei acabando o namoro com ele, fiquei tensa com o relato, eu ja tinha ouvido falar esta historia sobre ele, mais não imaginava que fosse tão grande assim, saimos do grupo e fomos ate a cozinha, so então lhe falei, tu é doida, falar uma coisa dessa, tudo m undo sabe disso, ate meus pais, mais falei pra eles de que ele não foi o primeiro, Laura tem 17 anos, então lhe disse, o Sandro me fode todos os dias, estou viciada, agora o pau dele não tem este tamanho que voce fala que o Claudio, que tamanho perguntou ela, falei acho que uns 13cm, so respóndeu ela, tu precisa vê o do Claudio, assusta, mais quando entra é muito bom, pena que eu fico toda dolorida por dentro, de vez em quando eu vai lá casa, pra gente matara saudade, so que agora eu não sou boba, fico por cima, assim eu controlo a entrada para não me machucar, falei se tu que tem um corpão desse não aguenta, imagiana eu tão pequenina, que nãda, depois que entra a cabeça, o resto vai fácil, quanto mais entra, mais a gente quer, fiquei imaginando como seria ter um cacete grande dentro de mim, depois do almoço, o Claudio com uns amigos, resolvemos ir na barragem que tem Rio, onde tem uma queda dagua, que usamos para escorregar, seguimos para o rio e fui conversando com Claudio, Laura se aproximou e falou, e aí meu cavalinho, não vai querer pegar nossa priminha tambem, ele sorriu e falou, de forma alguma, a Eduarda ainda não esta promta, depois to sabendo que tem um namoradinho, falei pronta pra quê, nada não falou, voce ainda é novinha, depois vai saber, voce se engana, ja não sou tão boba quanto voce acha, é o que voce sabe perguntou, falei quase tudo, Laura tava me falando que te deixou por conta do tamanho do teu pau, acho que ela exagerou, foi mesmo, quer conferi, quero respondi na hora, vou dar um jeito espondeu, chegamos na barragem foram todos entrando, fui para ums pedras que tinha no meio, nadei pra lá, veio ele e Laura, nos sentamos e ficamos conversando, então Laurame fala, o Claudio tava me falando que voce quer conferir seus, ele vai te arrombar priminha, mais vou te ajudar nesta tarefa, vamos olhar se ja tem umbú, assim ninguem desconfiar de nós, voce topa, nós tres, o que tem de errado, quer ou não, pensei um pouco e falei quero, mais que ninguem saiba , concordou, voltamos para junto dos demais, e falamos, vamos lá na mata vê se tem umbú, alguem quer ir, perguntei so para não despertar , seguimos mal entramos na vereda, ele ja foi me abraçando, passando a mão em minhas costas, indo ate a bundinha, Laura que ia na frente se vira e fala, eita que ja estão se excitando, como fico eu então, Claudio diz, hoje a tarde será so nossa, ele deu uma risada, é mesmo tem cewrteza de que vai dar conta das duas, com certeza respondeu, chegamos ao umbuzeiro, que tem uma copa grande, o mato crescido ao lado, encostava na copa, deixando como se fosse uma tenda, Laura foi a primeira a comesssara se beijar e esfregar seu corpo ao dele, suas bocas se uniram num beijo delicioso, ela suspendeu uma perna colando sua buceta ao pau dele que formava uma elevação enorme,com a mão segurou em seu cacetão e ficou alisando e apertando, fiquei sem saber o que fazer, diante dasituação, ela era realmente muito safadinha, fazia aquilo com a maior naturalidade, descolaram suas bocas, ai ele fala, agora, me chupa mostra para Duda como se faz, ela se abaixou, arriou a bermuda, tirou com cueca e tudo de uma só vez, eu estava estatica, ao vê seu cacetão livre da roupa exclamei, nossa como é grandão e grosso, lhe falei respondeu ela, que ele tem pau de Jegue, acredita agora, por isso que não deixo ele enfiar tudo, pois me machuca, ai ela foi abrindo a boca para abocanhar aquela cabeçona que mais parecia uma goiaba grande, lambeu e engolindo, não entrou mais que a cabeça ate a glande, parou seus olhos se avermelharam, ai ficou sugando, alisava o cacetão ate suas bolas, Claudio me olhava e sorria para mim, senti vontade de alisar minha bucetinha, que dava contrações, desejando aquele monstro entrando em mim, Laura foi tirando o cacetão da boca e foi ficando de costas para ele, então falou, agora me fode, mostra pra ela, o que a espera, aquele cacete devia ter uns 30 cm,ela segurava com as duas mãos e sobrava cacete, dois lados, ela soltou o botão da bermuda e remexeu o corpo para ela abaixar, ficando a altura dos joelhos, se agarrou ao tronco da arvare, inclinou o bumbum pra traz e falou, vem enfia este colosso, ele cuspiu na mão passando na cabeça do seu cacetão, deu mais uma cuspida e passou na buceta dela, ela geme aaannnnnnnnnn, vem, vem, quero este pauzão, ele guiou o cacetão e foi enfiando, o pau entrava com facilidade, entrou a metade, ai ela colocou uma mao para traz, encostando na barriga, so então falou, assim ele não enfia tudo, comessou a fazer movimentos circulares, enquando o cacetão entrava e saia, coloquei a mão dentro do meu short precisava me acariciar, vê aquele cacetão entrando em Laura era demais para mim, ele a puxava com o intuito de enfiar mais o cacetão mais ela o controla, de repente comessa a falar vou gozar meu deus, vou gozar, meu jumento, voce me arromba, uuuuiiiii. oooiiiiiiiiiiiiiii. hhoooooooo, nisso ele perdeu o equilibrio, firmou a mão que prendia a barriga dele no tronco do umbuzeiro, o Claudio deu uma socada forte, que o cacetão desapareceu todo dentro, ela pulava em seu cacetão querendo se livrar dele, so almentava a penetração, ai cai em desespero, aaaaiiiiiiiiiiiiiii, não faz isso, tira, tira, tira, ele bombava com rapidez, veio seu gozo, gritando to gozando, to gozando, uuuuuiiiiiiiiiiiii, aaaiiiiiiiiiiiiiiiiiii, aaaaiiiiiiiiiiiiiiiiii, baixei minha bermuda, ai enfiei dois dedos na bucetinha ate topar, gemia aaannnnnnnnnnnn, aaannnnnnnnn, nisso o Claudio para seus movimentos se vira pra mim, ao me vê com os dedos enfiado na buceta, me fala, nossa menina esta quase gozando, vou te ajudar, olhei para seu cacetão, que duro e parecia maior, todo lambuzado pelo liquido da vagina de Laura, falei não aguentar este cacetão, vai me rasgar todinha, ai ele me pegou pela mão, me puxando junto de Laura, que tinha a respiração muito alta encostada no umbuzeiro, então me diz, não vou te machucar, so quero lhe dar prazer, vem me chupa senti o gosto da buceta de Laura, tu não vai desistir agora vai, fiquei pensativa aquele cacetão me dava medo, seguei, estava pegajoso, o xeiro forte que vinha dele era intenso, ai tentei colocar a cabeçona na boca, quase não consegui, tive que abrir ao maximo meu maxilar, deslisei minha mão ate segurar seus culhoes, parecia dois limões grandes, comessei a punhetar ele, queria que ele gozasse dentro dam inha boca, pois adoro engoslir espermas, seu gosto adoçicado e muito saboroso, fiquei um bom tempo, ate que ele me fala, agora e sua vez minha linda, não, não, e muito pra mim, não vou conseguir, o pau do meu namorado, mais se parece um dedo, perto de voce, venha querida te vi com dois dedos na buceta, me parece que não seja tão pequena assina, venha serei carinhoso com voce, fui me encostando no imbuzeiro como tinha feito Laura, comessou a acariciar meus peitinho, descendo ate meus quadris, seu cacetão estava deslizando sobre meu cuzinho ate minha bucetinha, meu corpo tremia, ele comessou a pincelar de cima a baixo, comessei a expelir meu liquido em grande quantidade, deixando seu cacetão todo lambuzado, ai ele dobrou meu corpo mais para a frente e pediu para eu abrir mais as pernasm nesta posição me bucetinha ficou muito esposta, ele encostou a cabeçona na entradinha, forçando um pouquinho, senti minha bucetinha ser alargada, gemi aaaannnnnnnnnnnnn, quer que eu pare, perguntou ele, falei nãofica ai, que esta bom, mais não vai entrar e muito grosso, nisso Laura, ficou do nosso lado, entra, sim, sei que vai entrar, sua buceta ja esta aberta, ai ele me puxou, a cabeçona avançou, ai gritei aaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiii, para para, não aguento, não aguento, era tarde o caminho estava aberto, se tinha entrado a cabeçona o resto ia entrar tambem, ele se moveu, devagarinho, eu tremia de medo e desejo, fui relaxando enquanto ele se movia, a dor foi diminuindo, como eu estava com o corpo dobrado, dava para vê seu cacetão achatado entrando em minha bucetinha, fui me movendo para acompanhar seus movimentos, minha bucetinha agora dava contrações, que mordia seu caralhão, ele foi enfiando, ja devia ter entrado a metade, ai comessei a ter contrações mais agudas, estava comessando meus orgas, suspendi um pouco o corpo, ele me prendeu por debaixo dos braços, almentou os movimentos, eu subia junto com ele, Laura comessou a falar, nossa menina esta aguentando muita pica, quem diria, ta gostando, heim, eu nada falava, tinha orgasmos sucessivos, meus ouvidos estava zumbindo como se estivesse uma cigarra dentro da cabeça, comessei a gritatar vou gozar, gozar, aaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, uuuuiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, ooooiiiiiiiiiiiiiiiiiii, que bom , que bom, bota mais, mais, mais, uuuuuuuuuuuuuuuuuuuu, ele socou forte levantando minhas pernas do chão, fiquei esperniando, ele me segurava me mantendo no ar, gritava aiiiiiiiiiiiiii, aaaiiiiiiiii, , me fode, me fode, quero mais, mais, mais, enfia, enffia, so que não tinha mais nada de fora, quando ele me suspendeu, seu cacetão entrou todinho, comessei a gozar de novo, ele foi colocando no chão, ai deu umas tres empurradas fortes, senti um grande quantidade de porra me invadindo, quando terminou de gozar foi tirando seu cacetão da minha bucetinha, ai uma cachoeirade porra escorria da bucetinha, como seu pau é muito grosso me preencheu completamente, não deixando espaço sair nada, tinha ficado entupida, ao vê seu cacetão com a marca da espuma da minha buceta em seus pentelhos comentei não e possivel que tudo isso entrou em mim, se entrou comentou Laura, e voce queria mais, se me contasse eu não acreditaria, mais tenho que te falar, voce superou, não esta doendo por dentro, falei não, ela me diz voce tem mais profundidade na buceta do que eu, fala serio o pau do teu namoradinho é pequemo mesmo, pois voce esta provando o contrario, claro que é, ficamos sentados ao chão recuperando nossas forças, seguimos para o encontro o restante do pessoal, laura não parava de comentar, não acredito que voce deixou ele enfiar tudo seu cacetão, isso não esperava, foi incrivel, minha pequena taradinha, ai Claudio fala, agora eu sei a quem procurar, sem choro sem lamentação, se gostaram comentem, depois de hoje sei que vou ter outros encontros com meu primo pau de Jegue, ate breve, beijos……!!!!!!!!!!!!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,46 de 24 votos)

Por #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Eliene

    Eu quero prova esse jegue adoro homem da picona pena que não achei … Mais pra fica melhor tem que chupa as bucetinha

  • Responder Tok

    Muito bom eu acredito na sua história tinha uma vizinha minha de 10 que aguentava também e sem reclamar.