# #

Meu sogro e minhas filhinhas

1904 palavras | 41 |4.40
Por

Eu casei bem nova, muito nova mesmo, com 14 anos, porque engravidei do meu namoradinho. Ele tinha 18 e a gente namorava escondido desde que eu tinha 12. Começamos a namorar e no primeiro mês eu já estava de perna arreganhada recebendo rolada. Sempre fui muito saliente. Nunca me incomodei que meus tios e meu avô materno me colocassem no colo “inocentemente” pra sentar nos paus duros deles. Pelo contrário, eu até gostava. Meu avô era o mais atrevido e alisava minha bucetinha embaixo da saia quando estávamos sozinhos. Chegou até a passar o dedo direto na pele em algumas ocasiões.
Enfim, como a gente não tinha muito oportunidade a sós (eu só podia fugir da aula de vez em quando, senão o colégio avisava meus pais), até demorei pra engravidar, quando já tinha feito 13 e estava perto dos 14. E nem contei pros meus pais, foi minha mãe que percebeu as mudanças no meu corpo. Então, fomos obrigados a casar.
Muito jovens, fomos morar na casa do meu marido, com os pais dele. Ele era filho único e a mãe superprotetora dele não queria o filho longe. Ou seja, eles nos sustentavam. Eu parei de estudar e o meu marido continuou indo normalmente às aulas. Ele já ia começar a faculdade.
A vida não era muito boa pra mim, porque minha sogra achava que eu era o capeta, me odiava e meu marido vivia a vida de jovem universitário dele. Pegava as menininhas da faculdade, tinha até namorada fixa. E eu em casa cuidando de uma filha pequena.
Mas a vida foi passando e nessa levada, recomecei a estudar quando minha filha já tinha quatro anos. Deixava ela com os avós paternos. O meu sogro era aposentado do exército e a minha sogra tinha um salão de beleza próximo de casa. Ela era cabeleireira. Então acabava sendo meu sogro quem ficava mais com minha filha e eu nunca desconfiei dele em nada.
Só que quando minha filha tinha pouco mais de 7 anos eu engravidei de novo. Chorei, reclamei, não queria, mas eles eram muito ‘católicos’ e não iam permitir que eu abortasse. Eu ainda estava no ensino fundamental, porque tinha perdido muito tempo e ainda reprovei quando voltei a estudar. O maridão já tinha se formado e trabalhava e continuava sem nenhuma responsabilidade sobre nós. O dinheiro que ganhava ele gastava em farra, bebida, até viajar sozinho com amigos ele viajava. E ai de mim se reclamasse. Minha sogra dizia que ele trabalhava muito, era esforçado e merecia se divertir. E eu, nada. Era dentro de casa ajudando nos afazeres, tomando conta das crianças e só.
Sempre fui safada, então tinha conversas safadas pela internet, me mostrava na webcam (sem mostrar o rosto, claro) pra homens que eu conhecia em salas de bate-papo. E via as rolas também. Me masturbava pra eles, enfiava coisinhas na minha bucetinha (que é linda, por sinal),.
Só pra ter uma ideia, sou branca dessas que tem os mamilos rosados, a buceta é meio abertinha, com o grelinho saltado pra fora. E estou sempre depilada. E me orgulho de dizer que depois de engravidar duas vezes, ainda está tudo no lugar.
Voltando, o que quero contar começa agora. Estava eu com duas filhas: uma de nove e outra de um ano e meio, lindas e perfeitas. Minha rotina era cuidar delas, tentar retomar os estudos para terminar o ensino médio, ir pra academia e cuidar de casa. A academia era minha fuga, porque eu me exibia por aí pra homens que até me chamavam pra sair.
Um dia, eu saí pra malhar e não me liguei que minha menstruação estava perto de descer. Deixei meu sogro tomando conta das meninas. Geralmente eu passava umas duas horas ou duas horas e meia na academia. Mas nesse dia, nos primeiros 15 minutos eu senti minha legging molhar. Fui ao banheiro e vi que tinha menstruado. Coloquei papel higiênico pra não espalhar a mancha e corri pra casa. Como eu não tinha carteira de motorista, não entrava pela garagem. Entrei pela porta da frente, de tênis e ia passar direto pro quarto, para colocar absorvente, trocar de roupa e voltar para malhar.
Atravessei a sala indo pro quarto e olhei de relance para a cozinha, que ficava do lado e era dividida por uma parede, só com uma passagem sem porta, mas levei um susto porque vi minha filha mais velha sem calcinha deitada na mesa, com a saia na altura do peito e com meu sogro sentado de frente pra bucetinha dela. Engasguei, travei, congelei. Voltei um pouco e me escondi, de um jeito que ele não me via, até porque eu só via o corpinho da minha filha e os braços dele ao redor dela.
Muita coisa me passou pela cabeça, mas eu tava congelada, sem saber se dava um escândalo, se gravava, se pegava uma faca e matava ele… E percebi que ele mexia na bucetinha dela, que jogava um joguinho de celular e ficava mexendo as pernas bem à vontade. “O que ele está fazendo? Porque ela parece estar bem?”
Em um momento, ele levantou as coxas dela, deixando ela em posição de frango assado e começou a passar a língua na bucetinha dela. Notei que com uma mão ele se punhetava, o pau dele (percebi nessa hora) estava pra fora. A outra mexia nela (parecia estar cutucando o cuzinho) enquanto ele chupava ela fazendo barulhos. E ela ficava super de boa, de perna aberta, jogando no celular.
Depois de um tempo ele tirou a boca e começou a enfiar o dedo nela. Eu via pela posição que era na bucetinha da minha filha. E ela deixava! Ele enfiou, com a mão espalmada pra cima e ficou socando a bucetinha dela. Às vezes ela gemia baixinho, ele falava alguma coisa, perguntava algo e ela fazia que sim com a cabeça e sorria, sem tirar os olhos do celular.
Não sei quantos dedos eram, mas ele socou mais um tempo, aí levantou e encaixou a rola (que não era pequena) na buceta dela. Eu achei que ela fosse chorar, gemer, gritar… Estava pensando: “eu vou lá e vou matar ele”. Mas fiquei pasma porque a piroca foi entrando e ela não fazia nada, nem careta!
Vi meu sogro ali comendo minha filha, que parecia bem acostumada a levar rolada, socar a rola na buceta dela em cima da mesa da cozinha, onde a gente almoçava, jantava, tomava café…
Em um momento, ele virou ela de lado, de costas pra mim e ficou metendo de ladinho, enquanto enfiava o dedo médio no cuzinho dela. Eu estava em choque. Ele meteu o quanto quis na buceta dela, depois terminou de virar ela, deixando com as pernas penduradas e a bundinha aberta e foi enfiando a piroca no cuzinho rosa dela. Essa foi a única hora que ela esboçou reação. Disse: “ai, vovô, aí dói.” Ele alisou as costas dela falando algo baixinho e ela permanecia grudada no celular. Vi que ela buscou abrir as pernas e empinar a bundinha, que foi quando ele enfiou fundo no cuzinho dela. Ele segurou ela pelos quadris, deu duas ou três metidas mais fortes enquanto ela dizia: “Ai!” mas sem chorar nem nada e enfiou fundo, gemendo. Saquei que ele gozou no cuzinho dela.
Congelei. Acordei do transe porque sabia que ele ia sair em breve, então voltei na porta, abri e bati fazendo barulho. Fui andando devagar pela sala pra dar tempo ele ajeitar as coisas.
Quando passei pela cozinha, olhei pra lá e ela estava no colo dele, com a saia no lugar, mexendo no celular. Ele estava vermelho e esbaforido.
– Oi, tudo bem? (Perguntei)
– O-oi… por que você voltou cedo da academia, o que houve? Estamos vendo joguinho no celular…
– É que eu senti uma cólica e voltei antes mesmo. Vou tomar um banho.
Subi e pouco depois minha filha entrou no quarto procurando por mim. A menor dormia no berço, inocentemente e eu recebi minha filha maior no colo, disfarçadamente olhei e vi que ela estava de calcinha.
Conversamos um pouco e ela não falou nada. Daí disse que ia tomar banho e ela pediu pra ir junto.
Entramos no banho e aproveitei pra checar o corpo dela. O cuzinho e a buceta estavam vermelhos, mas ela deixou tocar normalmente, então percebi que não estavam muito machucados e notei que ele fazia isso há algum tempo.
Quando fui ensaboar ela, notei que havia porra saindo do cuzinho, que estava alargado. Lavei cuidadosamente, disse pra ela fazer xixi no vaso e fiquei esperando sair o restante da porra, pra não ficar melando a roupinha dela. Terminamos o banho e deitamos na cama. Ela estava viciada em celular. Então eu perguntei se a gente podia conversar.
– Sobre o que, mamãe?
– O vovô, filha. Ele machuca você?
– Não. Ele é bonzinho comigo. Por quê?
Eu fiquei sem jeito mas resolvi falar. Coloquei música no quarto pra ele não ouvir nossa conversa.
– Mas ele mexe aqui e aqui? (Falei passando a mão de leve na xaninha e na bundinha dela).
Ela parou de mexer no celular, me olhou séria.
– Pode contar, filha. Mamãe não vai brigar com você.
– Não briga com o vovô, mamãe, ele é bonzinho comigo. Deixa eu ver TV e jogar no celular.
– Não brigo mas você tem que me contar tudinho.
Então ela disse que ele beijava, alisava e colocava o pinto dentro dela na frene e atrás. Quando perguntei há quanto tempo ela fazia isso, ela não sabia dizer, mas disse que fazia tempo. E comentou que ele fez uma vez quando eu viajei com a minha sogra pra visitar os parentes dela no interior. Então calculei que fazia tempo.
– Mas não dói, filha?
– Só um pouquinho quando ele empurra com força aqui no furinho.
– E aqui não dói? (perguntei, colocando a mão sobre a xaninha dela).
– Não doeu no começo mas agora não dói nadinha.
– E por que você não me contou?
– Porque eu gosto do vovô, e ele disse que você ia levar a gente embora.
– E você gosta do que ele faz com você?
– Eu gosto. Eu sinto um negócio legal.
Então eu não sabia como me sentir, deixei a vida passar, mas sempre que saía imaginava ele fudendo ela. Pedi pra ela não contar pra ninguém da nossa conversa. Disse que se perguntassem, ela podia negar que eu sabia. Algumas vezes fui conferir quando voltei pra casa e notei a bucetinha e o cu arrombados de rola. Mas se ela gostava, fazer o que? Então deixei acontecer…
e uma coisa que eu não contei pra vocês é que acabei me excitando com isso. Eu passei a me masturbar pensando nisso e imaginando ele fudendo ela e me fudendo com aquela vara vermelha dele. (Continua)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,40 de 118 votos)

Por # #

41 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder alemão

    Adoro incesto.
    tive um rolo com uma mulher casada
    ela tinha uma filha de 19 anos
    ela está com 35 anos pois teve a filha com 16 anos.
    Uma vez ela me confessou que tinha a fantasia de fazer um sexo grupal
    junto com seu marido e sua filha e outro homem (no caso eu)
    Me faloy que nunca teve atração por mulger
    mas já tinha se imaginado chupando a bucetinha da filha.
    o auge da sua fantasia seria.
    ela chupando a bucetinha da filha enquanto a filha chupava o pau do pai”no caso o marido dela” ao mesmo tempo que o outro homem metesse na buceta dela.
    na frente do marido e da filha.

    • Naturalmente

      Que delícia
      Sortudo vc

  • Responder José carlos

    Continue a história..um dos melhores contos dos últimos tempos.nao perca tempo

  • Responder The DOG

    Se for real é difícil de aceitar,mas como ela era sustentada por eles acabou aceitando a situação,o problema é se a garota engravidar aí seus problemas Irão triplicar,enfim,história é história kk

  • Responder Tikomo

    é uma boa historia ainda que muito dificil de acreditar.

  • Responder Anônimo

    Minha mulher tá grávida não vejo a hora de nascer e colocar pra mamar???

    • pai

      È uma delícia !

    • Anônimo

      Tem Skype pra falar do assunto?

    • Aline

      Que legal amigo parabéns

    • Bom de cama

      Bom
      Demais

  • Responder Yan

    Adoro uma mamãe safada

  • Responder Athos

    Ai mamãe pena vc nao morar aqui perto iria adorar comer vcs duas. Meu email [email protected] me conta mais o que tem feito.

  • Responder Anônimo

    Olá, somos casal..
    Gostaríamos de conversar com vc!!

    [email protected]

    Bjs

    • Was

      Muito bom

  • Responder heleninha

    alguem faz isso comigo?
    [email protected]

    • Wd DF

      Meu Skype, wr distrito federal

    • PadrastoSafado

      faço isso e muito mais com voce delicia

    • Nando

      Sim, faço.

  • Responder Anônimo

    Escreve a parte dois e não para mais. Vc vai ser a melhor escritora do site pela forma de escrever e detalhar. Faltam escritores como vc.

  • Responder Daniel

    Fake, não foi uma mulher que criou e nem enviou para esse site

  • Responder Eletrônico

    Muito bom!

  • Responder ORFHEU

    delicia hein, mas a tradicao nao fugiu a regra vc comecou a dar novinha e pegou gosto pela piroca e ela tbm, aposto que ele ainda vai passar a vara nas suas duas filhas e em vc tbm putinha safada, nao demore a contar

  • Responder fabio

    ola safada vamos conversar

  • Responder FABIO paco

    ola mâe muito bom teu conto podemos conversar

  • Responder Sol lua

    Muito bom conta mais
    Entra em contato por e-mail
    [email protected]

  • Responder Velhinho

    Ótimo…continue

  • Responder Coyote 24cm

    Me chama no email… quero fala com vc linda [email protected] aguardo contato

    • Meesix

      Belo conto espero a continuação. Parabéns

  • Responder Moraes

    Dlc quase gozei continua logo.

  • Responder Jorge 123

    Esperando essa continuação