Que campereada boa!

Autor

Comprei uns terneiros para engordar, e como meu campo é pequeno e já está lotado, arrendei um campo de um amigo, são 15 hc, e ficam no fundo de outro campo, tu vens pela estrada, entras numa porteira, passa pela casa dos donos, anda um kilometro mais ou menos e entra no campo, é um lugar lindo, plano, com um matinho no final onde corre uma linda sanga, uma água cristalina, pura. Geralmente nos sábados, eu vou lá para ver como estão os animais, dar sal, e ver a cerca, geralmente vou a cavalo, por que se precisar laçar algum para fazer um curativo, dar um remédio, a cavalo é melhor, numa dessas idas, estou lá lidando com os bichos, quando ouço uma barulhada de cachorros, olho, e vejo uns cinco cachorros que vinham correndo atrás de outro, que depois fui ver era uma cadela no cio, era uma cadela preta, linda, tamanho médio, aqueles cachorros e a cadela se vieram para o meu lado, eu desci do cavalo, peguei uma soga embaixo dos pelegos, e chamei a cadela que se veio faceira para o meu lado, fiz uns carinhos nela e coloquei a corda no pescoço dela, os cachorros ficara por ali arrodiando, e eu puxei a cadela em direção ao matinho pois eu estava perto, ela não opôs resistência veio a trote do meu lado, meu pau esta hora já estava a mil, duro que era um aço, a bombacha parecia uma barraca, entrei um pouco no matinho, atei a cadela num galho para não fugir, e tirei a roupa, fiz uns carinhos na cadela enquanto ela dava umas lambidas no meu pau, fui para trás dela, examinei aquela buceta carnuda, inchada, acho que algum cachorro já tinha fodido.dei uma cuspida na entrada e tratei de colocar a piça que esta hora já estava inquieta, encaixei a cabeça na entrada e empurrei, deu uma trancadinha no canal, e se foi, a piça sumiu para dentro daquela buceta, os beicinhos ficaram esticados contra meus pentelhos, comecei uma foda lenta sentindo o prazer de cada fincada, a cadela baixou a cabeça, ficou meio de boca aberta, e não se mexeu, quando senti que ia gozar, acelerei as fincadas, depois enterrei fundo e jorrei muito leite para dentro dela, gozei, deixei a piça sair por conta, ficou escorrendo um leitinho daquela buceta quente gostosa, ela lambeu minha piça, deitou e ficou lambendo a buceta., como era um dia quente, entrei na sanga e me deitei na água deixando aquela água fria gostosa correr pelo meu corpo, fiquei bem relaxado, saí da sanga, olhei a cadelinha lá atada, deitada, eu sou fissurado por cadela preta, geralmente são mais quentes, e parece que gostam de foder com homens, a piça deu sinal de vida de novo, comecei a acariciar a cadela, ela levantou, entesou o corpo, torceu a cola para o lado e virou a bunda para mim, me oferecendo aquela doce buceta, mas eu queria diferente, queria um papai e mamãe, deitei ela de pernas para cima, com uma mão segurei a boca dela para não morder, com a outra encaixei a piça na entrada e meti, a piça entrou tranquila, sentindo aquele calor e aquela pressão gostosa que a buceta fazia, fodi com gosto, com prazer, com vontade, com desejo, a cadela estava tão tranquila, que eu soltei a boca dela para poder fazer carinhos nela, não gozei muito leite, mas senti mais prazer, urrei, gemi, me apertei contra ela. Fiquei um tempo parado até a piça mole escapar para fora, foi uma loucura de foda.
Me banhei mais um pouco, coloquei a roupa, soltei a cadela, que saiu correndo e a cachorrada de atrás, e eu saí caminhado com as pernas meia bambas, peguei o cavalo, dei mais uma olhada nos terneiro e fui embora, feliz, relaxado. Tenho voltado mais vezes lá, mas a cadela não encontrei mais, e agora já deve estar com cria, quem sabe uma hora dessas , ou quando ela entrar no cio de novo apareça por lá.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,82 de 11 votos)
Loading...