Bolinando a filha da vizinha

Autor

Galera parece até moda, mas na verdade é que todo mundo não aguenta mais ver uma novinha e não fazer nada. E comigo não foi diferente, tenho 16 anos e adoro putaria. Não tenho muita experiência com mulheres aliás apenas duas, mas adoro uma buceta meladinha. Gosto de admirar sabe, ver o formato o clitóris e quando começa a babar aquele Melzinho então fico doido gozo só de imaginar. Acho que uma mulher com tesão com vontade de dar é a coisa mais linda.
Moro aqui em xxx e tenho uma vizinha chamada Michele. Cara ela é linda uma coisinha muito gostosa tem apenas 11 aninhos uma princesinha loirinha cabelos lisos olhos verdes realmente é muito bonita. Quando crescer vai dar trabalho, ou melhor já está dando. KKK

Comecei a observar ela apenas a alguns meses. Ficava vendo ela brincar com as amigas principalmente na piscina aqui do prédio.
Mas não dar p ficar olhando demais pq além de câmeras tem as velhas xeretas que sempre ficam de butuca olhando.
Tem uns dois meses esbarrei com Michelle no elevador e ela tava demais.
Um vestidinho desses de mocinha todo floral realmente uma princesa.
Nunca desejei fazer putaria com ela. Queria mesmo é olhar, ver ela peladinha. Ver seios pequenos seios e como já deveria estar sua bucetinha.
Isso começou a ser uma tentação pra mim. Há alguns dias teve uma festa aqui no condomínio eu tinha acabado de chegar da rua.
Eram umas 20:35 entrei no elevador e alguém segurou a porta era Michele vindo do salão de festas. Fiquei admirando ela e vendo como pode ser tão gatinha. Derrepente a luz apagou e o elevador parou. Tinha faltado luz. Caraca eu já tinha ficado preso em elevadores antes mais toda fez que acontece vc sempre toma aquele susto.
Achei até que não iria demorar pq voltou e depois apagou novamente.
Michelle começou a gritar e a chorar com medo.
Pedi calma a ela e tentei interfonar e acionar o alarme.
O alarme até funcionava mais o interfone estava mudo. O jeito era esperar paramos mais ou menos no 6 andar.

Pois bem era uma oportunidade de ouro não podia desperdiçar eis que o universo conspirava ao meu favor e não deu outra.
Tratei de acalmar a gatinha abracei lhe pedindo calma fazendo ela parar de chorar.

Nossa como estava cheirosa, fiquei fazendo um carinho em seus cabelos e liguei a lanterna do celular.
Michelle já estava mais calma perguntei se ela queria jogar no celular enquanto a luz não voltava.
Ela respondeu que sim, porém quando abriu o navegador deu de cara com o site do Xvideos que eu sempre tô acessando. KKK
Parecia até premeditado mais foi sem intenção só percebi tbm pq ela ficou olhando os vídeos rolando para baixo a tela.
Ela riu e parecia já ter visto vídeos de putaria depois até me confessou que aproveitava quando seu irmão dormia p mexer no celular dele.
Eu fechei o site e lhe devolvi o celular. Aí ela pediu pra chamar alguém pelo WhatsApp e avisar que estávamos presos, relamente era uma ideia excelente, mas eu estava adorando aquele momento e não poderia desperdiçar.

Me sentei no chão do elevador e chamei Michelle pra sentar ao meu lado ela vestia um conjunto desses estampados folgado sabem.
Lhe dei o celular e passe o braço sobre os seus ombros.
Enquanto ela entrava no Facebook pra ver quem estava online para pedir ajuda eu comecei disfarçadamente alisando a lateral do seios.
Ela parecia não se importar então deixei a mão cair sobre um seio combrindo por inteiro.
Mesmo pequeno do tamanho de uma ameixa mais seu formato era magnífico.
Passei a alisar tentando acariciar o bico.
Michelle apenas mexia no celular acessando as páginas do seu face.
Ao perceber que não havia resistência escapei a mão para sua cintura e depois para sua barriguinha até achar o umbigo por cima do tecido fino.
As vezes lhe cheirava os cabelos e lhe dizia pra ficar calma que tudo ficaria bem.

Ouvimos um barulho nos cabos e ela se assustou se agarrando ainda mais em mim.
Então resolvi ir mais além e pus a mão sobre suas pernas apenas em repouso.
Com o braço em volta do seu corpo, comecei a acariciar suas coxas lhe pedindo calma que logo logo sairíamos dali.

Algum tempo se passou e Michele já havia conseguido falar com seu irmão e este já havia avisado a todos mundo, porém pelo que fiquei sabendo depois e a pane era geral e que nos outros blocos também haviam pessoas inclusive um casal de mais idade.

Michelle continuava mexendo no celular sentada ao meu lado no canto do elevador iluminado apenas pela lanterna no celular que já estava com apenas dois tracinhos de bateria.
Não demorou muito alertou desligando a lanterna que já estava nas últimas.
Ficamos apenas com a luz da tela.
Minha mão ainda repousava nas pernas de Michele as vezes arriscava um carimbo alisando com mais frequência. Sentia meu cacete literalmente duro dentro da bermuda.
Mais alguns instantes e puf já foi a bateria do celular. Michelle me abraçava ainda mais forte com voz de choro e tbm porque não dizer dengo. KKK

Estava claro pra mim, não teria outra chance. E arrisquei tudo passando a mão de leve sobre o seu bumbum.
Hum nossa! Bem fofinhos minha mão passeava por toda extensão daquele bundinha gostosa sobre o tecido leve.

Sua reação apenas foi permacer imóvel e agora em silêncio.
Fiz novamente um movimento em seu bumbum e depois parei visto que ela estava quieta agora.

Então lhe dei um beijo sobre os cabelos e disse que não iria demorar para sairmos ela apenas balançou com a cabeça.

Voltei a lhe acariciar as pernas e subindo dessa vez com mais vontade apertei a polpa da bunda.

Michelle não dizia nada e nem se mexia.

Mais uma vez ouvimos barulho de cabos e ela se apertou junto a mim.

Não podia perder mais tempo pois logo logo a luz voltaria. Aí passei a mão mais uma vez sobre seu bumbum e desta vez deixei o dedo escorregar para o meio, já procurando o seu botaozinho.

Ela imediatamente travou as pernas apertando, mesmo assim desci ainda mais o dedo tentando prescionar seu orifício.

Permaneci com o dedo ali imóvel adentrando sua bundinha.

Fiquei apertando pressionando o dedo como que quisesse entrar. Depois desci um pouco a mão e correr os dedos pela parte folgada achando sua calcinha.

Notei que ela estava ofegante e nervosa.
Fui alisando sua bucetinha por cima da calcinha até enfiar o dedo por dentro nisso Michele por fim reagiu.
Não tio aí não sei dedo tá sujo.

Percebi então que a safadinha estava gostando e fiz melhor lambi meu dedo deixandoo molhado enfiando a mão por dentro da parte folgada e de uma vez só lhe cravei o dedo em seu cuzinho metendo só a pontinha.
Nisso ela gemeu e apertou a bundinha fiquei metendo e tirando por algumas vezes.
Nisso ela segurou minha mão tentando tirar mais era inútil.

Já estava fora de mim com aquela situação e com a mão esquerda tirei minha pica de dentro do short pra ela ver, porém estava escuro.
Então eu peguei sua mão com um pouco de resistência e pus sobre o caralho duro.

Mesmo tentando tirar ela pegava no cacete duro..

Fiz Michelle segurar e punhentar lentamente enquanto meu dedo lhe forçava o cu.

Estava muito gostoso aquele momento eu só queria gozar.
Mas ai…a luz achou de voltar. O elevador deu um tombo pra baixo em seguida começou a subir, ficamos de pé e eu guardei a pica no short.

Michelle se afastou um pouco olhando para o monitor do elevador.

Chegou no oitavo parou e a porta abriu e sua mãe e seu irmão já a esperava.

Tudo bem! Tudo resolvido todo mundo agradecendo e eu ali pedindo que ela não contasse nada se não eu tava na merda e encrencado.

Dito e certo, pois sei que a safadinha tbm gostou.

Mesmo assim fiquei alguns dias tenso e apreensivo, mas depois relaxei pq já encontrei outras vezes no elevador.

Na primeira vez ela estava com seu irmão e quando saiu deu uma risadinha.

E em outra ela tinha ido comprar pão e eu não perdi tempo meti a mão por baixo do vestido e dedilhei seu cuzinho sem ela dizer nada só ficou balançando o rabinho.

Estou esperando a oportunidade certa, pois sei que ainda vou comer essa putinha bem gostoso.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 31 votos)
Loading...