,

O negão escreveu em minha bunda

08-07-18 Por 4 ★ 2.80

Continuação do conto “Cadela para o negão 2”.
No sábado logo cedo seu Pedro apareceu com um pacote de pão quentinho, Fernanda ainda dormia, conversamos um pouco, ele rodeou, notei que ele queria saber a minha posição do seu namoro com minha esposa. Perguntou a que horas Fernanda costuma acordar no sábado.
– Tarde, quando ela demora muito eu sei que ela está muito cansada, aí eu a acordo com uma massagem com óleo perfumado.
-Cadê o óleo?
Vai ser interessante, pensei. Entreguei para o amante de minha esposa o óleo para a massagem e guiei ele até o quarto. Fernanda dormia como sempre completamente nua e de bruços, acendi um abajur. Depois de tirar a roupa seu Pedro me entregou elas e o negão começou a tirar a cueca, tudo ficou em câmera lenta o negão enorme bem mais alto que eu pelado no meu quarto com a minha esposa dormido nua, comecei a imaginar o tipo de massagem que ele vai fazer, meu pau endureceu e eu ali parado olhando para ele, admirando seu corpo realmente ele é um homem musculoso pele negra, cabelos quase raspados. Me entregou a cueca e disse baixinho.
-Sai, me deixa sozinho com a minha mulher.
Ainda de pé lubrificou o pau com óleo e eu repare no tamanho que aumentava a cada segundo, vinte e cinco por sete, pensei no que a minha esposa havia me dito antes sobre o seu namorado. Despejou óleo dos ombros dela até o rego de sua bunda. Abriu o bundão da minha esposa e encaixou seu pau bem no meio deitando-se sobre ela. Acordou assustada e sonolenta presa embaixo do seu macho negro, falou.
– Salvador, quase morri de susto.
-Quer que eu saia?
-Não, nunca, seu lugar agora e aqui nessa cama… Tem uma coisa dura no meio da minha bunda.
-Prefere na xota?
Balançando a cabeça ela disse que sim. Ajeito o pau e meteu na buceta de minha esposa que se ajeitando na cama entre gemidos olhou para mim e falou para o seu salvado.
-Tranca a porta.
Olhando para mim ela falou.
-Sai daqui corno, hoje eu não preciso de você, olha o tamanho do piru do meu namorado.
Olhei para o negão com aquela coisa quase encostando em mim, já estava ali do meu lado me virou de costa me empurrando para fora do quarto e no final passou a mão na minha bunda.
Enquanto dobrava as roupas do namorado de minha esposa eu ouvi as risadas vindo do quarto.
-Você passou a mão na bunda do corno e pelo jeito ele gostou.
-É veado.
As conversas foram diminuindo e eu passei a ouvi gemidos seguidos de:
-Vai na buceta… Assim…. Caralho….
Eles ficaram no quarto a manha toda. Por duas vezes os gemidos pararam e as treze horas os dois saíram juntos do quarto com ele abraçando-a por traz com a mão cobrindo a buceta dela. Sentando na cozinha onde eu havia prepara a mesa para o almoço, ele nu com minha esposa também nua sentada em seu colo, ela mandou.
-Entra em baixo da mesa corno…. Em quanto agente almoça você limpa minha buceta com a língua.
Só que o pau dele estava meio duro encostado na buceta dela não tinha como não encosta o meu rosto ou a língua no piru preto dele, demorei para resolver o que fazer e fui puxado pelo cabelo e forçado a lamber o que tinha em minha frente. Seu Pedro chegou a cadeira para fara da mesa com minha esposa em seu colo agarrada em meu cabelo. Fernanda segurou o pau dele apontado em direção da minha boca e puxou mais ainda os meus cabelos.
-Isso meu veadinho chupa o piru do nosso macho. Eu vi você rebolando quando o seu Pedro passou a mão na tua bunda meu corno veado.
Minha esposa sentou em outra cadeira me deixando me em baixo da mesa, enquanto eles almoçavam eu limpava a buceta dela, o macho dela me puxou para eu lamber seu pau, eu recusei, não queria, então ele segurou minha cabeça com as duas mãos e esfregou o meu rosto em seu saco, assim que me soltou fui lamber a buceta da minha esposa que vazava porra.
Os dois assistiram TV na sala o resto da tarde, eu inventei uma desculpa para sair de casa não dava para ficar assistindo a minha esposa branca nua deitada nos braços de seu amante negro, namorando como um casalzinho com beijos na boca e caricias de ambas as partes. Com o meu pau duro eu estava doido para o seu Pedro ir embora, sei que a xereca dela está pronta para gozar no meu pau. Fui ao mercado passeei e por volta das cinco da tarde cheguei em casa. Eles não estavam, liguei para ela, mas ninguém respondeu. As nove da noite ela me liga dizendo que estava em uma festa de aniversário de uma aluna com o Magnifico Reitor do instituto e que depois ia dormir na casa da sua aluna, falou que me ama muito e que depois ela ligava e desligou. Esperei o domingo inteiro e nada, somente as vinte duas horas que ela chegou no carro do seu Pedro. Entraram, o amante dela entrou na minha casa me cumprimentou com um abraço cheio de intimidade.
– Valeu cara, sua esposa é uma mulher fantástica este fim de semana eu devo ter gozado umas quinze vezes….
-Quatorze, querido, oito na buceta, quatro na minha bunda e duas em minha boca….
Levantou o vestido e mostrou a calcinha cheia de porra e falou.
-Agora é a sua vez de gozar corno!
Eu não queria apesar de esta com o meu pau duro, mas com a ajuda do seu amante ela arrancou a minha roupa me deitando no sofá com meu pau apontado para cima cuspiu nele e me masturbou rápido e forte.
-Vai corno, goza logo…. esporra para mim…. deixa o meu namorado ver como é ralo o seu esperma….
O seu Pedro levantou a minhas pernas sentou no sofá e disse que sabia de que eu estava precisando, molhou o seu dedo médio na boca da minha esposa e enfiou no meu cuzinho.
-Que cu apertado…. Cu de moça….
Falando isso foi acelerando o ritmo com o seu dedo grosso e preto sem tirar de dentro. Com a mão da minha esposa no meu pau e o dedo do negão fodendo minha bunda, tive um forte e orgasmo. Rindo o seu Pedro falou que eu tinha gozado pelo cu também, e que o dedo dele estava preso que eu estava mordendo o dedo dele com meu cu. Sem para de me masturbar Fernanda falou.
-Eu e meu amante gozamos bastante hoje, agora eu quero ver o meu maridinho gozar muito também…. Enfia dois….
O negão molhou os dedos na minha porra e enfiou no meu cu, fundo e recomeçou com um ritmo bem rápido enquanto minha esposa me masturbava lentamente. Não demorou muito e eu gozei novamente. Fernanda beijou minha boca e disse para eu chupar o caralho do seu amante, eu disse que não então ela disse:
Ainda faltam três dedos, meu corninho prefere experimentar?
Eu disse que não e ela me colocou sentado no sofá, tirou a roupa do seu amante e segurando o pau preto, passou em meus lábios, falou para eu agradecer ao macho dela por ter comido a sua buceta e a sua bunda, mas o negão segurou minhas orelhas e falou.
-Não precisa, agradece chupando!
Assim pela primeira vez um pênis de um homem fodeu minha boca. Minha esposa colocou a minhas mãos no saco e nas cochas do macho preto e falou.
-Enquanto o negão mete na sua boca, faz um carinho no saco dele….
O piru do negão não chegou a endurecer totalmente, mas mesmo assim chegou com facilidade em minha garganta me fazendo ter vômitos duas vezes e na terceira corri para o banheiro e vomitei. Eles riram de mim, mas também incentivaram a tentar de novo sem me obrigar a nada. Fiquei feliz quando Fernanda me liberando desta obrigação falou na frente do seu amante que eu sou e sempre serei o seu esposo amado e olhando para o seu Pedro disse:
-Sei que vocês são amigos a muito tempo, nós confiamos totalmente em você a ponto de meu marido chamar você para tirar a virgindade do meu cuzinho, agora sou eu quem entrego o meu esposo para você, mas como dona de casa totalmente submissa e feminina, entre nós você pode mudar o nome dele, se desejar, e fazer com ela o que quiser desde que com discrição sem violências nem abusos envolvendo outras pessoas isso tem que ficar entre nós apenas.
-Claro eu entendi, mas não sou chegado a veado, mas vou pensar…. De repente deixo ele assistir e se masturbar olhando….
Minha esposa beijou a boca do seu amante agradecendo e falou.
-É por isso que eu gosto de você meu macho….
Sentaram no sofá e enquanto assistiam TV o negão deu a sua primeira ordem deixando claro que é o macho da casa a partir deste momento.
-Vai lá no quarto veste uma blusinha de puta, a menor saia da Fernanda que você encontra e um salto alto e vem rebolando essa bundona, limpa essa bagunça que você fez!
Não discuti baixei minha cabeça e fiz o que ele queria, enquanto deitada em seu peito Fernanda acariciava o saco do seu amante, sempre olhando para mim e quando eu olhei, ela apontou o piru preto grosso em minha direção como quem diz, vem chupar!
Naquela noite o seu Pedro saiu de lá cedo e nos dias que seguiram eu não tive mais notícias dele. Com as provas dos seus alunos Fernanda estava muito ocupada para pensar em piroca, foi o que ela me respondeu quando eu perguntei por ele.
Em um sábado logo cedo levei Fernanda para a escola ela daria aulas de recuperação para seus alunos, ao chegar em casa encontrei o seu Pedro na cozinha.
-Veste uma roupinha de puta porque o seu macho está em casa.
-Olha aqui, Fernanda não está em casa, e para de palhaçada que aqui você não manda nada não!
Falei bravo, mas na maior calma ele falou.
-Minha namorada me deu a chave da casa dela.
De repente agarrou meu pescoço me tirando do chão socando minhas costas na parede e bravo gritou comigo. Perdi o ar, quase desmaie seu Pedro arrancou minha roupa, tentei reagir tive o pescoço preso novamente e com tapas nos dois lados do meu rosto fui obrigado a tirar o resto da roupa que sobrou em meu corpo.
-Quando o seu macho der uma ordem você diz sim senhor! Você tem quinze minutos para vesti uma roupa de puta e servi o meu café! Para cada minuto a mais, deis chineladas na bundinha.
Tentei dizer que não, mas ele já começou a marcar o tempo.
Após o café que tomamos juntos na cozinha comigo vestido de putinha com uma saia curtíssima, top aparecendo a minha barriga com enchimento nos seios, flor na cabelo e maquiagem, fechando com uma sandália de salto alto, olhou para o relógio e falou.
-Você vai aprender a me obedecer, passaram quinze minutos são cento e cinquenta chineladas.
Me puxando pelo braço levou me para o sofá. Amarou minhas mãos no meio das minhas costas enlaçando em meu pescoço e levantou a minha saia.
-Que merda é essa? Você está de sunga? Eu te disse que na minha presença você é minha puta, tira isso.
Arrancou minha sunga, enfiou-a na minha boca e falou que hoje só iria me dar um corretivo que amanham ele vai ter mais tempo para brincar comigo. Colocou uma almofada pequena embaixo de mim lambeu e cuspiu no meu buraquinho rosa virgem, estava gostoso, cheguei a rebolar, mas logo em seguida ele deitou sobre mim e encaixando seu mastro preto no meu cu enfiou com tudo, mas a falta de lubrificação com o meu medo, fechei meu cuzinho. O filho da puta tentou, tentou várias vezes, sempre eu reclamava da dor ele me batia na cara puxando meus cabelos ou a minha orelha que ficaram bem vermelhos e doloridos. A cabeçona passou e eu gritei. Bombeou por poucos minutos sem penetrar muito, eu chorei de dor, cuspi a sunga que estava em minha boca para tentar respirar melhor o peso do negão em minhas costas somado a dor do meu cu, agora eu sentia dentro de mim e o meu rosto todo pegando fogo me fizeram gemer, no começo baixinho, mas bem rápido meu estuprador acelerou as enfiadas do seu piru preto na minha bundinha branca. Por um instante senti prazer em estar embaixo dele. Esporou dentro do meu cu e falou.
-Hoje eu tenho pouco tempo, amanhã eu prometo que a minha putinha vai gozar com meu caralho dentro.
Amarou minhas pernas juntas e levei uma surra com um chinelo havaiana e escreveu em minha bunda “eu estive aqui” e desenhou uma seta apontando para o meu cuzinho arrombado e sujo de porra.
No meio da tarde fui acordado por Fernanda minha esposa, eu ainda estava imobilizado, com os braços amarrados no meio das minhas costas e enlaçado em meu pescoço as pernas juntas, pelado com a bunda marcada, roxa das chineladas. Eu havia sido comido por seu Pedro que gozou dentro do meu cu. Desamarrando minhas mãos disse:
– Preciso tirar uma foto disso.
Riu bastante do que o negão escreveu em minha bunda, sentou-se ao meu lado no sofá e falou.
-Me conta como foi, senão eu vou chamar o seu Pedro para me mostrar.
Alisou minha bunda e enquanto eu comecei a contar ela enfiou o dedo no meu cu.
-Caralho ele gozou dentro.
Ela me perguntou, já que ele gozou no seu cu, se eu iria aceitar que o seu Pedro me comesse regulamente? Eu disse que sim, então ela falou.
-Está na hora de te revelar a verdade. O seu Pedro não é meu namorado, a mais de seis meses estou dando para o Carlos o Magnifico Reitor de onde eu trabalho, ele é branco tem um pênis de tamanho médio, sei que você vai perguntar isso. O seu Pedro me ajudou a entender que a minha paixão por negros não era minha e sim uma influência da sua vontade Jonas e do amor que eu sentia por você. Estou apaixonada pelo Carlos e sei que ele também. Compramos um apartamento que está todo mobilhado inclusive o quarto do bebê, é estou gravida dele. Trabalhamos juntos e quando estamos em casa ele me fode gostoso em nossa cama quente. Eu iria deixar você e simplesmente ir morar com o Carlos. Seu Pedro armou tudo para poder ti comer, ele diz que você tem coração de moça, vejo que ele estava certo.
Me deu um beijo no rosto eu disse a deus, quanto a mim voltei a trabalhar e toda semana sou surpreendido por meu vizinho negão e sempre que poço visito Fernanda limpo seu apartamento, gosto de sentir o cheiro da roupa suja dela. Chego cedo antes de seu marido sair e assim que ele sai eu corro para fazer o que mais gosto, lamber a buceta da mulher que amo cheia de porra fresca. Fernanda me disse que ele não liga ele sabe que eu não a comia ela quando éramos casados porque faria agora?
Essa é uma história real que eu fantasiei para marcar bem os fatos principais, mas é assim que sou, há quem diga que sou veado, gay, corno, sei lá?
Sou feliz porque amo pessoas que me amam como eu sou (Fernanda/seu Pedro (nomes fixistíssimos)).
Fim.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,80 de 5 votos)

Por ,

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Drear

    Gostei da serie parabéns

  2. John Deere,Matador de Veados

    Né veado(e corno ainda por cima)em vez de largar a vagabunda que te chifra,ainda arruma tempo pra dar o rabo e ficar com veadagem,sei…
    Cuidado,veado corno,se cruzo com você essa veadagem acaba na hora,vai achar que a pica do negão era só um palitinho que entrou no teu rabo,veado!

  3. Super_canalha

    É bem o desfecho que eu esperava, e nem por isso quer dizer q srja ruim, pelo contrario, eu descobri que quanto mais odio e mais identificação c o personagem vc tem ao ler um conto, vc eleva o limite do tesão por isso q amo e odeio os contos de corno bem escritos, são meus preciosos ^^

    • Japonês Pintudo

      Vc é um super_veado,isso sim