,

Dona Yolanda

12-09-18 Por 7 ★ 4.50

Dona Yolanda foi-nos apresentada por Fernando seu sobrinho, com o qual tínhamos amizade a um bom tempo. Yolanda era uma senhora de 65 anos, viúva e com algumas complicações no relacionamento com seu “namorado”. Como eu e minha esposa trabalhávamos na igreja acolhendo pessoas como Dona Yolanda. Assim, rapidamente ficamos mais próximos na intenção de oferecer apoio e orientação. Ela passou a frequentar os cultos da nossa igreja e nós sempre a recebíamos carinhosamente. Eu sempre oferecia meu abraço e um beijo no rosto para recebê-la. Na época eu tinha 38 anos e como sempre me cuidei tinha um corpo bem definido. Notei que com o passar do tempo Dona Yolanda começou a prolongar os abraços além de torna-los mais apertados. Entendi aquilo como certa carência, pois naquela altura do campeonato ela tinha rompido o problemático relacionamento que ela tinha. Dona Yolanda tinha idade para ser minha mãe, mas a proximidade e o instinto me fizeram observá-la melhor. Yolanda se vestia bem, sempre elegante e perfumada. Cabelos tingidos de ruivo na altura dos ombros, pele clara e olhos castanhos escuros. Ela não era gorda, mas tinha um quadril largo que chamava a atenção, pois sua cintura era fina. Seios médios sempre sustentados por sultiens meia taça que os mantinham levantados. Suas coxas eram grossas e a pele clara revelava algumas veiazinhas mais salientes e aparentes. Nada que tirasse a beleza apesar da idade. A pele do seu corpo, pelo menos das partes visíveis, já não eram tão firmes. Diferente do seu rosto que mostrava apenas algumas marcas de expressão e poucas rugas. Yolanda tinha um sorriso cativante principalmente por ter lábios grossos que sempre estavam decorados com batons de cor forte. Longe de ser uma musa, mas Dona Yolanda tinha seu charme e atributos.
Eu e minha esposa fizemos uma primeira visita em sua casa, acompanhados de Fernando seu sobrinho e outro amigo. Visita muito gostosa e papo descontraído que rendeu a promessa de uma próxima reunião em breve. Infelizmente as atividades intensas não permitiram que ocorresse no tempo planejado. Dona Yolanda se mostrou bem compreensiva com respeito à demora. Então, em um dos dias de culto, ela chegou à igreja e eu a recebi como de costume. E o abraço apertado prolongou-se um pouco mais e Yolanda balbuciou ao meu ouvido: _ Se sua esposa e os meninos não puderem ir até minha casa vá só você. Creio que não há problemas, pois somos adultos não é? Ao afastar-se Yolanda sorriu e adentrou a igreja. Fiquei sem ação, mas confesso que tentado a aceitar seu convite.
Os dias se passaram e aquela ideia não saia da minha cabeça. Até que um dia sai mais cedo do trabalho e resolvi arriscar. Liguei para Dona Yolanda pra saber se ela estava em casa e se gostaria de me receber aproveitando o tempo vago. Ela atendeu ao telefone e com certo entusiasmo disse que me esperaria com um café quentinho na mesa.
Cheguei ao prédio onde Dona Yolanda morava por volta das 14:30h. Chamei pelo interfone, pois o prédio não tinha porteiro, e logo o portão foi aberto. Entrei rapidamente, passei pelo pequeno saguão deserto, entrei no elevador e subi até o andar de seu apartamento. Quando sai para o corredor Yolanda me esperava na porta e com um sorriso nos lábios. Abriu os braços para o costumeiro abraço. Beijo no rosto, abraço apertado e entrei ouvindo-a fechar a porta. Realmente a mesa estava posta com um café da tarde atraente. Sentamos e conversamos um pouco enquanto tomávamos nosso café. Dona Yolanda estava bem a vontade, vestidinho florido na altura dos joelhos um pouco mais justo do que ela costumava usar na igreja mostrando mais de suas curvas. Já estávamos bem mais vontade quando Yolanda pediu licença para retirar a mesa. Sentei-me no seu sofá enquanto ela levava as coisas para a pequena cozinha. Depois de algum barulho de louças sendo lavadas fez-se um silencio prolongado… De repente Dona Yolanda aparece na porta da cozinha. Ele estava com um sorriso safado no rosto. Com as mãos para trás e olhando fixamente para mim. Então ela ergueu uma das mãos segurando algo que a princípio não identifiquei. Mas logo percebi o que era. Dona Yolanda toda sorridente balançava uma calcinha vermelha. Fiquei parado sem saber oque dizer. Foi quando ela jogou a calcinha de lado e começou a erguer o vestido. Suas coxas grossas e brancas foram sendo reveladas. Quando de súbito Yolanda puxou todo o vestido para cima e o arrancou de vez… Yolanda tinha a pele bem clara… Seus seios um tanto quanto flácidos mesmo assim ainda mantinham sua beleza, ostentando pequenos bicos rosados. Um pouco de barriga formava pequena dobra no seu colo. E pelinhos ralos cobriam sua boceta, mas deixavam ver sua rachinha com lábios salientes…
Ela continuava sorrindo e eu sentia o pau crescer por baixo da calça. Ela aproximou-se devagar e ficando a minha frente perguntou se eu tinha gostado… Balancei a cabeça afirmativamente e coloquei as mãos em seu quadril. Ele estremeceu e arrepiou-se toda… Levantei e beijei sua boca… Nunca imaginei que encontraria tanta macies e doçura nos lábios de uma senhora… Deixei minhas mãos escorregarem até o bumbum macio de Yolanda e abrindo suas nádegas toquei seu cuzinho com o dedo… Yolanda suspirou… Sugou minha língua freneticamente… Meu pau latejava de tesão e ela percebendo o volume desceu suas mão de desabotoou minha calça puxando zíper para baixo… Enfiou a mão por dentro da cueca e agarrou meu cacete duro e em brasa… Desvencilhei-me da calça que já estava nos pés e tirei minha camisa… Agora nos abraçávamos totalmente nus. Dona Yolanda se abaixou e segurando minha rola com as mãos a abocanhou e começou a sugá-la com volúpia. Ela chupava e lambia com maestria… Segurando meu quadril me puxava ao seu encontro socando minha rola na boca… Não demorou muito e anunciei que ia gosar… Tentei me afastar, mas Yolanda me segurou e travou os lábios no meu cacete… Enchi sua boca de esperma quente e grosso… Yolanda engoliu tudo e ainda sugou a cabeça tentando arrancar mais… Até que ela ergueu-se, limpou um pouco de porra que escorria no canto da boca e saiu para a cozinha balançando o bumbum brando e grande pra mim… Sentei-me no sofá enquanto ela voltava com dois copos de suco… Ela sentou-se ao meu lado me beijou no rosto… Depois de tomar o suco ela pegou minha mão e me levou ao seu quarto… Uma cama de casal com um lençol branco nos aguardava… Yolanda deitou-se e abriu as pernas… Entendi o recado e cai de boca na sua boceta… Ela estava melada pela excitação e eu passei a lamber e chupar seu grelo por vezes metendo a língua na sua racha… Yolanda gemia e se contorcia de tesão balbuciando coisas que eu não conseguia entender… O gosto e o cheiro da sua boceta fizeram meu cacete ficar de pé novamente… Deixei a xana e subi lambendo todo seu corpo… Detive-me nos seus peitos e suguei cada um deles demoradamente… Então pedi que ficasse de quatro… Dava pra ver sua xana molhada de tesão… Encostei meu pau na entradinha… Segurei sua cintura e de uma só vez meti toda a rola pra dentro arrancando um grito de Yolanda… A xana bem lubrificada facilitava o vai e vem. Yolanda gemia mais alto enquanto falava alguns palavrões… Aquela senhora tinha uma boceta deliciosa e eu socava forte seguindo seu pedido… Sai de trás dela e deitei com o pau pra cima… Yolanda entendeu e montou rapidamente fazendo o cacete sumir dentro da sua boceta… Yolanda subia e descia com força, rebolava em cima do meu cacete… E não demorou pra que ela travasse os lábios e de olhos fechados soltar um gemido mais alto… Senti as contrações da sua boceta num goso intenso… Joguei Yolanda de lado e agora por cima soquei mais forte e mais rápido até gosar novamente enchendo aquela xana de porra… Deitei-me ao lado dela e ficamos em silencio por um tempo até nos levantarmos e fomos juntos tomar um banho… Yolanda queria de novo mais já estava tarde… Despedimo-nos com o tradicional abraço apertado na certeza que teríamos outras oportunidades… Fazer amor com dona Yolanda despertou minha atenção a mulheres na terceira idade oque me rendeu muitas outras experiências…
[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 12 votos)

Por ,

7 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Anônimo

    Tesão de conto. Tenho minha coroa que tem seus 60 anos parecida com a tua. Adora chupar e engolir toda minha porra.
    Meti forte nela arrancando gemidos e inundando a buceta dela de porra.

  2. Anônimo

    Sou homem, 40 anos, e procuro umas tuas assim para saciar. Mande um e-mail para mim. Mensagens com nudes terão prioridade
    [email protected]

  3. Andre Pedo

    Belo conto. Comecei a gostar de mulheres mais velhas depois de ter um contato mais íntimo com minha mãe.

  4. Humm se pudesse pegar a minha fofinha, eu iria adorar.

  5. Cláudio

    Conto muito top. Escrito bem demais, descritivo e sensual.
    Tive uma Malu. um despertar de fêmea..

  6. Camila Duda

    Pensei q a velha ia engabelar o marido, pro sobrinho brincar de esfolar a xota da esposinha.