Carrinho de rolimâ – parte 2

Autor

Guilherme colocou uma porção grande de manteiga nos dois dedos e pediu para eu abrir a bunda do Biel e, enfiou com a ponta do dedo uma pelota grande de manteiga no cuzinho de Biel que foi pra frente com a dedada mas já não reclamou tanto quanto da primeira vez sem a manteiga Depois pegou mais manteiga e foi enfiando e passando em volta do cú e forçando o dedo aos poucos e para os lados, procurando fazer com que a manteiga entrasse de todo o jeito. Biel começou a reclamar que iria doer pois a rola do Guilherme era grossa, mas Guilherme já tinha pensado nisso e disse: meu primo como tem a rola mais fina, vai enfiar primeiro e depois eu, mas vamos fazer devagar e colocar só a cabecinha. Eu até tremi quando ouvi isso e minha rola babava tanto quanto a do Guilherme e eu me segurando para não gozar sem nem sequer ter enfiado a rola ainda naquele cú virgem. Guilherme foi até o meu ouvido e disse: hoje você vai quebrar seu cabaço e do cú dele, aproveita, mas vai devagar para não assustar o moleque pois depois é minha vez.

Guilherme abriu as bandas da bunda do moleque e eu passei mais manteiga na rola e fui introduzindo aos poucos e com muita resistência das pregas, mas enfiava e tirava, até que percebi que a rola foi entrando aos pouquinhos com os gemidos altos do Biel.

Depois de um tempo quando ele já gemia mais baixo, comecei a socar aumentando aos poucos, e a sensação era algo indescritível, coisa que eu jamais tinha sentido nem nas minhas punhetas diárias.
Como eu previa, não aguentei muito e falei que iria esporar e, tentei tirar, mas o Guilherme disse para eu gozar dentro, pois a sensação seria algo maravilhoso.
Fiz o que ele falou e quase desmaiei segurando nas ancas do Biel, que gemia muito e quando tirei, vi que ele estava com a rolinha dura de tesão.

Para que o moleque não desistisse e quisesse sair correndo, Guilherme foi logo se posicionando atrás e com aquela rola dura e grossa, foi introduzindo aos poucos no cú já sem algumas pregas e mais fácil da rola entrar devido a manteiga e a minha porra que escorria para fora.

Guilherme estava tão louco de tesão, que assim que a rola entrou, foi logo socando num ritmo louco o que fez Biel começar a gemer alto e tentar sair, mas Guilherme segurou com tanta força nas ancas do moleque que não tinha como sair daí até ele também esporrar, mas vi que a rolinha de Biel voltou a ficar dura.
Guilherme não aguentou nem 05 minutos e gozou urrando que nem um bicho naquele cuzinho, enfiando a rola ao máximo que podia e segurando com força as ancas de Biel que tentava se soltar mas não conseguia.

Quando ele tirou a rola, dava para ver o estrago naquele cú e depressa Biel levantou e correu para debaixo de um mato e começou a cagar, todo vermelho e com a bunda toda marcada pelos dedos do Guilherme.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,48 de 21 votos)
Loading...