Dando pro Paulinho e pro irmão dele

Há 3 meses Por 1 ★ 4.60

Como eu disse no meu conto anterior, eu era muito amigo do Paulinho, frequentava a casa dele, éramos cúmplices até nas putarias, pois depois daquele dia no galpão, voltamos lá outras vezes prá foder com os garotos, e em outros lugares também. Queríamos era satisfazer o nosso tesão por picas, e satisfazer nossos amigos, que eram lindos, gostosos e pirocudos. Amava aqueles meninos…

Mas, um belo dia, estava eu na casa do Paulinho, e ele então me disse:

– Se eu te pedir uma coisa, vc não fica bravo comigo?

– Claro que não, o que vc quer?

– Deixa eu comer o seu cuzinho? Eu acho vc tão lindo, tão gostosinho, que fiquei com vontade de te comer, principalmente depois que vi vc dar gostoso prá todos aqueles moleques.

– Porra, mas vc não é bicha que nem eu? E quer me comer?

– Gosto de dar, e de dar muito, mas me deu vontade de te comer. Posso?

– Pode. Claro que pode. Afinal, eu gosto muito de vc, sua bicha lesa.

Paulinho sorriu, e me deu um beijo gostoso na boca, enquanto suas mãos deslizavam prás minhas pernas e minha bunda. Logo, sua mão entrou por dentro do meu short, acariciando primeiro a minha bunda, e em seguida, dedilhando o meu cuzinho, que já estava louco pelo Paulinho. Paulinho, depois do beijo, começa a tirar as minhas roupas, me deixando nu, e em seguida, fica nu tbm. Ao ver Paulinho nu, com o pinto duro, comecei a chupar gostoso o pau dele, que não era muito grande, mas era grosso e estava bem durinho. Mamei bastante aquela pica de 13 por 5 cms, e parei, pedindo pro Paulinho me comer, pois estava morrendo de vontade de sentir meu amigo dentro de mim.

Me posicionei de quatro, abri bem a bunda e senti Paulinho encostar o cacete no meu cuzinho. Ele então, começa a me penetrar bem devagar e gostoso, me fazendo gemer de tesão. Paulinho depois de sentir suas bolas encostarem na minha bunda, se debruça sobre mim, põe os braços por baixo dos meus, e começa um vai-vem cadenciado e muito gostoso, enquanto me beija o pescoço. Aos poucos, Paulinho começa a fazer um vai-vem mais rápido, mais firme e vigoroso, estocando com força seu pau no meu cuzinho, me fazendo delirar e gemer de prazer. Quando percebeu que ia gozar, Paulinho parou e pediu prá eu deitar de bruços na cama. Obedeci, e ele após colocar uma almofada por baixo de minha bunda, põe minhas pernas sobre os ombros dele, e me penetra de frango assado. Ao sentir seu pau entrando, gemi de prazer e tesão, sorri prá ele, fazendo ele me beijar gostoso, fodendo gostoso o meu cuzinho faminto. Enquanto Paulinho me fodia, eu comecei instintivamente, a acariciar as costas dele, gemendo e revirando meus olhos, cheio de tesão que eu estava em Paulinho. Ele, então, começa a bombar meu cuzinho mais e mais rápido, até cravar seu pau no meu cu e encher meu cuzinho com sua porra quente e gostosa. Satisfeito, olhei prá ele, sorri e lhe dei um beijo gostoso, no que fui correspondido com muito amor e carinho. Paulinho se deitou sobre o meu peito, sem tirar o seu pau de dentro de mim, e eu fico ali, acariciando seus cabelos, até que adormecemos assim…

Acordamos, e mais uma vez, beijei Paulinho e fui prá casa todo feliz pela foda que dei com ele.

Depois disso, sempre que podia e tinha oportunidade, nós fodíamos gostoso, dando vazão ao nosso tesão e porque não dizer, a nossa paixão. O tempo foi passando, e fiquei amigo do irmão dele tbm, o Zinho, que na época tinha seus 37 anos mais ou menos. Zinho era um cara trabalhador, honesto, acima de qualquer suspeita, e como eu, curtia rock. Tanto que quando eu ia na casa de Paulinho, Zinho fazia questão de colocar na vitrola discos do Raul Seixas, do Legião Urbana e outros mais prá eu e ele ficarmos ouvindo. Várias vezes, sem malícia, eu me deitava na cama de Zinho prá curtir a música que estava tocando e ficávamos ali conversando sobre vários e vários assuntos. Não percebi que o Zinho me olhava com interesse e desejo, me cobiçando, me querendo… O tempo passou…

Uma bela noite, eu estava na janela do quarto de Zinho, olhando a rua, distraído, quando o Zinho disse:

– Não se mexe, fica parado. Fica assim mesmo.

Pensei que era algum bicho, ou mesmo o cachorro dele que havia entrado no quarto. Zinho, então, se aproximou de mim, abaixou meu shorts, e deu um beijo em cada nádega minha. Em seguida, ele abriu minha bundinha carnuda e gostosa, e começou a lamber gostoso o meu cuzinho. Lambia, enfiava a língua, passava no meu cuzinho, tornava a enfiar. Tanto tesão eu sentia, que cheguei a ficar na pontinha dos pés. Zinho, então, me pegou no colo e me colocou de quatro na cama. Fechou a chave a porta do quarto, e pôs o pau na minha boca. Chupei gostoso o pau dele, lambendo com tesão e desejo toda a pica dele, depois as bolas, uma de cada vez, bem gostoso. Zinho, então, se posicionou atrás de mim, pedindo prá que eu abrisse bem a minha bunda prá ele. Obedeci, e ele encostou a cabeçona da pica dele, e foi forçando bem devagar, talvez com medo de me machucar. Cheio de tesão e desejo, ao mesmo tempo que ele forçou prá frente, eu empurrei prá trás, sentindo o cacete entrar bem gostoso no meu cuzinho faminto por aquele pica gostosa. Dei um gemidinho, rebolei na pica dele prá encaixar gostoso e pedi: – Me fode bem gostoso.

Zinho, se debruçou sobre mim, passando os braços por baixo dos meus, e começou a estocar com tesão e virilidade o meu cuzinho sedento daquela pica gostosa. Enquanto ele estocava o meu cuzinho, eu gemia, delirava de prazer, me sentindo totalmente preenchido por aquele macho gostoso.

– Quando sentir que vai gozar, me avisa, que vou mudar de posição, prá vc gozar bem gostoso.

– Tá bom, meu gostosinho, tô adorando foder esse cuzinho.

– Sempre que sentir vontade de me comer, é só pedir, macho gostoso.

– Cuzinho apertado, gostoso e quentinho. Melhor que boceta de mulher – ele disse, beijando meu pescoço.

Em dado momento, ele parou e tirou o pau do meu cu, e eu me deitei de barriga prá cima, pedindo à ele que colocasse uma almofada embaixo da minha bunda, o que ele fez. Em seguida, abri meu cuzinho, pedindo que ele me penetrasse. Ele me penetrou, e eu coloquei minhas pernas em seus ombros. Zinho, então, começou a me foder mais gostoso ainda, e eu comecei a sentir mais e mais tesão naquele macho gostoso que me fodia. Comecei a acariciar as costas dele enquanto ele me fodia, e ele começou a beijar gostoso a minha boca, com todo desejo e tesão. Zinho começou a estocar meu cuzinho cada vez mais, com mais intensidade, com todo o tesão. Então, ele beijou minha orelha e disse baixinho:

– Vou gozar, meu amor.

– Goza, meu macho gostoso, goza dentro de mim, até a última gota da sua porra.

– Tô gozaaaaaaaaaaaaaaaaaandooooooooooooooooooo.

Ele cravou com força e tesão o pau no meu cu, lançando jatos e mais jatos de porra quente dentro do meu cuzinho arregaçado e lambuzado. Zinho, então, me beijou e se deitou em meu peito, enquanto eu acariciava os cabelos dele, com ele ainda engatado com o pau duro dentro de mim.

Depois de um tempo, pedi prá ele sair de dentro de mim, pois eu precisava ir prá casa. Coloquei minhas roupas, dei um beijo nele e fui embora, com o rabo arregaçado e saciado de prazer.

Zinho e eu continuamos com nossas putarias por muito tempo, até depois dele se casar. Paulinho e eu tbm continuamos por algum tempo em nossas putarias, até ele se casar.

Como é bom foder gostoso…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 10 votos)
Loading...

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. John Deere,Matador de Veados

    Né veado,deviam estar atrás de mulher,você e o outro veado,ao invés de ficar na veadagem,é mais saudável,é normal e seguro,porque podem cruzar comigo,o titio Deere,vulgo Matador de Veados,e aí a veadagem acaba…
    Tá avisado,veado…