Em Busca de Novos Caminhos

Autor

Me chamo Ricardo, tenho 23 anos e tenho algo a dividir com você, leitor. Nunca falei sobre isso com ninguém e nem pretendo e apenas escrevo aqui, pelo anonimato e segurança. Sou magro, branco, 1,75m, trabalho no escritório do meu tio, cuidando dos arquivos que vão para o sistema. Sou muito reservado, não sou de falar muito, não sou de fazer amizades, estou sempre na minha, então às vezes passo despercebido.
Sou leitor deste site há uns meses, fazia leitura de diversos tipos de contos/relatos, mas nunca tinha praticado nada além do sexo normal, ou seja, não me identificava com nenhum dos contos. Além disso, eu nunca me imaginei fazendo nada parecido de verdade. Após um tempo, eu começava a ler e ficava fantasiando o conto na imaginação, mas não me imaginava dentro disso, participando disso, eu apenas sentia tesão por imaginar outras pessoas praticando, além de mim.
Então, uma semana atrás teve uma comemoração de aniversário da minha sobrinha de 9 anos na casa da minha tia. Não foi uma festa, mas minha irmã mais velha encomendou um monte de salgadinho, fez cachorro-quente, fritou várias coisas, tinha bastante comida. A casa da minha tia é bem espaçosa, e minha irmã tinha chamado algumas pessoas de fora, então ficou todo mundo na varanda dos fundos que fica depois da cozinha. Sentei com minha avó, minha mãe e a minha irmã mais nova lá fora, mas depois fui pra sala, porque estava um pouco resfriado e não tinha um mínimo de interesse em conversar com as pessoas. Não gosto de forçar assunto com as pessoas, meus gostos são diferentes, então é difícil conversar com alguém. Não que eu seja antipático, mas sim antissocial. Na sala estava perfeito, pois o 4G pegava melhor, tinha um sofá e ninguém ia pra lá, a não ser as crianças procurando um lugar pra se esconder brincando de esconde-esconde.
Eu não gosto muito de rede social, acho as minhas chatas demais, vejo por uns dez minutos e logo saio. E pelo tédio da festa, logo lembrei de algo que me ajudaria a passar o tédio; os sites de relatos. Estes sites, quando bem administrado são melhores que site de vídeos pornô, pois você tira de sua imaginação e geralmente os vídeos pornô são fakes demais. Então fiquei ali lendo algumas coisas, mas não achei nenhum site bom como o CNN, inclusive se souberem de algum, peço a recomendação, pois já li quase todos os relatos daqui. Então, comecei a ler alguns relatos que me chamaram a atenção pela prévia e logo comecei a ficar excitado, eu imaginava as cenas e logo ficava cheio de tesão, minha calça enchia pelo volume e logo começava a suar.
Parece até azar, mas sempre quando você está em uma situação de excitação, aparece alguém pra te atentar. Foi assim que apareceu um menino pra se esconder atrás do puff do sofá onde eu estava com as pernas esticadas. Este menino, estava eufórico, parecia ser muito ligado, devia estar correndo a festa inteira. Então, ao ver o nervosismo do garoto, perguntei se ele não queria um copo de água pra matar a sede, ele disse que sim, mas era pra eu disfarçar, para que ninguém o achasse ali. Fui até a cozinha, vi o que estavam fazendo e peguei um copo de água para o garoto. Quando voltei, entreguei a água ao menino que bebeu rapidamente. Ele ficou ali mais um tempo e eu continuei lendo no celular, até que comecei a reparar no menino. Ele era baixinho, moreninho e meio afeminado. Ele falava fino e tinha um jeito muito feminino. Enquanto ficava abaixado, olhando se alguém o procurava, eu observei o tamanho de sua bunda, que marcava bastante sua bermuda. Logo, comecei a me excitar pelo menino e, estranhei a situação. Ao perceber que a brincadeira tinha acabado, ele saiu correndo de volta onde estavam as crianças e eu fiquei ali com o pau babando dentro das calças.
Sobre minha sexualidade; nunca senti atração por homens másculos, embora nunca tivesse tido uma relação sexual com o mesmo sexo, ALGUNS gays me atraíam, mas eu nunca tentei nada. Enquanto, minha atração por mulheres fosse normal de um homem hétero, mas eu não me sentia atraído pelas mulheres formadas, gostava das mais pequenas e magras.
Estava prestes a ir ao banheiro me aliviar quando o menino voltou, desta vez sentou ao meu lado e não estava se escondendo. Dizia estar cansado e que quis conversar comigo. Ele fez várias perguntas aleatórias, até que começou a aprofundar mais para o segundo sentido. Perguntou se eu tinha namorada, quando foi a última vez que eu beijei, quantas namoradas eu tive, se eu gostava de alguém e mais algumas perguntas do gênero, até que perguntou se eu me depilava. Ele estava do meu lado, então quando reparei, ele estava me analisando dos pés à cabeça, respondi a pergunta, dizendo que aparava meus pelos bem baixinho, logo ele me perguntou se eu já tinha transado. Olhando pra ele, com um sorriso sacana, disse que sim, várias vezes e que gostava muito. Ao ouvir a resposta, o garoto parecia estar se derretendo, começou a tentar ver o que eu lia no celular e quando percebi, bloqueei a tela e disfarcei fazendo as mesmas perguntas pra ele, sobre tudo. As respostas, vocês devem imaginar, né? Já que era um menino novinho, não sabia nem se masturbar ainda, não tinha entrado na puberdade e devia ter fimose ainda.
Depois, ele saiu pra comer alguma coisa e eu continuei ali lendo alguns relatos, já sentia meu pau babar dentro da cueca, mas não queria levantar agora, então depois de um curto tempo, o menino voltou com dois nuggets grandes, me deu um e me perguntou por que eu não estava lá fora com todo mundo. Dei uma rápida explicação e então ele se aquietou. Voltei a ler e foquei totalmente na história, quando percebi o menino já estava próximo de mim, tentando ler a história, que até então ele não sabia o que era. Ao perceber, permiti que ele continuasse o que estava prestes a fazer, então sem olhar para o mesmo, fiz a proposta de que eu deixaria ele ler, mas que não era pra contar pra ninguém, o menino imediatamente disse que prometia e então coloquei o celular em uma posição mais visível e continuei a leitura. Quando o menino percebeu as palavras sexuais da história, ele começou a se indagar sobre o que líamos, então eu dizia pra ele ficar quieto e continuar a leitura. Quando terminamos a história, o menino estava meio abobado sobre tudo que tinha lido. Procurei uma história que falasse sobre a relação de dois iguais numa diferença de idade parecida com a nossa, propositalmente, pois já estava planejando algo. Começamos a ler e quando chegou na parte sexual, o menino ficou quietinho e ao terminar a história, eu disse que tinha gostado e tinha vontade de fazer igual. Perguntei se ele também tinha gostado e ele apenas balançou a cabeça afirmativamente. Perguntei se também tinha vontade de fazer igual, mas ele não respondeu, apenas ficou olhando pra mim.
Então propus; se ele quisesse, nós iríamos ao banheiro e eu mostraria ele como se fazia igual a história. Ele não respondeu, apenas ficou pensando, então fiquei insistindo, até que ele concordou, ainda sem dizer uma palavra. Então, marquei de nos encontrarmos no banheiro, ele iria primeiro, entrava, trancava e me esperava. Eu iria depois, pois iria ver como estavam todos e depois batia na porta. Concordando, o menino saiu voado para o banheiro, todo serelepe. Esperei um minuto, fui à cozinha verificar e fui atrás do moleque. Lá estava ele, sentado na tampa da privada me esperando. Entrei e logo, mandei ele continuar sentado na privada, que estava com a tampa fechada. Meu pau, melado e pulsando dentro da calça, foi tirado pra fora, mandei o menino abrir a boquinha e enfiei a cabeça da minha rola naquela boquinha. O menino, sem jeito, começou a se deliciar na minha rola, fui ajeitando pra ficar melhor e logo comecei a foder sua boca. Após lubrificar bastante o meu pau com a boca no menino, mandei ele se ajoelhar na privada e ficar de quatro pra mim. Abaixei a bermuda dele junto com a cuequinha e comecei a cuspir dentro de seu buraquinho. Dei uma lubrificadinha e logo comecei a pincelar minha rola na entrada do anus infantil do menino e tentei penetrar várias vezes, mas não entrava de jeito nenhum, estava muito apertado. Por fim, sentei na tampa da privada e me contentei com o menino chupando a minha rola como se estivesse chupando um pirulito grande e grosso. Ao sentir aquele calor dentro daquela boquinha virgem, despejei todo meu gozo dentro dela, mas o menino não aguentou, se assustou e acabamos nos sujando e sujando o chão.
Ajudei o menino a se limpar e mandei ele voltar pra fora, fingindo que nada aconteceu, depois nos encontrávamos de novo. Assim que ele saiu, terminei de me limpar, limpei o chão, lavei a mão e fui saindo. Então, encontrei minha avó que ia entrando e se assustou ao me ver. Fiquei todo desajeitado, mas dei uma explicação de que ele havia caído e eu estava o ajudando a limpar onde tinha sujado. Ela realmente acreditou, perguntou até ao menino se ele tinha se machucado, mas ele não soube o que responder, então eu disse que tinha apenas dado uns arranhõezinhos. Ela nem deve lembrar disso mais…
Enfim, o menino e eu nos vemos apenas quando ele e os pais estavam indo embora, ele apenas acenou e seguiu reto. Eu, ainda não tive uma experiência completa, então estou em busca de mais, porém há alguém que pode me ajudar com isso, alguém muito perto de mim… Entenderam?
Obrigado pela leitura, espero que tenham apreciado, atualizarei assim que tiver alguma coisa nova. E quero ressaltar, pedir se vocês souberem de algum site como o CNN sem restrição, mandem o nome do site aí nos comentários, estarei de olho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,82 de 22 votos)
Loading...