Filhas da inquilina

Autor

Olá leitores,
Esta é a primeira vez que escrevo. Nem sei bem ao certo como começar, creio que a melhor maneira seja escrever exatamente como as coisas são.
Tenho 42 anos, moro em São Paulo e sou divorciado. Tenho 1 filho que mora com minha esposa em outro estado e nos vemos poucas vezes, mais no período de férias do menino.
Aqui na minha casa, tenho uma edícula nos fundos. É uma casinha pequena, com 1 quarto, cozinha, banheiro e uma área externa como lavanderia.
Em fevereiro deste ano eu aluguei esta casinha para uma mulher. Ela tem 26 anos e já está com 2 filhas (vou ocultar as idades para não violar regras). Esta mulher que vou chamar de Vanessa e suas filhas Renata e Julia, trabalha como vendedora em uma loja de um shopping, portanto tem horários diferentes. Sai de casa as 11:00 hs e volta sempre após as 22:00 hs.
No começo ela contratou uma senhora para ficar com as meninas depois do período da escola. O pai é ausente e nem mesmo as meninas nunca falam dele.
Há umas 3 semanas, em um sábado, eu estava em casa quando a Vanessa me chamou. Ela me perguntou se eu iria sair, pois ia deixar as meninas em casa, porque a senhora que cuida delas estava viajando. A Vanessa me pediu apenas para ficar de olho, e que um sobrinho dela de 14 anos estava na casa e ia cuidar das meninas.
Fiquei atento, mas na minha casa mesmo.
Vez ou outra eu ia até a casinha para ver se precisavam de alguma coisa.
Numa destas eu percebi algo surreal, estranho mesmo. A Julia (menor) estava dormindo e a Renata estava brincando com o primo. Percebi que o menino estava de pau duro, e a Renata estava muito nervosa. Perguntei para ela se estava tudo bem:
– Renata, está tudo bem com vocês ?
– Oi tio… está tudo bem sim – respondeu ela timidamente.
– Mas você parece nervosa… está tudo bem mesmo ?
– Está tudo bem sim tio
Olhei para o menino que tentava disfarçar o pau duro.
Voltei para minha casa e fiquei na espreita. Eu tinha certeza que o menino estava mexendo com a Renata. No mínimo ele estava tentando comê-la.
Esperei uns 15 minutos e voltei sem fazer barulho. Eu estava certo. A menina estava deitada e o menino deitado sobre ela. Estavam de roupa, mas em posição sexual.
Dei uma bronca e ameacei ligar para a mãe dela. Acordei a Julia, e levei as duas para minha casa. Fiquei com elas até a mãe chegar do serviço.
Conversei com a Vanessa e disse o que vi e o que senti no momento.
Ela deu risadas. Disse que isto é normal entre primos, que são crianças afinal o menino tem só 13 anos. Enfim, ela ainda tirou onda comigo como que me chamando de tolo.
Durante a semana o menino ainda estava lá.
Eu sabia que mais cedo ou mais tarde ele ia comer a menina. Aquilo mexeu comigo. Fiquei com raiva, e comecei a observar as meninas. A Renata tão novinha, sequer tem seios. Será que ela era virgem ainda ? Será que o menino já meteu a vara nela ? E a Julia que é 2 anos mais novinha… será que o menino mexe com ela também.
Resolvi mudar de estratégia. Comecei a agradar as meninas com presentinhos, doces, sorvetes etc. Lentamente fui ganhando a confiança delas. A pequena Julia foi a primeira que conquistei. Acho que por ser mais nova é mais inocente. Sem muita cerimônia ela foi se abrindo e falando. Ela me contou que o primo mostrava o pinto para elas. Depois me contou que viu a irmã colocando a boca no pinto dele. Por fim me disse que também já tinha chupado o pau do primo.
Fui dando corda… mais doces, mais sorvetes, mas chocolates…
Num outro sábado a Vanessa me pediu para ficar de olho novamente. Eu contei para ela que desconfiava que o menino estava fazendo com as meninas. Sem nenhum pudor a Vanessa disse que é normal, e que hoje em dia as meninas começam cedo.
Fiquei atônito. E ao mesmo tempo com muito tesão.
Parece coisa do capeta, mas quando desejamos algo, o mundo conspira a nosso favor. E foi mais fácil que pensei.
Para minha sorte o chuveiro da casinha delas queimou. Eis que me pediram para tomar banho em casa. Eu podia ir lá e trocar o chuveiro, mas não quis.
A primeira que veio tomar banho foi a Julia. Menina linda. Branquinha, magra, sem seios nem pêlo na bocetinha. Meu pau até doía de tanto tesão. Peguei o sabonete e pedi para passar nela. Quase gozei só de tocar naquele corpinho infantil. Lentamente eu ensaboei ela todinha.
Peguei um shampoo e passei nos cabelos. Pedi para ela fechar os olhos. Coloquei meu pau para fora e toquei uma punheta até gozar na minha mão. Passei meu gozo na bocetinha dela. Guardei meu pau na bermuda e depois tirei a espuma do corpo da menina. Enrolei ela em uma toalha e a levei para minha cama.
Coloquei a menina deitada e examinei a bocetinha. Estava bem vermelha, mas era virgem ainda.
Ainda peladinha ela falou:
– Tio o senhor é muito bonzinho.
– Obrigado meu amor, você é uma delicia de princesa
– Sou nada tio. A Renata é mais bonita que eu.
– Imagina, você é linda. Eu queria ser mais novo para fazer um monte de coisas com você
– Ahh tio, pode fazer
– Menina… você fala assim, mas se eu fizer alguma coisa com você, aposto que você vai fofocar e contar para todo mundo…
– eu não sou futriqueira não tio.
– Hummm sei… prova.
– eu provo sim
– Então ta, vou pedir uma coisa, vamos ver se você faz e principalmente NÃO CONTA PARA NINGUÉM.
– Eu não conto tio.
– Promete ??
– Prometo !!
– Julia, eu posso dar beijinhos aqui (falei apontando para a bocetinha) ?
– hi hi hi (resondeu com um sorrisinho bem de menininha)… pode sim tio
Encostei minha boca na bocetinha dela e chupei com carinho. Passei a língua em movimentos circulares, sentindo cada pedacinho dela na minha boca.
Meus amigos, que tesão é este que nos consome, nos modifica e nos enche de vontade de cada vez mais. Ela é só uma criança e eu ali me satisfazendo com ela. De onde vem este desejo insâmo, incontrolável e viciante ?
Não sei, mas me entreguei de vez aos meus mais impuros desejos e pensamentos.
Perdi a noção de tudo. Chupei a menina com muita vontade. Deixei ela toda molhada e vermelhinha.
Sem falar nada tirei minha roupa. Ao ver meu pau ela deu um sorrisinho gostoso de ver.
Pincelei meu pau na bocetinha até gozar (sem penetrá-la). Foi porra para tudo que é lado.
– Tio você gozou né ?
– Gozei sim meu amor.
Abracei ela e ficamos calados até ela começar a falar:
– Tio, sabia que a gente pode engolir o gozo ?
– eu sei sim meu amor. Você já engoliu de alguém ?
– Já sim tio.. do Cauê (o primo de 13 anos).
– E você gostou ?
– Achei o gosto um pouco ruim, mas engoli. A Renata também já engoliu.
Meu pau já estava duro novamente.
– Julia, se você chupar meu pau eu te dou um presente.
– O que o tio vai me dar ?
– Ahhh não sei, você escolhe qualquer coisa
– Tio você pode me dar seu tablet ?
Eu já nem lembrava mais de tablet. Fazia tempo que eu não usava. Uma vez deixei as meninas brincarem, mas como não usava achei boa proposta.
– Julia eu dou o tablet para você, mas primeiro tem que promete novamente que não vai contar nada para ninguém, nem para a Renata, sua mãe ou seu primo… promete ?
– Prometo.
Me deitei e deixei ela chupar. A boquinha pequena só cabe a cabeça do meu pau. Ela fez do jeito dela, por vezes passou os dentinhos na glande, mas foi a melhor coisa da minha vida até aquele momento (depois vou contar como comi as bocetinhas delas). A menina chupou por uns 20 minutos até eu gozar na boquinha. Por fim ela abriu a boquinha e falou:
Olha tio, eu engoli tudo. Cadê meu tablet ?
Desculpe se ofendi alguém, mas este conto é real e se quiserem posso continuar esta narrativa.
Um abraço para todos !!
Pratique amor sem violência. Amor combina com prazer, não dor.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,70 de 43 votos)
Loading...