# # #

O vovô esfregou e o padrasto arrombou

2447 palavras | 35 |4.55
Por

PARTE 1

Desde pequena sempre fui a preferida do meu avô. Ele sempre me elogiava e sempre me sentava no colo. Quando ia me dar banho, sempre lavava bem minha xaninha e meu bumbum. Mas fui crescendo e ele teve que parar me dar banho, mas seus carinhos continuavam os mesmos. Agora, toda tarde quando saia da escola, eu ia pra casa dele, ficava lá até o horário da minha mãe me buscar. E como a vovó trabalhava a tarde, era ele quem cuidava de mim. Meu vô era muito carinhoso. Vivia me abraçando, dava beijinhos no meu pescoço e sempre me sentava em seu colo pra assistir desenho. Ele sempre me tratou assim, mas no colinho só me colocava quando estava sozinho. Ele me segurava pela barriguinha e ficava beijando minha nuca, respirava rápido e só depois de alguns minutos que me deixava levantar. Tinha vezes que minha cintura até doía de tanto que ele me apertava em cima do seu colo. Eu não entendia muito bem mas ele era tão bonzinho, que eu deixava – Já nasceu cabelinho na sua bucetinha meu amor? – Ele me perguntava essas coisas – Só alguns vovô – Eu contava tímida – Um dia você me mostra? – Perguntava safado. As vezes eu ficava assustada, mas falava que iria mostrar pra não deixar ele chateado. Ele respirava bem rápido no meu ouvido quando eu falava isso – Senta direitinho princesa – Ele cochichava e abria minhas perninhas. E logo alguma coisa dura ficava apertando minha piriquita. Era estranho porque eu sentia ela ficar molhadinha, ele me remexia tanto que eu ficava molinha, as vezes a bermuda dele até ficava suja depois de esfregar em mim, eu achava que era xixi mas só depois que entendi que ele sujava a calça era de gozar. Ele abusava de mim todo dia, tanto que acostumei a sentir essa cosquinha gostosa na buceta e já chegava da escola querendo colo. Depois de um tempo ele pedia pra eu tirar a calcinha e só podia sentar de sainha. Eu não entendia nada, mas esse carinho era gostoso, então eu deixava. Minha piriquita pequena ficava toda melada e chegava a doer de tanto que o vovô bolinava ela. Sempre quietinho, sem me dizer nada. Apenas dando beijinhos no meu pescoço e de vem em quando umas beliscadinhas nos meus peitos. Até que um dia vovô não aguentou, me sentou de perninha aberta de frente em seu colinho – Vamos brincar de mamãe e filhinho, meu amor? – Falou passando a língua no meu pescocinho, dando chupadinhas. Meu corpinho tava todo arrepiado – Eu sou a mamãe? – Perguntei entre os gemidinhos – É… Dá mama pro seu filhinho – Falou safado e esfregou mais forte na minha xaninha – Como? – Pergunte inocente – No peitinho… Mostra o peitinho pro vovô mamar – Me abraçou mais – Eu tenho vergonha, ainda é pequeno – Respondi e ele foi puxando minha blusinha e logo viu os dois. Os olhos dele brilharam – Dá mama pro seu filhinho – Apertou meu corpinho e logo senti sua boca me chupar. Aquilo era gostoso. Ele sugava com desejo. Fechei os olhinhos e fiquei gemendo. Meu vovô só tava querendo brincar e era uma brincadeira gostosa, por isso não vi nenhum problema. Segurava a cabeça do vovô e não deixava ele soltar. E quando me dei conta a piroca dele tava de fora. O safado colocou minha calcinha pro lado e sarrou a pica dura no meio da minha rachinha como nunca tinha feito antes. Minha xota de criança babava de prazer – Vovô para… – Pedi gemendo com medo – É carinho meu amor… – Respondeu ofegante – Eu amava meu vovô, ele merecia o carinho da minha rachinha então não questionei mais. Só obedeci. Os lábios da bucetinha tavam bem arreganhadinhos com aquela tora esfregando nela pra cima e pra baixo. Alguma coisa cutucava minha bundinha ao mesmo tempo e meu corpinho tremia sozinho. Vovô começou a respirar muito rápido. Puxava os biquinhos do meu peito com o dente e a sensação era tão forte que comecei a tremer. E fiquei fraquinha no colo dele. Depois eu descobri que tinha gozado. E o tarado do vovô fez o mesmo. Jorrou porra na testinha da minha buceta e na minha barriga, ele continuou falando que era carinho mas eu não podia contar pra ninguém. Dizia que saia leite quando o carinho era gostoso e eu acreditava. Todo dia era assim, ele esfregava a piroca em mim até gozar. E quando eu falava que não ia deixar, ele me dava dinheiro ou doce pra me convencer. As vezes esfregava na xaninha outras no cuzinho e até na minha boca ele gozava. Eu não contava pra ninguém mesmo, mas quando não via o vovô, sempre arrumava um jeito de me esfregar em alguma coisa. Até que teve um dia que fiquei sozinha com meu padrasto. Mamãe tinha ido na feira e acordei louquinha pra esfregar a buceta. Fui direto pra sala, pra me esfregar no braço do sofá mas o marido da minha mãe ele estava sentado lá. Eu estava só de blusinha e calcinha como sempre ficava – Cadê minha mãe? – Perguntei manhosa – Foi na feira – Ele falou olhando meu corpinho – O que você tá assistindo? – Me aproximei – Corrida, quer ver? – Perguntou ainda me encarando – Posso sentar no seu colo? – A cara de tarado dele foi nitida – Você já tá grandinha pra sentar em colo… Mas se não contar pra sua mãe eu deixo – Concordei e fui correndo pro seu colinho. Eu mal sentei e já senti a rola dele crescer quentinha no meio das minhas pernas. Ele passava a mão em meu corpinho e disfarçava pra esfregar igualzinho vovô fazia. As vezes apertava um pouquinho minha buceta gordinha e eu suspirava – Tio, quer esfregar nela até gozar? – Perguntei inocente, afinal eu tava tão acostumada a mexerem gostoso na minha xaninha que nem sabia que era errado – Aonde você aprendeu isso hein? – Me puxou pelo cabelo e assustei – O vovô que ensinou… Ele esfrega o pinto dele em mim até sair leite. Quer também? – Comecei a rebolar naquela piroca e meu padrasto ficou louquinho – Então é isso que aquele velho faz com você? – Enfiou as mãos por baixo da minha blusinha – Ele esfrega aonde? – Perguntou safado – Na minha perereca, no bumbum e na minha boca… – Contei inocente – Você gosta? – Beliscou meus peitinhos – Gosto, ele falou que minha piriquita é quentinha, você quer brincar nela também tio? – Virei meu rostinho e o olhei – É segredo, tá? – Perguntou e concordei. Logo senti sua língua avançar em minha boca. Ele começou a chupar minha língua e a me beijar. Vovô nunca fazia isso, eu não sabia como era direito mas deixei e isso fez minha xaninha melar mais. Ele jogou meu corpinho no sofá e arrancou minha roupa. Fiquei peladinha. Abri a buceta igual meu avô mandava e fiquei esperando a vara esfregar mas ao invés disso ele começou a me lamber. Lambeu meu pescoço, depois meus peitinhos e ao invés de esfregar o pau. Ele esfregava os dedos no meu grelo – Ahhh – Eu gemia baixinho. Ele era mais guloso que meu vô. Meus peitos ficaram vermelhinhos e com marca de dente. Depois lambeu minha barriguinha. Eu tava muito excitada, me contorcia – A pica tio, põe a pica – Pedia manhosa – Putinha, tão novinha e já quer pica. Ninfetinha serve pra guardar pica mesmo – Me xingou e abocanhou minha xotinha virgem. Vovô nunca tinha feito isso e senti um choque no meu corpinho. Ele cuspiu na minha grutinha e começou a beijar ela de lingua. Tava muito gostoso. Eu apertava o sofá e choramingava. Ele sugava meu grelinho igual uma chupetinha e enfiava a língua inteira no meu buraco. Acabei gozando – Ahhhhh – Gemia sem parar – Chupa aqui, deixa bem babado – Enfiou o dedo do meio na minha boquinha e mamei o dedo dele enquanto ele continuava mamando na minha buceta melada. Depois de deixar o dedo dele pingando, ele meteu no meu cu virgem. Deu umas dedadas sem dó e gozei outra vez na língua dele – No cuzinho doeu e doi gostoso ao mesmo tempo tio – Falei choramingando e ele levantou minhas perninhas – O tio vai fazer carinho nele – Enfiou a língua no meu rabo e revirei os olhinhos sentindo minhas preguinhas apertando a língua dele. Ao mesmo tempo ele enfiou dois dedos na minha xota e gritei de novo – Você tem cabacinho, seu vô só esfregava mesmo… – Falou safado ao perceber que eu era virgem – Ele disse que ainda não cabe porque sou pequena – Falei fraquinha – Vem aqui princesinha – Me sentou no sofá – O titio vai fazer caber tá? – Puxou meu cabelo e começou a passar a pica pela minha cara. Eu lambia depois mamava igual vovô ensinou. A do meu padrasto era maior e ele enfiava tão fundo que eu engasgava. Demorou até eu conseguir aguentar na garganta. Depois de deixar a piroca dele bem babada, ele me deitou de bruços – Agora você vai esfregar tio? – Pedi animada, afinal adorava uma piroca – Vou – O safado deitou por cima de mim colocou uma almofada em baixo da minha barriguinha e travou minhas perninhas bem abertas e começou o esfrega esfrega. Tava tão meladinho que fazia barulho. Eu rebolava bem rápido igual vovô gostava e titio tava adorando também porque mordia meu ombro e respirava igual animal. Minha buceta tava queimando – Ain tio, ain ain, esfrega mais – Eu choramingava pedindo igual uma cadela no cio – Minha bebezinha vou te dar o que você quer e ainda não sabe – Falou agarrando meu corpinho e logo senti seu pau escorregando pra minha entradinha. Ele segurou minha cintura e começou a forçar. O pauzao dele me cutucava um pouquinho e logo escapava Eu era muito apertadinha. Nem sei como ia aguentar um pau de adulto mas ele empurrou até o talo – Ahhhhh – Dei um grito. Aquela rola era muito grande, muito grossa, não cabia dentro do meu corpinho. Olhei entre minhas pernas e vi o quanto era comprido. Fiquei assustada – Tio eu acho que não pode colocar aí dentro – Falei inocente tentando fugir – Pode sim meu amor, é só você não contar pra ninguém – Continuou brincando com a cabeça grossa que tinha entrado um pouquinho – Você não vai contar pra ninguém, né? – O safado falava ofegante e forçava minha xaninha – Não tio – Respondi baixinho – Me chama de papai – Apertou minha bundinha – Papai… – Falei baixinho – Pede pro papai te comer – Ele mandava – Me come papai – Pedi sem saber direito o que significava – Agora fala me fode papai – Mandou de novo – Me fode papai – Repeti – Pede rola na bucetinha, pede vagabunda – Ele começou a ficar louco quando ouvia minha voz – Me fode papai… Me come… Põe rola na bucetinha – Eu repetia tudo o que ele mandava igual uma putinha, isso deixou ele tão excitado que ele nem se importou mais se ia doer, apenas invadiu minha xaninha com força. Sem dó de arrombar sua enteadinha. Senti alguma coisa rasgar dentro de mim, ele estuprou meu buraquinho. Tava doendo demais – Ahhhh tá ardendo muito tá doendo tio – Gritei tentando fugir e ele me puxou pra trás. Me segurando pra fuder mais e logo começou. Mexia meu corpinho pra frente e pra trás. Fudendo rápido, com força – Ahhh tio para, não tá gostoso mais.. Tira tio por favor – Apertei o braço do sofá mas ele parecia um animal – Já vai passar minha princesa – Montou em meu rabinho e começou a me comer freneticamente. Dar a bocetinha doía demais, não tava mais aguentando, ardia muito, continuei chorando e pedindo pra tirar, tava arrependida, até sangue tinha saído. Mas meu padrasto tava adorando estuprar sua enteada inocente. As bolas dele davam uma surra na minha xota virgem. Ele não desistiu, ficou metendo até eu me acostumar. Demorou alguns minutos e dei chorando até lacear meu canalzinho infantil, mas ficou delicioso quando arrancou meu cabaço de vez. Minha rachinha esticou e ficou do tamanho certinho pra caber a rola dele. Depois disso comecei a apertar a xota naquela vara quentinha e passei a ter prazer quando a cabeça dela batia no meu útero pequeno. Cacete, isso era muito mais gostoso que esfregar. Ele me chamava de putinha, de piranha gostosa e eu adorava, acabei gozando depois de mais umas socadas. Depois de um tempo ele me virou de barriga pra cima – Põe de novo, tio… Põe – Falei afobada querendo mais e ele veio com a pica melada de sangue e voltou a me fuder. Dessa vez mamando minhas tetinhas. Não demorou até ele jorrar porra pra dentro de mim. Cacete, virou uma bagunça na minha bucetinha. Tinha sangue, porra, mel… Ela tava toda inchadinha e achei uma delicia sentir aquele leite quente escorrer lá dentro da minha xota. Era muito mais gostoso do que melar só a testinha igual vovô fazia. Depois de me fuder de todo jeito naquele sofá, meu padrasto mandou eu ir tomar banho e não contar pra ninguém. Fiquei com medo quando entrei no banheiro e vi minha xoxota no espelho. Estava muito inchada, bem vermelha e com um buraco no meio. Ardia só de encostar e minha calcinha de florzinha sujou várias vezes durante o dia, porque sempre escorria leitinho de dentro de mim. A noite me deu febre e quem foi cuidar de mim foi meu padrasto por que minha mãe estava dormindo… Depois desse dia, eu virei a diversão dos machos da família. E tive que dar de novo pra ele de madrugada, mesmo com a xaninha dolorida.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,55 de 106 votos)

Por # # #

35 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Nelson

    Anos atrás, fui passar férias no sítio da minha madrinha. Um dia perguntei do padrinho, ele estava no barracão. Entrei no barracão, ouvi o padrinho falando.
    – assim não amor, o dente machuca o tio.
    Entrei quietinho e vi o padrinho e à afilhada dele. Ele com as calças arriada, e à menina chupando ele. Me assustei com a cena. Eu conhecia ela, sabia tinha só 8a. Eu tinha 16a, já pegava meninas de 13,14a na escola e tinha umas que até davam, mas ela era muito novinha.
    Era o que eu pensava.
    Ele pegou a menina, colocou na bancada, e levantou a saia dela, e tirou calcinha. O padrinho, pegou um potinho, abriu, pegou um pouco daquilo, mandou ela levantar as pernas e abrir bem e passou tudo no cusinho dela. Pegou mais e passou na rola.
    Colocou a cabeça da rola no cusinho dela e começou enfiar. A menina gemeu de dor e ele falou que já ia passar. O pau dele não era grande, mas ele enfiou e bombou até gozar. Acabou, limpou a rola e o cusinho dela, e mandou ela ir com a madrinha.
    A tarde arrastei ela pro barracão, e falei o que vi. Fiquei duas semanas metendo com ela, tirei até o cabacinho dela.

  • Responder Menina

    Sou novinha mas já sei que sou depósito de porra de macho tarado. Meu útero está disponível para um macho tarado que quiser encher.

    • Picagostosa

      Menina tenho uma pica gostosa pra vc mamar até enche sua boca de porra Skype [email protected]

    • Pervertido

      @chaves46
      Me chama

    • Clayton

      Hum delícia, manda msg no email. [email protected]

    • Guga

      Vc deve ser muito delicia me chama no e mail pra gente conversar [email protected]

    • Guga

      Vc deve ser muito delicia me manda um e mail pra gente conversar [email protected]

  • Responder AVA

    Nossa que conto delicioso onde eu encontro a continuação?

  • Responder Ana Júlia

    Delícia de conto. Fiquei molhadinha

  • Responder alemão

    Adoro relatos.
    sou casado e infelizmente minha esposa não curte.
    vejo que tem várias mulheres que conseguem expor aqui suas fantasias e fetiches.
    na maioria não tem coragem de realizar suas fantasias e outra perte não tem o consentimento do parceiro.
    eu tenho minhas fantasias que infelizmente minha esposa não aceita realizar

  • Responder Anastácia

    Caralho,gozei muito nesse conto quero a continuação

  • Responder MAX

    fêmea tem que ser abusada e fudida desde pequena. …dar prazer aos machos e guardar porra quente dentro do útero o máximo que puder. ….se engravidar, melhor ainda. …um filho pra cada macho da família dela … é obrigação dela satisfazer machos

    • Ana

      Amo Seu comentario max

    • WM

      Que delícia de comentário. É assim mesmo. Buceta e pra ser fudida mesmo.

  • Responder Anônimo

    Delícia! Eu adorava apertar a xotinha até ficar molinha…

    • Armando

      Maravilhoso.
      Muito tesão.
      Buceta novinha fazendo a alegria dos marmanjos de plantão.
      Tudo com muito carinho, saliva e porra
      Coisa linda e fofa.

    • Carisonho

      Concordo

  • Responder Cidine

    Delícia de trabalho conto vamos fazer um bom grupo de no Telegram lá e seguro o meu e cidine silva

    • Shofi

      Me põem em grupo de incesto meu telegrama Shofi

  • Responder Angel

    Delicia de conto.

  • Responder Anônimo

    Conto muito excitante !!! Do inicio ao fim bem elaborado, enquanto se vai lendo parece dar pra ouvir a voz dessa menina linda pedindo pra ser acarinhada, e isso da o maior tesão.

  • Responder Ex

    Delícia de conto a maioria dessas meninas gostam da safadeza …

  • Responder Leão

    Menina que delícia de conto, você conta com todos detalhes.
    Adoro novinha putinha assim, pra ficar mais excitante cola a idade no tempo ocorrido.

  • Responder Max

    Você gostou Viviane você já praticou

    • Pachecao

      Poxa que tesão queria ter uma enteada safadinha assim…

  • Responder Grisalho

    Delicia de conto,curto de mais um conto com homens maduros pai, tiozão,vô, sogro etc… parabéns

  • Responder Pai curioso

    Grupo algum?

    • Anônimo

      Bora faze um grupo

  • Responder Padrastro negro

    Que delícia de conto alguém tem grupo no whats?

    • Nikita

      Também vivi isso aos 10 anos

  • Responder Anônimo

    Conta quando te arrombaram o cuzinho…

    • Anônimo

      Nikita conta como foi,em detalhes!!

  • Responder Anônimo

    uma ótima aula de como garotas gostam de serem tratadas

    • Viviane

      É verdade haha. Uma delicia de conto

    • Anônima

      No fundo todas nós amamos ser tratadas como vadiazinhas que somos…