início com o meu garoto 3

09-09-18 Por 17 ★ 4.96

Ler os anteriores…
Depois de brincar bastante com o meu filho, continuava com muito tesão, mais não podia tentar nada com ele, poderia estragar tudo e ele desistir, e com o amiguinho junto ele iria querer ser superior e ir até o fim, mais também estava de olho no Julinho, aquele rabinho também seria meu.

Minha esposa chegou, não deixei nem tirar a roupa, já fui beijando e passando a mão na sua bunda na sala mesmo na frente das crianças que brincavam.

Ela: -calma amor deixa eu dar um beijo nas crianças pelo menos,
Eu: -não demora estou te esperando no quarto.

Ela chegou e eu já fui levantando sua saia e metendo a mão na sua buceta úmida,

Ela’ 😮 que deu em você hoje? Deixa eu tomar um banho,
Eu :- não, eu quero assim como você estar.

Queria sentir seu cheiro, depois de um dia de trabalho, apesar de saber que no seu escritório ela tem um chuveirinho instalado para se lavar sempre que faz xixi, não gosta de se enxugar com papel.

Tirei sua blusa liberando uns seios firmes apesar de dois filhos e o bebezão aqui que adora chupar, protegido por um sutiã meia taça negro, que lhe deixava com um ar empinados, tirei a saia, lhe deixando de calcinha também preta fazendo par com o sutiã, e sandálias altas que lhe arrebitava mais a bunda carnuda e firme, desabotoei o sutiã nas suas costas liberando de vez seus seios de um volume médio duros e gostosos sem silicone, com bicos pontudos onde eu me acabo de mamar. Adorava mama-los quando estavam cheios de leite na época das gestações e pôs parto.
Chupei até deixá-los enturmecidos.
Desci e fui retirando sua calcinha, sentindo aquele arroma agradável de buceta suada, sua calcinha estava com o fundo úmido de suor, xixi e suas secreções natural. Cheirei enchendo minhas narinas com aquele aroma tão peculiar de fêmea gostosa e pronta para ser fudida.

Ficou só com as sandálias altas, seu corpo perfeito, fazendo conjunto com seus seios, uma buceta carnuda, desta vez lisinha como a da filha, porque adoro deixá-la cabeluda, principalmente quando estamos em Santos, porque fico lhe exibindo na praia e calçadão com calça legging sem calcinha, fica ainda maior.
Lhe deitei na cama, tirei as sandálias, chupei sua língua, desci até os seios gostosos, chupei, chupei, lambi, mordi, mamei muito, fui descendo a boca até seu umbigo, onde meti a língua lhe tirando suspiros, desci até encontrar a buceta mais linda, suculenta e gostosa que conheço. Beijei, lambi por cima da testa, encontrei o clitóris avantajado que neste momento parecia um dedinho, chupei prendendo entre os lábios, ela só grunia de tesão e prazer, meti a língua naquela gruta que tanto conheço, fui buscar no fundo o doce do seu néctar, mamei fazendo ela delirar pedindo pela minha rola, não atendi, queria que no fundo ela me proporcionasse todo o prazer que teria no dia seguinte com o meu filho.
Depois de explorar suas entranhas, sua buceta estava ainda mais gorda e receptiva, minha pica estava na plenitude da dureza, pincelei sua buceta e meti de uma vez e segurei dentro, ela deu um berro de dor e tesão, sua buceta latejava, por incrível que pareça, apesar de dois filhos, ela é muito apertada ( seus partos foram cesáriana para mantê-la sempre apertadinha), minha pica estava em seu útero, dentro daquela fornalha que lhe mordia, mastigava, sugava como a boca de um neném faminto, era simplesmente maravilhosa a sensação de estar ali dentro.
Seus gemidos foram cessando, as lágrimas lhe deixava o rosto úmido, lambi enxugando e sentindo o salgadinho delas. Lhe beijei a boca logo retribuído, fui bombando delicado, a cada metida aumentava a velocidade, agora já acostumada pedia:- me fode, me arromba toda com essa pica maravilhosa, gostosa!..fode como só você sabe, só você me faz sentir o maior dos prazeres, (se não à conhecesse, poderia jurar que já tinha experimentado outra, casou virgem, fui o primeiro e ainda sou o único), bombei cadenciado lhe tirando gozos seguidos, as vezes dava desmaios de prazer e eu lhe trazia de volta com minhas metidas que não paravam. Não sei quantas gozadas deu, mais estava mole e com uma respiração pesada, mais eu não estava satisfeito.
Levantei suas pernas colocando nos meus ombros, tentou reagir mais não tinha forças, encostei a cabeça da pica no seu cu, com isso anunciei a minha intenção, ela se mecheu esperando, apesar dela adorar dar o rabo, sei que é muita pica para meter assim, iria judiar muito da minha rainha. peguei o lubrificante e untei bem a minha caceta e com ela pincelando lubrifiquei seu cuzinho.
Fiz pressão e a cabeça se escondeu, ela reagiu apertando meu pau numa reação involuntária, deixei relaxar e fui empurrando até sentir meu púbis encostar na sua deliciosa bunda carnuda, e muito apertada.
Como é gostoso comer o seu rabo, como eu gosto de ver o ar de felicidade no seu rosto quando estou lhe enrabando, ela é completa, maravilhosa, perfeita, a fêmea que muitos desejam ter, e é um privilégio para mim possuir.
Enquanto eu tirava e botava tudo de novo, ela gemia e jogava a cabeça para os lados de olhos fechados.
Ela:- me enraba com essa pica gostosa, estou sentindo no meu estômago (um pouco de exagero), me fode, me faz a mulher mais realizada por ter tudo isso só para as minhas entranhas, fode, goza, quero sentir a quentura dessa tua porra lá dentro. Eu já não aguentando mais, bombei forte e urrando como um animal ferido lhe enchi de porra, parecia até que não tinha gozado bastante brincando com o meu filho.

No outro dia, uma sexta-feira, no café da manhã minha esposa pergunta:- o que deu em você ontem ?, estava tarado?!, Eu adorei, não deixou nem eu tomar banho.
Eu:- sou tarado em você que é a minha gostosa, e ontem fiquei muito exitado durante o dia pensando em você,
Ela:- eu gostei da surpresa!
Eu lhe beijando e apertando seu seio, falei:- minha gostosa!

Fui trabalhar já exitado quase não consegui coordenar minhas ações, não conseguia me concentrar em nada.
Por volta das quatorze horas, chego em casa, meu menino já tinha chegado da aula e almoçado, já brincava com o Julinho em seu quarto. Liberei a babá, e fui tomar um banho para aliviar a tensão e refrescar, pois parecia um adolescente preste a fuder sua namoradinha pela primeira vez.

Procurei a Rebeca, como sempre estava dormindo naquela hora, fui até seu quarto, entrei e ela estava só de calcinha branca justa no seu corpo, sua bucetinha tufada com a racha bem visível, cheguei perto, cheirei por cima da calcinha, um cheiro de talco infantil, estava quentinho aquele pacote lindo e fofo.

Voltei para o meu quarto e preparei uma pasta com xylocaina e lubrificante para passar no cuzinho do meu filho, para ele sentir menos dor na hora que fosse enrabalo.

Cheguei no quarto do Fabinho ele estava brincando com o Julinho, quando me viu:
Ele:- oba! O papai chegou, e veio correndo me abraçar, dei um abraço e um beijo em sua boquinha.
Julinho:- tio é verdade que o senhor vai colocar a pica no cu do Fabinho?
Eu:- vou sim,
Ele:- ele disse que eu poço ver!
Eu:- pode sim, e eu vou colocar no seu também!
Ele:- não pode!, O pai disse que não é para eu deixar ninguém fazer isso, só ele!
Eu:- mais eu sou amigo do Marcos, e vou deixar ele colocar no cuzinho do Fabinho também,
Ele:- ele disse que queria colocar a pica no cu do Fabinho como faz comigo,
Eu:- tudo bem eu vou deixar, mais você tem que deixar eu colocar no seu também para ficar empate,
Ele:- então eu deixo.

Meu pau estava extremamente duro com aquela conversa, e falei, :- vamos para o meu quarto, lá fica melhor para brincarmos!.

Tirei o calção do Fábio, mandei ficar de quatro na beira da cama e peguei a pasta que tinha preparado e passei no cuzinho dele colocando bem dentro com dois dedos, reclamou um pouco, mais minha intenção era deixar passar um tempo para o anestésico fazer efeito.
Ele:- pai isso tá gelado e o meu cu parece que tá ficando dormente. bingo, tá dando certo.

Deitei na cama e falei:- vamos esperar um pouquinho, enquanto isso chupa a pica do pai para ficar bem dura.
Ele tirou meu short e começou a mamar gostoso, falei:- Julinho vem ajudar o Fabinho!
Ele:- eu nunca fiz isso!,
Eu:- O Marcos nunca deu para você chupar?
Ele:- só quem chupa ele é a mamãe e a Ju!
Eu:- então vem, Fabinho ensina ele como se chupa uma pica.

Meu filho não se fez de rogado, caiu de boca colocando o que dava na boca e depois de chupar bastante, falou:- é assim que faz! Vem!

O Julinho pegou meu pau, apertou e falou:- tio mais o seu é maior e mais grosso que o do papai, não vai entrar em mim não!
Eu:- vai sim, o tio vai saber colocar e você já é machinho!
Ele:- sou sim o papai falou!
Eu:- pois é, você vai aguentar tudinho sim, o tio vai mostrar para vocês! Agora chupa como o Fabinho estava fazendo.
Julinho pegou, analisou e colocou a cabeça na boca e ficou passando a língua, depois foi engolindo até mais da metade, menino guloso, começou a mamar, no começo desajeitado mais depois pegou jeito e ficou gostoso, para quem nunca tinha chupado, foi muito bom, chega a baba escorria pela pica e suas mãos, mais eu não podia gozar e estragar tudo, pedi para ele parar, coloquei de quatro na beirada da cama, dei uma lambida em seu cuzinho que piscou com o contato da minha língua, peguei a pomada preparada, fui lubrificando aquele rabinho que já mostrava que entrava pica ali, mais como era novinho ainda ficava fechadinho, mais o dedo entrava com uma certa facilidade, coloquei um, dois, três e ele acusou, reclamou que doia. Pedi calma e continuei lubrificando, já aceitava sem reclamar, estava no ponto, o Flavinho só observava com curiosidade.

Lhe Deitei na beira da cama de frango assado, queria ver a expressão no seu rosto a medida que minha caceta fosse entrando. Passei bastante creme na cabeça do meu pau, queria também perder um pouco da sensibilidade, queria aproveitar o máximo dos dois.
Pincelei com a cabeça do pau o seu cuzinho, vi um misto de apreensão e curiosidade em seu rosto. Encaixei a cabeça e precionei, realmente ainda era apertado, resvelou e não entrou,
Com calma posicionei novamente e me certifiquei que a ponta da cabeça estava bem encaixada e empurei, a cabeça passou e ele deu um gritinho e:- aiiiii tio! Doeu!
Eu:- fazendo carinho no seu pauzinho que estava bem duro, um pouco maior e mais grosso que o do meu filho, parei, deixei acostumar e falei:- calma a cabeça já entrou, mais você é machinho, vai aguentar tudo, tenho certeza!
Ele:- mais está doendo!,
Eu:- mais já vai passar, e vai ficar gostoso, quando seu pai meti tudo não é gostoso?
Ele:- é, mais o do pai não dói mais, ele é menor e mais fino.
Falei, Fabinho vem ajudar seu amiguinho!
Ele:- como posso ajudar?
Eu :- fica por cima dele e vem chupar a pica dele e dar a sua para ele chupar também.
Aquele meia nove dos dois putinhos estava lindo, os dois se chupando e eu com a cabeça da rola no cu do Julinho e o dedo no do Fabinho. Deixei ele relaxar, se destraiu, eu aproveitei e empurrei um bom pedaço, ele gemeu abafado pela rola do amiguinho que estava em sua boca, parei novamente, fiquei quieto esperando a oportunidade para enfiar o resto.

Tudo isso já estava levando um bom tempo e ainda tinha pica para entrar naquele rabinho quente e apertado.

Com o que tinha dentro fui fudendo devagar, toda vez que metia ele dava um gemido, eu ficava brincando até sentir que podia continuar, metia mais, mais gemidos e reclamação de dor, mais continuavam se chupando e isso lhe destraia, fui assim até colocar tudo, quando senti tudo dentro, pedi para o Fabinho sair e ficar olhando.
Que cuzinho bem encaminhado e gostoso, aproveitei e fui com calma colocando e tirando. Retirava devagar até a cabeça e empurrava tudo novamente.

Eu:- e aí Julinho, tá doendo?
Ele:- agora não tá mais, agora tá gostoso,
E realmente estava muito gostoso mais eu tinha que parar, ainda faltava o mais importante, tirar o cabaço do meu filho, fiquei brincando com o seu cacetinho até sentir sair um líquido meio transparente e ele ficar molizinho, ele tinha sentido prazer da forma dele, posso dizer que ele gozou.
Tirei o pau devagar, e ele ficou meio dormindo na cama.
Lhe chamei para dar vez ao seu amigo.
Eu:- vem meu amor, agora é a sua vez, você não quer?
Ele:- quero pai, coloca no meu cu também como o Sr. Fez com o Julinho!

Coloquei o Fabinho de quatro na beira da cama, peguei mais lubrificante misturado e enfiei já os três dedos, ele aceitou numa boa, estava preparado como eu pensei.

Fiz o mesmo processo do Julinho, lhe coloquei de frango assado na beira da cama, fiquei pincelando o seu cuzinho com o meu pau bem lubrificado. Seu rostinho estava com uma expressão de preocupação e tensão, lhe fiz carinho para ele relaxar, ele sorriu para mim.
Eu:- vou colocar filho, no começo vai doer, mais você é muito machinho também e vai aguentar como o Julinho,
Ele só balançou a cabeça com um sorrisinho, mais era um sorriso de preocupação.

Encostei a cabeça no seu cuzinho e apertei com um pouco de pressão, ele estava tenso, tinha que relaxar para não sentir muita dor, afinal era a sua primeira vez e já iria encarar um senhor cacete.

Eu:- filho papai vai colocar a minha rola em você Agaro, tá bom?!
Ele:- pai, mais não é pica?
Eu,:- também pode ser rola, mesmo naquela situação ainda estava atento em mais um nome que eu chamava meu pau.
Fiquei brincando com o seu cuzinho e pedi agora para o Julinho fazer o mesmo, um meia nove com o meu filho. A pica do Fabinho foi endurecendo na boca do Julinho.

Quando senti que ele estava mais relaxado por se concentrar no que fazia com o amiguinho, empurrei no cuzinho do Fabinho, ele gritou e empurrou com os calcanhares no meu peito, lhe segurei pelos tornozelos e puxei para os meus ombros, mais a cabeça estava dentro, seu cuzinho tentava estrangular o meu pau, assim não iria entrar mais nada.
Calma meu amor, vai já passar a dor, e você vai aguentar tudo como o Julinho. Quando afrouxou o cu, eu empurrei mais um pouco, outro grito e choro, parei.

Pedi para o Julinho sair, iria ficar olhando para o seu rosto e assim poderia controlar melhor a sua reação.
Peguei mais lubrificante, passei mais uma porção generosa no resto do meu pau que ainda estava de fora, quase todo, meu filho estava sofrendo mais como um machinho não pedia para tirar.
Não podia forçar, tinha que ser devagar e lento, a sua mãe que é acostumada e adulta, reclama bastante, imagina ele que experimentava pela primeira vez.
Usei a tática , fui movimentando devagar e colocando sempre mais um pedaço quando empurrava, ele fazia careta, lágrimas surgiam em seus olinhos e rosto, mais aguentava firme com a invasão do seu rabinho.
Já estava a metade, ele não iria aguentar tudo na primeira vez, quem pratica sabe que não é assim na primeira vez como se ler em muitos contos onde tudo é feito numa boa, e não é assim.

Fiquei parado, deixei ele acostumar com o que já estava dentro, fiquei lhe fazendo carinho, botei o Julinho para lhe beijar e fiquei fazendo carinho em seu pauzinho que estava
Durinho. Meu pau parecia que iria ser estrangulado pelo seu cuzinho, senti que ele foi relaxando e soltando mais o meu cacete me dando liberdade para fazer o vai e vem.
Ele:- pai! Entrou tudo?
Eu:- entrou filho, você é muito macho mesmo!
Ele:- então eu aguentei como o Julinho, legal, com um sorrisinho no canto da boca se sentindo realizado e não perdendo para o amiguinho. Só que o Julinho já tava bem encaminhado pelo seu pai e o Fabinho era a primeira vez e logo com o meu que tem um tamanho e grossura considerável, sua mãe que diga.

Fiquei bombando devagar, depois que ele relaxou, ficou muito gostosa aquela enrabada, uma delícia.
Meti por vário minutos e foi me subindo pela espinha uma sensação gostosa e uma descarga que acabou em gozo na ponta do meu pau, ele de frango assado, ficou sentindo minhas golfadas de porra em seu rabinho recém inaugurado, até porque anunciei a gozada com um urro alto e forte.
Ele:- pai! Tu mijou no meu cuzinho?
Quando eu iria falar, o Julinho falou primeiro:- não bobó, ele gozou em ti, o papai me falou como é,
Eu:- é filho, papai gozou no seu rabinho gostoso, isso não é mijo, é esperma, aquilo que você adora beber quando me chupa, agora você bebeu pelo cu, quando eu tirar a pica vai escorrer e você vai ver.
Deixei o pau amolecer dentro e sair com facilidade, beijei sua boquinha lhe fazendo carinho no rosto.
Depois que ele se recuperou, lhe levei até o banheiro nos meus braços, lavei seu rabinho que estava bem inchado e lhe mostrei a porra saindo. Enxuguei seu corpinho e lê levei para a cama, botei ele e o Julinho de quatro, os dois estavam com os cuzinhos bem castigados, passei bastante xylocaina, deixei os dois nuzinho e fui fazer uma merenda para nós, todos mereciamos, tudo isso demorou umas duas horas.

Dê suas opiniões para ter a sequência, entrada das mães na brincadeira, das meninas e etc….

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,96 de 24 votos)

Por

17 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Yuri

    Delícia telegram @Yurxi

  2. Ronaldo

    Não demore para contar os outros contos porque você esta nos deixando com muita tesão.

  3. Ronaldo

    Seus três contos são ótimos sou doido para fazer sexo com garotos, me lembra do meu tempo de garoto quando comia os garotos, hoje sou coroa e não aparece oportunidade. Gostaria muito que algum de vocês pais que tem este previlegio de comer seus filhos entrasse em contato comigo. Meu email [email protected]

  4. Eletrônico

    Mando sim Erick, me passa o e-mail no meu e-mail que está aí embaixo.
    Te mando em primeiro mão.

  5. Eletrônico

    Mando sim Erick, me passa o e-mail

    • Victor

      Ele pediu pro Victor rsrs

  6. Eletrônico

    Victor, não adianta pedir ZAP, não se pode publicar NR telefônico.
    Meu e-mail é [email protected], se quiser conversar, fique a vontade.

  7. Eletrônico

    Victor, leia o conto com atenção que vc vai descobrir as idades, leia desde o primeiro.
    Não precisa colocar idade, o site tem suas normas, temos que respeitar, por isso que infelizmente saiu o chat do ar, que é uma pena, espero que volte.

  8. Victor

    Amei , amo contos com crianças , quem quiser conversar e trocar experiências e fantasias deixem o zap que eu chamo , já tentei publicar contos com crianças bem menores mas não dá 🙁 , inclusive com meu sobrinho

    • Erick

      Vc mandaria seu conto pro meu email?

    • mente aberta

      Tenta não colocar a idade, deixa só sugerido que a gente imagina!

    • Anônimo

      Me manda o conto tb [email protected]

  9. Anônimo

    que delicia quando se faz isso com amor e carinho … assim as criancas vao sempre querer mais … pelo andar da carruagem acredito que num futuro proximo o proprio you tube exiba videos de incesto explicito para o deleite de quem aprecia 😉

    • Victor

      Com crianças seria bem melhor, talvez aq mesmo no site acabe liberando contos com crianças bem menores .. Porque só pode a partir dos 10 anos

  10. Chacal2832

    Cara continua que ta muito bom, quero saber se a menina tb foi iniciada

  11. Pachecao

    Adorei estou doido para tocar uma Gostosa Punheta pensando em vocês… Continue

  12. Carlos

    Muito bom, nos conte mais.