Aventuras com minha prima Joyce – parte 3

Autor

Eu, Joyce (minha prima) e Rodrigo (padrastro de Joyce) tínhamos o "rabo preso" uns com os outros. A única que não sabia de nada que acontecia naquela casa, era minha tia. Trabalhava a noite e, quando estava em casa, estava sempre deitada descansando e sempre indisposta.
Agora que eu sabia do segredo da Joyce e do Rodrigo (Contei na segunda parte do conto), eles já não escondiam mais o tesão que tinham um pelo outro na minha presença. Se beijavam na boca, trocavam carícias, ele dava tapinhas no rabo dela quando cruzava com ela pela casa…. pareciam o verdadeiro casal da casa.
Era a penúltima noite que eu ia dormir na casa de minha tia antes de voltar pra minha casa…. lembro bem que acordei no meio da noite com vontade de fazer xixi e percebi a ausência da Joyce no quarto. Na volta do banheiro eu fui na pontinha dos pés até a porta do quarto de minha tia e colei a orelha na porta na expectativa de ouvir alguma sacanagem…. e ouvi.
Confesso que a princípio imaginei que houvessem mais pessoas no quarto além da Joyce e do Rodrigo, mas percebi que aquelas vozes vinham da tela do computador. Os dois estavam assistindo vídeos de sacanagem, mas não era putaria comum, era algo muito peculiar.
Eu ouvi uma voz masculina e adulta perguntado: "De quem é essa perereka apertadinha?" E uma voz infantil respondeu em tom trêmulo e aparentemente sentindo dor: "É sua papai". E os questionamentos continuavam:
-"Gosta quando o papai enfia a piroca na sua perereka?"
-"Gosto papai.
-"Diz pro papai onde você quer leitinho?"
-"Na boca, papai"
– "Fala mais alto, papai não tá ouvindo"
-"Quero leitinho na boca, papai"
Não consegui ouvir a voz da Joyce, mas ouvi os urros do Rodrigo gozando e foi quando eu andei ligeiro para o quarto e deitei…. alguns minutos depois a Joyce chegou e deitou.
Eu fingi que me acordei no momento que ela se deitou na cama do meu lado e perguntei:
– Onde tu estavas?
– No quarto com o papai. Ela respondeu.
Eu queria que ela me falasse sobre o vídeo então perguntei como quem não quer nada: "Tive a impressão de ter ouvido uma voz de criança mas acho que estava sonhando". Ela disse sem rodeios: "Não era sonho não… estávamos assistindo vídeos de insesto".
– O que é insesto? Me senti uma mobral perguntando, mas eu realmente estava ouvindo aquela palavra pela primeira vez.
– "Insesto é isso que eu faço com você, com o papai…. sexo em família, bobinha."
– "Tá Joyce, entendi…. mas o que eu ouvi foi a voz de uma criança…. isso não seria estupro?"
– "Seria se ela fosse forçada…. mas não é bem assim. Amanhã quando o Rodrigo sair pra trabalhar, eu te mostro alguns vídeos. Mas agora vamos dormir pois o pai me deu canseira."

No outro dia, minha tia estava dormindo como um urso no sofá da sala e eu indaguei a Joyce se ela não ia me mostrar os tais vídeos. Ela me levou até o quarto da minha tia onde ficava o computador e abriu uma pasta de documentos cheia de videos…. ela desligou o volume pra titia não acordar, então só vou descrever as cenas que vi…. Um homem adulto chegando com uma menina de uns 7 anos em seu colo e deitando a em uma cama. A câmera tava fixa no canto então ele abriu as pernas dela e deu uma mexidinha na câmera pra se certificar de que estava pegando o ângulo certo. Ele lambe a pepekinha lisinha, chupa e cospe enquanto vai metendo o dedo…. depois abre a bermuda e vejo um pau mole e não tão grande saindo. O sujeito aparentava ter uns 40 anos e tinha uma barriga saliente. Ele levanta a menina e puxa sua cabeça em direção a seu pau. Ela era magra, morena, cabelos encaracolados e escuros e não tinha nada de seios… A menina começa a lamber a cabeça do pau e chupa-lo com uma certa habilidade. Ela olha pra cima o tempo todo como se estivesse fitando os olhos do homem e esperando o seu comando. Então ela cospe no pau e espalha a saliva com sua mão pequena.
Ela se deita na cama com as perninhas pra fora da cama. O homem abre as pernas delas e as puxa pra beira da cama…. ele olha pra câmera e começa a enfiar devagar seu pau na xoxotinha da criança. Percebo o sorriso sacana em seu rosto. Já a menina, fecha os olhos e fica imóvel. Consigo perceber que ela sente um desconforto, dor e o adulto olha para seu rosto e sorri com um ar de sádico acelerando os movimentos. Depois ele tira o pau de sua xoxotinha e a coloca de quatro. Ele chupa e lambe seu cuzinho depois cospe e vai enfiando o dedo. Vai alternando entre lamber o cuzinho e enfiar o dedo. Finalmente ele enfia o pau no cu da menina e a segura com força de modo que os joelhos dela até levantam da cama de tão leve que seu corpo era. Ele soca naquele cuzinho com vigor por algum tempo, depois tira o pau e abre o cuzinho da menina em direção a câmera. O cuzinho estava arrombado e bem vermelho e de lá começou a escorrer porra, uma porra grossa e em boa quantidade.
Estava tão atônita com aquela novidade que não me dei conta que a Joyce estava se masturbando ali do meu lado. Eu estava molhada, muito molhada mas não tive reação de nada. Nem mesmo quando eu vi ela se retorcendo ao gozar em seu próprio dedo.
Ela estava suada, ofegante e sussurrando me chamou pra ir pro seu quarto…. eu fui na frente enquanto ela desligava o computador.
Já estava sem calcinha em cima da cama quando ela entrou e fechou a porta. Abriu minhas pernas como uma tarada louca dizendo: -"De quem é essa buceta cabaçinho?Diga que é da mamãe aqui!"
E eu entrei na onda: "É sua mãezinha querida."
Ela continuava: "A mamãe vai te ensinar como se chupa uma buceta direitinho, a mamãe vai te ensinar tudo o que vc precisa saber".
De repente ela começou a chupar meu grelinho de uma forma intensa e começou a dizer "Goza na boca da tua mãezinha!". Não demorou muito e eu gozei forte. Tive que segurar a boca pra não gritar de prazer.
Ela veio com o rosto e boca melados me beijar dizendo "Prova do teu meu, minha bebê."
Depois da sacanagem eu disse a ela "Tu és muito louca, sua puta safada". E ela com um sorriso sacana, respondeu: "Tu não fazes a mínima ideia de quanto….".
(Continua….)

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,30 de 10 votos)
Loading...