# # #

Trepando na irmãzinha

2159 palavras | 11 |4.31
Por

Continuação do conto “Nada melhor que enrabar uma novinha

Foi dificil conseguir comer minha irmazinha outra vez. Meus pais sempre estavam em casa e tive uma ideia pra matar a saudade. Na minha cidade no interior havia temporadas de rodeios e no fim de semana aconteceria um show por lá. Minha irmã insistiu pra deixarem ela ir. E como sou mais velho e rigido, meu pai concordou em deixa-la ir com a condição de que eu cuidasse da ninfetinha… Ah e como cuidei. Chegamos em casa na sexta quase meia noite e já levei a putinha pra cama. Ela nem reclamou, só abriu as pernas e ganhou pirocada até de madrugada. Acordei muito tarde no sábado e só sai da cama depois de meter. Queria aproveitar cada minuto, meu subia fácil com ela minha irmãzinha ficou tão cansada que comeu como nunca vi pra recuperar as energias. Ela estava andando só de calcinha pela casa e ver ela assim me enchia de ideias. Conversamos e ficamos juntinhos como dois namoradinhos a tarde toda mas quando começou a escurecer quis trepar de novo e ela não negou fogo. Abriu a bocetinha inchada no chão da sala mesmo e deixei minha irmã fraca. A putinha já sabia quando ia gozar e agora ja tinha perdido a vergonha, falava besteira e pedia piroca. Tava se tornando uma dadeira de primeira. Nessa ultima foda liguei a câmera do celular e filmei tudo. No começo foi escondido mas na hora de gozar ela ficou tão mole que nem reclamou quando apontei meu celular pra sua xota. Gravei meu pau dentro dela e quando tirei a porra escorreu. Ela sorriu pro celular. Suas perninhas tremiam muito sozinhas e tambem filmei sua tremedeira. Depois mandei o video no grupo que tenho com dois amigos e eles enlouqueceram. Ninguém acreditava que eu tava comendo minha caçulinha e depois que comprovaram o quanto a ninfeta era deliciosa, ficaram insistindo pra brincar nela também. E a putaria ficou armada. Depois de se recuperar da foda, ela foi tomar banho. Fiz ela desistir da ideia do show e contei que ia ter visitas, ela disse que estava cansada mesmo e concordou em não sair. Até achou legal ver gente nova mas estranhou o horário que meus amigos chegaram. Já era mais de 23h e vieram cheio de bebidas. Apresentei Ana pra eles e os dois a encaravam inteirinha. Como se fosse dois animais farejando a presa. Ela foi simpática com eles. O tempo foi passando, tomamos mais cerveja, comemos alguns petiscos. E a gente tentava enturmar minha irmãzinha mas ela estava tímida no meio dos machos. Estava com a perna cruzada e só ria do que falávamos, sem interagir muito. Ia ser difícil convece-la a abrir as pernas pros três só com a conversa, por isso apelamos pra bebida – Toma Aninha, experimenta isso aqui – Paulo sentou ao lado dela e lhe deu um copo de vodka com energético – Posso? – Me olhou submissa – Pode – Sorri de lado e ela experimentou um gole mas logo fez uma careta – Eca! É muito ruim – Reclamou – Eu também não gosto disso, essa aqui é bem melhor, prova – Rogerio sentou tambem sentou ao lado dela e lhe deu uma garrafinha de skol beats – Humm, essa tem gosto de refri – Ela comentou ao beber – Pode tomar – Falei sorrindo. Depois dos primeiros goles, minha irmãzinha já ficou toda soltinha. Ria alto das coisas que falávamos e remexia seu corpinho na cadeira quando a música que estava baixa, ficava mais animada. Ela nunca tinha bebido e na segunda garrafa já tava chapada. Pedimos pra ela dançar e ela rebolou bastante seu rabinho pra gente. Eles nem acrevitavam que aquele corpinho gostosinho tinha recém 14 aninhos. Continuamos incentivando ela a beber e meus amigos logo começaram a falar besteira na rodinha e aproveitei para fechar as portas e janelas, pois sabia que o clima ia esquentar. Quando voltei ela tava sentada no sofá no meio dos dois – Você tem cara de santinha, acho que é virgem – Paulo comentou – Eu não acho, você é gostosinha demais pra ser virgem – Rogerio completou – Marcos, seus amigos tão falando de putaria pra mim – Falou manhosa – Sua irmã é muito gostosinha – Paulo comentou e ela riu alto nitidamente bêbada – Quando você foi pra lá, esse aqui pegou no meu peito – Apontou pra Rogerio. Os dois já estavam de barraca armada e ficava louco ver outros machos com tesão na minha ninfetinha. Ajoelhei entre as pernas dela – Deixa ele pegar, você gosta, não é? – Levantei sua blusinha – Gosto – Sussurrou – Conta pra eles o que eu faço com você- Falei safado – Pode mesmo? – Deu uma risada – Conta a gente guarda segredo – Rogerio falou baixo – Ele me come… Hoje mesmo ele me comeu um monte de vezes – Falou com a voz mole – Passa a mão nela pode passar – Falei pra eles e os safados avançaram nela. Apertavam os peitinhos da minha irmã com força. Rogerio estava mamando faminto enquanto Paulo beijava a boquinha linda dela. Abri bem as pernas dela e apoiei cada uma na coxa de um deles. A vagabundinha estava sem calcinha e a xota babando ficou exposta pra mim. Dessa vez minha irmã estava toda depilada com a boceta lisinha, a vadia já sabia que ia trepar muito nesse fim de semana. Aquele cheiro de xana nova me deixava doido. Meti a língua nela, lambia com gosto, sugando todo aquele suco gostoso. Quando me dei conta ela estava gemendo com as duas rolas na mão. Sua mãozinha delicada batia punheta com muita habilidade. Os marmanjos gemiam muito. Ela beijava a boca de um, depois de outro e pedia pros dois beijarem ela ao mesmo tempo. As tetas dela estavam vermelhas, com marcas de dentes de tanto dar mama pra marmanjo. E seu quadril não parava de remexer esfregando a xota na minha cara – Põe ela pra chupar – Mandei – Chupa a minha primeiro – Rogerio a puxou pelo cabelo – Não, vem em mim, meu cacete tá latejando – Paulo a puxou de volta – Espera – Empurrei a mão dos dois – Levanta Ana – Mandei e ela levantou grogue, em seguida ajoelhou e cercamos ela com pau – A putinha quis me chupar primeiro. Que delicia sentir aquela boquinha. Ela aprendeu a mamar rola direitinho. Sugava cada centímetro e babava muito. Em seguida foi mamar a outra, depois foi pro terceiro. Ela dava atenção pra todos. Chupava nossas bolas e deixava a gente bater a rola na carinha de inocente dela – Que irmãzinha deliciosa hein Marcos? – Paulo segurava a cabeça dela e socava na garganta da minha bebê. Depois de mamar por vários minutos as três pirocas, colocamos a putinha de quatro, ela estava meio mole pela bebida mas empinou bem a bunda – Vem maninha – Enrosquei a mão em seus cabelos e guiei só a cabeça do meu pau na boquinha dela. Ela passava a linguinha e me encarava mas sua carinha logo mudou quando Rogerio enfiou no seu buraquinho – Ahhhh – Ela gemeu alto de boca aberta – Porra que xana apertada – Ele grudou na cinturinha dela e começou a remexer minha cadelinha. Que delícia ver outro acho engatado na minha caçula. Ele estava louco de tesao. Não tinha dó metia igual um cavalo. Minha irmãzinha gritava e eu era obrigado a engasgar ela com meu pau ate abafar seus gritos. Antes de gozar Rogerio tirou e deixou pra Paulo. Paulo virou ela de barriga pra cima, deixou na posição frango assado e cuspiu na xota dela. Depois deu uma esfregadinha e logo enterrou a pica na boceta inchadinha. Minha irmãzinha tava até zonza. Mas mesmo assim continuava chupando Rogerio e agora batendo punheta pra mim. Depois que Paulo saiu suado de cima dela, foi minha vez. O buraquinho dela tava arreganhado, todo vermelho de tanto apanhar de pau grosso. Levantei a perninha dela no meu ombro e enfiei com força. Como nunca tinha metido antes. Tirava tudo e socava de uma vez, o corpinho magrelo dela balançava, fiz isso várias vezes com pressa – Ahh o pau de vocês é muito grosso, não vou aguentar – Ela falava delirando – Aguenta claro que aguenta – Agora é a vez do Paulo de novo – Fiz sinal e Paulo deitou de barriga pra cima – Vai… monta nele – Fui guiando ela. Essa posição era nova pra ela – Ainnn – Ela apoiou as maos no peitoral dele – Ainnn entrou gostoso – Gemeu. Segurei seu quadril e comecei a movimentar ela – Rebola assim – Fui mandando e ela obedecendo – Agora vem aqui – Paulo a abraçou contra seu peito, a deixando presa e ele começou a se mexer por baixo. Dava pra ver perfeitamente a rola dele escorregando pra dentro e saindo. Ela gemia dando gostoso. Meu amigo foi abrindo a bundinha dela pra mim. Estávamos arrumando a melhor posição e depois de encontrar. Fui me encaixando por cima deles – Agora é meu irmão – Ela falou tentando sair do pau – Vai ser nós dois – Respondi esfregando o pau no cuzinho dela – Dois ao mesmo tempo? – Falou assustada – É – Rogerio segurava a bundinha dela arreganhada – Que cuzinho lindo sua irmã tem – Falou safado – Vou abrir ele e depois deixo você meter – Falei e empurrei a cabeça pra dentro do anelzinho dela – Ahh.. deixa eu sair – Ela choramingou – Se comporta Aninha – Falei ofegante. Dessa vez fui empurrando sem dó. Paulo estava se remexendo por baixo e enfiando na xaninha e terminei de meter a força. Ela gritou choramingando – Para para por favor – Nós dois estávamos segurando a novinha com força, ela não ia conseguir escapar. Continuamos metendo mesmo com ela reclamando. As vezes nossos paus escapavam e a gente engatava de novo e recomeçava a foda – Assim vai me rasgar para – Falava entre os gemidos e ficava cada vez mais gostoso. Nossas rolas pressionadas dentro daquela menina era muito bom. Ela nem sabia quanto prazer tava dando pros machos. Deixamos ela molinha de tanto dar assim – Acabou? – Perguntou com as pernas bambas mas só estavamos trocando a vez. Deitamos ela de ladinho e levantamos sua perna. Agora foi Rogerio que veio no cu e eu entrei na bucetinha. Dessa vez Paulo meteu na boquinha dela. Ela gozou até pelo cu e depois de tanto levar, acostumou com duas rolas dentro – Ai to sentindo aqui – Passou a mão na barriga – E aqui você tá sentindo? – Meu amigo socou fundo naquele cuzinho rosa – Ahhhh to… ahhhhh – Eu quero meter – Paulo falou gemendo enquanto ela mamava – Ele quer meter deixa – Aninha pediu grogue – Vem Paulo – Ele tambem deitou com a gente. Eu dava três socadas e tirava, Paulo socava mais um pouco e Rogerio nao dava tregua no cuzinho. No auge da putaria tentamoa meter duas rolas de uma vez mas não entrou. A bucetinha dela já tava muito esfolada, a putinha ja tinha levado demais. Então viramos ela de quatro e ficamos revezando só o cuzinho que logo ficou arrombado. Minha irmãzinha virgem tinha virado uma piranha, soquei com raiva naquele buraco. Atolava ate encostar as bolas e só parei quando gozei. Que delicia gozar em um cuzinho, gozei bem fundo pra ela aprender do que macho gosta. Minha caçulinha tava sem forças mas teve que aguentar meus amigos socando por cima da minha porra. Os dois também esporraram nela e cairam exaustos. Não parava de escorrer gala do rabo tava. Ficou toda melecada. A cinturinha da minha irmã estava cheia de marcas de dedos, sua bundinha vermelha de tanto levar tapa e seus buraquinhos arrombados. Ela praticamente desmaiou depois da foda. Quando acordou de manhã só eu estava em casa. Seu cuzinho ja tinha voltado ao tamanho normal mas ela reclamou o dia todo que não lembrava direito o que tinha acontecido mas que tava com o cu e a boceta doloridos demais nem aguentou dar uma antes de voltar pra casa. Até hoje ela tem dúvidas do que realmente aconteceu naquela noite. Mas eu lembro direitinho, foi o dia que ela tão novinha deu conta de satisfazer 3 machos feitos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,31 de 26 votos)

Por # # #

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Anônimo

    Show de conto.
    Se quiser conversar faça um contato.
    Telegram W.L

  • Responder Renan

    Oi rafaella eu já vivi uma experiência incestuosa se quiser saber mais sobre me chama [email protected]!

  • Responder Rafaella

    Bom conto … gostei..

  • Responder Loius

    Simplesmente o mais perfeito. Não demore na continuação amigo.

  • Responder Giovanna

    Fui arrombada pelo noivo da minha irmã.
    Estava passando final de semana no sítio da família dele, e minha irmã passou mal, intoxicação com frutos do mar, e ela ficou internada 3 dias…e eu acabei ficando sozinha na casa com meu cunhado. Já na primeira noite ele começou com algumas gracinhas, q culminaram em nadarmos pelados. Eu olhava direto para a rola dele, grande(mais tarde vim saber q media 18cm)…
    Depois da piscina, banho de chuveiro, foi aí q a coisa esquentou. Ele passava a rola dura nos meus lábios, batia no meu rosto com ela, apertava os caroços dos meus seios q eram bem desenvolvidos…ao mesmo tempo q me ensinava os primeiros passos da masturbação…e eu amei aprender. Mais tarde, já na cama com ele, aprendi a beijar na boca e descobri tbm o qto é gostoso gozar com alguém chupando a ppk da gente, foi inesquecível, é lógico q chupei ele tbm e engoli porra pela primeira vez.
    Na manhã do outro dia, acordei com ele me acariciando e chupando minha ppk…e poucos minutos depois, descobri q perder o cabacinho, dói sim, sangra um pouco…mas foi gostoso demais tbm…
    Foi assim q ele me arrombou todinha, a noite ele tirou tbm as preguinhas do meu cusinho, e eu tinha só oito.

    • Robson Moreno

      Oi boa tarde. GIOVANNA, QUAL É A SUA IDADE? MORA EM QUE CIDADE? GOSTA MESMO DE HOMENS MAIS VELHOS?

    • Anônimo

      Só te fez bem como mulher. Não é ?
      @W.L

  • Responder Manda seu ZAP ou e-mail

    Tem email

  • Responder Rola gostosa

    Tesuda vamos bater um papo gostoso [email protected]

  • Responder Anônimo

    Onde vc mora ?

  • Responder Jamie

    O melhor da saga e ansioso pra ver ela dando pra mais caras de uma vez. Tesão ver ela igual uma putinha sendo arrombada!