#

Cuidando a cachorrada!

1239 palavras | 7 |4.50
Por

Encontrei estes dias na rua um amigo de infância lá do interior que nem eu, conversamos bastante pois estávamos com saudade um do outro, conversa vai, conversa vem ele me disse que tinha comprado um sitio pequeno aqui nos arredores da cidade, e como ele gosta muito de animais transformou o sítio num abrigo e hotel para cães, ele tinha cachorros que as pessoas largavam, uns que a prefeitura levava para ele, outros que os donos não queriam mais em casa então pagavam para ele cuidar, e hotel para as pessoas que queriam viajar, deixar seus animaizinhos bem cuidados. Me convidou para visitá-lo, e eu como gosto muito de animais, e já pensando nas cadelas que eu ia ver lá tratei de arrumar um dia para visitá-lo.
Fui numa sexta de manhã para passar o dia com ele, fui recebido com muita alegria, me apresentou a esposa e a filha, e sentamos na area para conversar, estamos conversando quando aparece uma cadela enorme parecendo uma dalmata só que bem maior, nem sei a raça, maior que um fila, mansa, veio correndo onde eu estava e eu fiz carinho nela e ela já não me largou mais, meu amigo foi me mostrar o sítio, o galpão da cachorrada e a cadela sempre junto, sempre que podia eu dava uma olhada numa buceta linda, grande, carnuda que se tremia toda quando a cadela andava, o galpão grande, largo, um corredor largo e limpo no meio, e nos lados várias gaiolas com um ou dois cães cada, e no fundo uma porta grande que dava para um patio enorme, onde eles quase todos os dias soltava a cachorrada para brincar e tomar sol, me apresentou o Ildo que era o rapaz que cuidava os animais para ele, típico peão do interior, alto, magro, moreno, e um jeito meio tímido. Fomos almoçar e conversando ele disse que há tempos queria ir lá onde crescemos, ver o pessoal, os parentes matar saudade dos amigos e da terra, aí eu perguntei e por que não vai, ele disse não tenho quem deixar aqui, tem que ser uma pessoa de confiança, perguntei e o Ildo, ele disse ele não pode, só pode de dia, a noite ele tem família, mora numa zona meia braba, não fica fora de casa de noite.
Aí falei para ele como eu gosto de estar num sítio, gosto de animais, eu fico para ti, fico de noite até umas horas da manhã, vou fazer minhas coisas depois volto, ele ficou faceiro, disse que ia me chamar então, quando foi uma quinta ele me chamou, tu podes ficar este fim de semana para mim, claro que posso, então eu vou amanhã e volto domingo de noite.
Sexta cedo eu estava lá, ele me deu todas as dicas que precisava, me levou no galpão, e me mostrou o que tinha que fazer lá, e me mostrou uma cadela de rua pelo amarelo, e me disse ela está no cio, quando for largar a cachorrada lá fora não solta ela, nisso o Ildo chegou e ele se foi com a família.
Eu e o Ildo passamos o dia lidando com a bicharada, a tardinha o Ildo se foi, fiquei sentando na frente da casa, nisso me aparece a cadelona a Laila, começou a se esfregar em mim, comecei a fazer carinho nela, e de vez em quando eu passava a mão na buceta e ela ficava quieta e erguia a cola, entrei fui lá nos fundos da casa, chamei a Laila, ela veio correndo, tirei a calça e cueca e ela veio já me lambendo o pau que a esta hora estava duraço, comecei a acariciar a buceta e ela ficou firme, fui para trás dela, cuspi bem encaixei a cabeça da piça na porta e empurrei, não sou dotado, 17cm, grossura normal, a piça entrou tranquila, quando vi estava tudo dentro e a cadela nem se mexia, inicíei uma foda lenta gostosa, falava baixinho com ela, acariciava e fincava, foi uma foda deliciosa, me acabei todo, tirei a piça, ela lambeu toda, e fui tomar um banho.
Botei só um calção, jantei, dei um tempo e fui no galpão dar uma olhada nos bichos, meu pensamento estava naquela do cio, olhei tudo, peguei uma corda e uma fucinheira e fui na gaiola da cadela, bem mansinha, coloquei a corda no pescoço, a fucinheira, tirei ela da gaiola e atei na grade da mesma,tirei meu calção, a piça esta hora dava laçaço na barriga, olhei aquela buceta inchada vermelha, a cadela cheirou minha piça e já entesou, torceu a cola para um lado e virou a bunda para mim, ela sentiu o cheiro de macho, colquei a cabeça na porta, encaixei nos beicinhos e comecei a empurrar entrou um pouco mas estava muito apertado, o canal tava fechadinho, ela começou grunir baixinho, firmei ela bem pelas virilhas, e fui empurrando devagar mas firme, e aquilo foi se abrindo, ela começou a grunir mais alto, me deu mais tesão, de repente o pau parece que mergulhou num lugar úmido e quente, ela deu uns pulos mas parou e eu iniciei uma foda que era uma loucura, fodi como doido, quando acabei as pernas ficaram moles, deixei dentro até amolecer e saír, tirei a fucinheira para ela me lamber e se lamber, fiz uns carinhos nela e coloquei de volta na gaiola.
Dormi tranquilo, relaxado, no outro dia o Ildo chegou foi cuidar dos bichos, eu fui lá ajudar ele, e vi que ele de vez em quando me olhava e meio se ria, até que ele rindo me disse o senhor chegou antes de mim, se adiantou, eu digo como me adiantei, tu chegou aqui primeiro, diz ele ali na cadela, ela levou tico de homem ontem e só o senhor está aí, eu tava de olho nela, hoje quando o senhor fosse em casa eu ia tirar o cabaço dela, aí eu disse então tu está a costumado a foder as cadelas, por acaso é tu que come a Laila?
Ele disse desde o primeiro cio, como ela sempre que dá no jeito, e ela adora foder, eu disse eu sei ontem eu fudi ela, e ela ficou tranquila, pode foder esta aí que é muito gostosa, aí ele me contou das cadelas que ele já tinha fudido lá, eu fiquei morrendo de tesão. Eu disse vou te deixar a vontade, para tu foder esta aí, vou para casa volto mais tarde, mas antes me mostra uma outra que pode ser fudida, ele me mostrou uma cadelinha preta de média para pequena, ele disse esta aguenta tudo, é mansa e se o senhor tirar roupa antes de soltar ela, ela já sabe que vai levar piça, lambe bastante a piça e se ajeita, não precisa atar.
Fui para casa, doidinho para chegar a tardinha e eu voltar para o sitio, ter um encontro com minha pretinha, nos tres dias que fiquei lá eu e o Ildo passamos na piça quase todas as cadelas. To louco que o meu amigo queira viajar de novo!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 30 votos)

Por #

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Nilo

    Posta a continuação ?

  • Responder @Rodrigo117

    Curto muito seus contos

    • Joseeu quero

      Bom dia ,VC mora aonde?

  • Responder Mlkaozoo_MT

    Muito bom tido.. conta aí como foi a foda com o Ildo

  • Responder Paulo

    Porra, fiquei de pau duraço!

  • Responder Anônimo

    adoraria saber um email eu tambem tenho tesao em contos assim meu email é esse [email protected]

  • Responder Anônimo

    Adoro seus contatos sou seu fã