A filha

Autor

Sou o Paulo,casado,35 anos e moro na região Serrana do Rio. Conheci minha esposa quando eu tinha 21 e fazia a faculdade,ela estava fazendo cursinho para prestar o vestibular e acabou rolando e ela ficou grávida aos 17 anos,foi um baque, mais superamos legal depois de muitos perrengues. Me formei e ela ainda na faculdade.
Vamos aos fatos!
Eu sempre fui cabeça aberta ao sexo,nao tenho paranóias dos proibidos, Sandra (esposa)é mais fechada. Aprecio uma mulher bonita de corpo,com uma bela bunda,pernas e Sandra sabe disso,mas não sou o tipo tarado,sou discreto. Mulher de vestido eu adoro,se estiver vestido com o tipo indiano,de alcinha e tecido fino e modelando o corpo,fico louco,o Pau sobe na hora. Tenho uma filha,com um corpo em formação ficando bem definido,uma bundinha linda,os marmanjos ficam secando,mas nunca a desejei.
Esse ano teve uns eventos aqui na região e vieram alguns cantores e fomos ver. Levei minhas cervejinhas. Estava Sandra e a irmã,eu e Carol (filha).Estava lotado e escolhemos ficar um pouco afastado da muvuca por causa de brigas. Vocês sabem que o show demora a começar e eu estava já ficando chapado. Sai para comprar mais cerveja,pois Sandra e a irmã também estavam bebendo e Carol conversando com umas amigas. Voltei e já estava começando o show. Fiquei atrás de Sandra e foi quando Carol pediu para ficar junto. Devido ela ser mais baixa,não estava conseguindo ver,arranjei um calço para ela subir e fiquei atras dela e foi aí que começou a tortura. Ela estava de vestidindo indiano e não resisti, o Pau endureceu,tentei não encostar, mais não teve jeito e ela percebeu e nada falou ou reagiu,devido a cerveja e a música, fiquei dando umas sarradas nela, encostado na bundinha,eu forçava e ela ficava paradinha, teve um momento que ela debruçou para falar com a mãe e senti meu Pau no meio da bunda,fiquei maluco. Senti que ela estava aceitando e facilitando as coisas,resolvi arriscar mais,a abracei,colocando meus braços em volta do seu corpo e puxei mais para mim e beijei seu pescoço,ficou quietinha. Encostava mais e ela deixava, devido a posição que estávamos, meus braços em volta da sua cintura,minhas mãos estavam soltas e resolvi tocar na sua boceta por cima do vestido ela cravou as unhas no meu braço e disse não, falei em seu ouvido,fique calma. Passei a mão e depois com o dedo fiquei alisando o clitóris e percebi ela dar uma tremida,falei em seu ouvido,delícia! Ela então seguroupas meus braços e pediu para parar,dei mais uma sarrada na bundinha. O show estava terminando e preparamos para ir embora,elas resolveram parar para comprar lanches,disse que comeria o meu em casa e Carol também, deixei a cunhada em casa, Sandra disse que estava cansada e que iria tomar um banho e dormir. Em casa ela foi para o banho e fui preparar um suco,reservei um copo ainda na jarra com sonífero para Sandra,queria conversar mais com Carol, Sandra saiu e Carol entrou,Sandra tomou seu suco,conversamos mais um pouco e foi dormir.
Depois entrei no banho,sai com um shortinho de pijama, fui ver Sandra e já estava em sono pesado,Carol perguntou pela mãe, disse que dormia. Sentamos para lanchar e puxei assunto. Perguntei se estava namorando,disse que não, falei que adorei o que aconteceu,disse que não podíamos ter feito,deixou por que também estava gostando. Escovei os dentes e fui para janela da sala,estava tudo escuro,depois ela veio me dar um beijo para ir dormir,estava de baby -dool e pedi para ficar mais um pouquinho e falou que a mãe poderia aparecer,falei que não iria acordar tão cedo. Fiquei atrás dela e comecei a encoxar,beijava seu pescoço,alisava seus peitinhos,passei a mão na bucetinha e ela disse,que era virgem ainda,falei que delícia! Há muito tempo que não chupou uma virgenzinha, a deitei no tapete, a deixando peladinha e comecei a beijar todo seu corpo,chupei bastante o peitinho e fui descendo até chegar no grelinho, ela gemia baixinho,fiquei bastante tempo mamando até elá gozar na minha boca.Depois a virei e a coloquei de quatro com a cabeça no chão e a bunda empinada,chupei bastante seu cuzinho e ela se masturbava, fui no quarto peguei a pomada anestésica e lambuzei o cuzinho,apontei a cabeça e fui forçando, tava difícil, até que passou e disse que tava doendo,tentou sair,a segurei e disse que iria fazer mais devagar,tentei de novo, a cabeça entrou e ela tentou sair,a segurei e disse para relaxar,fui forçando bem devagar e ela tentando sair,beijei sua boca e falei em seu ouvido,você vai ser minha putinha, vai me pedir para comer seu cuzinho,enquanto não tiro seu cabacinho,vai ficar igual a sua mãe, viciada em dar o cuzinho. Fui empurrando,ela tentava sair e eu estava adorando, falei,relaxa,você aguenta, vou atolar tudo, a beijava,lambia sua orelha,apertava seus peitinhos e pedia para abrir a bunda com as duas mãos, fui enfiando e senti que tinha entrado tudo,ela choramingavá e fui deitando ela é comecei a bombando devagar e fui aumentado e ela chorava de dor, aguenta filhinha,entrou tudo é já vou encher ele de porra,dei mais umas bombadas e empurrei tudo e gozei,fiquei em cima dela e beijando sua boca,fui tirando devagar,quando saiu elá disse que estava ardendo,passei mais pomada e disse que iria passar. Me lavei e fui dormir.
Noutro día, Sandra sai primeiro e eu que levo Carol pro colégio, tomei meu banho e fui chamar Carol, fui fazendo carinho e ela acordou,nos beijamos na boca e depois chupei sua bucetinha até ela gozar, depois a pedir para me fazer um boquete,fui ensinando a lamber a cabeça, engoli e punhetar,ela olhava para mim,não demorou muito e iria gozar,segurei sua cabeça e gozei na sua boca,ela tentou sair e disse para engolir e engoliu tudinho. Se arrumamos e saímos. No final de semana, a mãe na cozinha e eu na sala e ela veio,sentou no meu colo e o Pau logo endureceu,ela perguntou se a noite,podia brincar mais um pouco,disse que iria brincar com sua mãe, para ela não desconfiar,Carol ficou chateada,disse que noutro día brincava com ela. Na segunda Sandra ficou para ir com a gente,Carol ficou zangada,a noite conversei com endureceu lana, disse para se segurar,para a mãe não perceber,disse para arrumar um namoradinho,disse que não queria. Noutro día, Sandra saiu mais cedo e fui no quarto de Carol e fui acariciando seu corpinho,ela acordou e disse que queria namorar na cama da mãe, fiquei perplexo e ela me puxou pela mão e deitamos na cama,começamos a nós beijar,a chupei toda e ela me fez um boquete, deitei e mandei ela sentar no Pau, foi guiando o Pau no cu e foi descendo e eu apertando seus peitinhos, engoliu tudinho e ficou subindo e descendo ,estava gostoso para caralho, depois de um tempo,pedi para ficar de quatro,se ajeitou e abriu a bundinha, fui enfiando e ela gemendo,Sandra deixou uma calcinha em cima da cama,peguei e coloquei no nariz dela e falei no ouvido dela lá, cheira a calcinha da sua mae,sente o cheiro da boceta dela,ela não quis e falei,vai putinha,cheira! Começou a cheirar,fiquei maluco e bombando e vendo ela cheirar, falava isso putinha cheira a boceta da sua mãe, ela cheirava e começou a lamber, isso putinha, que delicia,e socava. Comecei a perguntar,quer chupar a buceta da sua mãe? E ela quieta,quer? Ela respondeu hum hum e lambeu mais a calcinha e não aguentei,enchi seu cuzinho de porra
Agora vamos esperar uma oportunidade em tentar realizar essa doideira. Só de pensar já estou de Pau duro.
Até mais!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,58 de 19 votos)
Loading...