Experiência diferente

Autor

Nunca fui preconceituoso, e nem serei, cada um pode ser o que quiser, fazer o que quiser, é lógico observando os seus limites. Quando jovem, saia com muitos amigos nos finais de semana, ia para casa de alguns para papear, foi numa destas idas que conheci "Ronei" era um jovem com uma aparência feminina, cabelos negros longos, pele fina e clara, nariz muito bem deliliniado de a boca era bem suave. Sobrancelhas finas, enfim tinha a semelhança de uma mulher do que homem, no início estranhei, mas o que valia era bater papo com os amigos, um amigo me falou que ele era "afeminado" era o termo usado naquela época nos anos 80, numa noite ele estava lá na casa deste amigo, era chegado as irmãs deste, e num momento nos olhamos, ele sorriu de maneira suave, mas neste dia ele me chamou atenção, estava com uma camiseta Hering branca bem justa, um chorinho jeans bem arrochado, se movia com leveza, foi aí que notei que era portador de uma bunda maravilhosa, que muitas meninas não tinha. Tinha uma cintura fina com nádegas bem formadas, não tinha pelos no corpo, nem no torax, os mamilos eram eram grandes e parecia ter seios, ficávamos nos olhando, veio o carnaval 85 e nessas saídas nos encontramos, estranhei; estava de saronge é uma camiseta também Hering cortada pela metade no toraxe, não tive dúvidas era uma " menina e assumiu o no de Ronise " eu não usava cuecas, e foi neste dia que meu pau experimentou o meio das nádegas de Ronise, e no final da noite um cu quente e úmido, pois ela(ele) tinha passado hidratante, fui felizardo pois era virgem, quando chegou a hora encostei ele no muro de costas e com muito carrinho comecei a beijar sua nuca, segurei sua cintura, falei umas gracinhas no seu ouvido, foi então que impinou aquela bunda maravilhosa, levantei o saronge é pincelei meu pau várias vezes em seu cuzinho, no início foi difícil penetração era muito apertado e eu não queria machucado, ageitei minha rola na entrada do seu ânus, e com palavras carinhosas fui empurrando foi quando o guloso engoliu meu pau e o expulsou, empurrei novamente, era uma menina gemendo, foi aí que comecei a estocar cada vez mas, tendo cuidado com seu cu úmido e quente e macio, quanto mas eu estocava mas rígido ele ficava, meu pau parecia um pedaço de madeira, me perdi naquele pescoso cheiroso, nas curvas de sua cintura, no cuzinho que engolia até o saco, foiba melhor meia hora de minha vida. Foi quando ele (ela ) excitado falou para mim: " Goza enche meu cu de porra, goza amor" goza vai!…. então comecei a estocar com força e rápido, segurei ele por debaixo dos braços apertando carinhosamente, contra meu corpo, meu pau começou a pulsar porra, que delícia de gozada, ficamos abraços por alguns estantes, quando retirei de seu cuzinho meu pau ainda rígido, a porra escorreu por seu cu, descendo pelo seu saco e coxa, uma visão linda o cuzinho piscando sem controle, resumindo que noite……

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,88 de 17 votos)
Loading...