,

Paguei uma dívida do meu marido

03-07-18 2 ★ 3.91

Sou casada há 18 anos com um empresário que nunca faz nada certo, isso sempre nos causa sérios problemas financeiros, estou hoje com 40 anos, sempre fui professora de educação física, por isso tenho um corpo muito bom para minha idade, sou realmente apaixonada pelo meu marido, mas os seus negócios errados sempre acabam nos prejudicando. O que vou contar aconteceu há dois meses. Eu tenho um primo, que é dois anos mais velho do que eu… Ele é careca e barrigudo e muito peludo. Seu nome é Marcelo
O Marcelo é agiota e havia emprestado um dinheiro para meu marido, vivia cobrando a ponto de ameaça-lo de que se não pagasse, ele iria mandar dar uma surra nele, fiquei apavorada, pois sabia que meu primo era um homem extremamente violento e vingativo e, por isso, fui falar com ele, adoro usar roupas curtas e provocantes, me sinto bem vendo que os homens ficam me olhando quando passo e, nesse dia em especial fui com uma minissaia jeans bem justa e curta, estava com as pernas bem bronzeadas e com os pelinhos todos dourados, um sapato de salto bem alto que fazia com que a minha bundinha ficasse bem empinada e uma blusa branca transparente com um sutiã da mesma cor.
É claro que eu sabia que o Marcelo, desde os tempos de adolescente, tinha uma queda por mim e, quando cheguei ao seu escritório, ele me recebeu e a me ver soltou um assobio e um sorriso maroto:
– Olha só minha prima, cada vez mais linda…
Deu-me dois beijinhos no rosto e pude sentir seu hálito de cigarro, pediu para que eu me sentasse em um sofá que havia na sala, cruzei as pernas propositalmente, deixando assim uma boa parte das minhas coxas à mostra:
-Quero falar sobre meu marido.
Ele fez uma cara de desdém e sentou na sua cadeira atrás da escrivaninha, acendeu um cigarro e disse:
-Você sabe que aquele traste do seu marido esta me devendo uma grana alta?
Balancei a cabeça afirmativamente e, durante a conversa, notei que Marcelo não tirava os olhos das minhas coxas, mas ele estava irredutível, sempre dizendo que se meu esposo não pagasse iria tomar uma surra daquelas, não conseguia tirar essa ideia da cabeça dele, foi aí que, como última tentativa, falei:
-Dinheiro, nós não temos, mas deve ter algo que ele tem e que você queira…
Eu, disse isso e abri delicadamente minhas pernas, o deixando ver minha calcinha vermelha rendada… Marcelo arregalou os olhos com a visão que teve, engoliu a seco:
-Será que não poderemos negociar?
Marcelo sem tirar os olhos da minha calcinha disse:
-É claro que tem algo que ele tem que eu quero….. aliás, quero muito…
Fiz-me de desentendida e perguntei:
-O que seria?…
Dessa vez voltei a cruzar as pernas esperando a sua resposta:
-Bem….. eu quero você!
Fingi espanto e perguntei:
-Mas, como assim?
Marcelo então se levantou e veio, calmamente, até onde eu estava sentada e me disse:
-Você sabe que eu sempre te desejei, olha como eu fiquei quando você me mostrou sua calcinha vermelha…
Ele alisando o seu pau, já duro, por cima da calça social que usava me espantei ao notar o volume…
-Sou uma mulher casada!…
Disse eu, encostando-me ao sofá… Ele deu um sorriso malicioso e disse:
-Você vem até aqui com uma roupinha dessas…, prima, fica mostrando-me as coxas e a sua calcinha e quer que eu acredite nisso…
Deu uma gargalhada e se afastou indo sentar-se novamente na sua cadeira…
-Mas se você não quer, acho que vou ser obrigado a mandar receber de outro jeito…
Fiquei olhando alguns segundos para ele e tomei coragem, me levantei e lentamente fui até à sua mesa, Marcelo ainda continuava alisando seu pau…
-Quem disse que eu não quero?…
Perguntei com uma voz sexy, me inclinei e toquei o seu pau por sobre a calça, Marcelo gemeu ao sentir o toque suave da minha mão e, pude sentir que sua pica era grossa e grande, bem maior que a do meu marido… Estava duríssima e pulsava como se tivesse vida própria.
Lentamente abri o zíper da calça do meu primo, sempre olhando para ele com aquele olhar de safada, coloquei a mão dentro da sua braguilha e agarrei aquele membro, Marcelo não usava cueca e eu pude sentir seu pau pulsar na minha mão e como era grosso, puxei para fora… Era enorme, mais de 20 cm e, bem grosso, com uma cabeça avermelhada que já estava toda melada, nossa, como era grande…
Realmente me espantei, não esperava que aquele homem sem atrativo nenhum tivesse uma jeba de cinema daquelas… Era linda e descomunal! Comecei a bater uma punheta bem delicada para ele enquanto dizia:
– Você vai ser gentil com a sua priminha?… Né?!
Ele sorriu com malicia e ficou em pé e, como eu estava debruçada sobre a mesa dele, sua rola ficou bem na altura do meu rosto, passei a língua por aquela cabeçona vermelha e já senti o sabor do seu suco masculino… Enquanto isso continuava a tocar uma punheta bem de leve para ele e, lentamente, fui colocando aquela cabeça lisinha na minha boca e sugando…
Fiquei com ela dentro da minha boca enquanto acelerava a punheta e, Marcelo então, forçou o quadril para frente enterrando uma pouco mais daquela pica na minha boca. Quando chegou à metade, ela já batia na minha garganta, e eu a sentia pulsar dentro da minha boquinha.
Comecei a brincar com as bolas do meu primo, tirei o seu pau da minha boca e comecei a lamber todo ele, da base até à cabeça, depois o saco enquanto punhetava ele, cuspia no seu cacete e batia uma punheta mais forte… Isso arrancava gemidos dele…
-Você está gostando da minha chupeta?…
Perguntei enquanto não parava de punhetá-lo, Marcelo só fez que sim com a cabeça, estava todo suado, soltei então seu cinto e o botão da sua calça, o empurrei de leve para que ele sentasse novamente na sua cadeira, dei a volta na mesa e me ajoelhei à sua frente e voltei a lamber aquele pau duro como ferro, lambia e depois o colocava na minha boca até à metade, não conseguia engolir tudo, pois era muito grande.
Depois chupava as bolas do saco e punhetava bem delicadamente e isso, deixava Marcelo maluco… Fiquei em pé e levantei minha saia, ele quase teve uma coisa quando me viu só de calcinha, coloquei minha mão esquerda por dentro da minha calcinha e alisei minha boceta, já toda melada e, enquanto isso, com a mão esquerda, eu não parava de bater punheta para ele…
Tirei minha mão de dentro da minha calcinha e levei à boca dele:
“-Olha como eu estou meladinha…”.
Marcelo sugou meus dedos e sentiu o gosto da minha boceta, puxei a calcinha do lado e fui sentando lentamente naquela pica enorme, a senti invadindo minha bocetinha, até que toda ela estava dentro de mim, comecei a rebolar, enquanto gemia aaahhh…, ai…, aaaiiii…, gos…, gostosa…, aaahhh… gozei rapidamente, só ai comecei a subir e descer naquela pica, quase a tirava toda e depois a metia novamente dentro da minha boceta , não demorou muito e gozei novamente, saí de cima do Marcelo e me debrucei sobre a mesa ficando com a bundinha bem empinada, ele então veio, e arrancou a minha calcinha, e meteu a boca na minha boceta e no meu cuzinho, quando senti sua língua lambendo meu rabinho dei um gemido gostoso e disse:
-Aí não…, aahh…, aaahhh…, ass…, aaaííí…, assim eu não aguento…
Gozei novamente enquanto ele lambia meu cuzinho, resmungando:
-Mete cachorro… Mete bem gostoso, mete na sua putinha…, aaaííí…, delícia…, mete na, na…, aaahhh…, na minha boceta…, seu cachorro gostoso…
Gritei, e fui prontamente atendida, Marcelo me segurou pela cintura e começou a meter em mim com força, senti minha boceta arder devido as estocada dele, mas o tesão era maior, gozei uma, duas, três vezes, foi aí que ele disse:
-Quero gozar no seu cuzinho…
Tive medo, mas nem deu tempo, pois antes que eu pudesse falar qualquer coisa, sua rola gostosa já estava forçando a entrada no meu rabinho, me senti como se estivesse sendo rasgada ao meio, arrebentando minhas pregas, ele meteu a mão por baixo e começou a massagear meu grelinho, aos poucos os gritos de dor foram sendo transformados em gemidos de prazer e gozei mais duas vezes pelo cu com aquela pica grossa e grande, até que ele gritou que ia gozar e encheu meu cuzinho com sua porra quente e viscosa.
Quando nos recompomos ele me disse que meu marido não devia mais nada a ele e aí eu disse:
-Vou pedir para ele pedir mais dinheiro emprestado pra você… Adorei pagar a conta com o meu cuzinho…
Segurei o seu pau e continuei:
-Pode emprestar que eu serei a avalista…, e qualquer coisa, eu venho pagar…
Até hoje sou amante dele…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,91 de 22 votos)

,

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Tony Bahia

    Delicia de conto. Me deu vontade de ver a minha mulher nessa pica que deve ser muito gostosa. Depois eu chupava ela todinha. Com roludo desse aumenta a vontade de ser Corno. [email protected]

  2. passivo discreto de recife

    quero conhecer seu primo, pedir empréstimo a ele, e pagar mamando a pica dele todos os dias e dando o cu pra ele fuder bastante, [email protected]