,

Pegando minha irmã no flagra

Há 3 meses Por 6 ★ 4.44

Quando eu tinha 16 anos, cuidava da minha irmã de 11, porque minha mãe trabalhava muito, saía de manhã e voltava de noite. A gente estudava na mesma escola e saía junto. Desde essa época, comecei a maliciar minha irmã que era tremenda de uma curiosa.

Eu sempre fui muito despojado, andava sem cueca, gostava de ficar pelado no quarto, dormia de cueca e sempre sem camisa. Até no inverno eu andava assim… Além disso, eu era muito desorganizado, minhas coisas ficavam espalhadas pela casa.

Eu não lembro do meu pai, porque faleceu em um acidente de helicóptero enquanto desembarcava, quando eu tinha 4 anos. O pai de Alice (minha irmã) não quis assumir ela e largou minha mãe assim que soube que ela tava grávida. Pra Alice eu era um pai e minha mãe confiava muito em mim pra cuidar dela.

Moreno, cabelo liso, alto e muito atraente, eu era muito desenvolvido, já tinha um corpo definido, pelos e até crescia barba, se eu deixasse ela ficava grande. Enfim, eu já tinha notado que Alice ficava me reparando sempre, quando eu tava de cueca, quando tava normal… Então, um dia quando chegamos da escola tirei minha roupa, coloquei um short de futebol de quando eu jogava e fui esquentar a comida. Então fui procurar Alice pra chamar ela pra comer, encontrei ela no meu quarto com minha cueca na mão. Fiquei escondido vendo o que ela ia fazer, então vi ela dando uma cheirada e colocando no lugar. Aquilo mexeu com minha cabeça de uma forma… Eu que tinha fama de pegador, mas na verdade tinha vergonha de chegar em todas as meninas que davam mole pra mim.

Daí passei a observar minha irmã sempre, ficava seguindo seus passos pra ver o que ela fazia mais. Descobri que ela ficava abrindo minhas gavetas pra cheirar minhas cuecas e meias lavadas, ela entrava no meu banheiro e cheirava minhas roupas usadas… Ao mesmo tempo que eu achava aquilo bizarro e estranho, no fundo eu tava gostando.

Um dia, fiz questão de pegar ela no flagra. Assim que ela achou que eu tava distraído, foi pro meu banheiro cheirar minhas roupas, fui atrás dela e peguei ela no flagra. Quando eu falei "Te peguei no pulo, Alice", ela jogou a roupa longe e tentou disfarçar, mas eu disse que tinha visto. Ela começou a chorar e pedir desculpas, então fiquei com pena dela, me abaixei e abracei ela. Falei que eu não tava bravo, não ia brigar com ela e nem contar pra mamãe, mas que era pra ela se controlar que tava ficando compulsiva já.

Mas Alice cada dia que passava ficava pior, teve uma época que ela começou a roubar minhas roupas. Então, ela avançou. Enquanto eu dormia de cueca, ela ia me cheirar e tentava tocar, mas acho que ela tinha medo… Teve uma vez que eu tava deitado na minha cama, tirando um cochilo, quando ela começou a cheirar na região do meu saco e deu uma apertadinha. Eu acordei e ela levou um susto enorme. Como era chorona, abriu a cara de novo e ficou pedindo desculpa. Então eu disse que aquilo tava ficando muito estranho, que era pra ela parar, senão eu contaria pra mamãe. Alice me deu um sossego, pelo menos eu acho que sim, fiquei um tempo sem flagrar ela.

Um dia, eu precisei sair da escola mais tarde por causa de um torneio na escola. Alice ficou me esperando um tempão, então fomos embora juntos como todos os dias. Eu estava mega cansado e suado, tirei a roupa, joguei pra um canto e tomei banho. Coloquei um dos shorts de futebol e deitei no sofá. Então quando fui me dar conta de Alice, fui olhar no meu quarto, e lá tava ela sentada com minha calça jeans, minha cueca e minha blusa de uniforme na mão. Ela cheirava e eu podia ver sua cara de prazer, por mais estranho que eu achasse, eu tava gostando. Quando vi Alice levantando e colocando a roupa espalhada no mesmo lugar, voltei pro sofá e fingi que tava dormindo. Quando Alice viu, se ajoelhou ao meu lado e começou a me apalpar. Eu tava sem cueca, então abri as pernas de um jeito que o short folgado deixasse meu saco e pau aparecendo, só pra ver o que ela faria. Depois do susto, ela viu que estava tudo a mostra e enfiou a mão por dentro pra tocar. Alice tava tremendo, tava muito nervosa. Então quando ela tocou meu pau, ele deu uma pulsada violenta, e eu tentei me controlar, mas quando ela começou a tocar e alisar, não resisti e dei uma gemidinha baixinha. Acho que ela não ouviu porque continuou com a mão lá dentro. Então meu pau começou a subir e ficar duro, enquanto mais Alice tocava mais eu gostava, então deixei todas as barreiras de lado e fui permitir. Abri os olhos e antes que ela me percebesse, falei pra ela "isso ai Alice, continua porque tá gostoso". Alice ficou sem reação me olhando, então eu dei um sorrisinho safado e falei pra ela não parar porque eu tava cheio de tesão. Então Alice continuou, mas tava muito tímida. Tirei meu short e mandei Alice chupar meu pau, mas ela ficou com vergonha e tentou sair, mas eu agarrei ela e disse que agora era tarde demais, ela já tinha me deixado com tesão. Então mandei ela ajoelhar no chão e abrir a boca. Coloquei meu pau dentro e comecei a fuder a boca da minha irmãzinha. Alice tentava sair porque se engasgava, mas eu segurava ela e continuava. Antes que eu gozasse, tirei meu pau e sentei no sofá, puxei Alice pra sentar no meu colo de frente pra mim e comecei a beijar na boca dela que tentava retribuir sem jeito nenhum porque era bv.

Mandei ela tirar o short, mas Alice ficou com medo disse que era virgem. Então eu joguei ela no sofá e tirei mesmo com ela relutando, eu não ia comer ela a força, nunca faria isso, mas bati uma com meu pau na entrada da buceta dela, gozei muito, melei a buceta e a barriga dela.

Alice ficou com muita vergonha depois disso, parou de entrar no meu quarto, não olhava pra minha cara e mal falava comigo, não porque tava brava, mas sim porque tava com vergonha. Então, um dia enquanto ela arrumava a sala, agarrei ela e comecei a alisar ela. Ela ainda com vergonha disse que não queria, mas não resistiu quando eu beijei a boca dela. Joguei ela no sofá, tirei a roupa dela e comecei a chupar a bucetinha dela. Nunca tinha chupado uma, então foi uma delícia. Depois enfiei meu pau na boca dela e comecei a fuder de novo, até ela quase vomitar. Depois disso, peguei o creme de cabelo dela e passei dentro do cu dela, passei um pouco no meu pau e comecei a enfiar. Alice tava sentindo muita dor e pedindo pra parar, mas eu tava com muito tesão e continuei. Senti meu pau arrebentando todas as pregas do cu de Alice, que começou a chorar. Eu sem experiência alguma, não sabia como ser mais cuidadoso, então saí fudendo o cu dela e acabei esfolando um pouco o pau. No final, gozei lá dentro vários jatos de porra e ficamos deitados no sofá juntos. Por mais que eu tivesse machucado ela, ela ainda gostava de mim, e depois ainda queria me chupar de novo.

Depois de algumas semanas, Alice e eu começamos a transar quase todo dia. Ela viciou em dar o cu pra mim e aprendeu a chupar meu pau de um jeito que fosse com vontade. Então, um dia resolvi tirar a virgindade dela. Eu já tinha 17 e ela ainda não tinha feito 11… A gente já tinha tentado duas vezes, mas Alice sentiu muita dor e não quis. Então, um dia marcamos pra fazer naquele dia a noite. Enquanto minha mãe dormia no quarto dela no final do corredor, Alice foi pro meu quarto, eu já tinha pegado no sono, quando senti a mão de Alice alisando meu pau. Depois de termos lubrificado tudo, coloquei Alice pra cavalgar no meu pau, achava que ela ia sentir menos dor. Então ela foi indo devagar, mas sentia dor e saía. Então uma hora, vi que ela não ia conseguir de novo e acabei enfiando de uma vez. Ela deu um gritinho e se abraçou a mim pra chorar abafado. Eu fiquei acalmando ela e deixei meu pau lá dentro ainda. Quando ela acalmou, comecei a bombar devagar, e ela já tava sentindo melhor. Então enquanto Alice já estava cavalgando no meu pau, eu estava me deliciando de olhos fechados. Até que minha mãe abriu a porta e se assustou com a cena. Foi uma confusão…

Pois é, eu fiquei mega sem graça. Ela mandou a gente se arrumar e ir pra sala. Quando Alice saiu de cima do meu pau, tinha um monte de sangue, devia ser da buceta dela. Me limpei, coloquei um short e fomos pra sala. Eu nunca vi minha mãe naquele estado, nem mesmo quando o pai de Alice foi embora. Ela tava furiosa e decepcionada, ela confiava muito em mim pra deixar a casa em minha responsabilidade. Então ela deu um sermão enorme, nos bateu com a sandália, e disse que ia me mandar pra cadeia. Alice ficou chorando e eu não sabia o que fazer. Não sabia se minha mãe realmente faria aquilo. Ela me xingou de tudo quanto é coisa, mas depois a sós, me pediu desculpas e chorou muito.

Acabei sendo mandado pra casa da minha tia em um interiorzão. Lá eu trabalhava enquanto estudava e tentava esquecer do que tinha acontecido algum dia. Minha mãe ligava de 2 em 2 meses pra mim, mas nunca me deixava falar com Alice. Acabei arrumando uma namorada mais nova que eu 5 anos e fiquei por lá até ter dinheiro pra sair dali.

Hoje em dia, com 25 anos, eu moro em São Paulo (eu morava com minha mãe e Alice no RJ), não me relaciono com ninguém a não ser as menininhas do prédio e recebo visitas da minha mãe com Alice normalmente, também visito elas… Não faço mais nada com Alice, até porque ela não quis mais, vivemos normal como uma família. Atualmente penso em adotar uma filha pra me fazer companhia, mas não sei se vou conseguir.

Obrigado pela atenção, ficarei de olho nos comentários.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,44 de 27 votos)
Loading...

Por ,

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Ronaldinho

    Bom conto pena que não tem continuação kk

  2. Mapp

    Que merda, menina cheirando roupas intimas do irmão!
    Quem deve ter cheirado foi o autor dessa bobagem.

  3. Gostosao

    Eu transei com minha irmã essa noite passada foi gostoso mas agora nao sei como olhar para ela

  4. Papa filhinha c mamae crente

    Adoro o proibido me chamem
    [email protected], ainda mais me mãe e filhinha crente me chamem não vão se arrepender

  5. beto

    otmo conto
    cara tenho 2 filhas de 12 e 13 anos so sozinho consegui adota las
    voce consegue.
    meu email
    [email protected]
    fala comigo roberto

  6. Anônimo

    Ameiii o conto parabéns👏👏👏