Meu segundo negro

30-08-18 Por 2 ★ 4.00

Sou eu, Carlos novamente com uma aventura vivida com um negro que aprecia comer casados, pois muitas vezes acaba comendo a mulher, mas o desejo dele é sempre comer um casado, pois diz ser melhor do que muitas mulheres, pois sabe do que gostamos.
Bem vamos a narrativa dele. Espero que goste da mesma, lembrando eu fico de cuzinho piscando. Esta ocorreu bem ante de conhecer e me casar com uma mulher maravilhosa, esta que até hoje é minha esposa e o que mais ela adora é ouvir minhas histórias de quando saía com casais, principalmente quando como os seus maridos, o que acaba acontecendo. Claro muitas vezes tive a felicidade de satisfazer os maridos comendo as esposas para eles verem e se esbaldarem na mão e claro ajudando elas: chupando pra entrar macio nelas, pondo a camisinha e também gozando pra elas verem que eles também adoram uma pica tanto o quanto elas. Como já me descrevi nos contos anteriores não sou nada demais, sou negro vindo de uma mistura indígena e escravos pois sou bis neto das duas raças. .
Quando me mudei para o Rio tive a felicidade de conhecer o centro desta maravilhosa cidade e foi lá onde comecei conhecer o mundo dos homens que adoram pica, esta foi a oportunidade que eu precisava pois já estava um bom tempo aqui sem nada só na vontade até que conheci uma revista masculina e daí para frente comecei escrever para os anunciantes.
Tive a felicidade de conhecer inúmeros entre tantos que dava retorno conheci um um cara que aqui vou chamado Carlos, este me retornou por carta ainda e marcamos um encontro na minha casa. Eu solteiro morando só, com certeza seria um início excelente, ele veio até minha casa e ia ser sua segunda vez com um negro, como já tinha saído com inúmeros casais já tinha um bom desempenho, agora com um homem era a primeira vez. Ele por sua vez veio do jeito que gostava de andar sempre de fio dental e ainda mais minha cor preferida, vermelho embora não foi possível ver por estar de luz apagada, más só de tocar na cintura dele e sentir as alças da calcinha meu pau quase estourou a cueca. ele por sua vez quando sentiu a consistência do pau na mão não perdeu tempo e caiu de boca mamando como um bezerro, me fazia gemer de prazer com suas chupadas, sabia como fazê-lo. Chupou por pelo menos uns 15 minutos sem tirar da boca nem mesmo pra respirar, o suor pingava na minha virilha do resto dele más soltar nem pensar. Quando não consegui aguentar mais eu anunciei que ia gozar ele enfiou tudo goela abaixo quase que se sufocando mais não deixou nada cair no lençol da cama. Eu sempre fui espaçoso e sempre gostei de dormir sozinho numa cama de casal, por este motivo sempre poderia trazer alguém pra minha casa e comer sem pressa. Quando terminei de gozar na boca dele ao invés de soltar fez o contrário deu uma lambida do saco até a cabecinha e engoliu tudo novamente, deixando ele limpo, eu estava com tanto tezão que o pau não abaixou continuou firme e ele agarrado como se fosse parte dele e totalmente goela a dentro. Tirei da boca dele e o coloquei de quatro na cama más ele me pediu calma e foi ao banheiro quando voltou pude ver a cor da calcinha que ele vestia que era vermelha fio dental e de renda, meu pau duro como estava permaneceu, passei um pouco de gel no cúzinho dele e o mandei ficar de quatro novamente, de frente pra o espelho da cama, pois esta era de ferro e ele enroscou a cabeça entre os ferros e não teve mais como fugir, eu o coloquei de bunda pra cima e fui forçando devagar até entrar a cabeça, ele chorou aos berros com a boca no travesseiro mordendo o mesmo, más não saiu de baixo foi ai que começou a engolir a pica de verdade entrava um pouco e eu parava pra ele ir se acostumando e mordendo meu pau com o cú, passado mais um tempinho eu empurrava um pouco mais até encostar as bolas no saco dele, sentei em cima da bunda dele e um mandei deitar na cama e ficar tranquilo pois, eu já estava totalmente no fundo do cuzinho dele.
Ele passou a mão por baixo e viu que não tinha mais nada de fora e que só não entrou o saco por falta de espaço, então deitou devagar na cama e foi se movimentando devagar e chorando ainda más agora de alegria, começou rebolar bem de mansinho e quando a dor diminuiu começou a rebolar com gosto e tesão, tesão de quem estava sendo comido por um negro pela segunda vez, adorando, vencido uma batalha, eu pra castigá-lo um pouco mais comecei i a bater na bunda dele e mandando cavalgar pois ele queria ser uma cadela então estava realizando o sonho dourado dele. Comi demais ele praticamente a noite inteira, tirei a pica fui tomar banho e mandei-o fazer o mesmo, quando voltou o mandei sentar ele extremamente obediente passou gel no próprio cuzinho e sentou bem devagar pra não sentir dor, mas eu o peguei pela cintura e o fiz descer de uma vez com força que ele perdeu o folego, ficou tentando respirar e eu o castigando na pica o deitei de lado e mandei pau no cú dele novamente até deixá-lo já bem largo, em seguida o peguei pelo cabelo e enfiei na boca dele sem dó ele mamava como se nunca tivesse visto uma pau na vida.
Quando anunciei o gozo ele pulou de cima da pica e caiu de boca e não soltou par nada e quando comecei a gozar ele chupava com tanta força que não saiu ele tirou o leite até o meu pau ficar mole más sem sair da boca dele.
Após esta maratona fomos juntos para o chuveiro onde ele se ajoelhou e começou mamar novamente, pegava o pau e ficava batendo na cara, lambia e voltava a engolir todo novamente, nesta brincadeira acabou me fazendo gozar outra vez embaixo do chuveiro, foi uma festa sem tamanho. Após o banho voltamos pra cama ele falou que estava como cuzinho bem ardido, peguei um creme que alivia a assadura, como estava novamente em ponto de bala, ele vendo isso o creme no cu e veio de costas devagarinho pegou meu pau e foi enfiando devagar no cuzinho até entrar totalmente e de ladinho pois disse que queria dormir assim engatado, como já era madrugada eu já estava com muito sono e no dia seguinte não iria trabalhar amanheci o dia ainda com a pica no fundo do cu dele e foi só me virar por cima e começar bombar nele novamente até encher totalmente o cu dele de leite, pra não sujar a cama levantei junto com ele e com o pau enfiado no cu dele fomos juntos pra o banheiro, quando fui tirando o leite veio saindo e escorrendo pelas pernas dele ele adorando. De vez enquanto ele me chama e como ele e outras vezes ele e sua esposa, mas adoro comer o cuzinho dele, sabe rebolar como uma puta e dar prazer a um macho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 5 votos)

Por

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. lipe

    como faço pra conhecer pessoalmente essa rola?

  2. John Deere,Matador de Veados

    Né veado,eu curto o rio,se vou até aí e cruzo com você,essa sua veadagem obscena,depravada acaba(fora que deve ser um fedor desgraçado)Tá avisado veado!