A carona

Autor

Ola, meu nome e Gustavo, tenho 48 anos sou casado tenho dois filhos e momo em São Luis, e sempre gostei de uma boa putaria . Vamos ao conto. Trabalho em uma empresa revendedora de tratores, sou vendedor e rodo em todas as cidades do Maranhao. A vinte dias atrás as 11 hs. estava na rodoviária de Santa Inez esperando um amigo a quem daria uma carona ate São Luis, chegou o ônibus desceram as pessoas e ele não veio. esperei mais um pouco e nada, já ia embora quando vi uma Freira daquelas de saia abaixo do joelho, toda de branco e com aquele pano na cabeça, aparentava ter uns 40 anos, estava junto a umas duas malas, perguntei a se estava esperando o ônibus , ela me disse que sim e que iria para São Luis, disse que estava indo pra la e como a pessoa que estava esperando não chegou poderia dar uma carona, ela pensou um pouco e perguntou se não teria problema, disse que não, colocamos as bagagens no carro e fomos embora, durante a viagem rolou aqueles papos de família, ele disse-me que era mineira e estava em missão a 5 anos no maranhão. as 12:30 paramos para almocar e continuamos a viagem, ai perguntei a ela a quanto tempo estava como freira, ela disse-me que tinha 41 anos, que entrou no convento aos 18 anos, perguntei se ela nunca tinha tido namorados, ela disse-me que aos 17 tinha tido uma desilusão amorosa e que esse foi o motivo de ter desistido um pouco da vida, isso me acendeu uma luz no pau que começou a querer se manifestar comecei apelar falar que sexo era bom, que conviver com homem também, que ela era uma mulher nova e merecia uma segunda chance ela também foi se abrindo mais, falando mais, rindo, eu já passei a marcha e encostei na coxa dela, como não falou nada eu passei novamente, como já estávamos bem a vontade eu dei a ultima cartada. E se dermos uma parada para dar uma descansada? ela disse que não por favor para não fazer isso e toma papo eu mais atrevido já de pau duro, quando já estávamos a uns 40 km de Santa Inez, passando em um motel que eu já conhecia manobrei o carro e entramos, ela me pediu que não , eu disse não vamos fazer nada que você não queira, entramos na suíte servi um refrigerante e disse que ia tomar um banho, fui ao banheiro e sai so de toalha, ela ficou me olhando, tenho 1,75 Mts, não sou gordo e dizem que sou simpático, disse a ela va tomar um banho, ela relutou mais foi e voltou vestida, toda cheirando a champu e saboneite, aquilo me deu um tesao do caralho, fiquei junto a ela tirei seu lenco e passei a mao em seus cabelos ainda mlhado, ela não reagiu, foi passando a mao em sua costa e dei um cheiro primeiro em seus cabelos e ai foi descendo ate chagar ao pescoço, ela dizendo que não, eu pegando em seus peitos e foi levando pra cama, tirei sua blusa e sua saia, ficou de calca e sotien, daqueles tipo cangulao, comecei a beija-la tirei o sotien e vi aqueles peitos ainda duros com os bicos rosados, cai de boca e foi mordiscando levemente ai ouvir ela da o primeiro gemido, fui descendo e passando a língua em todo seu corpo, e que corpo bonito todo branquinho, tirei a calcinha com os dentes e vim passando a língua em toda sua perna e coxa, nessas alturas ela já se remexia e gemia de todas as maneiras , quando vi a quela boceta extremamente cheia de pelos e pelos macios, fui metendo a boca e já sentindo toda babada, nessas alturas meu pau doía de tanta tesao, meti a língua e senti aquele gosto meio azedinho de quem ta sem uso muito tempo. mordisquei seu clitóris e passava a língua bem babada ate na porta do cuzinho, nessas alturas ela já urrava de prazer, uzei todas as técnicas meti o dedo e a língua neste momento ela segurou minha cabeça e forcou na boceta, hurrando e chorando ao mesmo tempo gozou, senti todo o gosto de uma porra guardada a anos, em seguida puxei ela pra beira da cama, encapei o pau abri as pernas dela e toquei uma siririca com a cabeça do pau, quando vi que ela ia gozar novamente meti o pau so de uma vez, porra que boceta apertada, ela se debatendo e eu bombando , quando ia gozar tirei o pau e gozei na barriga e nos peitos dela. Passando um tempo passei a língua e toda a barriga e peito, com a boca toda cheia de gala dei um beijo de língua a qual ela retribuiu eu disse e pra você sentir o meu gosto. descansamos e fomos tomar banhos juntos eu a ensaboei toda passando a mao e peguei a mao dela e pus no meu pau, meti o dedo naquela xoxotinha e bati uma ela retribuiu batendo uma pra mim, gozamos quase juntos. Nos arrumamos e fomos embora, deixei ela no centro da cidade, pedi o numero do seu telefone ela não quis me dar, mais anotou o meu, eu disse me liga foi maravilhoso. ela disse-me obrigado por me fazer ver que ainda estou viva,

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,55 de 11 votos)
Loading...