,

Aventuras com minha prima Joyce

Há 3 meses Por 0 ★ 4.78

Eu e minha prima Joyce crescemos morando na mesma rua. A diferença de idade entre nós é de poucos meses, então sempre brincávamos das mesmas coisas e tínhamos gostos parecidos pelas coisas, como roupas, comidas, meninos e meninas. Mas esse último item mencionado só ficou mais evidente mais tarde ( já lhes explico).
Quando tínhamos 10 anos, a mãe de Joyce, irmã de minha mãe, casou -se novamente e foi morar em uma cidade vizinha. Nós então deixamos de ser unha e carne e passamos a nos ver apenas nas férias escolares quando eu passava uns dias na casa da minha tia ou ela vinha passar uns dias na minha.
Já quando tínhamos 15 anos, nossos corpos já eram de duas mulheres…. ambas duas bonecas com pernas torneadas e bumbum bonitos, mas a Joyce tinha seios maiores que os meus…. ficava admirando seus seios por baixo das regatas finas sem sutiã que ela costumava usar, pensava com muita frequência naqueles peitos redondos, durinhos e volumosos enchendo minhas mãos e sendo acariciados pela minha língua… gozei várias vezes me masturbando e imaginando-me chupando aqueles peitos.
Adorava passar as férias na casa da minha tia pois ela era gerente de casa noturna e passava as noites fora, assim Joyce e eu podíamos sair a noite sem hora certa pra voltar. O padastro da Joyce era um homem másculo, forte, bonito mas bem tranquilo e deixava ela fazer o que queria, como se ela tivesse mais autoridade que ele na casa durante a ausência da minha tinha…algumas vezes ela até usava um tom de voz como se o chantageasse. Mas o que eu gostava mesmo era o fato de poder sair pra paquerar a noite sem a supervisão de nenhum adulto.
Nós duas eramos confidentes e sempre andávamos juntas. Certa noite a Joyce tinha um esquema com um gatinho que ela ficava. Ela pediu ao boy que levasse um amigo pra me fazer companhia, e ele levou.
Quando dei de cara com os dois minha pepeka pulsou. Tinham aparência de uns 25 anos de idade, malhados, de estatura mediana e cara de sacanas. Percebi logo qual deles não era o namoradinho da Joyce, pois o boy que veio pra me fazer companhia, já foi me encoxando e me dando um cheiro no pescoço. Eu não me intimidei e já fui inclinando a boca em direção a dele…. dei um beijo malicioso mostrando logo que de inocente eu não tinha nada.
Fomos os quatro pra casa do namoradinho da Joyce. Eu no banco de trás do carro com meu boy Márcio, que a essa altura já estava chupando meus peitos e a Joyce no banco da frente, sendo acariciada nas coxas e pepeka pelo Josias.
Josias morava com os pais mas ambos estavam viajando. Tínhamos a casa inteira pra nós. Percebi pelo jeito como a Joyce entrou na casa que aquela não era a primeira vez que ela estava ali…. estava totalmente a vontade.
Os rapazes foram a cozinha pegar bebidas e copos e Joyce sentou ao meu lado e colocou a mão sobre minha coxa dizendo: " prima, só faça o que te der vontade de fazer"
Os rapazes voltaram e colocaram as coisas em cima da mesa de centro…. os dois se olharam e pararam na nossa frente com as picas duras saltando de suas bermudas.
Eu avancei primeiro com a boca na pica do Marcio. Passei a língua na ponta da glande em movimentos circulares e de baixo pra cima até descer por toda a base do pau e subi lambendo…. abri bem a boca e fui deixando aquele pau grosso e cabeçudo deslizar garganta abaixo. Eu queria impressionar com minhas habilidades de boqueteira tanto meu boy quanto minha prima. Eu virava o rosto olhando pra ela e sorria pra ela enquanto saboreava aquele cacetão gostoso.
O pau do Josias era o maior, mas o Márcio era o mais safado… foi ele que me disse: " Dá um beijinho na priminha, dá, putinha gostosa?!"
Eu olhei pra Joyce que punhetava o Josias e tocava seu próprio seio…. ela já veio com a boca em direção a minha e me deu um delicioso beijo de língua e as mãos dela logo se encaixaram nos meus peitinhos rígidos.
Os dois ficaram nos olhando e incentivando a gente a se descobrir mais e mais. Eu escutei um deles dizer: "Chupa o peito dela!"….
Eu chupei aqueles peitos com vontade…. amassava, lambia, roçava meu rosto neles…. empurrei ela suavemente para que deitasse no sofá e, eu de quatro, fui abrindo suas pernas…. sua pepeka cabeludinha estava encharcada…. comecei a chupar seu grelinho e passar a língua em toda extensão de sua pekeka…. Josias enfiou seu pau na boca de Joyce e Márcio começou a chupar meu cuzinho ( já tinha o avisado que era virgem e que só dava o cu).
Joyce começou a gemer mais alto…. ela tinha gozado na minha boca. Senti sua pepeka pulsando e seu gozo alagando minha boca.
Só parei de chupa-la por que na posição que eu estava não dava pro Márcio comer meu cuzinho…. eu coloquei os braços sobre o encosto superior do sofá e empinei meu rabo praquele cacetão gostoso entrar…. ele foi enfiando devagar e logo já estava em um ritmo frenético como um cão enrabando uma cadela no cio. Eu o incentivava a ir cada vez mais rápido enquanto eu tocava minha buceta com os dedos até gozar.
Olhei pro lado e a Joyce estava rebolando e sentando na caceta do Josias. A danada já dava a buceta.
Márcio tirou o pau do meu cuzinho na hora de gozar e derramou seu leitinho sobre minha bunda e costas…. assim que ele saiu de cima de mim eu fui chupar os peitos da Joyce que se sacudiam hipnoticamente enquanto ela cavalgava na caceta do Josias. Ele tirou o pauzao da buceta dela pra gozar nas nossas bocas. A porra que derramou no rosto da Joyce eu lambi com prazer. E não podia deixar passar a oportunidade de lamber um cacetão daqueles…. lambi o pau do Josias da cabeça até a base e olhei nos seus olhos dando uma piscadinha sacana dando sinal que ainda ia querer fazer muita putaria com ele….
(Continua….)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,78 de 9 votos)
Loading...

Por ,

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos