Hermafrodita do interior parte 3

Há 3 meses Por 8 ★ 4.75

Na minha última história contei sobre minha primeira transa a 3 e a primeira vez eu coloquei num cuzinho.
Eu estava com 14 anos e começou a crescer meus peitos. Aí começou meu sofrimento.
Meu pai pedia para minha mãe que amarra-se um faixa no meu peito, pois ele tinha tido um filho homem e fora as surras quando ele bebia. Minha mãe colocava a faixa bem apertada, eu sentia muita dor.
Eu passei a ficar todas as tardes na casa da Bia, nesse momento éramos namorados oficialmente. Ela sabia o que eu era, então ela tirava a faixa e eu ficava com os peitos livres.
Os pais dela nunca desconfiaram de nada.
Até então, eu nunca tinha feito anal com ela, mas numa tarde que ela pedido para chupar meus seios, que era um pouquinho grande, enquanto ela me chupava, ela perguntou:
–Mário, você tem vontade de por no meu cu igual você fez com a Lisa?
–Eu tenho. Mas eu não te forço. Eu sei que você nunca fez.
–Hum. Será que você vai virar mulher?
–Acho que não. Meu pai me mataria se as pessoas pensasse que eu resolvi virar mulher.
–Você sente vontade em ficar com algum homem?
–Eu nunca senti não.
–Ah sim. Quer tentar fazer por trás comigo hoje?
–Sim. Mas se seus pais chegarem?
–Ele foram para BH. Não voltam hoje.
–Ta. Mas se machucar você me fala.
Ela parou de me chupar, ficou de 4 para mim e eu comecei a acariciar sua bunda. Eu passei minha língua em volta do seu cu. Envie um dedo bem devagar, ela gemeu com dor.
– Podemos parar. Eu disse
– Não. Eu quero mais.
Eu enfiei meu dedo por completo. Ela gemeu e logo pediu que eu movimentasse. Eu coloquei mais um dedo no cuzinho dela e ia lubrificando com um óleo transparente que ela me deu.
Ela gemia muito com o contato. Até que ela pediu para que eu colocasse o meu pau.
Meu pau estava super duro pelo que eu estava fazendo, eu passei o óleo, tirei os dedos e comecei a enfiar de vagar no cu da Bia. Ela gemia e as vezes pedia para esperar até que ela começasse a mexer de novo. Eu senti um tesão enorme quando meu pai de 14cm entrou inteiro no cuzinho da Bia. Ela respirava fundo é tremia. Eu aguardei ela se sentir melhor. Ela pegou os travesseiros que tinham por perto e coloco embaixo dela. Ela conheço a se masturbar e gemer, e disse:
– Mário, estou com muito tesão. Me fode gostoso!!
Eu comecei a colocar e tirar do cu dela, eu fui indo cada vez mais rápido.
– você é maravilhosa, gostosa… Eu disse
– você também é. Ela me respondeu em meio a gemido
Eu não aguentei e gozei dentro dela.
– Você é delicioso, colocou o leite no meu cuzinho. Mas eu estou sentindo algo bem molhado na minha bundinha(ela tinha um bundão, isso sim). – ela disse
– Você sabe que eu não consigo me controlar. E sento tesão nos dois. – Fui tirando o meu pau encolido do cu dela.
Ela foi no banheiro e volto com uma nova ideia.
– Posso esfregar minha vagina na sua?
– Por que essa idéia agora?
– Curiosidade.
– Você acha que é lésbica?
– Não. Mas é com você, meu namorado.
– Está tarde. Meus pais…
– Eu ligo para sua casa e falo que você vai dormir aqui.
– Meu pai não vai gostar.
– Seu pai quer que você seja macho, se você estiver dormindo com uma garota, ele tenho certeza que ele não vai ligar.
Nós vestimos as roupas e fomos na esquina para ligar para minha casa. E realmente meu pai não se importou de eu dormir com ela.
Voltamos para a casa dela e ela me deu roupas dela para eu vestir.
–Bia, eu prefiro ficar com minhas roupas.
–Você tem que tomar banho. Não precisa ter vergonha. Eu vou gostar de ter ver vestido de garota.
Ela me puxou para o banheiro e tomamos banho juntos. Ela fez eu vestir as roupas dela para jantarmos. Foi desconfortável vestir calcinha e saia.
Depois do jantar, ela me puxou para o quarto dos pais. Me pediu para sentar na cama, colocou a calcinha de lado e começou a chupar minha bucetinha. Meu pau começou a dar sinais de excitação. Ela disse:
–Você já me comeu demais por hoje. Agora somos lésbicas.
Nessa hora eu entendi pq eu me queria de mulher.
Ela me deitou na cama, tiramos a roupa e ela chupava meus seios. Ela pediu para que eu abrisse bem a pernas e começou a esfregar a buceta molhada dela na minha. Quando nossos clitóris se tocava, nós gemiamos loucamente. Ela ficou o tempo todo por cima. Ela começou a tentar deixar minha vagina. Mas era muito fechada.
– Posso por o dedo no seu cu? – ela disse
– Não. – eu respondi
– Eu deixei você comer o meu.
– Tá. Mas devagar.
Ela lambeu meu cu. Eu confesso que eu gostei. Depois ela colocou lentamente um dedo cheio de óleo no meu cu bem devagar. Por fim, meu pau estava duro e eu pedia para ela fazer mais rápido do os dois dedos que ela já tinha colocado no meu cu. Eu anunciei que ia gozar e ela começou a chupar meu pai até gozar. Eu gozei farto na boca dela. Ela tirou o dedos do meu cuzinho agora um pouco arrombado e disse.
– Preciso de leite quentinho para dormir.
Dormimos nus na cama dos pais dela.

Passou algum tempo, nosso relacionamento continuava. Mas meus seios começava a crescer. Cada vez doía mais as faixas.
Um dia na minha casa, meu pai perguntou a Bia se ela aceitaria eu com eu era. Ela sorriu e disse para o meu pai que sim, porque eu era uma pessoa maravilhosa (nós 2 tínhamos um romance fora o sexo, mas eu vou pular essa parte.). Meu pai nunca se deu por convencido disso. Ele era um dos comerciários da cidade e não queria que o filho virasse uma mulher.
Como 15 anos, meus seios estavam grandes, não tinha mais como segurar. Numa noite, meu pai chegou em casa bêbado e me espancou me dizendo que o sonho dele era ter um filho e eu nasci uma aberração. Minha mãe gritava para que ele não me matasse, porque foi culpa dela eles não terem outros filhos. Meu pai tinha 2 filhas do casamento anterior e eu não as conhecia.
Minha mãe pediu para a irmã mais velha que eu fosse morar em BH com ela, a minha tia concordo, pois minha mãe temia que meu pai me matasse, pois ele começou a ficar muito agressivo comigo depois que comecei a ter seios.
Eu tive uma semana para me despedir da Bia. Ela me pediu que ligasse para ela e disse que iria me ver em BH quando os pais dela fossem para lá. Eles ia 2x por mês.
Eu chorei no ônibus enquanto viajava. Eu amava a Bia, porque ela sempre me aceitou como eu era, um hermafrodita.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 16 votos)
Loading...

Por

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. caio

    gostei muito do seu conto, sou de BH gostaria de te conhecer [email protected]

  2. Body.soul.heart

    Conto perfeitamente perfeito, como nosso parceiro disse, excitante porém triste, eei vc é perfeita (o) assim como vc é nunca deixe te dizer o contrário.

  3. Body.soul.heart

    Perfeita (a) assim como vc é ***

  4. Body.soul.heart

    Conto perfeitamente perfeito, como nosso parceiro disse, excitante porém triste, eei vc é perfeita (o) assumo vc é nunca deixe te dizer o contrário.

    • Body.soul.heart

      Assim como vc é. **

  5. Michelle

    Desculpe, mas não é uma parada que eu curto. Eu sou um homem preso num corpo feminino. Eu já me relacionei com homens, no geral era em forma de abuso ou estupro ou sob ameaças. Na minha atual vida, eu prefiro sexo só com a minha esposa.

  6. Yu

    Velho, amei seu conto, é triste mas ao mesmo tempo excitante <3

    • Michelle

      Sim. Ainda tem mais. Não foi fácil chegar onde eu estou agora.