Hermafrodita do Interior – parte 2

Autor

Como disse anteriormente, eu tinha transado com uma menina(vamos chamá-la de Bia) do ensino médio. Não começamos a namorar, mas transavamos 2x por semana. Depois de 1 mês, eu confessei ser hermafrodita. Ela não se importou e disse que só estava interessada no meu pau.
Passando um tempo, ela me chamou para fazer sexo a três, eu, ela e uma amiga no dela. No início, eu recusei pois eu não tinha muito intimidade com a tal garota, mas conversamos duas vezes depois disso e eu concordei.
Marcamos depois da escola na quinta feira na casa da tal menina, vamos chamá-lo de Lisa. Eu disse em casa que ia sair com alguns amigos para jogar futebol. Meus pais ainda me tratavam de Mário.
Eu e Bia nos encontramos no caminho e fomos juntos para casa de Lisa.
Chegando lá Lisa estava de calcinha e sutiã e disse que seus pais viajaram por alguns dias e que poderíamos ficar tranquilos. Ela tinha uns 17 anos.
Eu estava sem graça de ficar mais confortável e Bia me sentou no sofá e sento encima de mim me beijando. Eu comecei a fica excitado. Ela tirou meu short e cueca e começou a me chupar. Lisa se aproximou e perguntou se ela podia experimentar. Bia disse que sim e ela começou a me chupar.
– Bia, você não mentiu. O pai dele é cheiroso e gostoso. Diferente dos garotos sujos da escola.
– Sim. Ele é sempre bem limpinho. E também beija bem. Eu estava 4 meses sem fazer sexo quando eu decidi sair com ele.
As duas diviam meu pai na chupada e até beijavam na boca entre as chupadas.
– Meninas, eu estou quase gozando.
E minha buceta estava toda molhada.
Lisa: – Vamos para o quarto para comer a fuder!
Bia me puxou pela mão para o quarto dos pais de Lisa. Lá nós 3 estávamos completamente nus. Eu me deitei na cama e Bia sentou no meu pau com sua xoxota molhada e gostosa. Começou a kikar em cima de mim pedido para eu não gozar pois estamos sem camisinha.
Ela gozou e eu senti ela soltar seu gozo em mim. Lida veio para cima de mim com uma camisinha. Ao por a camisinha, senti perder a ânsia de gozar. Ela ficou de 4 e me pediu para fude-la assim. Eu comecei devagar como sempre fazia com a Bia.
Lisa: – Fode forte!!! Esse seu pau grosso tem medo? Me bate com força!!!
Boa começou a se masturbar rindo.
Eu comecei a ir mais rápido. Enfiava todo meu pau e sentia abrir o canal vaginal apertado dela.
Ela gemia como louca e eu batia cada vez mais forte na vagina dela.
– Eu vou gozar. Eu disse.
Lisa: – Ainda não. Come meu cuzinho.
Quando eu ouvi cuzinho, eu fiquei doido. Bia nunca tinha me sugerido isso. Bia ficou curiosa e veio ver de perto. Logo notei que ela nunca tinha feito.
Lisa tirou meu pai da sua buceta, tirou a camisinha, passou um creme no meu pau e no cu dela e colocou meu pau de frente ao seu cu.
Lisa: – Pode dizer. Está limpinho a sua espera. Só comece devagar dessa vez.
– ok.
Eu comecei a penetrar no cu dela, conforme ela gemia de dor eu parava e esperava para que ela dissesse que eu poderia continuar. Eu consegui por meu pau inteiro dentro do cu da Lisa. Ela pediu para ficar um pouco parado para se acostumar. Ela só tinha feito com pau fino.
Bia veio me beijar enquanto eu estava encravado no rabo de Lisa.
Eu comecei a estocar mais rápido quando ela consetiu. E acabei gozando naquele cuzinho apertadinho dela.
Passamos a tarde fazendo sexo, só não fizemos anal de novo. Lisa disse que não aguentava mais de uma vez.
Daqui a uns dias, eu escrevo a próxima parte. Meu celular está meio ruim. Espero que tenha gostado.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,94 de 17 votos)
Loading...