#

Fui Brincar Na Casa Do Amiguinho…E Voltei Sem As Preguinhas…

2462 palavras | 16 |4.32
Por

Não sou muito bom pra contar histórias, mas vou tentar relatar fielmente, os detalhes do que aconteceu naquele dia chuvoso de Março.
Todos os dias depois que voltava da escola, eu almoçava, fazia a lição de casa, e depois ia pra casa do meu amigo Fabinho.
Um dia estávamos na sala assistindo tv, porque estava garoando e não dava pra brincar no quintal, a mãe dele o chamou, e mandou que fosse tomar banho um rápido e se arrumar, porque tinha uma consulta marcada no dentista, ele relutou mas não adiantou.
Assim que o Fabinho se levantou do sofá, eu também me levantei pra ir embora, mas a mãe dele falou que eu podia ficar a vontade e esperar, porque voltariam logo, e que o irmão dele, o Gustavo estava no quarto dele estudando.
Voltei pra sala e me sentei no sofá.
Assim que o Fabinho e a mãe saíram, o Gustavo desceu, passou por mim, e foi até a cozinha.
De lá, ele chamou por mim.
Levantei e fui ver o que ele queria.
Ele estava preparando um lanche, e perguntou se eu também queria, agradeci e já ia voltando pra sala, ele me chamou, e pediu ajuda pra levar as coisas para o quarto dele.
Encostei no batente da porta, e aguardei.
Ele arrumou o lanche num prato, pegou uma lata de refrigerante, e antes de fechar a geladeira, pegou um pedaço de pudim e colocou em outro prato, olhou pra mim, e perguntou se eu queria pudim de leite, aceitei na hora…
Ele riu, pegou outro pratinho, cortou um pedaço grande e colocou nele.
Me chamou, me deu o prato grande com o lanche dele, colocou a latinha de refrigerante no bolso da bermuda, pegou um pratinho em cada mão, e falou.
– vamos bebe…
– bebe !!! Exclamei achando estranho ele me chamar assim…
– bebe…pra mim vc é um bebe…e um bebe bem bonitinho sabia ???
Sim, dos irmãos do Fabinho, ele era o mais velho do Fabinho, fazia Medicina, acho que tinha 22 anos, o outro, Humberto, tinha 16, e eu tinha a mesma idade do Fabinho…onze anos.
Eu ri, e saí andando na frente, porque eu conhecia a casa e sabia onde era o quarto dele.
Chegamos no quarto, ele pediu pra eu colocar o prato numa bancada ao lado do notebook, e colocou os dois pratinhos na bancada também.
Puxou a cadeira dele, abriu o notebook, e ao mesmo tempo que mexia nele, pegava o lanche e dava umas mordidas.
Eu peguei o meu pudim e ia voltar pra sala, mas ele puxou um puff, e falou que eu podia ficar ali com ele.
Sentei, e mandei ver no pudim.
Ele acabou de comer o lanche dele, e pegou o pudim.
E da mesma forma que fez com o lanche, estava fazendo com o pudim…mexia no notebook e pegava um pedaço do pudim.
Pegou um livro que estava aberto, folheou algumas páginas, marcou alguma coisa com um lápis, abriu outra tela do notebook, e começou a digitar rápido.
Parou, pegou o pedacinho de pudim que ainda restava e colocou na boca.
– eu amo esse pudim, minha mãe deveria fazer mais vezes…
Pegou o pratinho, levou a boca, e virou devagar pra tomar a calda…
Mas…não foi uma boa ideia…
A calda escorreu pelos lados…e sujou ele todo.
Ele levantou gritando, reclamando da própria idiotice.
– CARALHO…QUE MERDA QUE EU FIZ…
Eu levantei, e sai de perto dele.
Ele olhou pra mim e falou…
– tudo bem Pietro, fica de boa…te assustei ???
– não, eu saí de perto pra não pisar e sujar tudo por aí.
Ele tirou a camiseta que usava, se limpou com ela, e depois usou para limpar a cadeira, e passou no assoalho também.
Embrulho a camiseta, e jogou num cesto perto da porta do quarto.
Olhou para o short’s e falou…
– puta que pariu, tô todo melado, vou ter que tomar banho.
Não se fez de rogado…
Tirou o short’s ali mesmo na minha frente…
Fiquei estático olhando pra ele nu, ali na minha frente.
Sim…olhei sim…
É óbvio que fiquei olhando diretamente para a rola dele, eu nunca tinha visto uma rola de verdade, assim ao vivo e em cores, já tinha visto em revistas, em filmes, no banheiro da escola, nas brincadeiras entre os amiguinhos…mas de um adulto, nunca tinha visto uma até aquele dia…
Ele se aproximou e perguntou.
– o que foi Pietro, nunca viu homem pelado na sua frente ?
Só balancei a cabeça negando.
Ele chegou mais perto e falou.
– vem aqui comigo…
Me pegou pelo braço, e me levou até a cama dele.
Sentou na cama e me colocou sentado ao lado dele, passava as mãos nos meus cabelos ao mesmo tempo que falava.
– tá com medo do que ?
Não sei porque, não conseguia responder nada, mas eu estava preocupado…
Ele me pegou e colocou no colo dele, me abraçou forte, beijou meu rosto, passou a ponta da língua dentro do meu ouvido…
Puta que pariu…até hoje quando me lembro, quase chego sentir a mesma coisa que senti naquela hora…
Meu corpo respondeu de forma involuntária…
Me arrepiei todo, dos pés a cabeça, e ele percebeu e se aproveitou disso, e pediu pra tirar a minha camiseta.
Eu deixei.
Ele me colocou de volta sentado na cama, pediu pra eu levantar os braços, e tirou a minha camiseta com cuidado e bem devagar.
Sentou perto de mim, meio de lado, e fez eu me deitar na cama.
Começou a passar a língua no meu corpo.
Começou pelos mamilos, depois umbigo, subiu pelas laterais, e mordeu a minha axila de leve…
Não sei explicar o que era aquilo que estava sentindo na hora…mas sei que estava gostando daquilo, e já não tinha mais preocupação com nada.
Ele me acariciava com uma das mãos, enquanto que com a outra soltava os botões da minha bermuda.
Soltou todos…e começou a puxar devagar pra tirar.
Tirou tudo…a bermuda e a cueca junto.
Fiquei completamente nu deitado na cama, e nessa altura dos acontecimentos ele já estava deitado ao meu lado.
Sentia a rola dele me cutucando, e tentava me afastar, mas ele me puxava de volta, até que pegou na minha mãe e levou até ela.
– pega nela…pode pegar…sente como ela ficou
Eu segurei de leve…bem de leve mesmo, quase soltando, mas ele segurou na minha mão e fez eu pegar firme.
Com muita tranquilidade, ele levantou, me colocou deitado direito na cama, se ajeitou sobre o meu corpo, e começou a passar a rola nos meus lábios bem devagar, e as vezes batia no meu rosto com ela.
Mandou eu abrir bem a minha boca…
Eu abri o mais que pude, ele colocou a cabeça inteira dentro dela e mandou eu passar a língua como se tivesse com um pirulito na boca.
Eu fiz exatamente como ele mandou.
Ele falava como eu tinha que fazer, eu fazia…
Foi a primeira vez que chupei uma rola na vida…
Chupava devagar como ele pedia, e ele gemia, se contorcia e falava coisas pra mim…
– que boquinha gostosa Pietro…hummmm…de hoje em diante, você vai ser o meu viadinho predileto, vou fazer de você a minha menininha…isso…chupa mais chupa….assim…gostoso…isso…
Não sei por quanto tempo fiquei chupando a rola dele naquela posição, cheguei engasgar algumas vezes, mas continuava mesmo assim…acho que já estava gostando daquilo também.
Ele pediu pra eu parar, tirou a rola da minha boca e falou…
– depois você chupa mais bebe…não quero gozar na sua boquinha, quero gozar na sua bundinha linda hoje…
Mandou eu vira e ficar com a bundinha pra cima…
Começou a beijar e morder também…
Novamente senti meu corpo arrepiar, mas nada comparado ao momento que ele abriu as minhas nádegas e passou a língua no meu cusinho…foi demais, foi gostoso demais…foi muito bom…
Ele chupava meu cusinho com uma certa volúpia, e eu sentia coisas que até então não imaginava que um dia poderia sentir.
De repente ele parou, levanto e pediu pra eu esperar.
Continuei deitado do mesmo jeito, quietinho esperando ele voltar pra cama.
Ele abriu a porta do armário dele, pegou alguma coisa e voltou pra cama.
Hoje eu sei que ele foi pegar um tubo de gel lubrificante.
Ele abriu o tubo, encostou no meu cusinho e espirrou uma grande quantidade…
colocou o tubo de lado, e foi direito.
Meteu o dedo indicador de uma vez.
Eu senti uma dor do caralho, e gritei na hora…
-aaaiiiii…paraaa…tira…tira…tiraaa…
Ele deitou ao meu lado e começou a passar a língua dentro do meu ouvido novamente e falava pra eu relaxar…
– calma bebe…calma…é só agora que dói só um pouquinho…depois você vai gostar…calma relaxa…
Ele ficou com o dedo enfiado no meu cusinho, ao mesmo tempo que me beija e me acariciava com a outra mão.
Devagar ele começou a tirar o dedo, e eu senti um certo alivio…mas foi só um pouquinho, porque ele começou a enfiar novamente, mas dessa vez, foi devagar…bem devagar…
Ficou fazendo isso por um bom tempo.
Ele pegou o tubo de gel novamente, pediu pra eu abrir, eu abri e devolvi pra ele.
Senti o geladinho no meu cusinho de novo.
Ele fez do mesmo jeito, encostou o tubo no meu cusinho e deu uma boa espirrada.
Começou a enfiar o dedo com mais força, o que eu sentia era uma mistura de dor…e prazer…
Puta que pariu, eu sabia que daquele dia em diante, eu não seria mais o mesmo, mas não me preocupava, queria continuar ali com o Gustavo.
Ele se aproximou e falou baixinho no meu ouvido…
– eu te disse que ia doer só um pouquinho…esse cusinho guloso já tá engolindo dois dedinhos…
Uau…então ele estava enfiando dois dedos no meu cusinho, sim…eu senti um pouco mais estranho, mas não imaginava o que era.
Ele foi tirando os dedos de dentro de mim bem devagar…
Levantou da cama…
Pediu pra eu virar, e olhar pra ele, fiz isso.
Com jeito, ele me trouxe até a beirada da cama, e me colocou na posição de frango assado…
Pegou o tubo de gel, e passou bastante na rola, pegou mais um pouco e passou no meu cusinho.
Se posicionou e foi ao ataque…
Começou esfregando a rola no meu reguinho, de baixo pra cima, e quando passava com a cabeça da rola no meu cusinho, dava uma estocada…e assim foi uma…duas…três…e na quarta vez ele parou e deu uma forçada mais forte.
– AAAAIIIIIIIII…. SOCORROOOOOO….TIRAAA GU….TIRAAAAAAA…POR FAVOR….AIIIIII …..AAAAIIIII…TIIRAAAAAA GUUUU……..AI…AIIIII AIIIII….TÁ DOENDO GUUU…TÁ DOENNDOOOO…POR FAVOR….AI AI AI…TIRAAAAA….
Mas ele não tirou…depois que a cabeça entrou no me cusinho, ele foi enfiando devagar até não ter mais o que por dentro de mim…
Eu sentia dor…muita dor…
Quando entrou tudo, ele deitou sobre o meu corpo, e pediu pra eu olhar pra ele, e falou…
– relaxa bebe…agora ela tá todinha dentro de você…relaxa bebe…quero encher esse cusinho guloso de porra…
Eu olhava pra ele com as lagrimas escorrendo pelo meu rosto, e ele me beijava e lambia meu rosto…
Pediu pra eu abria a boca, e enfiou a língua quase que inteira dentro…
Esse também foi meu primeiro beijo na boca.
Depois de alguns minutos totalmente empalado com aquela rola imensa dentro do meu cusinho, virgem até então, ele começou a socar bem devagar…e gradativamente, conforme a respiração dele ia mudando e ficando mais alterada…ele socava com um pouco mais de força.
De repente ele me abraçou forte…e falou alto…
– HUMMMM GOSTOSO…QUE CUSINHO GOSTOSO VOCÊ TEM BEBE….TÔ GOZANDO AMOR…TÔ GOZANDO….TÁ SENTINDO MINHA PORRA NO SEU CUSINHO BEBE…
Sim…eu senti sim…
Eu estava sentindo uma coisa estranha dentro de mim…era ele gozando muito…e enchendo meu cusinho de porra pela primeira vez…
Depois de gozar muito, com cuidado ele se deitou sobre meu corpo, e eu continuei com as pernas entrelaçadas na cintura dele.
Senti a rola dele amolecendo e saindo de dentro de mim, ao mesmo tempo que sentia alguma coisa escorrendo enquanto a rola saía devagar…bem devagar…
Ficamos nessa posição por alguns minutos.
Ele Se levantou, mandou eu abrir as pernas, passou os dedos no meu cusinho que estava todo melado de porra e gel…enfiou devagar…mas não senti dor dessa vez…e ele notou uma coisa que pra mim tinha passado despercebida…
Minha pistolinha estava ficando durinha na medida que ele enfiava os dedo novamente no meu cusinho guloso.
Sentou de lado na cama, e foi direto com a boca na minha pistolinha…
Abriu a boca e chupou minha pistolinha com o saco e tudo, e fez eu gozar pela primeira vez também diferente das vezes que eu tocava uma no banheiro, sem ajacular ainda, só mesmo uma aguinha rala…e mais nada.
Foi assim que perdi as minhas preguinhas…aos onze anos…num dia chuvoso de Março.
E depois dessa vez, o Gustavo sempre arrumava um jeito de me comer gostoso.
Ele comeu o meu cusinho até os catorze anos, quando foi estudar fora…mas durante esse três anos…muita coisa rolou…com ele…e também com mais dois amigos dele…
Imaginem…eu, com doze anos…fazendo uma suruba com três…
Detalhe…a maior rola que entrou nesse cusinho até hojê, por incrível que pareça…não foi a do Gu, e nem as dos amigos dele…
Foi a do Fabinho…Tínhamos dezesseis anos quando rolou a primeira vez …e pasmem…mesmo já tendo dado muito para o Gustavo…o Fabinho, conseguiu me deixar com o cusinho ardido e dolorido durante três dias…pois o menino tinha uma senhora rola de 22 cm…
Tivemos outros encontros depois da nossa primeira vez…mas…são outras histórias, e eu prometo contar aqui quando tiver um tempinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,32 de 53 votos)

Por #

16 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Gustavo

    Uau ! Coincidências acontecem.
    Me chamo Gustavo, tenho um irmão chamado Fábio, e fiz do amiguinho dele, a minha putinha. Na época eu tinha 22a tbm, e o garoto tinha 11a. A diferença, é que eu não fazia medicina. Tbm não consigo lembrar o nome do menino, pq todos o chamavam por Lilo. Outra coincidência, é que a primeira vez, rolou no meu quarto tbm. E estávamos só nós dois em casa nesse dia. Brinquei muito com aquele garoto. Perdi a conta de quantas vezes gozei na boquinha e no cusinho dele. A última vez que nos encontramos, ele já era adulto, tinha 19a, mas gostava de chupar e ter o cusinho leitado. E nos encontramos por acaso numa lanchonete, e acabamos no meu quarto.
    Ele bem mais experiente, muito mais guloso…e ainda muito gostoso de meter no cusinho dele.

  • Responder passivo discreto de Recife

    procuro machos ativos em Recife, adoro mamar picas e sentir seus sabores. [email protected]

  • Responder passivo discreto de Recife

    procuro machos ativos em Recife, nadoro mamar picas e sentir seus sabores. [email protected]

  • Responder Victor Hugo

    Muito bom continue
    Telegram:@VHSouza

    • Yuri

      Amei
      Telegram @Yurxi

  • Responder Tiozão Pr

    Porra mano… Gozei sem usar as maos.

  • Responder Robert 2008

    Muito bom. me vi no lugar do garoto, porque isso aconteceu comigo, praticamente da mesma forma. So que eu era mais novo ….
    Nunca contei pra ninguem…

  • Responder luciano berta

    que conto delicioso, quase gozei aqui! estou ansioso para ler os pròximos e nâo deixe de publicar mais, adorei!

  • Responder Anônimo

    Bom

  • Responder Karl366

    Estou começando a iniciar meu sobrinho de 9 aninhos, o garoto é muito safadinho, já está aprendendo a chupar minha rola aceita sem reclamar meus dedos no cuzinho. Sempre que pode ele vem me procurar pra brincar!!!
    Quem quiser trocar idéias sobre o assunto, é só me chamar: [email protected]

    • Wanessa

      Quando eu tinha 9 aninhos esperava o meu tio durmi e chupava o pau dele na sala enquanto todos da casa dormiam Saudades dessa época 😋

  • Responder Gostodenegra

    Muito bom

  • Responder Pelado Santos

    Delicia de conto

  • Responder Quero perder minhas pregas

    Que delícia de conto. Esses contos do cnn fizeram eu ter vontade de sentir uma língua no meu cu, de sentir uma rola passando no meu rego e de sentir um pau gozando no meu cu.
    Tô sedento por rola, mas quero perder minha virgindade com uma rola bem rosa.

    Interessados entrem em contato
    [email protected]

  • Responder DonHelder

    Que delicia .
    Quero um novinho gostoso assim pra mim também.
    Sou de SP, sou um cinquentão de boa que gosta de tudo,e se for pra gozar gostoso, tem que ser tudo mesmo, sem limites e sem frescura.
    Não curto drogas, sexo bizarro, sadomasoquismo, e nem zoofilia…

    • Anônimo

      Eu quero te conhece moro em sp tbm.
      Nunca fiz nada com outro cara pq tenho medo de ser machucado.
      Sou branco 1,70 cabelo claro tenho 16 anos e moro perto do Estádio do Pacaembu, se vc tiver a rola grande e grossa não vai rolar tá bom.