Viadinho do parque – Lek delicioso – PARTE 2

Autor

Continuando.
No dia seguinte acordei com muita vontade de comer o muleque novamente. Só de lembrar daquele corpinho pequeno e frágil engolindo meu cacete, meu tesão vai a 1000.
Tomei um banho e saí para o parque. Fiz uma caminhada e me sentei no mesmo local que tinha visto ele no dia anterior.
Esperei bastante e já estava desistindo quando vi um grupinho de muleques chegando já fazendo bagunça. Ente eles estava o meu lek delicioso.
Estavam em um grupinho de 6 meninos. Entre eles vi que tinha até um menor ainda que o meu. Logo que me viram ali sentando, alguns recuaram e chamaram os outros. Acho que ficaram com medo do que vi eles fazendo no banheiro no dia anterior.
Resolvi segui-los e acho que acabei intimidando os maiores.
Logo saíram do parque e os vi subindo uma rua até sumirem do meu campo de visão.
Tomei uma água de coco e fui para meu carro.
Esperei uns 10 minutos e já estava pensando em ir embora quando vejo meu menino descendo a rua correndo, agora estava sozinho.
Abri a porta do carro e ele entrou rápido. Mal conseguia falar de tão cansado que estava.
– Nossa tio, achei que o senhor ia embora… desculpa eu não vir conversar com o senhor, é que os outros muleques ficaram desconfiados que eu dei para o senhor ontem.
– Calma meu amor… eu percebi que você ficou diferente.
Liguei o carro e saí dali rumo meu apartamento.
Aos poucos ele foi falando mais coisas que os meninos perguntaram. Ele negou que tinha transado comigo.
Ao chegar eu o abracei e nos beijamos. Liguei a TV e deixei o sim alto.
Peguei ele no colo e o levei até minha cama. O menino vestia uma bermuda de tacktel e uma camiseta. Quase rasguei a roupa dele. Deixei ele peladinho. O pintinho já estava durinho. Meu garoto é safadinho.
Chupei com carinho a pequena piroquinha. Coloquei até o saquinho na minha boca. Suguei cada pedacinho. Ele não goza ainda, mas já sente muito tesão.
Fiquei em pé e ele abaixou meu shorts. Meu pau saltou bem na sua carinha. Já estava todo babado. Vi ele cheirando, e logo colocou na boca. AHHHH que delícia. Sentir o calor de sua pequena boca chupando, sugando com carinho. Sua língua passando na cabeça do meu pau.
Deixei ele chupar até sentir que ia gozar. Não avisei desta vez. Segurei sua cabeça e pedi para engolir. Foram vários jatos na sua garganta.
Me deitei e ficamos trocando caricias. Toquei com meus dedos seu cuzinho. Para minha tristeza estava melecado. Virei para examinar e vi que tinha porra.
Fiquei chateado com isto. Quase desisti de comer aquele cuzinho gostoso.
– Caralho muleque, seu cú está cheio de porra…
– ahhh tio… eu tive que dar para os meninos…
– Quantos te comeram hoje ?
– 4
– Porra meu, seu cuzinho não vai agüentar tanta rola não.
Notei que ele ficou de cabeça baixa e triste. Resolvi pegar mais leve. É menino ainda. E vai saber desde quando ele faz sexo né ?
Levei-o para o banheiro e dei um banho nele. Lavei bem o cu. Coloquei o chuveirinho e deixei a água quente tirar toda a porra que tinha lá dentro. Ao terminar ele sem eu pedir chupou meu pau que estava meia bomba. Senti meu pau endurecer na sua boquinha. Só quem já fez isto sabe como é bom.
Ficamos quase 1 hora no banho. Os puritanos de plantão podem me criticar, mas o menino gosta mesmo de sexo. É um viadinho infantil. Isto é comum hoje em dia.
Com muito tesão fomos para a cama.
– Deita tio, que vou fazer do jeito que eu gosto – falou o pequeno.
Me deitei e ele me chupou mais um pouco. Segurou meu pau e veio sentando de frente para mim. Vi sua carinha de alegria ao sentir meu pau penetrando sua bundinha.
O muleque cavalgou igual uma puta venha. E começou a falar coisas boas de ouvir, como me fode meu macho… aiii gostoso… goza… goza… me enche de amor.
Fiz o que ele pediu: Gozei muito dentro dele.
Depois de descansar um pouco o muleque ainda me chupou até ganhar outra gozada na boquinha.
Ficamos abraçados até ele adormecer.
Vi ali um menino pequeno, frágil e cheio de malícia. Deixei ele dormindo e preparei lanches para nós.
Acordei ele com beijos e o levei peladinho até a cozinha. Tomamos o lanche e conversamos sobre sua vida.
Ele foi estuprado por um padrasto quando tinha apenas seis anos. Ele ficou muito machucado e sua mãe ainda defendeu o cara. Entre outras coisas ela disse que o filho é que estava errado por ter deitado com o homem dela. Esta mãe é louca.
Passado alguns dias o padrasto estuprou novamente. Começou a estuprá-lo seguidas vezes na semana. Este homem tem várias casas no bairro e vive dos aluguéis. Como tem um pouco mais de condições financeiras, a mãe vê com naturalidade o que ele faz.
Até que um dia ele foi embora. Deixou a mãe morando em uma das casas sem pagar aluguel e se juntou com outra mulher.
Depois disto o menino começou a ir para o parque, outros meninos descobriram que ele fazia e começaram a comê-lo.
Ainda estou em duvidas se ele faz por prazer ou por ter se acostumado. Uma coisa eu sei, o lek é uma putinha na cama. Chupa melhor que puta experiente. Tem um cuzinho delicioso que agüenta tudo.
Na próxima continuação vou dizer como conheci a mãe dele, que entre outras coisas tentou me vender o menino e me ofereceu a filha novinha também.
Abraços a todos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,78 de 18 votos)
Loading...