Marcela nudista – Parte 1

Autor

Eu sou Marcela, tenho 15 anos. Vivo uma vida normal, pode assim dizer.
Moro no nordeste do Brasil e como aqui faz calor na maior parte do ano, eu e a minha mãe, nós moramos juntas e praticamos o nudismo. Eu sou morena, de 1,62m de altura, com um corpo desenvolvido pra minha idade. A minha mãe Rosane tem 35 anos, de 1,72m com seios e bunda grande. Ah, quando eu ficar mais velha, quero ficar com o corpo bonito igual a minha mãe.

Eu estou ficando na escola com um garoto chamado Bryan da minha idade, ele sabe que eu sou nudista, mas ele nunca veio aqui em casa. E a minha casa é de tamanho médio, tem dois quartos, uma sala confortável e um quintal, que dá pra encher uma piscina de plástico e tomar banho quando está calor.

Minha mãe é bem liberal, ela só pediu pra quando eu trazer alguém aqui em casa, pra avisar ela antes pra colocar uma tanga e não ficar pelada na frente das visitas pra evitar constrangimentos.

Na segunda feira, eu estava dando uns beijos no Bryan e perguntei se ele queria ir lá pra casa.

"Ah, eu vou sim, mas acho que vou ficar com vergonha"

"Não tem problema bobo, minha mãe recebe as visitas vestida, e eu também não vou ficar pelada pra não te assustar"

"Tá bom, vamos"

Começamos a andar em direção a minha casa, ja que eu morava há umas duas quadras do colégio. Cheguei, toquei a campainha, minha mãe veio nos receber descalça com a tanga amarrada no corpo.

"Oi, você deve ser o Bryan, prazer, sou Rosane, mãe da Marcela".

"Oi Rosane, a senhora é mesmo muito bonita, do jeito que a Marcela falou"

"Não precisa me chamar de senhora, tenho apenas 35 anos."

"Desculpe"

"Que isso meu amor, entrem, o almoço já está quase pronto"

Minha mãe foi pra cozinha, e eu fui pro meu quarto com o Bryan, tirei meus sapatos e confesso que estava doida pra ficar pelada, mas não sabia qual seria a reação dele.

"Bryan, está muito calor não acha?"

"Tá mesmo, porque voce não liga o ventilador?"

"Eu vou ligar, mas eu queria mesmo era tirar essa roupa"

"Ué… pp.. pode tirar"

"Ah mas você vai ficar com vergonha, por que você num fica pelado com a gente e passa o dia conosco? Eu peço pra minha mãe."

"Ah… t.. tudo bem"

Eu fui desabotoando minha camisa da escola, tirei a minha calça, meu sutiã e a minha calcinha, expondo meus seios em desenvolvimento e a minha xaninha depilada. Bryan estava muito nervoso, mas ele tirou a roupa toda, quando ele abaixou a cueca o pinto dele tava duro.

"D..desculpa Marcela"

Bryan tava vermelho, ele era branquinho, então a vergonha dele tava estampada, aí eu disse:

"Para bobo, minha mãe já me ensinou sobre isso, ela disse que é normal os meninos ficarem assim."

"Voce é virgem, Bryan?"

"Sou… e você?"

"Eu não, eu tive um caso com um menino aqui da minha rua, eu tinha 13 anos"

Bryan ficou assustado ao saber, mas eu nem liguei, era melhor do que mentir. Minha mãe bateu na porta e entrou.

"Ué, vocês estão pelados?"

"Ah mãe tá muito calor"

"Então vou tirar minha tanga também, e você Bryan, gostou da experiência?"

"É refrescante"

"Vamos almoçar crianças, lavem a mão e sentem-se"

Fomos eu e Bryan ao banheiro, minha mãe com certeza notou a ereção dele, mas nem ligou. Sentamos nas cadeiras e começamos a almoçar, e durante isso falávamos de varias coisas… inclusive sobre sexo, até que minha mãe perguntou:

"Bryan, quer passar o resto do dia conosco?"

"Ah se não for nenhum incômodo tudo bem, eu só tinha que avisar minha mãe, pra ela não ficar preocupada."

"Não é incomodo algum meu amor, pode ficar à vontade, peladinho, com o pinto duro do jeito que você está" respondeu minha mãe dando risada.

"Ah tia, é que eu sou virgem, aí eu ficando perto de vocês e todo mundo sem roupa, não tem jeito…"

Minha mãe se levantou, balançando aqueles grandes seios que ela tem, recolheu nossos pratos e levou pra cozinha. Eu e Bryan escovamos nossos dentes e fomos pro meu quarto. Sentamos pelados um de frente pro outro, começamos a conversar. Bryan não tirava os olhos dos meus seios…

"Seus seios são tão lindos, posso tocar?"

"Pode"

Bryan começou a massagear meus seios, eu comecei a sentir minha buceta ficar muito molhada, e comecei a pegar no pinto do Bryan, fazendo leves movimentos pra cima e pra baixo. Bryan se inclinou e perguntou se podia beijar meus seios. Eu disse que sim, Bryan veio e começou a lambe-los. Até que eu ouvi um barulho na porta, meu quarto não tinha como trancar e minha mãe entrou.

"Nossa… o que vocês estão fazendo?" minha mãe perguntou surpresa, mas ela sabia que eu não era mais virgem, que eu já tinha feito sexo com outros garotos.

Bryan parou imediatamente e baixou a cabeça.

"Ah mãe, nós somos namorados e nos empolgamos"

"Venham vocês dois pro meu quarto."

Fomos pro quarto da mamãe, ela tinha uma cama de casal que cabia até nós três ali dormindo. Minha mãe sentou-se na beirada da cama, eu e Bryan um do lado do outro no meio da cama, aí mamãe falou:

"Olha, é normal que vocês tenham esses sentimentos um pelo outro, de afeto, e de querer dar prazer um pro outro. Aqui, nós estamos peladas sempre, o que facilita a atração. Se vocês sentirem vontade de transar, podem transar, até na minha frente. Podem ficar à vontade e fazer a mor do jeito e sempre que quiserem."

"Sério mãe?"

"Sério, só queria avisar isso à vocês pra não ficarem preocupados comigo."

"Tá bom mãe, te amo"

Eu me aproximei do Bryan e comecei a beijá-lo de maneira quente, botei a mão no pau dele e comecei a masturbá-lo. Minha mãe tava assistindo tudo, sentada ali na beira da cama, pelada. Bryan começou a se empolgar, eu deitei na cama da minha mãe, abri as pernas e falei:

"Vem Bryan, coloca seu pinto aqui" falei apontando pra minha xaninha.

Minha mãe nos interrompeu.

"Peraí, vocês vão fazer amor sem camisinha?"

"Ah mãe, é mais gostoso sem, vem logo Bryan, tô com muito tesão"

Bryan veio ajeitando o seu pau curvilíneo e rosado na minha buceta, e iniciou a penetração. Minha mãe levantou, deu dois tapas na bunda do Bryan e falou:

"Evita gozar dentro dela porque ela não está tomando remédio, vou ligar pra sua mãe e dizer que você tá aqui. Depois vou pra piscina tomar um banho. Quando vocês acabarem, tomem um banho."

"Pode deixar, eu amo sua filha"

Minha mãe saiu porta afora exibindo aquela bunda enorme, eu continuei transando com o Bryan, nem parecia que era a primeira vez dele, ele me penetrava com muita virilidade. Acho que é coisa de adolescente. Eu gemia muito de prazer, e anunciei que ia gozar.

"Vou gozar amoooor"

"Também vou"

"Goza dentro de mim por favor"

"Mas amor, sua mãe falou…"

"Ai foda se o que minha mãe falou, goza dentro, eu quero sentir seu esperma dentro de mim, vai"

Bryan começou a meter com mais força e gozou tudo dentro de mim eu dei um grito muito alto, parecia que era o orgasmo mais forte que eu já tive.

Bryan tirou o pau da minha buceta e começou a pingar tudo na cama da minha mãe, eu botei a mão na minha buceta pra não vazar e saí correndo pra piscina. Bryan veio atrás de mim e nós entramos na piscina. Aí minha mãe perguntou:

"Gostaram?"

"Ai mãe foi delicioso."

"Vocês tomaram banho?"

"Não mãe, viemos direto pra cá"

"Vai sujar a água da piscina com esperma, onde ele gozou em você?"

"Ah mãe tava tão bom que eu quis que ele gozasse dentro"

"Marcela, você não está tomando remédio filha, fazendo amor desse jeito desprotegida, você pode engravidar"

"Não tem problema mãe, eu gosto do Bryan, acho que ele vai me fazer feliz."

"Nada contra vocês transarem, vocês são jovens, tem que gozar mesmo, transar até não aguentar mais, mas vocês só tem quinze anos, não acho que seria uma boa idéia uma gravidez pra agora"

"Calma mãe, relaxa."

"Tá bom filha. Bryan, sua mãe falou que vai vir aqui te pegar às 18 horas, como já são umas 16, eu vou sair da piscina, fazer um lanche pra vocês e depois você se veste, ok garotão?"

"Tá bom Dona Rosane, pode deixar."

Minha mãe saiu da piscina, se secou com a toalha, enrolou a toalha na cabeça deixando o resto do corpo nú e foi pra cozinha fazer um lanche. Eu comecei a beijar o Bryan enlouquecidamente e bater uma punheta pra ele dentro da água, Bryan começou a ofegar e gozou dentro da piscina da minha mãe.

Passado alguns minutos, nós dois pedimos as toalhas pra minha mãe, nos secamos e saímos da piscina, sentamos e comemos nosso lanche. As horas passaram, Bryan foi se vestir e esperar a sua mãe, minha mãe e eu colocamos as nossas tangas pra esperar a mãe dele.

Alguns minutos passaram e a campainha tocou.

"Oi, sou Flávia, mãe do Bryan."

"Pode entrar Flávia, sou Rosane, mãe da Marcela, Bryan e a minha filha estão na sala."

Flávia veio entrando, encontrou seu filho e rapidamente conversou com a minha mãe. Aí minha mãe explicou:

"Eu e minha filha, nós somos nudistas, gostamos de viver sem roupa. Bryan tirou a roupa hoje e ficou nu com a gente."

"Nossa… é sério que vocês são nudistas? Nunca havia conhecido uma família assim, e olha que trabalho com vendas então conheço muita gente"

"É sim, eu já sou nudista desde a minha adolescência e ensinei minha filha a ficar assim também, é mais natural, mais leve e me dá uma sensação de liberdade indescritível."

"Legal, mas lá em casa ninguém é nudista, Bryan mora comigo e com a minha irmã. E não temos o hábito de ficar sem roupa igual a vocês."

"Não tem problema, se Bryan quiser ficar nú, pode vir pra cá a hora que quiser, ele e a minha filha se gostam muito"

"Tá bom pode deixar, foi um prazer conhecer vocês"

Eu e Bryan nos despedimos e assim termina uma tarde que ficou marcada pra sempre na minha vida, positivamente.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 40 votos)
Loading...