Esconde esconde

Há 3 meses Por 1 ★ 4.50

Caros amigos e amigas pervertidos resolvi deixar aqui a minha contribuição.
Quando tinha uns 14 anos vivia sempre na rua brincando e aprontando bastante.
Estudava a tarde e a noite brincava na rua até umas 22:00.
Naquela época a uns 25 anos atrás não existia tanta violência como hoje.
Várias crianças brincavam junto comigo.
Lembro que tinha muitas brincadeiras como garrafão , pega ladrão, dentre outras, mas a que eu gostava mais era esconde esconde.
Pois sempre me escondia em lugares difíceis e adorava ganhar de todo mundo e ser o último a ser encontrado.
Numa noite como outra qualquer estávamos brincando e resolvi me esconder atrás de uma escada no quintal da vizinha.
Achei o lugar fantástico era bem escondido e tinha certeza que não seria achado.
Porém fui surpreendido com a filha da vizinha seu nome era Ana Júlia.
Ela tinha feito 10 anos a alguns dias lembro bem pois não quis ir no seu aniversário mesmo assim sua mãe levou um monte de salgados lá em casa.
Eu achava aquela menina um pé no saco além de feia e gordinha.
Na hora fiquei puto fiz sinal pra ela sair pois iria estragar meu esconderijo. A menina pouco estava se importando. Eu a empurrei e cheguei até a puxar seu cabelo e cuspir nela p sair dali.
Mas a menina não arredava o pé.
Notei então que a brincadeira já havia começado e já tinha gente procurando.
Resolvi não insistir mais e empurrei Ana Júlia pra debaixo da escada e fiquei atrás dela.
Ficamos ali quietos praticamente grudados, por alguns instantes, neste momento percebi que o contato do meu corpo colado ao da menina fez a minha pica endurecer, notei que ela sentiu que algo duro cutucava seu traseiro, porém ela permaneceu imóvel.
Ouvi um barulho de alguém se aproximando e me encostei ainda mais em Ana Júlia.
Comecei a o cheiro dos seus cabelos e sua pele macia e sem perceber direito comecei a encoxar ela.
Segurei sua cintura que apesar de ser novinha possuía uma bunda bem gostosa e grande p idade dela.
Em nenhum momento sentir uma resistência por parte dela.
A coisa foi ficando melhor pois eu esfregava a rola naquela bunda encaixando a vara entre suas pernas enquanto cheirava seus cabelos e apertava seu corpo.
Sem dizer uma palavra enfiei a mão dentro do seu short procurando sua calcinha e logo em seguida meus dedos acharam sua buceta que por ela ser um pouco gordinha era farta com um rasgo no meio.
A menina se remexia e fechava as pernas a cada investida minha.
Até que conseguiu se disvensilhar e saiu correndo.
Fiquei ali parado um tempo e depois sair.
Não fui pego, e ainda faltavam duas pessoas escondidas.
Depois que foram encontradas iria começar a segunda rodada.
Perguntei por Ana Júlia e disseram que ela entrou em casa. Ficamos esperando e não demorou muito ela retornou dizendo que foi beber água.
Fiquei encarando ela com uma cara de safado só pra ver sua reação. E não deu outra notei um leve sorriso no rosto e tratei logo de fazer um sinal onde deveríamos nos esconder.
Começou novamente a brincadeira e tratei de correr para o fundo do quintal desta vez observei com mais atenção enquanto esperava Ana Júlia.
Ela chegou e foi logo p trás da escada.
Cheguei em seguida já abraçando ela pela cintura e suspendendo seu rostinho lhe roubei um beijo enfiando a língua o mais fundo que podia na sua boca. Notei que ela era BV mesmo assim continuei beijando.
Mais um vez ouvimos barulho de alguém se aproximando e ficamos parados, virei ela de costas e a abracei depois nos abaixamos.
Tratei de não deixar aquele momento escapar e fui logo passando a mão em seus seios, mesmo pequenos eram gostosos de apertar
Meu pau estava rasgando a bermuda de duro encoxado naquela bunda gostosa.
A brincadeira estava super gostosa porém ouvimos sua mãe lhe chamando. Novamente Ana Júlia saiu correndo e depois de um tempo eu fui em seguida.
A brincadeira havia terminado mais meu tesão não.
Cheguei em casa e lasquei uma bronha desejando aquela menina.
Mal podia esperar pelo dia seguinte.
Fui p escola e quando cheguei tomei aquele banho e me arrumei todo.
Depois do jantar fui p porta de casa esperar a galera sair.
E quando Ana Júlia apareceu de saia tive a certeza que iria rolar uma sacanagem.
A brincadeira começou e percebi que aquele esconderijo estava manjado pois logo acharam um amigo meu lá.
Então tratei de achar outro. No final da rua tinha um muro alto porém no fim dele tinha um buraco que dava pro outro lado.
Fiz questão de mostra a ela antes de nós escondermos.
E assim que começou fui logo p lá.
Fiquei esperando e não demorou muito ela chegou sem dizer uma palavra já sabíamos o que fazer e logos nos beijamos, comecei a agarrar ela é apertar seu corpo contra o meu.
Depois virei ela de costas e suspendi sua saia e pra minha surpresa estava de short por baixo.
Apertei sua bunda contra meu pau ainda dentro da bermuda.
O tesão era enorme e sem aguentar mais tirei a pica pra fora colocando em sua mão ela apertava sem saber o que fazer
E como num passe de mágica levantou ainda mais a saia e abaixou seu short junto com a calcinha.
Eis o sinal fui me aproximando e com a pica na mão fui guiando para a entrada da buceta.
Mesmo com dificuldade e sem experiência fui sentindo o local exato e como sua buceta era grande e gordinha assim que a cabeça da rola tocou suas partes quentes sentir que era ali.
E como um cachorro no cio lhe meti a pica.
Ana Júlia deu um grito abafado pela minha mão em sua boca.
Então sentir que havia acertado o buraquinho da buceta.
Sem perder o compasso forcei a entrada sentindo a pica rasgando suas partes quentes.
Nossa que delícia estava muito quente e a medida que metia começou a ficar molhada
Tirei a mão da sua boca e segurando em sua cintura bombei bombei dentro dela.
Meu desejo era poder enfiar até as bolas.
Não demorou muito não deu nem tempo de tirar gozei empurrando ela contra o muro lhe apertando o corpo.
Depois nos recompomos e ela saiu na frente com as pernas meio abertas como se estivesse com dor de barriga.
Corri para casa e quando fui mijar no banheiro minha cueca estava toda melada de sangue e um resto de porra.
Depois desse dia sempre brincávamos de esconde esconde.
Quase toda noite eu comia Ana Júlia.
O problema é que sempre tem um piru que ver as coisas e fala demais.
Sua mãe descobriu e ela tomou uma surra ficando proibida de sair a noite e quanto na min meu pai arrumou um serviço.
Eu trabalhava de manhã e estudava a noite.
Os anos passaram eu me mudei ela cresceu casou-se e perdemos contatos mais nunca me esqueci da primeira buceta graças a brincadeira de esconde esconde…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 24 votos)
Loading...

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Crente safado gostoso

    Ja brinquei assim tb Ola adoro uma safadeza sou crente e quero só evangélicas mamães ou menina que queira meter escondida, já trei c algumas me manda mem meu email é [email protected] mas só aceito evangélicas tá bj safadas ainda mais da ccb sao as melhores